quarta-feira, outubro 31, 2007

ALMADA CRIATIVA - O "RACISMO" DO CONHECIMENTO



Enquanto a cidade da água está em banho Maria em termos da gestão de informação, sem que tenha sido explicado aos municípes como vai ser a mobilidade de e para aquela nova cidade, e enquanto a incicativa da revista Visão - ("
uma revista uma árvore" - Compre até esgotar!!!)- não refloresta a Margem-Sul, desvendam-se novos pormenores de outra cidade, desta feita a Cidade Criativa.

Novas revelações foram feitas pelo Região de Setubal Online , vamos ter assim um hotel de pequena dimensão no castelo, o que será sem dúvida positivo para Almada e uma excelente forma de recuperar e manter aquele monumento.

Depois começam as dúvidas, aparece na mesma linha um silo auto e um hipotético centro de interpertação arqueológica...há cerca de vinte anos foi também prometido um para os achados arqueológicos, salga de peixe , de Cacilhas e sabemos no que acabou...quanto ao Silo-auto mais uma vez considero ser o maior disparate depois da Torre-Biónica...

Depois começam alguns delírios, como o "chamar empresas como a Y Dream" .. como se chamam empresas senhor arquitecto? E Porquê a YDreams ? A menos que seja um projecto da e para a...Y Dreams...não se percebe esta fixação discricionária...nem que fosse a sede da Microsoft...

Depois vem a habitual componente dita "social" ... "espaço público, um centro de dia e habitação social de carácter rotativo para jovens. No total estão pensados 85 fogos de habitação." , os fogos para os "criativos" são agora "rotativos" (um conceito novo em habitação) e lá vem o bem social que justificará a betonização daquele espaço...o centro de dia....o espaço publico...

Depois lá vem mais abstrato e mais propaganda , cito :

«Temos todos os ingredientes para fazer a tal cidade criativa, do conhecimento e da cultura, e isso gera trabalho. Fixar talentos é uma coisa que nos interessa. Temos jovens que acabam a sua licenciatura, jovens talentosos que podem contribuir para o nosso concelho e país, através do seu conhecimento e damos condições para se instalarem em Almada», contribuindo para «o processo de rejuvenescimento deste território», ressalvou Emília de Sousa, presidente da Câmara, durante a apresentação do estudo."

Agora pergunto eu, como é que uma Câmara dita Comunista, que alinha sempre contra o racismo e as segregações sociais, e de origem, apregoando a igualdade de oportunidades vem agora fazer cidades para criativos ..." jovens que acabam a licenciatura, jovens talentosos"... Isto num projecto municipal num país democrático, numa câmara Comunista ???

Isto senhores autarcas é uma forma de segregação feita por uma entidade publica e que não vem na Constituição... E os outros jovens, menos criativos é para o Picapau Amarelo que vão não é ? É só para situar esta nova forma de racismo instituído pela Câmara Criativa de Almada!

E volto a perguntar, as tais habitações para "jovens criativos- recém licenciados" que outras habilitações terão esses jovens-criativos-recém licenciados que ter ? Olhos azuís ou verdes ? Criatividade em que campo? Licenciatura em que área? Qual o sexo e altura ? Qual a orientação sexual? Qual o cartão de que partido? ...

Bom penso ter a resposta para esta última pergunta!!!

Agora não se admite é que depois chamem aqueles 85 apartamentos "habitação social" !!! Devem estar a gozar!!!

O Único "social" demonstrado nos objectivos deste projecto é discriminatório - um social/fascismo - e isso não é admissível num Estado de Direito Democrático, talvez num regime de "datchas" mas não no Portugal de hoje.

terça-feira, outubro 30, 2007

UM EXEMPLO!



Do Minho chega-nos um excelente exemplo de preocupação pela mobilidade , pelo ambiente e pela qualidade de vida dos cidadãos. O exemplo não vem de nenhum partido ou autarquia , mas da Universidade do Minho e é simples:


A Universidade do Minho vai distribuír gratuítamente aos seus estudantes, duas mil bicicletas designadas BUTE (Bicicleta de Utilização Estudantil), a bicicleta distribuída é pessoal e intransmissível e será entregue por um período de três anos, findo o qual o estudante pode optar pela aquisição da bicicleta mediante uma quantia meramente simbólica, á volta dos 25 Euros.

O objectivo da Universidade do Minho é que os estudantes deixem o carro em casa, as primeiras bicicletas serão distribuídas já em Novembro e começarão pelos estudantes bolseiros.

Este projecto será instalado em cooperação com a autarquia, com o aproveitamento de ciclovias e promoção de meios de transporte ecológicos.
É objectivo da Universidade, distribuír 200 bicicletas por mês até Julho de 2008 e serão criadas 50 estações para parqueamento das mesmas no Campus Universitário, em Braga e Guimarães. Os utentes contarão também com assistência e manutenção gratuítas.

Uma iniciativa que aplaudiria na Margem Sul no caso da Universidade do Monte da Caparica. Instituto Piaget e Secundárias dos concelhos onde até já existe uma ciclovia, construída pelo Metro Sul do Tejo...e aproveitando em sinergia o Metro e a bicicleta...

segunda-feira, outubro 29, 2007

MARGEM SUL REFLORESTADA GRAÇAS À VISÃO


Visão, o número verde - 1exemplar=1 árvore- fotografado nas zonas do Seixal recentemente ardidas e desflorestadas na zona protegida da Flôr-da-Mata / Pinhal dos Frades, a candidatura da Câmara do Seixal é para reflorestar estas zonas ? É preciso a Visão para a CMS cumprir a lei?



Deixámos o tema a marinar até hoje propositadamente. A Revista Visão desta semana , como noticiámos com rasgados elogios no passado sábado, editou uma edição "verde" dedicada ao ambiente.

A edição desta semana vai contribuir com uma árvore por cada número vendido.


Essa edição da revista Visão trouxe também novos espaços na Internet como este (clique) onde entre outras iniciativas a propósito deste numero especial e a tal iniciativa, 1 Visão = 1 Árvore é apresentado a lista das autarquias aderentes a este projecto - pode ver aqui (clique) - Foi com surpresa que vi que na margem sul os municipios de Almada e Seixal (só ?) tinham aderido á iniciativa.

A surpresa é maior, até porque são municipios com um saldo amplamente negativo quanto à floresta, ambos os municípios têm fomentado uma delapidação grosseira e massiva da floresta fomentando a urbanização selvagem e a massificação urbana. Um é campeão nas boas contas, o outro parece que não...

Adquiri assim com duplo prazer a edição desta semana da Visão, e gostaria de informar a Visão e a Câmara do Seixal que gostaria que a àrvore a que "tenho direito" (pela compra da revista) seja plantada na Flor-da-Mata pelas razões que a seguir invoco , e são elas :

1 ) É uma zona verde protegida no Plano Director Municipal, a sua definição é Mata e Maciço Arbóreo.

2) Nas Matas e Maciços Arbóreos não é permitido, desde 1993, construír , são espaços de reconhecido interesse ecológico e a preservar para futuras gerações .

3) São também espaços em que, em caso de incêndio há a obrigatoriedade de reflorestar, ora reflorestar é precisamente o objectivo desta iniciativa , e incêndio de grandes proporções foi o que ocorreu de novo este ano nesta floresta.

4) houve também nesta área protegida um proprietário que arrazou literalmente cerca de dez hectare de floresta (pinheiros e sobreiros) ... seria também um excelente momento para obrigar esses senhor a cumprir a lei ...

Agradeço à Visão a iniciativa e o compromisso das autarquias de Almada e Seixal , o país inteiro vai ter os olhos postos nela e nas autarquias que se comprometeram a no total plantarem 100 mil novas árvores nos seus municípios, lanço até o desafio de além destas 100 mil árvores , as autarquias disponibilizarem todo o stock de árvores autóctenes existentes nos seus viveiros!

E deixo à Visão o desafio de monitorar à posteriori a dita "reflorestação" nestes municípios abrangidos e até fazer a comparação com o passado recente em termos de àrea florestal...no Seixal as áreas a que me refiro são as mencionadas na imagem de satélite.

Em Almada, repôr as árvores incompreensivelmente cortadas por causa das obras do MST já seria um princípio...

domingo, outubro 28, 2007

VEJA AMBIENTE






















Também em português , mas com sotaque brasileiro, a revista Veja desta semana tem uma edição dedicada ao ambiente, das alterações climáticas às boas práticas ambientais.

O artigo é de grande interesse pois põe em paralelo comparativo as previsões dos cientistas do Nobel - Painel das Nações Unidas para as Alterações climáticas , a divulgação feita por Al Gore e também a posição dos cientificamente cépticos a estas previsões, os que acham que "não existem dados suficientes para afirmar que eles serão catastróficos a ponto de pôr em perigo a vida humana na Terra".

Destaque também para a entrevista dada pelo dinamarquês Bjorn Lomborg, um prestigiado céptico para quem "O aquecimento Global é uma questão de longo prazo, com consequências perceptiveis dentro de 100 anos. De facto ele pode aumentar o risco de desastres naturais, mas em proporção muito menor do que se diz."

Esta declaração de Bjorn Lomborg é uma constante nos cientistas ditos cépticos, em contraponto ao Painel das Nações Unidas, considerados por os anteriores como "catastrofistas", no entanto, de uma análise geral , ambos divergem sómente na interpertação de alguns dados e da dimensão dos seus efeitos.

Muito poucos são os que duvidam da responsabilidade do Homem nas alterações climáticas em curso e duvidam dos seus efeitos.

_______________________________________________


AGÊNCIA LUSA AO SERVIÇO DA CÂMARA DE ALMADA?

Parabéns à agência de comunicação que está a trabalhar para a Câmara de Almada de há umas semanas a esta parte. Ontem, até uma não notícia conseguiu destaque no Publico , e a noticia foi, um vereador ter dito existir "um consenso alargado por parte de quem pode decidir " isto para prometer o Metro até á Costa de Caparica...

Ficámos a seber que "O Metro Sul do Tejo já circula entre Corroios e a Cova da Piedade" e que "A Câmara Municipal de Almada sempre defendeu um prolongamento do metropolitano de superficie, cuja linha está actualmente em construção , até à Costa de Caparica"

A empresa trabalha mesmo bem , para além de fazer noticia de uma suposta hipotética novidade resultante de um não fundamentado "consenso"...consegue, por despacho da Agência Lusa (fonte da noticia de autor desconhecido...) criar uma realidade virtual acerca de um projecto que visto por este prisma é um paraíso na Terra e o tal vereador um mensageiro do Céu !!!

sábado, outubro 27, 2007

VISÃO AMBIENTAL






















Um destaque para a edição desta semana da revista Visão, quase que integralmente dedicada ao ambiente e que ao mesmo tempo faz parte de uma campanha destinada à distribuição de árvores pelas autarquias interessadas.


Foram neste número reunidas várias opiniões e posições sobre o tema e analisadas véria temáticas dada a multidisciplinariedade que o tema Ambiente pressupõe.

A Visão pretende também a partir desta semana disponibilizar um « "micro site verde" cujo objectivo é dar continuidade, na Internet à edição especial da Visão.


Pode assim clicar em
www.visao.pt ou vá a uma banca comprar este numero da Visão cheio de informação pertinente e importante para todos nós e para o nosso futuro.

sexta-feira, outubro 26, 2007

OS TACHOS DO TURISMO...COSTA QUÊEE???

Fonte da Telha ou Costa de Caparica, duas pérolas, parte do que Eufrázio Filipe considera a "Marca Costa Azul" , a tal que segundo o próprio, "levou vinte anos a construir, trabalho de empresas, associações e sindicatos " e que "corre agora o risco de se perder" ... ora ainda bem !

Portugal não merece ao nível dos decisores e de muitos cidadãos o património que ainda tem e que foi herdado de todas as gerações anteriores, para além do património ambiental que delapida no dia a dia.

Esse património cultural , histórico e natural é uma vantagem competitiva em relação a outros povos e um valor em si, sobretudo para um país pequeno e que não tem grandes recursos naturais.

É um património que no mundo global de hoje é expressivo na chamada Indústria do Turismo.

O Turismo para Portugal é não só um desígnio, mas o que pode ser uma fonte de rendimento renovável, indefinida com um grande peso na economia.

Óbviamente não se trata do turismo de massas, dos projectos PIN em zonas protegidas, ou da repetição e continuação do Algarve , quer no Algarve, quer em outras zonas do país.


Como não há o conhecimento de que é efectiva esta preocupação de protecção do património natural e histórico e que as instituições nacionais, regionais e locais no sentido da sustentabilidade dos fluxos turisticos, considero que a organização territorial em termos de regiões de turismo, actuais, tantas para um país tão pequeno, são perfeitamente tão descartáveis como desnecessárias.

Isto, mesmo não considerando que quem é nomeado para essas Regiões de Tutrsmo, na maioria dos casos não tem a minima ligação, qualificação ou conhecimento de Turismo !

No nosso caso da Costa Azul, é elucidativo quem e porquê está á frente desta Região de Turismo...


Por tudo isto e num mero estudo comparativo com o que se faz lá fora (o lá fora é todo o resto do mundo que em termos de destino turistico compete com Portugal) , faz todo o sentido a reformulação que está a ser feita sobre as Regiões de Turismo e que tanta polémica está a levantar, sobretudo junto aos lugares de topo destas organizações que têm tanto de sorvedoro de dinheiros publicos como de ineficácia ao nível da acção ou da promoção. E a reformulação é em termos de território, passar das actuais 19, sim digo bem DESANOVE!!! para CINCO !

Pois que como contribuinte e como português ... acho bem !!!

Claro que serão menos catorze presidentes das actuais Regiões e suas "cortes" a não poderem mais afirmar diariamente o seu
Principio de Peter no desempenho de tão importantes cargos! Mas sejamos práticos, vendo o desenvolvimento Turistico em Portugal das ultimas décadas, não se notará muito a sua falta , mesmo que se intitulem "eleitos" e tenham até poéticos blogues !!!

quinta-feira, outubro 25, 2007

OS VERGONHOSOS POLITICOS QUE NOS GOVERNAM



O Post de hoje é para ser "curto e grosso" :


É vergonhos o que se passa no Seixal, em relação à criança que morreu afogada no esgoto por ter caído numa caixa negligentemente aberta.

Consideremos que :


- Decorreu um longo processo que se arrasta há quase dez anos...

- Que depois de um julgamento em que foi condenada , a CMS apelou e conseguiu a repetição do mesmo por simples razões técnicas do registo audio do mesmo...

- Que depois da repetição do julgamento a Câmara foi novamente condenada e provada a sua negligência grosseira .

- Que estamos perante uma Câmara , supostamente governada por gente de carne e osso, com familia, laços humanos e sentimentos...

- Que os erros e omissões da Câmara, a idemnização a pagar e as custas do processo são pagas pelos contribuintes... ( e insignificantes para a autarquia, veja-se a renda paga e a pagar ao Grupo A.Silva & Silva).

Compreende-se que tenha de novo apresentado recurso?

Desta feita para o Tribunal da Relação, não assumindo uma dupla decisão do Tribunal, fazendo tábua raza do sofrimento dos pais da criança e do que é fundamental, a perda de uma vida humana, desnecessária e no seu início.


Estou a ser humanamente muito exigente, ou esta gente é indigna do cargo que ocupa, é indigna de se intitular representantes eleitos do Povo, indigna sequer de representar a raça humana, é gente de outra estirpe digna não desta e de todas as crianças vitimas da incúria do sistema, mas do esgoto onde negligentemente, por culpa (provada em tribunal) da Câmara do Seixal, a criança morreu!?

quarta-feira, outubro 24, 2007

A 11ª HORA ESTREIA EM PORTUGAL



O Aguardado documentário "11º Hora" do realizador e actor Leonardo di Caprio que foca o tema do ambiente e das alterações climáticas estreia hoje em Portugal no Festival de Seia:

"The 11th Hour" de Leonardo Di Caprio vai ter estreia nacional em Seia O Documentário "The 11th Hour" de Leonardo Di Caprio vai ter a sua estreia nacional em Seia, no CineEco, na próxima quarta feira dia 24 de Outubro à meia noite. A novidade foi avançada hoje pela organização do Festival, dando conta que o filme será exibido na próxima quarta feira, no Cine-Teatro da Casa Municipal da Cultura de Seia.

A "11ª Hora" é um documentário na linha de "Verdade Inconveniente", de Al Gore, nomeado recentemente Prémio Nobel da Paz.

Este é um filme que Di Caprio já há muito tempo idealizava, uma vez que se inquieta com o estado do planeta Terra - embora deva a Al Gore o tê-lo «alertado» para os problemas do ambiente. Essa consciencialização levou DiCaprio a «tentar viver de maneira verde» e a produzir filmes para «avisar as pessoas».

Refira-se que o CineEco 2007 – XIII Festival Internacional de Cinema de Ambiente da Serra da Estrela começou hoje na cidade de Seia, conta com 59 filmes a concurso de um universo de 432 que foram enviados de mais de 30 países. O Festival decorre na Casa Municipal da Cultura de Seia e no Centro de Interpretação da Serra da Estrela e tem como Presidente do Júri Internacional o meteorologista Anthimio de Azevedo.

A cerimónia oficial de abertura decorre às 21:30 e conta com a estreia da nova obra de Jorge Pelicano e o espectáculo de Cátia Garcia "Fados em 24 imagens por segundos.

terça-feira, outubro 23, 2007

IMI MAL CALCULADO OU PERSEGUIÇÃO?



Antigamente chamava-se à Sisa o "imposto mais estupido do mundo" , mas em determinadas circunstâncias parece que o IMI consegue ser pior, não pelo grau de estupidez, mas pelas suspeitas de perseguição politica aos cidadãos residentes mais incómodos.


O caso passa-se no Seixal onde um cidadão desde há algum tempo se queixa de ser descriminado e até perseguido politicamente por ver a sua residência que pouco tem de luxuosa ou imponente, sem piscina nem outros luxos, ser classificada em termos de impostos como se de uma mansão se tratasse.

A residência situa-se no centro do Seixal, por acaso com uma situação idêntica à sede do PCP local, pelo que seria interessante uma comparação entre estas e com construções luxuosas existentes no concelho, nomeadamente os condominios privados em construção.

Há quem veja neste caso, que o próprio já denunciou em sessão publica de Câmara, como uma forma de pressão para a venda do imóvel e para o afastamento para outras paragens do seu incómodo (e não alinhado com o poder local) proprietário.

Não acreditando que este seja um caso de perseguição politica seria bom, como já prometeu por exemplo também em sessão publica, um ilustre vereador, que a autarquia de facto ajudasse a esclarecer o que se passa e corrigisse o que aparenta ser um sério abuso...ou um simples erro burocrático ???

segunda-feira, outubro 22, 2007

"TALENTO" NA MARGEM ESQUERDA




Eu bem queria falar noutra coisa, mas Portugal tem 308 Municípios , a Área Metropolitana de Lisboa com frente Ribeirinha mais de duas mãos cheias, mas Almada parece estar decidida em construír no seu concelho mais do que se vai construír nos proximos anos em todo o país.

As noticias surgem em catadupa, depois da cidade da água, do metro para Lisboa, do planalto do Cristo Rei, atacam agora com uma frente do Ginjal onde acabaram de obter mais "uma conquista de Abril" , municipalizando mais uma quinta privada que pretendem transformar em..."85 fogos para fixar talentos" !!!

Pretendem também construír um silo auto!!!

Desculpem lá, mas como diria Santana Lopes "Mas isto está tudo doido ???"

A Câmara de Almada nunca ali fez uma intervenção de vulto, a não ser o elevador que avariou logo no dia da inauguração , quer agora betonizar toda aquela frente de rio, cujos edifícios tem deixado simplesmente caír!!! (já sei das desculpas com a APL!).

Em todos estes anos nem uma intervenção no pontão, nos acessos, nas escadas, no construído, certamente que não deixaram os anteriores proprietários da Quinta do Almaraz fazer ali fosse o que fosse, mas agora com a Câmara proprietária vão-se ali instalar "talentos", certamente "talentos" ligados à autarquia e ao Partido como é hábito, pois talentos mais talentosos que estes não há!!!

Veja-se o estado em que estão as passagens de peões, as escadarias seculares que levam até ao rio e digam lá se não há intervenções mais urgentes do que construír no Ginjal um silo auto, numa zona que deveria ser de peões e servir para trazer as pessoas para junto do rio desfrutando daquele lugar único!!!

Vamos a ver quem tem "talento" para ali arranjar um apartamentozito...com lugar para o belo carrinho no silo auto!!!

sábado, outubro 20, 2007

CÂMARA DEALMADA ...UMA QUINZENA MUITO À FRENTE...



A Câmara de Almada está muito à frente no seu tempo:

Vem apresentar a "Cidade da água", mas sem qualquer investidor que não o Fundo Margueira...

Sem qualquer sintonia com o Governo e face ao não ter investidores para o seu projecto vem propôr os Jogos Olimpicos (vá-se lá saber de quando) para Almada.

Sem sequer ter debatido o assunto com o Ministério das Obras Públicas ou com o Metro de Lisboa vem propôr uma ligação de Metro a Lisboa.

Sem ter falado com o Patriarcado, o proprietário do Seminário de Almada, do Santuário
do Cristo Rei e a entidade a quem os Almadenses devem ter ali ainda um espaço livre de
Betão, vem agora discutir publicamente o futuro daquele espaço...

O que se passa com esta autarquia? Perdeu o sentido do ridículo e do real?

A vaia monumental e os apupos que sofreu, em sessão publica, dos populares residentes nos bairros sociais no dia anterior ao debate do Cristo Rei é elucidativo da perda de credibilidade e do descontentamento da população.

Qual será o próximo passo?

sexta-feira, outubro 19, 2007

SEIXAL - OS NOVOS PAÇOS DA VAIDADE


Em Fevereiro de 2006 escrevemos este texto intitulado "Acima das Posses"

"...diria que no Seixal se vive muito acima das possibilidades, tão acima e tão endividados que arranjaram uma nova formula para fazer figura em termos de obras... a moda agora é a do faz de conta e a engenharia financeira é outra:

- Começou com a construção da sede dos serviços técnicos da Cãmara, a Câmara faz de conta que a construção é sua propriedade, mas não é...o Grupo A.Silva e Silva constrói à medida e aluga à Câmara... negócio chorudo e garantido para os construtores, que passam a senhorios da Câmara e a deter sobre ela uma posição privilegiada, um negócio que aruina a Câmara e transfere o pagamento da dívida para as futuras gerações!

- Não satisfeitos com este negócio ruinoso e de clareza duvidosa, vem agora a autarquia a querer construir nos mesmos moldes e com o mesmo grupo económico A.Silva & Silva uns novos Paços do Concelho... para tal pretende fazer uma permuta de terrenos com o objectivo de construir o tal edificio de regime na Quinta do Outeiro, sim, aquele junto ao Rio, para onde está já despachada a favor do Grupo A.Silva & Silva uma Mega urbanização sobre a Baía do Seixal... o resto do esquema é o mesmo... os "Silvas" constróem e depois a Câmara aluga... e quem estiver cá no fim que feche a porta e apague a luz.... simples e claro como a àgua da Baía!!!

No presente, é reconhecido o contrato ruinoso da sede dos serviços técnicos, mas vai-se avançar com mais um negócio ruinoso ,citando o Diário de Noticias de 16 de Outubro:

"O novo edifício municipal do Seixal, com conclusão prevista para o primeiro semestre de 2009, já está a ser construído e custará 25 milhões de euros (o mesmo que custou o último troço do Eixo Norte-Sul).

... a oposição critica a "engenharia financeira" encontrada para custear o edifício, em resultado da qual a autarquia irá pagar 150 mil euros de renda por mês.

O contrato de arrendamento do futuro edifício é a 20 anos (cinco mandatos autárquicos) com opção de compra de dois em dois anos. A obra foi concessionada à Assimec, do grupo A. Silva & Silva, proprietária do edifício. Se a autarquia não adquirir o imóvel antes dos 20 anos, o custo final poderá atingir os 36 milhões de euros. (...)

Para José Assis, vereador socialista, este é um modelo financeiro "que a autarquia não pode suportar e no qual o construtor é o mais beneficiado". Já Vítor Cavalinhos, deputado à assembleia municipal pelo BE, considera que a concentração de serviços é necessária, mas afiança que o modelo encontrado "é um negócio ruinoso" e duvida que a autarquia poupe tanto quanto afirma com esta concentração.

Manuel Pires, vereador do PSD, frisa que "o concurso poderia ter sido mais aberto, para se conseguirem melhores preços" e apesar de considerar necessário concentrar os serviços num mesmo edifício, tal poderia ser realizado numa altura em que a situação financeira da autarquia fosse melhor.(...)


A construção do novo edifício municipal já se iniciou, encontrando-se em fase de movimentação de terras, muros de contenção periférica e execução de estrutura.

Ao centralizar todos os serviços "poupar-se-á em comunicações, equipamento informático e tempo", defende o presidente. Por outro lado, a câmara vai ficar com património livre, o que "quase paga o novo edifício", nota Alfredo Monteiro. Alguns edifícios serão vendidos, outros manter-se-ão na posse da autarquia, como a sede dos Paços do Concelho, onde ficarão serviços culturais e de turismo. "

Concluindo!

O senhor Alfredo Monteiro (PCP-CDU) está a fazer propaganda já não só com o dinheiro dos contribuintes do presente, como está a passar uma dívida monstruosa e ruínosa para as próximas gerações enquanto não ataca os principais problemas da autarquia, não conclui as obras em aberto paradas há mais de dois anos, ou as prometidas não neste, mas em anteriores mandatos.
____________________________________________________

Mais pormenores deste "contrato" no blogue Rumo a Bombordo(clique)

quinta-feira, outubro 18, 2007

AS MILICIAS ANTI-ANIMAL ESTÃO POR AÍ




Quintas-feiras, Domingos e feriados é vê-los por essas estradas, de camuflado , atrelado na viatura onde passeiam uns canídeos escanzelados e para minha surpresa , também nos poucos espaços verdes que ainda resistiram ao betão.


Não são exclusivos de um concelho, mas são endémicos de toda esta margem estes ditos "caçadores livres" que atiram a tudo o que mexe , ainda não nasceu o dia ou depois do sol posto, haja casas por perto, crianças a brincar ou adultos a passear, ali andam eles, embrenhados num mundo só seu, tão ridículos quanto perigosos.

A GNR vai policiando e aparecendo à chamada sempre que solicitados , dizem-nos, mas quem tem da natureza outro entendimento revolta-se e desgosta-se com este país , com esta gente e com este espirito auto-destrutivo.

As Imagens foram-nos enviadas de Pinhal dos Frades,e tiradas na passada segunda-feira. A ave em questão, uma coruja , jazia a cerca de vinte metros de uma habitação, ferida de morte no domingo anterior, sem sentido, sem outra razão que matar o que mexeu... frente a um destes energúmeros de camuflado, canito escanzelado , caçadeira e cartucheira, como se o direito maior de matar fosse superior ao da maioria que não caça.

Há muito pergunto porque havendo o direito á caça, não há o direito à não caça???

Embora não partilhando a motivação ainda compreendo e aceito as Zonas de Caça Associativa onde se cria a caça e que têm grande valor económico para as populações do interior, agora esta gente que em zonas urbanas imagina que está num Safari na Gorongosa, transcende a minha inteligência e capacidade de tolerância.

Se duvida , hoje que é quinta-feira dê um salto por exemplo à Flor da Mata-Pinhal dos Frades,no Seixal, não deve ser dificil de encontrar a duzia de hectares que não ardeu ou que não foi cortada, a partir da estrada de Sesimbra , eles devem andar por lá...mas não se aproxime muito!!!

quarta-feira, outubro 17, 2007

METRO SUL E METRO DO PORTO - ESTUDO COMPARATIVO PRECISA-SE





O projecto escolhido para o Metro
Sul do Tejo e o equipamento circulante são idênticos ao de outras cidades pelo mundo como já aqui analisámos.

Seria um excelente trabalho de pesquisa jornalistica fazer um estudo comparativo do projecto da Margem Sul com esses projectos (Combino-Siemens) no estrangeiro
.

Seria curioso comparar as opções tomadas ao nível urbano , quer arquitectónicas quer de engenharia, bem como prazos, custos e extensão da linha, nº de composições, nº de lugares oferecidos, frequência, nº de utentes...e inter-relações de todas estas variáveis ...e seus custos!!! Logo surgirão desculpas e que não é possível comparar o incomparável, que lá fora isto, que no estrangeiro aquilo...etc...

Então pelo menos gostava de ver um estudo comparativo (com tantos foruns de discussão poderiam apresentar estas conclusões no próximo...) entre o MST e o Metro do Porto ( Eurotran-Bombardier ,nas imagens) !!!


Durante anos fez-se humor com aquele metro, e acerca da obra dizia-se tal não ser possível pela geologia da Invicta. Mas o que é facto é que a obra se fez.

Até o aeroporto é servido por esta estrutura que, do ponto de vista ambiental, de engenharia e arquitectónico se inseriu por completo na malha urbana e suburbano/rural do Porto.


Apesar do granito optou-se no Porto por percursos subterrâneos na parte histórica e urbana, solução que defendo dever-se-ia ter aplicado em Almada, desde a Cova da Piedade até Cacilhas...vá-se lá saber porque o não foi... se calhar porque assim , em túnel, não era visivel para efeitos de mostrar que Almada tem Metro... agora , pago para ver e não esperaremos pela demora quando o Metro atravessar em dois pontos e de sete em sete minutos a principal via de acesso de , e para Almada e onde estacionarão os residentes, nas artérias onde o metro passará, os seus carros, porque o estacionamento existente vai desaparecer , sem serem, pelo menos para já, criadas alternativas.



Mas para já, bastava-me um estudo comparativo entre aquelas duas obras publicas!!!
___________________________________________________
Curiosidades:

- Para já, e comparando o custo por quilómetro executado no MST e no projectado do TGV, os números mostram que o Metro Sul do Tejo é mais caro que o TGV!!!

- Enquanto que as Autarquias CDU atrasam o Metro Sul do Tejo sem criticas do PCP,o deputado do PCP Honorio Novo, critica o Metro do Porto , que funciona em pleno na sua extensa rede , por este ano não ter construído um "metro de nova linha"...


terça-feira, outubro 16, 2007

ALMADA - OLIMPICO DISPARATE



A actual vereação da Câmara de Almada parece ter esquecido que tem uma cidade real para gerir para se voltar integralmente para a promoção de uma cidade virtual denominada "Cidade da Água" e que de momento não passa de um esquiço no gabinete de um "arquitecto famoso e estrangeiro".

A senhora presidente de Câmara vai mesmo ao ponto de propôr uns Jogos Olimpicos para "trazer investidores para o maior projecto de planeamento do concelho" ... há neste propósito e na sua justificação um profundo enviezamento quer da sua função enquanto autarca , quer da distância que vai da sua propaganda à realidade.

Um mentira dita muitas vezes, para alguns transforma-se numa verdade, apesar de na realidade não passar disso mesmo, de uma mentira, a senhora começa a ter declarações , digo mesmo alucinatórias, a menos que ande embrenhada numa Almada virtual que só ela conhece, citando noticia publicada no jornal "Global":

"A presidente disse que receber este evento seria benéfico para Almada e acredita ter «capacidade e infraestruturas suficientes».Um projecto desta dimensão em Portugal «transbordaria a Área Metropolitana de Lisboa» e poderia levar à realização de parte dos JO na cidade de Almada. A presidente de Câmara vê nessa viabilidade uma forma de angariar novos investidores para o empreendimento" .

O que acabamos por deduzir é que o projecto terá tido, no pacote já apresentado, pouco sucesso junto a esses mesmos investidores, para agora se atrever a dizer este disparate em mais uma manobra de mera e pura propaganda.


Depois, não se percebe que uma Cãmara que diz ter «capacidade e infraestruturas suficientes» para receber uns Jogos Olimpicos, não ter conseguido sequer , com o Metro Sul do Tejo, fazer um projecto de Metro ligeiro com troços em túnel nas zonas do miolo das cidades, e muito menos se compreende que um metro, construído no presente atravesse vias de grande circulação como acontece na Cova da Piedade na avenida de ligação A2-Centro Sul-Almada...

segunda-feira, outubro 15, 2007

O NOBEL AMBIENTAL


A questão aqui abordada ontem , a abertura de um canal de navegação entre o gelo do Ártico provocado pelo aumento da temperatura naquele local - é de propósito que não menciono o termo "aquecimento global" - parece ser um tema pacífico e uma consequência positiva, excepto para os ursos - mas vemos que no imediato surgiram reacções politicas e territoriais de certa forma exacerbadas , mesmo entre nações ditas "civilizadas".

Imagine-se agora que consequências politicas poderiam resultar de alterações climáticas locais ou regionais - continua a ser de propósito que não menciono "aquecimento global" - não no Ártico desabitado, mas em zonas densamente povoadas , ou que , pontuais ou generalizadas no espaço e/ou no tempo, ocorressem fenómenos climáticos , mas de dimensão maior que aquilo que estamos preparados, mesmo em nações ditas civilizadas (p.e. New Orleans e furacão Katrina)...

Suponha-se também que um cenário climático extremo, mais abrangente e global ocorre e que as consequências de alterações geográfico/meteorológicas obrigam movimentações de massas humanas não só dentro de um país pode envolver outras fronteiras e territórios...no minimo surgirá, concordarão, a figura do Refugiado Ambiental...isso provocará fricções várias ao nível da paz e dos geo-equilibrios globais .

Haverá posteriormente a normal tentativa de equilibrio de encontro a uma nova ordem mundial, que será tudo menos pacífico, que será provávelmente, pela natureza humana, conseguida, não sem que aconteçam guerras, não sem que a paz e a perda directa ou indirecta de vidas humanas possa m ser postas em causa.

Por tudo isto, e não só pelos seus alertas sobre as consequências globais do aquecimento do planeta já amplamente aqui analisados, considero de toda a justeza e regozijo-me enquanto cidadão, pelo reconhecimento feito pela Academia sueca ao trabalho de divulgação de Al Gore e ao estudo científico desenvolvido pelos cientistas do "Painel para as Alterações Climáticas das Nações Unidas".

Haverá quem tenha ficado "perplexo" com a atribuição do prémio (certamente alguém m
ais avisado que o Comité Nobel ou que os cientistas que trabalharam para as Nações Unidas...só falo nestes porque se citasse Al Gore dir-me-iam que «um juiz de um tribunal estrangeiro tinha encontrado "declarações alarmistas" ou infundadas»...UM JUIZ - note-se - utilizando para o efeito da sua argumentação linguagem e fundamentos juridicos... não científicos portanto !!!).

Al Gore teve o indiscutivel e reconhecido mérito de trabalhar este tema há várias décadas, aproveitou a sua notoriedade pública para passar uma mensagem de prevenção para a insustentabilidade de certas opções de "desenvolvimento" da nossa civilização , não recuando perante tentativas constantes de de descredibilização dos lobbyes mais poderosos do mundo.



A sociedade civil tem-se rendido aos seus argumentos sustentados cientificamente por alguns dos cientistas que com ele partilham este prémio, tem o apoio do Secretário Geral das Nações Unidas e de muitos Governos , teve agora o reconhecimento do Comité Nobel, tal como do ponto de vista documental teve o reconhecimento da Academia de Hollywood.

Al Gore é um homem do seu tempo , aos homens do seu tempo o presente por vezes atribuí o epíteto de charlatães , já Gallileu sofreu um tal descrédito numa época em que não podia provar que era a terra que girava à volta do Sol não o Inverso...

Al Gore, não pode provar aos seus contemporâneos que todos os seus alertas se vão realizar, como Darwin não conseguiu provar a sua teoria da evolução , nem Einstein a sua Teoria da Relatividade ... espero até que o homem esteja errado em toda a linha, mas o facto de ter posto a Humanidade a duvidar de si própria, dos seus métodos e do seu desenvolvimento, fazendo-a humildemente repensar o seu caminho, merece pelo seu principio da precaução , mais que este Nobel , o empenho do Mundo.


domingo, outubro 14, 2007

POLO NORTE DERRETE E ALIMENTA DISPUTA


















O Verão que há pouco nos deixou permitiu fazer mais um balanço dramático dos efeitos crescentes das alterações climáticas.

No Polo Norte este ano, segundo dados da Agência Espacial Europeia (ESA) derreteu tanto gelo como nos dez anos antecedentes, permitido pela primeira vez a navegabilidade da chamada Passagem do Noroeste.


As observações da ESA confirmam que é superior ao previsto, a rapidez com que o gelo do Ártico se está a derreter, sendo o seu desaparecimento à média de cem mil quilómetros quadrados por ano.

Este Verão desapareceu qualquer coisa como um milhão de quilómetros quadrados, sendo agora de três milhões a camada que cobre o Ártico.

Este derretimento permitiu a abertura de uma passagem entre a Groenlândia e o Estreito de Bering, abrindo uma disputa internacional entre o Canadá, os Estados Unidos e a União Europeia, o Canadá reclama a soberania daquela passagem , enquanto que Estados Unidos e Europa entendem tratar-se de uma passagem Internacional.

sábado, outubro 13, 2007

A CALDEIRA(DA) DA MOITA

Por Alhos-Vedros ao Poder, (uma leitura que se recomenda) questões a que ninguém responde:

Seguindo para poente, lá fui eu apreciar o dique, obra maior do poder moiteiro nos anos 90, símbolo de toda a sua incompetência técnica e de um desperdício financeiro perfeitamente desnecessário, que agora é preciso deitar abaixo, gastando mais uma montanha de euros que podriam ser bem aplicados em coisas bem mais prementes.
Porque devemos sempre recapitular o autêntico descalabro político-financeiro que conduziu a este elefante branco á escala local.
  1. Antes de mais, para substituir a velha porta de água que durante tanto tempo serviu para regular o ritmo da entrada e saída de água da caldeira e de comunicação entre a ribeira da Moita e o Tejo, concebeu-se a obra mirífica de um dique que permitiria fazer qualquer coisa que nunca se percebeu muito bem o que seria e para que e a quem serviria, embora a expressão "Espelho de Água" tenha sido usada amuidadas vezes. Perante os avisos de que tal obra mais do que desnecessária era tecnicamente pouco adequada, o poder moiteiro impou de arrogância e mandou fazer, enterrando-se ali bom dinheiro que não foi gasto em equipamentos bem mais interessantes para o bem-estar da população.
  2. Depois, como obra destinada a marcar o final do mandato bicéfalo JA/JL e a entrada no novo milénio, foi a vez de ser lançado o projecto de reperfilamento da marginal moiteira, com o objectivo de "devolver o rio à população" e outras inanidades parecidas. Aí se enterrou mais de um milhão de contos dos antigos, comparticipados por fundos comunitários, mas apesar disso implicando mais de uns 400.000 contos de investimento directo da CMM (se não foi isso, então é porque os dados publicitados estavam errados). O "Espelho de Água" voltou a ser falado, mas continuou a primar pela inexistência, antes se tornando cada vez mais evidentes os efeitos prejudiciais do dique em termos de assoreamento de toda aquela área. Para além de que bem nos lembramos dos prazos da obra sucessivamente desrespeitados e dos buracos que marcaram a fase posterior à conclusão oficial das obras.
  3. Agora, como cereja sobre o bolo, anuncia-se nova obra destinada a demolir parte da asneira inicial, por forma a corrigir o que foi mal feito, apesar dos avisos feitos. O que significa que, enquanto outras zonas do concelho andam à míngua de recursos, fazendo-se intervenções onde se contam os tostões, a zona da marginal e caldeira da Moita vai ser objecto de uma terceira campanha de obras públicas, na ordem dos milhões de euros para que tudo volte quase ao início.

O que ganhou a população com tudo isto, para além de sucessivos incómodos? Alguém nota um afluxo das gentes moiteiras em busca do rio devolvido?

Claro que não.

Quem ganhou com isto foram os senhores que beneficiaram das empreitadas em causa.

Quem perdeu?

O erário público local e as populações que precisavam de obras de âmbito municipal bem menos onerosas, mas para as quais deixou de existir verba
.

Depois existe a manifesta lata de aparecerem a queixarem-se de "constrangimentos financeiros" para justificar as esmolas dispensadas em matéria de associativismo, desporto, cultura e educação.

Alguém já fez bem as contas ao dinheiro enterrado ali naquelas centenas de metros?

Mesmo que 50% fosse justificado - caso das obras ligadas ao saneamento - já repararam que sobra uma enorme pipa de massa mal gasta?

Mas o que é pena é que isto parece irrelevante para quase toda a gente, em especial para os moiteiros desde que lhes sirvam bosta e febra duass vezes ao ano. E aos amoitados que, desde que lhes dêem um Fórum Cultural com uma programação minguante pouco depois de inaugurado, parecem achar que está tudo bem.

Quanto a Alhos Vedros, com pouco se contenta. Uma "requalificação" que custou pouco mais do que uma vivenda para férias nos Algarves e um restauro do Minho de Maré que, sendo bem-vindo, continua encravado entre um palacete em ruínas e um cais velho onde os esgotos continuam a boiar.

Mas tudo bem.

O povo é sereno, cego, surdo, sem olfacto e pelos vistos nem sabe fazer contas.

sexta-feira, outubro 12, 2007

ATRACAR UMA BOA IDEIA




















No seu blogue Rumo a Bombordo o vereador da Câmara do Seixal eleito pelo PS , Samuel Cruz, fez a seguinte proposta:


"Não é de agora. Desde sempre, o Município do Seixal tem descurado as potencialidades turísticas do concelho, nomeadamente esse recurso fantástico que é a Baía. A falta de oferta na área do alojamento é notória.


A falta de uma referência no concelho que funcione como âncora aos demais intervenientes no processo, é outra lacuna evidente.
Ora, tendo o concelho do Seixal uma mais-valia sub-aproveitada - a sua baía - e sabendo que os jovens são bons impulsionadores de certos conceitos, duas ideias que poderiam/deviam ganhar algum formato real seriam a criação de uma pousada de juventude no concelho e de um Parque temático. Mas onde?

Pegando num conceito que já existe em Viana do Castelo, a ideia de criar uma pousada de juventude num navio seria algo que poderia ter boa aceitação. Em Viana, o navio Gil Eanes está ancorado numa antiga doca do porto de mar. Esse navio-hospital dos pescadores de bacalhau, nos mares da Gronelândia, dispõe de 57 camas e uma sala de convívio. Aqui a baía seria um esplêndido local para acolher este projecto."







Sobre o Parque temático, não adiro à ideia, pelas razões aqui apontadas ontem, mas aplaudo o projecto de um navio ancorado na Baía do Seixal e destinado a alojamento turistico, o conceito não é novo, mesmo em Portugal, tivemos há anos o Infante D.Henrique em Sines e alguns navios ancorados em Lisboa por altura da Expo 98.


Essa mesma filosofia está em prática nalgumas cidades da Europa por exemplo em Estocolmo ,nas imagens ( há mais de vinte anos) mas também noutras cidades portuárias como Amsterdão, só para citar dois casos .

Então o que diz a maioria? Vamos avançar com este projecto no imediato?

É uma proposta arrojada,mas prática e exequível, de um autarca da nova geração , quanto à ideia do Parque Temático é tipica dos autarcas no poder há trinta anos ... digna de um politico como o Dr.Samuel Cruz seria a proposta de um Parque Ecológico , aí teria todo o apoio de muitos Seixalenses!!!

quinta-feira, outubro 11, 2007

O FUTURO FOI ONTEM ! HOJE JÁ ESTAMOS ATRASADOS!



Que tal uma central solar fotovoltaica composta por 52300 painéis gerando 11 MWp de potência, com uma produção por hora de 20 GW e uma produção anual esperada de 21 mil MWh representando uma poupança em petróleo de 1720 toneladas (12 556 barris ano) e evitando o lançamento para a atmosfera de 19 mil toneladas de CO2 por ano???

Relembro para as contas acima que actualmente o barril de petróleo ronda os 80 dólares! Ficção ? Irreal ? Demagogia ? Isso só lá fora!!! Felizmente nenhuma destas opções, a resposte é realidade nacional instalada em Brinches-Serpa. É um projecto iniciado em finais de 2002 e concluído em Junho do ano passado, tendo entrado em operação parcial em Janeiro deste ano.

Cá pela margem sul, as autarquias estão mais interessadas em interagir entre si e buscar investimento, não a este nível exemplar, mas no imobiliário ,nos parques logisticos , nos parques temáticos... nas obras publicas baseadas no betão e no alcatrão e claro...nas rotundas!!!

Sobre os Parques temáticos, independente da orientação politica, são , esgotadas as rotundas, os pavilhões multiusos e as piscinas municipais... o ultimo bibelot para as promessas eleitorais que começam a despontar, na Moita aguardamos a prometida abertura do Parque da Lusitaniedade, que deverá ser para breve...isto segundo o prometido...felizmente que parece ser mais um nado morto...mas outras autarquias e outras forças politicas navegam na mesma ausência de ideias.

Senhores autarcas e futuros candidatos, deixem-se de projectos sem utilidade nem necessidade e invistam (e orientem investimento nos vossos concelhos) antes em parques eólicos, em "Quintas fotovoltaicas" ou noutras formas de energia renovável como o hidrogéneo, despoluam e recuperem a Siderurgia, a Quimiparque e a Lisnave e dêm outras valências sobretudo ao nivel das industrias não poluentes e de alto valor acrescentado de base tecnológica bem como reservem algum do seu muito espaço para gerarem energia limpa e inesgotável!

Transformem esses espaços que podem ser também de lazer, que podem ser também espaços verdes num verdadeiro "parque temático", cujo tema será a "Qualidade de vida" e "A educação humanista" ou a "Ecologia e sustentabilidade ambiental" ...


Isto é o que precisavamos que já estivesse a funcionar e não uma margem sul mesclada de Luna Parques, de Shoppings, de Condomínios ou de Outlets e muito menos de Parques Temáticos alienantes e estupidificantes, para isso o país já tem o Futebol e os dez estádios construídos para o Euro 2004!!!

Relembro as áreas brutais , os "vazios urbanos" ou "espaços abandonados" que tanto incomodam os nossos promotores imobiliários , por exemplo as centenas de hectares ocupados pela Lisnave, pala Siderurgia, pela Quimiparque ou ainda as centenas ocupadas pelos areeiros abandonados do Seixal...

quarta-feira, outubro 10, 2007

A REVOLUÇÃO SILENCIOSA

Porque não um parque eólico no Mar da Palha ?

Te
m sido uma revolução com pouco ruído aquela que nos últimos dois anos tem acontecido em Portugal, com maior incidência no interior e no alto de algumas das nossas serras.

Trata-se de uma revolução energética que não sendo a suficiente para colmatar a crónica dependência do petróleo, começa a ter um peso cada vez maior no equilibrio dessa factura e dependência do exterior.


Nos primeiros quatro meses deste ano e face a igual período do ano passado, o crescimento foi de 59% e a produção de energia eléctrica a partir de fontes renováveis aumentou 37% no mesmo período (fonte DGEG). Em termos de energia eólica, em Abril a produção foi 23% superior à de Abril de 2006 e a potência instalada era de 1839 Megawats em 143 Parques eólicos instalados .

Os distritos com maior potência instalada eram Viseu, Coimbra, Leiria, Vila Real, Braga, Santarém, Castelo Branco e Lisboa.


Continua a haver um inexplicável ignorar desta realidade por parte dos municípios da Margem Sul onde a potência instalada é , inexplicávelmente : ZERO!!!



Mais grave é que no já revelado dos grandes projectos de reconversão de áreas onde poderiam ser instalados quer aerogeradores, quer centrais fotovoltaicas, caso das centenas de hectares formados pelas antigas zonas industriais da Lisnave, da Quimigal e da Siderurgia , não há uma única proposta no sentido do aproveitamento e produção de energia.


Portugal deu subita e exemplarmente em dois três anos, o salto para sexto país da UE com maior uso de energias renováveis , mesmo se houve um acentuado decréscimo da energia hidrica, mas na margem sul continuamos no tempo da dependência total de outras formas de produção de energia que não a renovável o que é revelador do ponto de desenvolvimento em que estamos, mesmo face ao resto do país, quanto à utilização e produção de energias amigas do ambiente.
______________________________________________________

Lá voltámos a aparecer no weblog...

terça-feira, outubro 09, 2007

METRO SOB O TEJO - O OVO DE EMILIA



Apesar da forma como abordámos a reconversão da Lisnave e dos exemplos sérios que fomos buscar à Europa e aos Estados Unidos, gostaria que ficasse claro que considero que o projecto apresentado não é sério e tem outros fins.

Não estou a desconsiderar o arquitecto autor do projecto nem em quem nele trabalhou, simplesmente não considero que a sua concrertização seja o objectivo primordial , tal como a execução das propostas apresentadas.

A apresentação resumir-se-á a um puro acto de gestão politica e de lançar o mote para a campanha para as próximas eleições, e ao mesmo tempo servir de cortina de fumo numa fuga para a frente em relação ás promessas não cumpridas pela CDU em mais quatro anos de gestão danosa de Almada.

A caricatura da proposta de um metro a atravessar o Tejo pela autarca que fez primeiro uma bandeira do Metro Sul do Tejo e depois todos os obstáculos tem criado á sua execução é um exemplo claro e presente, ao mesmo tempo que a Dona Emilia defente um metro sob-o Tejo não foi capaz de fazer o mesmo no atravessamento da avenida que une o Centro Sul a Almada , tendo optado pela indescritivel solução em execução à vista de todos em que temos um Metro a fazer parar o trânsito para atravessar a artéria de maior movimento de Almada, mas pior , isto acontece por opção da autarquia não em um, mas em dois pontos distintos...irreal ?

Não, apenas gestão e a propaganda CDU no seu melhor.
O que está a acontecer agora com a questão da Lisnave é tão somente a necessidade de se colocar à frente do pelotão na reconversão das mega-zonas industriais da margem sul (Siderurgia e Quimiparque) , e ao mesmo tempo ter o efeito Parque Mayer / Frank Ghery na eleição de Santana Lopes em Lisboa.

E depois de muitos estudos sobre mobilidade entre a Capital e a Margem Sul, todos se vergam à verdade de La Palisse trazida por um arquitecto estrangeiro sobre a ligação por metro a Lisboa...francamente!

- Saloios!!!

______________________________________________________
Curiosidade!

- Voltaram as ameaças veladas ou directas de processos judiciais contra o A-Sul , voltaram também os comentários sobre a questão do anonimato, voltaram ainda a retirar o A-Sul da lista Weblog , parece que há quem esteja incomodado com a posição cimeira que ocupamos na listagem dos blogues mais lidos...o caricato é que não fomos nós que lá nos colocámos para sermos escrutinados, mas parece que causámos algumas más digestões.

segunda-feira, outubro 08, 2007

IMOBILIÁRIO - A DONA BRANCA DO BETÃO


Agradeço o enriquecimento da discussão e aceito como é óbvio outras opiniões, e acho até que a construção em altura nomeadamente nos USA e Canadá resulta, até pela forma como as cidades estão estruturadas e como são os suburbios uns e outros têm valências , valores com exactamente a conotação inversa de Portugal ...(é que ao contrário de Portugal , lá dá-se alto valor ao território , mesmo e sobretudo aquele fora da cidade - aos chamados "suburbios").

Em Almada e restante margem-sul não concordo com a construção em altura! Nem sequer no que as autarquias estão a promover no momento, a implantação em zonas de habitação unifamiliar, de prédios de três e mais pisos, por exemplo, Alto do Moinho, Sobreda, Pinhal dos Frades, Marisol...

Outra grande questão e fundamental é :

a) - Na realidade precisamos de mais milhares e milhares de fogos?
b) - E tem essa habitação (supostamente em falta?) que ser construída maioritáriamente na Margem Sul?

Relembro que por exemplo, o Seixal é o Município do país com maior número de fogos em comercialização e em trinta anos o numero de habitantes subiu de 30 000 para 165 000!!!


A resposta é óbvia, para quem olha para as nossas ruas cheias de cartazes com apartamentos à venda. Mesmo antes do inicio da grande crise do imobiliário iniciada com a crise do crédito nos Estados Unidos e as questões de sobreconstrução em Espanha !!! Era obvia a insustentabilidade desta filosofia.

O imobiliário funcionou nos ultimos anos como uma verdadeira Dona Branca, e esse esquema piramidal, e por vezes mafioso (tráfico de influência e enriquecimentos ilicitos em alterações de uso do solo) chegou a um beco sem saída pelos milhares e milhares de apartamentos em oferta , que não têm procura!!!

Mas a questão é ainda mais grave Urbanisticamente e socialmente porque a construção para além das necessidades de fogos novos, afasta a necessidade urgente que há de reabilitar as zonas de construção mais antiga (refiro-me até aquela construída em péssima qualidade na margem-sul há trinta e vinte anos).

Será também um erro avançar isoladamente como se está a fazer com os projectos Lisnave/Siderurgia/Quimiparque, quer não os relacionando entre si, não os relacionando com as várias realidades conjunturais de mercado,quer com o ordenamento e necessidades de mais habitação, não só em toda a margem-sul, mas com toda a AML e com o país!!!

domingo, outubro 07, 2007

OUTRAS RECONVERSÕES











Decorreu esta semana em Lisboa o Congresso Waterfront Expo 2007 , onde se pretendiam analisar, discutir e apresentar projectos de reconversão em zonas ribeirinhas, aproveitou-se nomeadamente para apresentar o projecto Almada Cidade da Água ou Almada Nascente, um projecto que pretende ocupar a área ocupada pelas antigas instalações e docas da Lisnave em Cacilhas.


Porque há uma tentativa de convencer a população que , nomeadamente a opção pela construção em altura , a opção pela grande carga urbana ( mais oito mil residentes na zona que actualmente e uma população de empregados de 14 mil pessoas) é inevitável e sinal de modernidade, "como se faz lá fora", gostaria de falar aqui noutros projectos "lá de fora que não alinham pela mesma bitola".

A título de exemplos falei aqui de Londres, sobre o qual gostaria de referir o seguinte:

- Criados 15o hectares de espaços verdes
- Criadas redes pedestres e ciclovias ao longo do rio

- Construídas pontes pedonais
- Criado um Parque ecológico com base aquática com um santuário para aves.
- Plantadas 200 mil árvores.
- Construídos 20000 fogos , sendo 19% destinados a arrendamento.

O projecto recebeu inumeros prémios de arquitectura, de conservação da natureza e de paisagismo.

Outro exemplo é o de Boston, recentemente concluído, apesar de se enquadrar numa zona de arquitectura em altura, optou-se antes por melhorar os transportes e as acessibilidades à zona mais antiga e anteriormente também ela reconvertida (Quincy Market) , há agora uma nova área a reconverter denominada East River onde se vai privelegiar construção de baixa densidade onde estão também projectados parques e outros equipamentos colectivos.

As antigas vias congestionadas transformaram-se em vias de elevado fluxo com um enquadramento verde passando a denominar-se Greenway , com um cuidado particular no arranjo paisagistico.

Outro exemplo de reconversão portuária ocorreu recentemente em Oslo , transformou-se um porto "abandonado" ,noutras valências, com habitação , escritórios e serviços mas com baixa densidade de ocupação, criando-se uma nova zona de lazer numa cidade rodeada de verde e natureza.

Contrariamente à ideia reinante de que basta fazer um copy-paste do que foi feito na Expo e aplicá-lo na Margem Sul, em três pontos distintos, Lisnave, Quimiparque e Siderurgia, há que ,no âmbito da Àrea Metropolitana , considerando necessidades de habitação, transportes e indústria, ponderar da necessidade de avançar, para além da necessidade urgente de resolver o chamado "passivo ambiental".

A estas reconversões anunciadas para a margem-sul falta uma componente florestal que é necessária e fundamental para a reabilitação destas áreas que há cinquenta anos eram terrenos agrícolas e de uma grande biodiversidade. Veja-se os exemplos dados e sobretudo o de Londres!

sábado, outubro 06, 2007

RECONVERSÕES À PORTUGUESA






















As reconversões urbanas em Portugal ou são cosméticas (casos Polis) e/ou têm como contrapartida o aumento da construção, aliás em Portugal é construção o móbil de tudo , o reverso da medalha, o "brinde"...


Os autarcas de todas as cores - inclusivé da CDU, ou sobretudo estes - aprenderam depressa esta nova filosofia, até da forma mais hipócrita e alegando interesses publicos vários ou até fins sociais!

Da mesma forma foram beneficiados clubes de futebol...enquanto lá fora as imagens que nos chegam das várias ligas ou competições europeias mostram conjuntos desportivos enquadrados com outros equipamentos de outros desportos e em espaços verdes, em Portugal o que vemos são estádios rodeados de prédios e mais prédios... veja-se até o que sucedeu no Seixal com o Centro de Estágios do Benfica...

Agora parecem ser os aeroportos o leitmotiv , anunciam-se "cidades aeroportuárias" , o novo aeroporto como uma mega-oportunidade e a ANA interessada em se tornar promotor imobiliário.

Outra vertente de "reconversão" , também eufemisticamente designada "requalificação" , outro maná de oportunidades é também, a muito na moda , requalificação das zonas ribeirinhas, para as cidades que as têm.

Exemplos disso há por esse mundo fora lembro por exemplo as docas de Londres, Boston ... Macau ou Lisboa com a Expo, os casos de Londres e Boston que trarei nos próximos dias são exemplares...o de Lisboa, pelo que descambou em carga construída não constante do projecto inicial e o de Macau , ainda durante a gestão portuguesa , é exactamente o que não devia existir em nenhum lado...

Os exemplos nacionais são por isso maus, o que me leva a desconfiar dos propósitos com que pintam a Lisnave, a Quimiparque ou a Siderurgia, aliás, muito ao espirito lusitano-invejoso , é de prever que depois de apresentada a "cidade da água" o Seixal se apresse a apresentar a "cidade metalurgica" e o Barreiro a "Cidade da CUF" , todas elas cheias de marinas (de repente deu-nos para as marinas), cheias de habitação (inevitável), cheias de Torres (também na berra saloia), de zonas pedonais , de ciclovias que não sei porquê não se aplicam às zonas construídas e habitadas fora dessas ilhas de "bem-estar" e "progresso".

No post anterior em que abordava a Lisnave e criticava as torres de 130 metros, um comentário de um leitor (que agradeço) dizia assim :

"Qual o mal de um prédio de 132 metros? Em todas as cidades Europeias se têm contruído edifícios altos

Madrid tem as cuatro torres, Paris a La defense e Lisboa está sempre atrasada... já é tempo de termos umas quantas torres e na margueira não há problema.
De resto a melhoria de uma zona que está abandonada é sempre bem vinda... já que neste país as coisas só andam assim..."

Pois não estou de acordo, Paris tem uma La Defense cheia de problemas do ponto de vista urbano, mais uma experiência Gaulesa, à semelhança dos grandes blocos da banlieu que descambou nos acontecimentos de há dois anos e que todos teremos na memória. Os Parisienses consideram ainda que a Torre Monparnasse (na imagem) é um forúnculo na cidade... em Barcelona chamam depreciativamente "O Foguetão" à nova Torre recém inaugurada , Madrid não é quanto a mim, um grande exemplo de urbanismo , se bem que a anos luz do que se faz em Portugal e quanto à generalização de que "todas as cidades europeias têm construído edificios altos" para justificar Torres na Margueira...olhe que não!... Olhe que não!...

E nem tudo justifica a "melhoria de uma zona abandonada" esse é um argumento demasiado perigoso para assinar de cruz, para além de gostar de saber quais os meios de que os bombeiros de Cacilhas ou de Almada dispõem para atacar incêndios ou outros sinistros (sismicos por exemplo) acima de meia dúzia de pisos...

A última saloíce em termos de Torres é para a Torre da Marinha no Seixal...uma Torre do arquitecto da moda na margem sul, Manuel Salgado....uma tendência certamente fálica que tem eco menor em multiplos "jardins" e rotundas na margem sul onde não se sabe fazer um espaço que não tenha plantados dezenas de estacas, pilares ou menires...Freud (que não é nenhum arquitecto da moda...) deve explicar...