sexta-feira, novembro 30, 2007

À PESCA!!!



Há seis anos que anda em bolandas uma piscicultura abusivamente construída em pleno sapal de Corroios, junto a uma ETAR. Não sei o que hoje tem a ASAE a dizer sobre isto, se é possível constrír uma Piscicultura junto a uma ETAR.


O facto é que a piscicultura existe, que o ecossistema foi destruído (a noticia foi aqui tratada )...que a Câmara mostrou a sua oposição, que os ecologistes mostraram o seu desagrado...mas a piscicultura está lá, junto á ETAR e destruindo um ecossistema!


Hoje, o ponto da situação em trabalho do "Margem Sul" poblicado no início deste mês, é este que passo acitar:

" Há seis anos a Câmara do Seixal embargou a piscicultura da Viveilis, que estava a ser construída no sapal de Corroios. Hoje a autarquia coloca novamente a questão à população, mas pende mais a favor do projecto. Os ambientalistas não entendem o que mudou e defendem que o sapal não pode ser destruído.

A construção de uma piscicultura no sapal de Corroios (Seixal) está novamente a ser discutida. Depois de embargada em 2001, a piscicultura da Viveilis, de 17,3 hectares, volta a ser equacionada. Ambientalistas contestam que a hipótese seja sequer levantada depois dos “danos à natureza já causados” e do projecto ter sido embargado (ver caixa).

O novo regulamento da Reserva Ecológica Nacional (REN), na qual o sapal se insere, “fez com que se revisse o projecto”, esclareceu Francisco Reis, da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional de Lisboa e Vale do Tejo (CCDR-LVT), durante um encontro com a população na passada sexta-feira. Segundo o responsável, “recuperar aquela zona para sapal tem um impacto ambiental maior do que acabar o projecto da piscicultura que já se começou”. A CCDR, a Direcção Geral das Pescas e Agricultura (DGPA) e o Instituto da Conservação da Natureza já deram parecer positivo ao projecto, faltando apenas o parecer da autarquia, que foi quem embargou a obra há seis anos.

O vereador do urbanismo do Seixal, Jorge Silva, diz que o projecto ainda terá de ser discutido na câmara e em assembleia municipal, mas adianta que “o que havia na altura que ditou a oposição do município ao projecto já não existe”, referindo-se ao facto da então Direcção Regional do Ambiente e Ordenamento do Território (DRAOT) ter dado luz verde à Viveilis sem o parecer da autarquia. “Ultrapassaram as competências da autarquia”, disse o vereador ao MS. O edil nega também que haja qualquer relação com o terreno que a Viveilis ainda não cedeu para que a obra da alternativa à EN10 possa avançar.

Ambientalistas contra “destruição de sapal
A posição da câmara confunde os ambientalistas. “Não existe nada de novo e há seis anos a autarquia ficou do lado da população contra a construção da piscicultura, não entendo o que mudou”, afirma João Morais, do Fundo para a Protecção dos Animais Selvagens e do Grupo Flamingo – associação de defesa do ambiente. Além disso, contesta o facto do projecto ser entregue a uma empresa que já desrespeitou antes um embargo municipal (ver caixa).

O ambientalista diz que “é pouco inteligente destruir as zonas de sapal que ainda existem no Tejo” e garante que “o que ali existe na zona está lentamente a recuperar sozinho”, sendo desnecessárias intervenções de recuperação. Jorge Cerejo, também do Grupo Flamingo, levanta ainda a questão da contaminação do sapal, onde existe uma ETAR, mas Lúcia Fernandes, da DGPA, afiança que a contaminação existente no local “só atinge os bivalves e não os peixes, pelo que não há risco”.

A população divide-se. De um lado os que vêem o viveiro de peixes como um bom investimento económico para o concelho, do outro os que acusam o projecto de destruir a área protegida do sapal. Há ainda quem gostasse de ver outros planos para a zona. “Lazer e turismo ambiental, com percursos de interpretação, seria uma melhor opção”, propõe Carlos Morais.

Lúcia Fernandes justifica a importância do projecto da Viveilis com “o défice de produção de pescado existente em Portugal”. A responsável lembra que a modernização do viveiro inclui novos e mais tanques, reservatório de entrada de água e duas lagoas de decantação. Com um investimento de dois milhões de euros (cerca de um milhão de fundos comunitários), a piscicultura, onde trabalhariam oito pessoas, produziria cerca de 150 toneladas de robalo e dourada por ano.


________________________________________________

foto_sapal2.jpg Polémica com seis anos
Em Agosto de 2001 a Câmara do Seixal embargou a obra da Viveilis, que já construía então uma piscicultura em 17 hectares do sapal de Corroios. A autarquia declara nula a licença passada pela DRAOT, que motivou o início da obra, e exige reposição do estado natural do sapal.

Em Maio de 2002 o Grupo Flamingo, grupo com origem num movimento cívico de defesa do sapal, é criado para denunciar o que se passava: a Viveilis havia ignorado o embargo da autarquia e prosseguido com a construção da piscicultura no sapal. Cinco meses depois, técnicos da Câmara do Seixal, acompanhados da GNR, procedem a um embargo coercivo das obras da Viveilis. O estado natural do Sapal nunca foi reposto e até agora não mais se havia tocado no assunto.

Cláudia Rocha Monteiro "

_________________________________________________

Nota de rodapé, o que não deixa de ser curioso é que o já chamado "Betoneiro-Mór do Reino" , o Vereador Jorge Silva , ex. operário da Sorefame, está em todas...


quarta-feira, novembro 28, 2007

GUETOS



Há dois anos a propósito da morte de dois jovens electrocutados nos arredores de Paris , alastrou por toda a França uma onda de destruição e violência sem precedentes. Hoje, dois anos volvidos o cenário repete-se, a propósito de um acidente de viação entre uma viatura da policia e uma moto do qual resultaram dois mortos.

O fenómeno não é novo, Portugal cometeu os mesmos erros , sobretudo nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto. A Margem Sul é hoje um cadinho de tensões sociais que é preciso acompanhar e enquadrar.

É preciso ir ao fundo do problema e questionar determinadas politicas sociais , nomeadamente de habitação que em vez de integrarem naturalmente segregam criando o potencial para um barril de pólvora poder explodir a qualquer momento.


O que hoje se considera ser erros urbanisticos poderiam na sua génese ser até experiências urbanas com cândidas intenções, foi pragmáticamente necessário construír para alojar , no caso de França, no pós-guerra, em Portugal na AML e AMP com a vaga do abandono dos campos para a cidade.

Hoje sabe-se já que as consequências dessas politicas urbanas artificiais, desses bairros sociais, são desastrosas, desintegradoras, racistas mesmo.

Se eram a única medida quando não havia habitação em quantidade suficiente, não o é hoje com as centenas e centenas de habitações devolutas de que nos fala Jerónimo de Sousa fazendo a síntese da Conferência da CDU sobre habitação (13/Nov/2007).


Estamos em desacordo com o secretário Geral do PCP quando neste aspecto considera urgente "Outro Rumo, Nova politica - ao serviço do Povo e do País", mas afinal, o que o PCP propõe é uma repetição dos mesmos erros, a continuação dos mesmos métodos, uma estatização que é demagoga e impraticável.

Salva-se destas propostas habitacionais da CDU as ideias, embora vagas , de reconversão e contenção urbana que seria bom Jerónimo de Sousa transmitir aos autarcas PCP + Verdes da Margem Sul , e considerar o estrito respeito e aplicação dos PDM em "solo urbano" , deduzindo-se que fora deste "solo urbano" não haverá lugar a urbanizações (?).

No entanto o mesmo documento ignora perigosamente as opções tomadas pelas autarquias.

Pior ainda, isenta-as de culpa (por omissão) e culpabilzação exclusiva "da politica de classe dos sucessivos governos PS e PSD" .

Deixa de ser omissão, para passar a ser embuste, quando refere que a politica de habitação foi transformada " numa coutada de negócios do grande capital, particularmente na sua componente associada ao crédito bancário" omitindo sempre o papel das autarquias na gestão urbana e na degradação do espaço , óbviamente tal só se compreende para isentar de crítica e responsabilidade as autarquias onde o PCP tem totais responsabilidades nos erros cometidos.

O mais grave é que (relembro que o concelho do Seixal é o que tem mais fogos em "comercialização" e que Sesimbra foi o que mais cresceu nos ultimos anos) o PCP considera que os desiquilibrios existentes - estar-se-á a referir aos condominios privados do Seixal? - a existência centenas de milhar de fogos devolutos, sem comprador, não à betonização descontrolada com excesso de oferta fomentada pelas autarquias, mas , mais uma vez, ao papão de uma suposta «"reserva estratégica" do capital» ...

Continuando ainda a pregar por mais construção pelo programa PER ou por mais habitação a preços controlados... enquanto defende e aí concordo que é antes necessário articular os 550 mil fogos devolutos com politicas de habitação social, as duas vertentes PER+Preços Controlados e Fogos devolutos é que parece incompatível porque antagónicas!

Afinal as propostas "Novo Rumo" do PCP, são afinal um Rumo antigo de Velhas politicas desajustadas no espaço e no tempo que nada aprenderam com erros urbanos como os aplicados em França e os quais os portugueses estão também a observar em directo, as consequências.

O TRIUNFO DOS PORCOS






O título português do livro do Orwell ( e edição brasileira é "A revolução dos bichos")sempre me pareceu desajustado em relação ao original, mais abrangente, "Animal Farm" , mas na literatura, como no cinema ou na politica os equívocos com os títulos e as ideias, representam muitas das vezes não mais do que uma
esquizófrenia colectiva e desajustada.

Do Orwell - um visionário acérrimo critico do totalitarismo - e desde livro, fica o célebre mandamento "somos todos iguais mas há alguns mais iguais do que outros" , nada mais verdade e nada mais hipócrita qando tal não é assumido por quem professa tal "religião".

Vem isto a propósito do post de ontem, do qual não resisto a citar mais um comen
tário lá deixado


"Na Margem Sul há hoje ,depois de três décadas de democracia um clima de perseguição, de ataque, e de defesa de um sistema que se tornou mafioso e que alastrou para as autarquias."

Subscrevo e assino a simplicidade e a lucidez da frase.
Esta é infelizmente a verdade quer queiram quer não!
O caricato no meio de tudo isto é que da parte do PCP nem um desmentido, nem uma prova do contrário, pensam eles que basta criar uma realidade paralela , uma margem-sul virtual do tipo
"second life" publicitada em orgãos próprios (Boletins municipais , Avante) e metida cirurgicamente na imprensa generalista e agora na de distribuição gratuíta para que o produto falso e fora de prazo se continue a consumir.

Entretanto apareceu com a Internet um novo meio e uma nova forma de comunicar, e até apareceram formas simples de o fazer, este simples meio que se chama blog , e isso destabilizou tudo.

Desesperados antes de comentar ou contrapôr ideias, os controleiros nomeados que passaram da rua ou do quarteirão para a leitura diária de vários blogues , vá de sistemáticamente pretenderem , não refutar o que aqui é escrito, mas a sua forma tentando por outro lado impôr ...o que aqui deveria ser escrito, das alterações climáticas à não denúncia de negócios e tráfico de influência, tudo questões que quer queiram, quer não , têm a ver ética e ambientalmente com o nosso futuro e com a sustentabilidade do nosso mundo.












Assim descambou uma vez mais , o tema de ontem, onde aqui analisávamos a enorme distância que vai da filosofia propagandeada pelo PCP e a prática nas suas autarquias , nomeadam
ente nesta margem esquerda do tejo gerida como se de uma região autónoma se tratasse, e descambou mais uma vez para os temas acessórios e de fuga à discussão e à realidade para inevitávelmente terminar com o anonimato na blogosfera, sobre esse tema , mão amiga deixou aqui a dica (clique) de uma excelente análise do tema.

Foram os info-controleiros, tão básicos intelectualmente quanto os caceteiros da minha rua dormir descansados pelo "dever cumprido" mas, a menos que daqui em diante a CDU entre com "Outro Rumo, Outra politica" para a margem sul, continuo a subscrever o anónimo mas nem por isso desprezivel comentário
:






"Na Margem Sul há hoje ,depois de três décadas de democracia um clima de perseguição, de ataque, e de defesa de um sistema que se tornou mafioso e que alastrou para as autarquias."

terça-feira, novembro 27, 2007

AUTISMO IRREAL - AUTOCRITICA NULA




Este fim de semana reuniu na Margem Sul , em Conferência Nacional ,o Partido Comunista Português, curiosamente num fim de semana onde se comemorava mais um aniversário sobre uma data de fundamental importância para a liberdade e para a democracia, o 25 de Novembro.

Se os ilustres comunistas tivessem in-loco um olhar crítico para a gestão que há trinta anos fazem da margem sul, seriam arrazadores , primeiro ao local aconselhado para estacionar as suas viaturas, o antigo parque técnico da Câmara do Seixal, o tal que está abandonado porque a autarquia se entregou nas mãos de um grande grupo económico e agora arrisca encher-se de betão .

Depois, o local onde a conferência decorreu, um Pavilhão Gimno-desportivo construído sem nenhum enquadramento e pior ainda, podem os comunistas ter observado como nas trazeiras do pavilhão se está a transformar um antigo montado de sobro em mais urbanizações e arruamentos.

Até porque para a A.M.do Porto, o PCP é muito critico, citando Ilda Figueiredo " Hoje, há duas características muito chocantes na Área Metropolitana do Porto – o caos urbanístico e a degradação e abandono do parque habitacional, sobretudo nas duas maiores cidades do Porto e de Gaia" .

Mas não o são, e as conclusões emanadas de tal reunião magna, são o costume... como o Programa – Portugal: uma
democracia avançada no limiar do século XXI – aprovado no XIV Congresso do PCP... olha para o que eu digo...não olhes para o que eu faço:

- Uma "Política (...) concretizada pelo grande capital financeiro e das grandes empresas de construção civil, nas suas múltiplas, variadas e complexas conexões, política que, simultaneamente, não responde às necessidades de habitação dos portugueses, particularmente daquelas classes e camadas sociais que são numericamente dominantes na sociedade, ao mesmo tempo que promove brutais excedentes de habitação (e também escritórios) que se encontram vagos, deixa degradar um número incalculável de fogos, muitos deles com características e interesse histórico, promove o endividamento das famílias e aumenta a nossa dependência financeira face ao exterior.

Políticas e orientações que são identificáveis na legislação sobre reabilitação urbana destinada a favorecer a intervenção do capital financeiro e mobiliário, abrindo-lhe uma nova janela de negócio e lucro, esgotada que quase está a construção para venda nas periferias
."

As palavras não são minhas a criticar a Gestão CDU de Almada, Seixal, Barreiro , Moita...não, são de Jerónimo de Sousa (J.S.) ou melhor, são-lhe atribuídas no site do Partido. Perante todas as incongruências e contradições, das revelações de mais esta reunião doutrinária, destinada a converter os já convertidos, nada de novo... e é pena, pois enquanto J.S. cospe para o ar e :

- "(...)Afirmou que os «trinta anos de políticas de direita e de recuperação capitalista dos governos do PS, PSD e CDS-PP comprometeram o desenvolvimento sustentado do país e deliberadamente desbarataram as possibilidades de construção de um Portugal democrático, independente e próspero"

... Esquece-se que no caso das autarquias da margem sul tem o PCP, no âmbito da CDU, sido ao longo de mais de trinta anos, correia de transmissão dos Bancos, dos Grandes Grupos Económicos e de interesses pouco claros, de tráficos de influência e de decisões que já hoje custam a quem cá habita
"o desenvolvimento sustentado" da região.

Mas é esse o vosso objectivo, não é? Ou são as contradições que abundam também no seio da gestão do PCP, mas são uma desculpa para os mediocres autarcas?

..."
Porque a habitação em Portugal «é bem o espelho das contradições, perversões e lógicas egoísticas e predatórias do capitalismo e das políticas de direita que lhes estão associadas», o dirigente comunista destacou ainda alguns dos problemas do sector, nomeadamente a «excessiva produção de habitações vagas/devolutas»." ... (in Avante)
_______________________________________________________

Como síntese da situação da margem sul, aqui deixo parte de um comentário assinado pelo leitor hkt:

"
(...) o PCP rendeu-se inquestionavelmente ao betão e aos seus encantos capitalistas.

As escolhas foram feitas, ao longo de mais de trinta anos, estão patentes, os problemas estão bem à mostra, não há forma de os esconder.

Em Almada, no Seixal, na Moita, em Setúbal... os problemas avolumaram-se... por outro lado, nestes e noutros municipios PC (os Verdes são ficção)o que está na moda são os condomínios fechados ao abrigo dos olhares da classe operária... mas os problemas estruturais esses continuam por resolver."

segunda-feira, novembro 26, 2007

GRAFFITI E DEGRADAÇÃO URBANA (4)


Esta é a varanda privilegiada para Lisboa, a melhor vista para o Rio Tejo, da Barra à Ponte Vasco da Gama...está ao cuidado da Câmara de Almada...mas quem manda ali? Pela imagem, é o vandalismo publico pois claro, convidativo ao cidadão cumpridor? Parece-me que não!

Outra vertente que esta discussão sobre o graffiti sempre arrasta por parte de quem nada faz para cuidar do ambiente urbano e se demite das tarefas que lhe competem, é a velha desculpa de que esta é uma forma de expressão urbana (democrática , de classe )generalisada e que traduz desenvolvimento e modernidade.


É MENTIRA!

Quer nos Estados Unidos quer na Europa (supostamente referências desta cultura urbana) os graffitis são combatidos com um sistema de limpeza e repintura das paredes, mais, há um controle policial de quem vandaliza o espaço publico , monumentos ou os equipamentos que são de todos, ou ainda a propriedade privada.


Há cidades que monitorizam esta actividade por meio de câmaras de video, mas o fundamental a reter é que há uma politica de não generalização deste vandalismo urbano, considerado como que um dos sintomas de insegurança das populações a cortar de raiz e a irradicar para evitar o crescendo dos seus efeitos.



Para terminar, o lado falacioso de que esta é uma expressão dos mais desfavorecidos...comparem o preço de um spray de tinta e uma tela e respectivas tintas, acrilicos, pastel ou carvão e veja-se o lado falacioso destas afirnações e o propagandistico que é Câmaras como a do Seixal de fornecerem superficies e meios para estes "pobres artistas" se exprimirem, armado-se Alfredo Monteiro num verdadeiro Médici suburbano protector das "artes" e dos "desfavorecidos".

domingo, novembro 25, 2007

GRAFFITI E DEGRADAÇÃO URBANA (3)


A reposição deste tema valeu de novo uma discussão acessória, a de o graffiti ser ou não arte.

Digo acessória porque não considero ser o cerne da questão. Há de facto alguns murais feitos com spray que denotam grande criatividade e destreza, é arte quando nos consegue para além da qualidade, transmitir e "dizer" algo, e isso é pessoal e intransmissivel.

A discussão ficaria neste campo se estes "artistas" actuassem como os demais, para além da obra criada, fornecessem o seu suporte fisico, mas o grave é que tal não é o caso, neste caso o suporte da obra é fornecido por um terceiro, que não tem a opção de dizer se está disposto a isso ou não.

Para além disso, dessa liberdade de ter uma parede "branca" (que também pode ser considerada uma expressão artistica!) , há o conteúdo da obra , se se gosta ou não, uma tela pode-se adquirir, tal como uma escultura, mas um graffiti é imposto!

Mas na maioria dos casos temos a tarefa facilitada, pois em "99%" dos casos não há ninguém que considere arte a matéria produzida, nem os próprios. Trata-se sim de marcações territoriais, marcações territoriais que são manifestações marginais de controlo de um determinado local ou de transmissão de capacifdade de aceder a determinado local, quer pela sua dificuldade , quer pela sua interdição.



São marcações ao nível da que outros animais fazem com urina , com fezes ou com outras secressões hormonais.

Mas o mais grave nisto é que a sociedade organizada, nomeadamente e sobretudo as autarquias deixam-se subjugar a este controlo territorial marginal , não defendendo os restantes cidadãos que têm de cohabitar com este tipo de "expressão territorial" a qual os intimida e inibe.

sábado, novembro 24, 2007

GRAFFITI E DEGRADAÇÃO URBANA (2)



A esmagadora maioria dos graffiters são um grupo de marginais que danifica de forma gratuíta o espaço urbano e não só.


Não se trata de uma expressão artistica de quem tem menores recursos como muitos pretentem ideológicamente fazer crer, um spray custa entre 5 e 10 euros, não é portanto por uma questão económica que o fazem, poderiam talvez utilizar esse dinheiro para frequentar museus ou exposições de pintura de forma mais enriquecedora e social e pessoalmente mais construtiva .

Depois como o video acima demonstra, e muitos outros, trata-se de uma forma de protagonismo que depois se põe on-line, como se de um troféu ou de uma conquista se tratasse.

sexta-feira, novembro 23, 2007

GRAFFITI E DEGRADAÇÃO URBANA (1)



Estamos práticamente a meio do presente mandato autárquico , nestes dois anos acentuou-se na margem sul a degradação quer do espaço ambiental, quer do construído de uma forma que começa a ser perigosa para o dia a dia das populações com um crescente aumento da insegurança e da criminalidade.

Nos espaços naturais o que vemos acontecer é assustador, antevê-se mais 72 hectares de pedreiras a céu aberto para o concelho do Seixal sem que se requalifiquem as saibreiras abandonadas e em exploração como aqui analisámos há dias, ao mesmo tempo, zonas ambientalmente privilegiadas como é a Flor da Mata viram arder mais uma vez grande parte da sua área, ser arrazada outra parte (duas faces da pressão urbana, para não dizer outra coisa) e ainda, mantém-se, quase um ano depois, o depósito em céu aberto das sobras das obras de alargamento da A2, sem que aquela zona de reserva agricola tenha sido reposta.

Quanto aos espaços urbanos eles estão cada vez mais degradados, há centenas de construção nova que não se vende, zonas antigas muito degradadas e desertas e por todo o lado encontramos quer nos espaços naturais quer nos urbanos uma forma de vandalismo urbano que alguns, incluindo autarcas, insistem em chamar de "uma arte de intervenção social" , a definição é do Boletim Municipal do Seixal nº445 .

As autarquias da margem-sul estão a proteger uma vertente urbano-depressiva em detrimento de espaços harmónicos, e de qualidade, continua a mesma publicação:

"Os graffiti tanto incluem mensagens de natureza reivindicativa como uma simples dedicatória. É um mundo que todos vêem, mas que nem todos são capazes de perceber.Há nos graffiters uma necessidade de marcar as paredes com a sua identidade, mesmo que dissimulada pelas linguagens que partilham entre si"

Devo reconhecer perante a publicação oficial do concelho do Seixal, paga pelos contribuintes que, sou daqueles que " não são capazes de perceber" que tenha de haver tolerância, e mais do que isso admiração e reconhecimento para quem de uma forma gratuita transforma o espaço que é de todos e que deve transmitir harmonia, numa banalidade agressiva , que incomoda e que transmite insegurança, que danifica propriedade privada e publica e que faz perigar a vida de outros, nomeadamante quando vandaliza sinais de trânsito ou informativos.

Se os autarcas , como os do Seixal são dos iluminados "capazes de perceber" o que a maioria da população não consegue e logo, não tem uma politica de limpeza do espaço urbano transformado em "arte urbana", ao menos não deveria utilizar meios publicos para promover essa minoria que transfora à sua maneira o espaço urbano , e muito menos fornecer tintas e festivais da dita "arte" , pelo menos enquanto da mesma forma não fomenta a recuperação do património histórico e construído da grande maioria dos que "não são capazes de perceber"!

quinta-feira, novembro 22, 2007

ALTA TENSÃO, MOVIMENTO CÍVICO ARRASTA CÂMARA DE ALMADA






Depois de alguma indefinição por parte da autarquia , arrastada agora , pelo que começa a ser um movimento popular com alguma dimensão, a Câmara de Almada assume finallmente estar ao lado da população na luta conta a linha de muito alta tensão em construção nos concelhos de Almada e Seixal.

Entretanto, moradores das zonas afectadas afirmam que, apoiados por um grupo de advogados a trabalhar sem custos para a população, avançará uma queixa em tribunal antes do final deste ano.

A população reivindica a alteração do traçado para zonas menos urbanas poupando zonas mais habitadas, como o traçado actual impõe e que afectará populações em zonas urbanizadas nas ultimas décadas.


Esta linha de muito alta tensão ligará as subestações de Fernão Ferro e Trafaria a partir de 2009, relembre-se que há conflitos idênticos noutras zonas do país, uma delas , Vale Abraão (Sintra) com uma decisão judicial que obriga a REN a pura e simplesmente desligar a rede.

quarta-feira, novembro 21, 2007

SEIXAL , A "ESCABROSA" INSENSIBILIDADE (2)



Será que com esta imagem da morte de uma criança, a Câmara do Seixal e a sua advogada entendem que o se trata no Seixal é disso mesmo, da morte de uma criança cuja responsabilidade moral e politica é da Câmara , e não de uma estratégia politica ou partidária?

O tema hoje até era para ser outro, mas o caso de ontem é tão asqueroso e indigno de uma sociedade desenvolvida que não resisti de voltar a ele, até porque a CDU, por toda a margem sul apela contra as injustiças.

Há um ponto prévio que se deve aqui separar:

- Antes de tudo a análise que aqui vai ser feita não é juridica mas humana. Depois , não considero nem ninguém considerará que a Câmara do Seixal seja responsável criminalmente pelo caso em apreço.

É óbvio que não há a intenção, premeditada de cometer dano ou perigar a vida humana, mesmo o funcionário tomado como culpado, considerá-lo-ia mais como o bode espiatório do que outra coisa.


Dou também de barato se, como é comum em obras publicas por esse país fora, o local estivesse mal assinalado, ou até que a tampa tivesse sido roubada minutos antes do acidente...











O A-SUL trouxe aqui há bem pouco tempo (na imagem) uma situação semelhante (clique) de caixas de esgoto ou de visita sem tampa na via publica junto à estação Fertagus do Fogueteiro, essas caixas estiveram sem tampa algumas semanas, até que depois de aqui denunciado insistentemente , foram tapadas vários dias depois...(previram que um acidente poderia ocorrer , ou seja, assumiram a responsabilidade de o prever não foi ?).


A questão a que a Câmara não pode fugir, a menos que possa provar que a criança foi assassinada e posta no esgoto, ou que intencionalmente tenha para lá sido empurrada, o que não aconteceu, logo só lhe resta assumir duas responsabilidades:

- A responsabilidade civil que nem deveria ter chegado a este ponto a ser atribuída, mas deveria há muito ter havido um entendimento com a familia.


- A responsabilidade politica, devendo ter o Presidente da autarquia assumido a responsabilidade do acidente e como representante eleito deveria tudo ter feito para acompanhar aqueles seus munícipes , não admitindo que sobre eles recaíssem sem prova as suspeições mais torpes e abusivas (algumas fazendo parte da estratégia da defesa da Câmara) .

Ora, não tendo acontecido nada disto, nem mesmo depois de condenada em tribunal e passados vários anos a autarquia assuma a minima responsabilidade no assunto escudando-se atrás de diligentes funcionárias/advogadas , formalismos e gravações, tudo isto, resume-se ao adjectivo proferido pelo advogado da familia (que poderia ser a de qualquer um de nós) :

" ESCABROSO !"

- O leitor deste post identifica-se com estes autarcas (clique) e com estas suas atitudes?

terça-feira, novembro 20, 2007

SEIXAL , A "ESCABROSA" INSENSIBILIDADE









O Presidente compra carro novo topo de gama, constroem-se novos Pacos do Concelho, pagam-se rendas avultadissimas ao Grupo A.Silva & Silva ...gasta-se milhoes em propaganda , mas a Câmara do Seixal continua , depois de condenada duas vezes, sem assumir as suas responsabilidades quanto á morte da crianca no esgoto. A noticia é de ontem do JN.


Cito:

Câmara contesta indemnização

A Câmara Municipal do Seixal recusa-se a indemnizar a família da criança que em 1999 foi encontrada sem vida numa estação de esgotos da Arrentela, depois de ter caído num esgoto sem tampa.


A sentença foi proferida no tribunal do Seixal a 17 de Setembro deste ano, depois da repetição parcial do julgamento, que, tal como o JN noticiou a 18 de Setembro, ficou a dever-se a falhas na gravação dos depoimentos de testemunhas."Esta sentença não foi senão completar uma regularidade de registo de prova", explicou ao JN a advogada do município, Paula Pinho, anunciando que o recurso foi apresentado "há dois anos", após a leitura da sentença a 13 de Julho de 2005.


Sobre a necessidade de repetir a audição de testemunhas, Paula Pinho frisa que "houve que sanar uma irregularidade para que o recurso interposto pudesse ir para a Relação".A advogada da autarquia recusa-se a avançar os argumentos apresentados. Contudo, segundo o defensor dos pais de Rogério Filipe, José Nóvoa Cortez, "a câmara pretende ser absolvida e, se isso não for possível, então que se baixe as indemnizações, que considera exageradas".


A autarquia descarta também quaisquer responsabilidades e alega "que não se demonstrou que a câmara as tivesse", adianta José Cortez. Este causídico esperava que houvesse um recuo do município depois da confirmação da pena.


"Estou convencido que é um recurso que não tem fundamento", afirma mesmo assim. "Isto é uma coisa escabrosa e ninguém pode ficar incólume", considera José Nóvoa Cortez. A câmara não está disposta a pagar a indemnização de 250.546,15 euros, acrescida de juros de mora, e espera agora pela decisão do tribunal de 2ª instância.


O tribunal do Seixal vai ainda apurar a validade do recurso, para que possa seguir para o Tribunal da Relação de Lisboa. Sandra Brazinha

segunda-feira, novembro 19, 2007

OS MR BURN's DO SEIXAL
















Os Simpsons são uma fantástica série de animação e humor, por vezes negro, quase sempre fantástico e uma brilhante compilação de sátira social e análise politica à sociedade ocidental em geral e americana em particular.

O humor é corrosivo e as situações por vezes a roçar o irreal.


No entanto, mais de uma década e centenas de episódios depois, os argumentistas não atingiram ainda o que se passa na vida real no Seixal.

Os argumentistas da série Simpsons ainda não atingiram o surreal de transformar o diabólico Mr.Burns , o sinistro proprietário da poluente Central Nuclear de Sprigfield
como líder de um grupo ecologista local.

O que tem isto com o real e com o Seixal?


Bom, é que no Seixal, é a associação dos areeiros (AEERPAS) que está constituída como" grupo ambiental" local , cujo lema é "Proteger a tempo o
ambiente" como já deve ter visto num dos muitos outdoors pelo concelho do Seixal.






Já aqui denunciámos várias vezes estes delapidadores-mor da paisagem do Seixal, e porventura de toda a margem Sul são responsáveis pelo cenário perfeitamente lunar ou marciano, como preferirem de toda a zona a Oeste da A2 entre Santa Marta do Pinhal e Foros de Amora e quase até à linha de costa.


Ali há de tudo, ocupando uma área imensa, areeiros em exploração, areeiros abandonados, lagoas cheias de liquidos não identificados, suspeitas águas entre o azul turqueza e o laranja, e o aterro sanitário.

Ou seja há uma completa anarquia na ocupação do espaço, a não reposição dos solos e da floresta na pós-exploração, um cenário sinistro e aterrador.


Como se tal não bastasse, como se a tal falta de vergonha que transforma os areeiros em "ecologistas" , com todo o apoio da autarquia, vem agora a noticia, discreta , de
que pretendem abrir uma nova área de exploração de inertes com a área de 78,2 hectares, alegadamente como o blogue Rumo a Bombordo informa, sem que a consulta publica esteja a ser publicitada ou sequer mencionada no Boletim Municipal ou no site da Câmara.

É mais um atentado grave ao Estado de Direito ao património ecológico e paisagistico da margem sul feito desta feita por um "grupo ambiental"e com o institucional apoio da autarquia.
Nem nos Simpsons!

Querem mais ? Esta até é muito gira , pronto, eu conto :

- É uma Associação com a distinção ... "Mérito Publico Municipal" !!! Mais ainda ? Pois, como pode linkar aqui (clique) , é um "partner" da Câmara do Seixal... e do "Seixal Saudável" , tanto quanto dá para entender...









Um ultimo desafio, tente encontrar informação sobre a actividade dos areeiros no Seixal e sobre a sua "associação ecológica" (fantasma?) , os seus corpos gerentes, as suas iniciativas, os seus projectos em prol do ambiente e dos cidadãos ("Mérito Publico Municipal) ... dir-se- ía agora que dos Simpsons tinhamos passado para o cenário do Sobrenatural...não é?

domingo, novembro 18, 2007

MILÉSIMO PRIMEIRO



Este é o nosso post 1001 hoje estamos mais crescidos (ver vídeo) !

O A-Sul por cá vai continuar! Obrigado a Todos!

___________________________________________

Entretanto, num planeta não muito distante, o Painel das Nações Unidas para as Alterações climáticas voltou a divulgar novos dados dramáticos sobre o aquecimento global, a revista nature dedica a este tema a sua edição desta semana.

Outubro foi em Portugal um mês extremamente seco, levantando alguns alertas sobre podermos vir a estar a viver uma situação de pré-seca, no entanto, anuncia-se já para hoje, uma significativa alteração do estado do tempo depois de um Inicio de Outono primaveril.

Na blogosfera local, o AlhosVedros ao Poder denuncia a proibição de acesso ao site a partir de computadores da Câmara da Moita, depois do boicote de que também fomos vitimas ao acesso a partir dos quiosques públicos do projecto Setubal Digital , é mais uma acção em defesa da "honra e bons costumes".

No Em Almada a polémica instalou-se com um post sobre os cinquenta anos do Externato Frei Luis de Sousa, e a publicação de um livro onde alegadamente há omissões gritantes, mas um inusitado destaque é dado à Presidende da Câmara de Almada.
A revelação de antigas relações familiares de ensino da Presidente à instituição, omitidas na publicação despoletaram alguma incompreensível polémica (a menos que se trate de um segredo de Estado..) acrescida e alguns traumas do PREC.

O Blogue Rumo a Bombordo faz um alerta sobre o aumento da área de exploração dos areeiros do Seixal, estando anunciada uma nova cratera (ou crateras) de 78 hectares! Um tema que seguiremos nos próximos dias.

Aproveitámos este fim de semana do nosso Milénio , não para lançar uma OPA sobre qualquer Câmara hostil , mas para elogiar a excelente campanha televisiva que nos acompanha há já alguns anos, sobre reciclagem de embalagens usadas, os videos aí estão!
_____________________________________________

Outro dado curioso é que enquanto a Blogosfera local independente está activa, dinâmica e actuante , os Blogues criados pela, ou próximos à CDU ( Banheirense , Seixal Sim ou Aldeia de Paio Pires ) estão em serviços minímos , para não dizer em coma, dedicando-se agora, não a defender cegamente a voz do dono, mas a tratar de musica, fotografia ... ou futebol !!!

Serão efeitos do Aquecimento Global , do Arrefecimento Local ou do Comité Central ?

sábado, novembro 17, 2007

MILÉSSIMO



Era uma vez... um blogue que hoje completa o seu milésimo post!

Bom Ambiente e um futuro melhor para Todos!

...e melhores autarcas no futuro...também !!!

sexta-feira, novembro 16, 2007

PATERNALISMOS HÍBRIDOS





















Wentworth Miller , Leonardo Di Caprio,Tom Hanks, Sting, Tandie Newton (nas imagens) mas também,Scarlett Johanson, Harrisson Ford, Brad Pit ou os vereadores das câmaras de Almada, Seixal e Moita guiam veículos Hibridos, os actores americanos compram os veículos que promovem com a sua figura, os nossos actores CDU fazem figura ao guiar os veículos pagos por nós...

_________________________________________________

No poder Autónomo Madeira o Grande Pai continua na
linha desenhada há três décadas, agora não há regresso à Ilha que não tenha reportagem televisiva com difusão nacional, na maioria das vezes para dizer mal dos do Cont'nente reclamar para si só, as obras dos viadutos, das vias rápidas e das "furadas" (túneis) , ele e só ele aparece agora, paternalisticamente a não admitir suspeições, criticas ou inquéritos...

No poder central uma polémica nacional vai minando a credibilidade do governo, a construção do Novo Aeroporto de Lisboa. O aparecimento de uma opção sustentada em relação à OTA, aquela que nostinha sido apresentada como facto consumado e indiscutível, mostrou que trinta anos após o 25de Abril, a Democracia e a participação da Sociedade Civil está mais madura e actuante do que a classe politica porventura desejaria ou pretende fazer crer, apesar da descredibilização constante de que é alvo.

Na Margem Sul, a recente polémica da remodelação das frotas automóveis fez também estalar o verniz e mostrar que afinal o povo bem vê que o rei vai nu e que está farto destes joguinhos de vaidade e de aproveitamento dos cargos publicos, mesmo no patamar mais baixo desses poderes.

Há dois ou três anos atás, os vereadores de "serviço publico" tinham para as suas deslocações viaturas utilitárias, a maioria das autarquias da margem sul utilizava o modelo Ford Fiesta e equiparados, agora , subitamente com a "preocupação-ecológica" não manifestada noutros comportamentos e atitudes, andam carroçados de Hibridos topo de gama.

Ora, se bem que a tecnologia hibrida seja algo a icentivar e a divulgar em termos universais, como já aqui analisámos, é uma falácia endeusá-la ou dar a ideia que um Toyota Prius ou um Honda Hibrid são "viaturas não poluentes", não o são !


No seu processo de fabrico há até quem aponte o dedo à poluição causada na fabricação das baterias, mas extremismos à parte, o que é facto, e o que nos interessa, não a análise de escolhas individuais, privadas, mas escolhas pagas com o dinheiro dos contribuintes, o facto é que há no mercado, inúmeros modelos menos poluentes que os tais hibridos. Esses modelos são não só menos poluentes, mas também muito mais baratos !

Mas é claro que não foi esse o critério, as autarquias envolvidas na renovação recente e até injustificada na frota automóvel dos seus eleitos, não só reconhecem que as suas autarquias não funcionam em termos de transportes públicos (forma como muitos eleitos por essa europa fora se deslocam), como que a forma como fomentaram o desenvolvimento urbano dos seus concelhos os faz totalmente dependente do automóvel, e não é de um qualquer utilitário :

A tabela do TOP TEN dos veículos menos poluentes de cada classemostra exactamente isso, que do ponto de vista de eficiência energética, custo e emissões de carbono, háuma série de veículos com custos inferiores para o erário publico , mas não é essa a vossa maior preocupação, não é senhores autarcas?

Fazer a figura ambiental e politicamente correcta deveria começar na acção politica e na viatura privada dos senhores vereadores e presidentes de câmara e não naquela em que o dinheiro dos contribuintes é utilizado, aí os critérios, salvaguardando o ambiente, deviam ser outros, ser estrela de hollywood à custa do erário público cheira a falso paternalismo e à nossa já conhecida hipocrisia local.

quinta-feira, novembro 15, 2007

ESTADO DE...DIREITO?

Nós cidadãos, somos controlados a cada passo, os titulares do poder parece que nem por isso...

O Público dava-nos ontem , por despacho da Agência Lusa, a seguinte notícia sobre a actual situação reinante no IGAT, é de crêr que vivemos num estado de direito Europeu e Democrático, ou num arremedo de tudo isso?


«Inspecção-Geral da Administração Local está "em fase de pré-ruptura"

A Inspecção-Geral da Administração Local (IGAL, ex-IGAT) "encontra-se em fase de pré-ruptura", por causa da falta de inspectores.


O alerta consta no plano de actividades para o próximo ano deste organismo tutelado pelo primeiro-ministro, José Sócrates, que delegou a competência no secretário de Estado Adjunto e da Administração Local, Eduardo Cabrita.

"Apesar do recente [Abril de 2005] reforço de inspectores, a capacidade de resposta às múltiplas solicitações externas encontra-se em fase de pré-ruptura", lê-se no documento assinado Raul Melo Santos, inspector-geral, que reivindica "o reforço de meios humanos". (...)

O inspector-geral diz também que, "já no actual contexto", a IGAL confronta-se "com a impossibilidade material de cumprir integralmente os objectivos que se tem proposto, face à escassez de recursos humanos em qualidade e quantidade proporcional às solicitações crescentes de que é alvo".(...)

Actualmente, a IGAL conta com um corpo inspectivo composto por 35 elementos - o quadro de pessoal prevê 110 - para cobrir um universo de 278 municípios e de 4050 freguesias existentes em Portugal continental.(...)

Em Abril de 2005, ingressaram no quadro da IGAT 13 novos inspectores, mas têm-se multiplicado os apelos de intervenção, quer por parte de particulares - que agora podem apresentar as suas denúncias via Internet -, quer de entidades oficiais. (...)


No plano de actividade para o próximo ano, a IGAL propõe-se cumprir, entre outros objectivos, uma inspecção a cada município no período normal de cada mandato, inspecções ordinárias às freguesias, actuar em tempo útil perante a evidência comprovada de ilícitos e dar formação contínua a todos os seus funcionários.

Porém, o inspector-geral alerta ainda que, com as restrições existentes ao nível dos meios humanos e financeiros, "continuará a não ser possível atingir todos estes objectivos em 2008", nomeadamente uma inspecção por cada mandato autárquico, a menos que "sejam atendidos os pedidos de reforço prioritário".(...)


quarta-feira, novembro 14, 2007

A BAÍA DO BETÃO




São já visíveis os traços do que daqui a pouco tempo será a muralha de betão á volta da Baía do Seixal (Freguesias de Arrentela e Seixal), que começa na Torre da Marinha e irá até à Quinta da Trindade.

Na maioria dos casos não é já possível descrutinar o rio a partir dos núcleos mais antigos ou das urbanizações concluídas há um ou dois anos, pois à frente dessas ergueu-se nova faixa de prédios, logo que a "vista dos ateriores foi vendida."...

E na linha da frente, onde à partida não será mais possivel construír, a não ser as prometidas Marinas (ou as "moradias" que já estiveram no projecto) temos a urbanização de condomínios fechados A.Silva & Silva da Quinta do Outeiro.

Sobre esta urbanização seria justo que a autarquia esclarecesse os munícipes e os portugueses se há ou não, regime de excepção e de privilégio deste grupo económico sobre os demais , na Comunidade Europeia, no País, na Região e no Seixal, é que os grandes negócios já concretizados sem concurso publico, da construção / aluguer dos Edifícios Técnicos e dos Paços do Concelho levantam algumas dúvidas...




É que para já é excepcional a localização desta urbanização, práticamente em cima do Rio, em terreno que era uma pequena unidade produtiva (mais uma alteração de Industria para Habitação) , é fantástica...e até parece promíscuo nos terrenos contíguos e em obra contemporânea, estarem a ser erguidos os tais Paços do Concelho.





A mesma promiscuidade está presente no passeio ribeirinho... quem construíu (A.Silva & Silva) quem pagou??? Quanto Custou ??? O que sabemos é que duas entidades tiram dividendos da obra, a autarquia que reclama a ter construído dois quilómetros de ciclovia...que são bem aproveitados pelo grupo A.Silva & Silva para fazer a promoção da sua urbanização no local...


Será que alguém responde a estas questões ?

Pelo menos a esta, há uma posição de privilégio e subserviência da Câmara municipal do Seixal ao Grupo A.Silva & Silva ?

terça-feira, novembro 13, 2007

QUIMIPARQUE, CDU MANDA, QUER, PODE!



Há actualmente em fase de estudo na margem sul , a conversão de três grandes áreas industriais em simultâneo, são elas a Lisnave, a Siderurgia e a Quimigal. São projectos que pelas suas caracteristicas deveriam reflectir um consenso entre todas as forças eleitas com o envolvimento da população.


É sabido que não é isso que está a acontecer, com os projectos mais avançados da Lisnave e Siderurgia tem havido a politica do facto consumado com ideias gerais que são dadas a provar á população,e oposição, mantidas à margem da concepção e dos objectivos de tais projectos.

A situação parece ser idêntica no Barreiro onde a oposição acusa a CDU de não aceitar o seu contributo para a discussão do projecto de requalificação da Quimiparque, acusando mesmo a maioria de manter a população alheia à participação. Só no dia 7 de Dezembro a autarquia realizará um forum de discussão publica sobre o tema.

Voltando ao enquadramento regional desta triologia Lisnave-Siderurgia-Quimiparque ressalta que para além de uma força politica única que gere da forma como se sabe a margem-sul há trinta anos, o país e não só a região deveriam estar envolvidos na discussão acerca da orientação estratégica para aquelas áreas, tanto mais que o que se está a tentar fazer é aumentar ainda mais a macrocefalia da Grande Lisboa, com aumentos brutais de área urbana e habitação.

Esta discusão nacional deveria ter a abrangência de projectos como o TGV ou Novo Aeroporto, tal a alteração de uso do solo a que está a ser sujeito, de industrial para habitação na maioria dos casos, o que pode ser um erro fatal para o país se não forem reservados para o futuro bolsas de terreno nestas zonas para futuros projectos em novas e altas tecnologias que sejam geradores de riqueza e de emprego e não de mero imobiliário de dormitório.

É notório que o projecto da CDU para a região está esgotado e não traz soluções novas, para além de há muito não ser representativo da maioria da população, onde é sufragado por uma minoria, pelo que se duvida que os eleitos CDU, per-se sejam capazer de estabelecer para estas três áreas, objectivos inovadores e de futuro em trâs cenários cujas áreas correspondem grosso modo a três "Expos" , onde para já os espaços de salvaguarda ambiental e de reserva futura práticamente não existem.

segunda-feira, novembro 12, 2007

ÁGUA BENTA



No passado domingo, na rubrica Discurso Directo, o presidente do S.L.Benfica deu uma entrevista na TSF
(audivel aqui, clique) , durante essa entrevista foram analisadas questões internas do Benfica, de jogadores, de empresários, de resultados as quais não me sinto minimamente qualificado , nem pretendo comentar.

O que me chocou, como cidadão foi a forma sobranceira e até mal-educada como o Sr.Luis Filipe Vieira (LFV) responde ao jornalista quando este aborda a dívida do Benfica à Câmara do Seixal, textualmente o que foi dito foi logo a seguir a ter falado de um não reconhecimento de um passivo de 300 Milhões de Euros, porque segundo LFV 80 Milhões de Euros "não são exigíveis" (!?), que construíu um Estádio e um Centro de Estágios "sem dinheiro" (!?) o jornalista tem o desplante de pôr a seguinte questão:


Jornalista : A Câmara Municipal do Seixal queixa-se de uma dívida do Benfica de 170 mil euros, queixou-se disso esta semana...

LFV: A Câmara Municipal do Seixal? Não deve ter sido a Câmara do Seixal...

Jornalista : A Câmara Municipal do Seixal , segundo a Lusa, deliberou enviar para execução fiscal, parte da dívida do Benfica, uma dívida de 170 mil euros...


LFV : Não quero entrar muito em pormenores nisso, mas poderei dizer que a nível do Benfica...


Jornalista : ...referente - já agora - à água do Centro de Estagio...

LFV : Eu sei, eu sei, eu sei o que se passa, mas a nível tanto do Benfica como da Câmara do Seixal, portanto eu, da parte do Benfica eu e o Sr Mário Dias temos estado em diálogo com a C.M. do Seixal quando essa notícia apareceu e de certeza que não é preciso dizer que brevemente vai haver noticias e a CM do Seixal certamente que dará noticias sobre o mesmo, aliás eu, mas isso é algo que o Benfica e a Câmara estão dialogando , falando (...)

O que resulta deste curto diálogo?

Um grande embaraço, não sobre uma dívida, mas sobre a divulgação da noticia dessa divida, divulgação essa que " Não deve ter sido a Câmara do Seixal"... Isto demonstra :


- A forma como uma Empresa , SLB, cotada na Bolsa, tem funcionamento privilegiado face a outros empregadores , geradores de riqueza e cidadãos no Seixal .

- A forma sobranceira como o presidente de um clube de futebol trata orgãos representativos e eleitos pelo povo e a forma como impõe que o património de todos seja gerido a seu favor.


- O Secretismo como é gerido o bem público com a concessão de privilégios e mordomias já demonstrado na aprovação da mega urbanização para validar e rentabilizar o Benfica e a construção do Centro de Estágios...

domingo, novembro 11, 2007

A TERRA E A IMAGEM





A edição de Setembro Outubro da American Photo, ainda disponível online dedica este ultimo numero ao planeta Terra e a como , quem trabalha com a imagem pode dar o seu contributo para um planeta com futuro e sustentável.

Pode aceder aqui ao site (clique).

sábado, novembro 10, 2007

FOGOS DE VERÃO...DE S.MARTINHO



Estes dias de Novembro, no chamado verão de S.Martinho, cujas brasas são tradicionalmente as da lareira e de algum magusto querem dizer pelo menos duas coisas.


A primeira é que mesmo carecendo de comprovação científica, é notório que algo vai mal com o nosso clima , as assincronias começam a ser tantas e com uma tendência tal que se não é ainda preocupante começa a fazer sentido alguns estudos sobre alterações climáticas já publicados e o alerta de que as consequências não serão só sentidas fora de portas e bem longe, mas que nos afectará também de uma forma ou de outra.


A segunda constatação é que os politicos que já tinham traçado alguns balanços e engalanado em arco com um Verão também ele climáticamente atípico e só por isso com pouca área ardida , deveriam saber que literalmente , até ao lavar dos cestos é vindima e este record de área ardida em pleno Verão mas de S.Martinho mostra que o rei vai nu e que parece que falaram e se autoelogiaram antes do tempo.


Portugal vai continuar a arder, e este Verão não aconteceu o que aconteceu na Grécia ou no mês passado na Califórnia por mera orte de um Verão húmido e com temperaturas abaixo do normal.

Continua-se sem fazer a prevenção necessária, as desmatações e as limpezas (com aproveitamento da biomassa), e quando essa limpeza é contratada e efectuada, as autarquias e os serviços florestais esquecem-se de pagar atempadamente às empresas (geralmente pequenas e micro-empresas) pelo trabalho, de relevo social e ecológico efectuado.

Enquanto forem os "meios aéreos" as "brigadas de intervenção rápida" e os corpos de bombeiros os protagonistas deste filme de terror que se repete ano após ano, e permitir por falta de pagamento, que quem faz no terreno a prevenção vá à falência ou viva no presente com as dívidas contraídas para prestar o serviço já executado (pondo em causa acções futuras com as consequências trágicas previsíveis) ... os cenários mais terriveis só não acontecerão por mero acaso ou capricho climático ... Este S.Martinho aí está para o comprovar !

sexta-feira, novembro 09, 2007

AS VIATURAS VERDES DOS AUTARCAS VERMELHOS...



«A par do saneamento básico, do ordenamento do território, da criação e preservação de espaços verdes, a qualidade do ambiente urbano deve integrar as preocupações ambientais ao nível do Município. Tendo em conta esses princípios orientadores da sua acção, a Câmara vai proceder, a partir de Novembro, à renovação da frota municipal com viaturas amigas do ambiente.

As 18 viaturas de passageiros, 7 de mercadorias e 5 pick ups "todo-o-terreno", a utilizar em regime de aluguer operacional, irão permitir uma redução anual da emissão de CO2 – principal gás responsável pelo efeito de estufa – em cerca de 10 mil toneladas, significando uma melhoria energética e ambiental superior a 15 por cento, em relação à frota actual. O consumo de combustível terá também uma diminuição significativa, perspectivando-se, no próximo ano, uma diminuição na despesa, nesta área, superior a 25 por cento.» (Boletim Municipal Moita)



Vivemos supostamente na era da informação, mas não o creio, aceito é que perigosamente vivemos na era em que nos crê-mos informados , o que diga-se de passagem é bem diferente.

É a época dos spots, das ideias digeridas (digest's) dos livros "para tolos", dos "especialistas instantâneos"... é isso que passa para a imprensa, é essa a ideia que fica, nada de muito complicado, duas ou no máximo três ideias que ir ao fundo do problema não há tempo nem pachora para entender depois de ter levantado às cinco e meia e regressado quase às dez da noite com dois engarrafamentos de para arranca pelo meio, um na ída para o trabalho e utro no regresso.

As autarquias querem assim marcar a agenda com os Boletim Municipal e ideias feitas avulsas editadas, ou mandadas editar pelo comissário de imprensa destacado , o que importa agora é passar a ideia de "Verde" de "ambiente", de "sustentabilidade", como o vão fazer, bom, mudando a frota automóvel para veículos "amigos do ambiente"...

Assim fizeram várias autarquias, aqui a Sul, pelo menos Almada, Seixal e agora a Moita, é o selo "ecológico" de preocupação pelo "aquecimento global" , pelo "aumento do carbono" , isto enquanto matam os sorvedouros do mesmo, para mandar construír (outra vertente do aquecimento global), a ideia de protectores do ambiente passará para alguns, mas na prática não se trata de distribuír bicicletas , nem construír ciclovias, trata-se falaciosamente de comprar (ainda dispendiosos) veículos híbridos (os Honda's da CM Moita custam 100 MIL CONTOS).

A Última autarquia a entrar na onda (literalmente ) foi a autarquia da Moita, ao mesmo tempo que no novo PDM acaba com zonas verdes, e altera no papel zonas de REN e RAN, assume-se como ecológica ao adquirir uma frora de veículos "amigos do ambiente".

Mas o que é um hibrido ? Resposta:

- "Um carro híbrido não é um carro a gasolina e electricidade. O único combustível é a gasolina, mas o carro tem uma bateria que é carregada nas travagens e que depois é usada para funcionar um motor eléctrico. Há aqui um problema imediato: se um condutor já tiver uma condução "verde" e suave, fará poucas travagens, e a bateria não é muito carregada. Há alguma poupança de combustível com este sistema, mas também há muitos híbridos com consumos e emissões bem acima da média dos convencionais."


Ora , nada melhor para apaniguar consciências, mas nada mais falacioso e uma forma engenhosa de "por ser amigo do ambiente" se comprar um veículo de gama superior para um "vereador verde" , pois não vejo andarem a comprar bicicletas, distribuír passes sociais ou mesmo "SMART's" que na realidade são menos poluentes que os tais hibridos...

Na "sub-desenvolvida" Noruega este estratagema é simplesmente proíbido, e se vier aqui ao TOP-TEN dos veículos ecológicos verá que hámuitas mais opções ecológicas para além do Toyota Prius (CM Almada e Seixal) ou do Honda Hibrid (CM Moita)...mas para estes , mais que poluír menos, interessa mesmo é andar num belo carrinho dito ecológico e à conta dos munícipes, qual Smart, Toyota Aygo ou bicicleta...