sexta-feira, agosto 31, 2012

BOICOTE AMARGO


31 Agosto Boicote ao Pingo Doce.

ATENÇÃO!!! O Pingo Doce vai recusar o pagamento com cartão de compras com valor total inferior a €20,00. Pois eu proponho que o Sr. mais rico de Portugal, que assim vai poupar €5 milhões por ano, sinta no pêlo que os clientes são quem faz (ou destrói) um negócio. Esta política entra em vigor a 1 de Setembro. Vamos mostrar o nosso descontentamento boicotando o Pingo

 Doce, recusando qualquer compra no dia 31 de Agosto, 1 dia antes da proibição. Os senhores da Jerónimo Martins deverão entender que a instauração de políticas de contenção de custos nunca poderão colocar em causa a qualidade do serviço assegurado aos clientes. Assim, com este boicote poderemos fazer a diferença, e mostrar ao Pingo Doce o nosso descontentamento. Da forma que mais lhes dói: no bolso!

A Jerónimo Martins testou em algumas lojas a inibição de pagamento com o cartão de crédito (dentro do esquema do mínimo de €20 de compras). Mas aparentemente aperceberam-se que podiam alargar esta idiotice a todas as lojas. De acordo com a Agência Financeira, os accionistas da JM "precisam mesmo" de esmolas, ora lê "Alexandre Soares dos Santos [accionista maioritário] vale 2.070 milhões de euros nestas contas. A sua fortuna, que sextuplicou em apenas oito anos, cresceu 8% em 2012. Tem sido sempre a subir neste ranking, que tem nada menos que três acionistas da Jerónimo Martins no «top 10». E não é só ele. Os cinco acionistas da Jerónimo Martins valem 25,8% dos 25 mais ricos."

quarta-feira, agosto 29, 2012

"PEQUENAS" GRANDES SOLUÇÕES


A construção de centrais solares não tem de obrigatóriamente ocupar área necessária , nomeadamente para  agricultura, pelo contrário, pode coexistir com esta. Veja-se esta solução na India onde é utilizada a área sobre um canal de rega, um verdadeiro ovo de Colombo.

terça-feira, agosto 28, 2012

PEQUENAS GRANDES SOLUÇÕES



Indústria desenvolve bomba d´água movida a energia solar

Uma bomba d’água movida a energia solar promete ajudar a mudar a vida de pequenos agricultores.A inovação, que dispensa fonte de energia elétrica pode representar um avanço significativo para áreas como a do nordeste brasileiro, que sofrem com a falta de recursos hídricos e energéticos.
A Anauger, indústria de motores de São Bernardo do Campo (SP), é a responsável pelo desenvolvimento dessa tecnologia 100% nacional, que capta através de painéis fotovoltaicos raios solares e os transforma em fonte de energia para o funcionamento das bombas. “Estávamos há 10 anos buscando alternativas para o funcionamento sustentável das bombas. Ela está há um ano no mercado”, detalha o diretor comercial da empresa, Marco Aurélio Gimenez.
 
O sistema foi instalado numa fazenda em Ibitiúna, município de Pitangueiras, no estado de São Paulo. O proprietário do estabelecimento, Natalício Nicolete Gonçalves, possui uma propriedade de três alqueires e meio, com diversas plantações de hortaliças, tomate, pepino.“Como o produto funciona mesmo em dias nublados, não preciso me preocupar com o abastecimento de água e ainda economizo muita energia elétrica. Seria inviável pagar energia para abastecer toda a área”.
 
“As bombas ficam submersas em poços, reservatórios e cisternas, funcionando por um sistema de vibração para captação de água e irrigação da terra”, explica Gimenez. A utilização do equipamento vai além do setor agropecuário, podendo ser utilizado também em parques, praias, condomínios residenciais e comerciais.
 
O equipamento tem capacidade para bombear 8 mil litros de água por dia, e em dias chuvosos de 500 a 600 litros. O sistema é composto por uma bomba submersa vibratória, um módulo solar e um driver, cujo funcionamento depende exclusivamente da energia solar, atuando, inclusive, em dias nublados. Os módulos solares oferecem tensão de 36 volts para o capacitor, que é controlado por microprocessadores fornecedores de impulsos. “Com o motor rotativo é preciso uma corrente mínima de partida e em dias nublados e chuvosos ela não funciona. Já o funcionamento com a nossa tecnologia esse problema deixa de existir”, diz.
 
Mas o investimento da empresa não para por aí, Gimenez conta que a companhia está empenhada em buscar novas fontes alternativas para ampliar a aplicação dos sistemas de bombeamento. Para o próximo ano a meta é lançar um sistema híbrido, com funcionamento solar é geradores eólicos e permitir o funcionamento do equipamento 24 horas por dia. 
 
Ainda de acordo com Gimenez, o sistema de geração de energia fotovoltica tem durabildiade de 25 anos. “O custo pode ser alto no início – o valor do sistema completo de cada bomba é de R$ 3 mil – mas em 10 anos esse investimento é amortizado.”O que seria gasto com energia, passa a ser agora receita de caixa para a empresa”, argumenta Gimenez.
Fonte: CIMM

segunda-feira, agosto 27, 2012

MAIS UMA DO ... PINGO DOCE



Mais uma do merceeiro mais rico de Portugal :


Retalho Pingo Doce deixa de aceitar cartões em pagamentos inferiores a 20 euros
O Pingo Doce vai deixar de aceitar cartões em pagamentos de compras com valores inferiores a 20 euros. A medida entra em vigor a partir do próximo dia 1 de Setembro em todas as lojas Pingo Doce do Grupo Jerónimo Martins.

APELO AO BOICOTE NO DIA 31 DE AGOSTO

sábado, agosto 25, 2012

quinta-feira, agosto 23, 2012

A BOLHA




A "necessidade" de uma habitação  associada a  uma lei do arrendamento anacrónica , contribuiram em Portugal para um fenómeno que endividou familias tornando-as escravas de um banco e de uma casa , na realidade propriedade desse banco. 

Essa casa  tem desvalorizado na exacta proporção em que as autarquias e os autarcas permitiram ( na gula dos IMI e outros impostos sobre a habitação, cada vez mais construção, acto tão criminoso , até ambientalmente ,  como desnecessário até que batemos no fundo ... hoje esses autarcas sacodem a água do capote...

Portugal tem 6 milhões de casas e mais de 1 milhão são habitações secundárias. Na última década, o número de habitações em Portugal continuou a crescer. No país há seis milhões de casas. Mais de um milhão são casas secundárias - e, mais de 70 por cento das casas são habitadas pelos seus próprios donos. "Nós Proprietários" é a reportagem SIC/Visão que pode ver no Jornal da Noite desta quinta-feira.



quarta-feira, agosto 22, 2012

MAR , A ÚLTIMA FRONTEIRA




Missão está de partida para conhecer a nova fronteira sul de Portugal
21.08.2012
Teresa Firmino
Estão de partida para uma campanha de quase 50 dias, no navio Almirante Gago Coutinho, da Marinha portuguesa. Destino: uma zona de fractura do fundo do mar, mais de 500 milhas a sudoeste do centro dos Açores. Objectivo: obter mais informação que fundamente a proposta portuguesa de extensão da plataforma continental, que já foi entregue nas Nações Unidas em 2009 mas que ainda pode ser reforçada com novos dados. Nesta terça-feira ao início da tarde, enquanto estão ao largo de Sesimbra nos preparativos finais da campanha, a ministra do Mar, Assunção Cristas, e o secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, vão a bordo ver o robô submarino Luso num mergulho de teste.
Na quinta-feira, o Almirante Gago Coutinho e a equipa da Estrutura de Missão para a Extensão da Plataforma Continental (EMEPC) vão zarpar rumo à Dorsal Médio-Atlântica, a cordilheira que atravessa o Atlântico de alto a baixo e onde está a formar-se crosta terrestre nova e, por isso, as placas tectónicas estão lentamente a afastar-se umas das outras. Ora esta cordilheira, que parece uma coluna vertebral no fundo do Atlântico e que não fica muito longe dos Açores, é cortada transversalmente por muitas fracturas - uma delas, a zona de fractura Hayes, é agora o alvo da campanha da EMEPC, que terá 19 cientistas e técnicos no total.

A zona de fractura Hayes tem particular interesse porque, pouco para lá dela - 60 milhas para sul -, fica um dos limites sul da proposta de extensão da plataforma continental. Mas esta fronteira da proposta submetida na ONU, a 11 de Maio de 2009, para alargar a plataforma continental para lá das 200 milhas da Zona Económica Exclusiva (ZEE), é mal conhecida. Por isso, a equipa da EMEPC quer ir lá recolher uma série de amostras - de rochas e sedimentos - e informações que permitam reforçar as pretensões portuguesas de que existe uma continuidade geológica dos Açores até essa zona.

"Os Açores têm uma assinatura geoquímica - todas as ilhas a têm. Vamos ver até onde se estende essa assinatura. Da zona de fractura de Hayes para cima há uma assinatura e para baixo há outra", diz o geólogo Pedro Madureira, que é o chefe desta missão. Só que esta informação é mais ou menos grosseira e é a que se encontra coligida na bibliografia científica internacional e que, no caso desta zona, foi usada na proposta entregue na ONU.

Agora era necessário fazer uma campanha que fosse ao local obter dados mais concretos. Enquanto a proposta portuguesa não estiver a ser apreciada do ponto de vista jurídico e científico por uma subcomissão da Comissão de Limites da Plataforma Continental na ONU - o que não deverá ocorrer antes em 2016 -, o país pode ir apresentando dados técnico-científicos. "Vamos completar os contributos bibliográficos [sobre a zona de fractura Hayes] com amostras nossas", diz Pedro Madureira. "Este é o relançar das campanhas da plataforma continental. Ainda temos muito para fazer. No ano passado, com a mudança de Governo, não fizemos nada", refere Pinto de Abreu. A última campanha destinada a trabalhos da plataforma foi no Verão de 2010. "Estamos a voltar à normalidade e a normalidade é criar as condições para ter tudo pronto junto das Nações Unidas", acrescenta.

41 vezes o território emerso

Talvez até seja possível prolongar essa fronteira sul deste novo mapa de Portugal - quando o processo de alargamento do país estiver concluído e que dará ao país jurisdição sobre o solo e subsolo marinhos para lá das 200 milhas da ZEE -, caso os dados recolhidos na campanha sejam nesse sentido. Seja como for, neste novo mapa do país propõe-se que, aos 92.000 quilómetros quadrados de território emerso, ilhas incluídas, e aos 1600 milhões da ZEE, se juntem ainda 2150 milhões da plataforma continental alargada - perfazendo a jurisdição total mais de 3800 milhões de quilómetros quadrados, o que é mais de 41 vezes a área do território emerso.

É então para ter rochas e sedimentos (para análises) e vídeos da zona de fractura Hayes que será utilizado o Luso, um veículo operado remotamente (ROV, na sigla inglesa) a partir do Almirante Gago Coutinho, ao qual estará ligado por um cordão umbilical por onde serão transmitidos comandos e informação. Comprado em 2008 a uma empresa norueguesa, o Luso tem sido usado nos trabalhos da plataforma continental e agora irá mergulhar a cerca 2000 metros de profundidade na zona da Hayes.

Além disso, o sonar com múltiplos feixes que equipa o navio fará imagens de grande resolução do fundo do mar, permitindo ver como nunca a morfologia da Hayes, outro aspecto importante para fundamentar a proposta da plataforma continental.

Também se sabe que há ali excesso de metano na água, que é um indício de fontes hidrotermais, emanações de água quente do interior da Terra com outros gases e metais à mistura. Ao depositarem-se, formam chaminés, por onde sai a água quente e estão rodeadas de vida. Pode ser que o Luso fareje metano que o leve até novas fontes ao largo dos Açores.

terça-feira, agosto 21, 2012

BANHO DE SOL



Sol em demasia faz mal, mas uma vida sem ele , em clausura , com horas trocadas  é igualmente pouco saudável:


Insectos tomam “banhos de sol” para se manterem saudáveis
22.08.2012
PÚBLICO
Afinal os “banhos de sol” são benéficos não só para a saúde humana, mas também para a dos insectos. Esta é uma das conclusões do artigo publicado nesta semana na revista científica Entomologia Experimentalis et Applicata.
Os insectos Boisea rubrolineata são considerados uma peste em alguns estados norte-americanos, pois invadem as habitações humanas no Outono, permanecendo lá alojados até ao início da Primavera. Podem alcançar o tamanho de um centímetro e são encontrados em grupos de mais de 100 espécimes.

Durante essa “temporada”, sempre que podem, juntam-se em grupos nos pontos de luz emitindo compostos químicos com mau cheiro - conhecidos como monoterpenos. Não é, então, de estranhar que sejam um hóspede pouco desejado.

Em estudos anteriores, cientistas teorizaram que estes compostos tinham uma função de defesa ou desempenhavam algum papel na reprodução – atrair parceiros e repelir a competição. Porém, uma investigação realizada pela Universidade Simon Fraser, no Canadá, concluiu que a função real destes compostos é ajudar a manter os insectos “saudáveis”, noticia a BBC.

Segundo uma equipa de investigadores - coordenada por Joseph J. Schwarz -, os animais, expostos a uma fonte luminosa, foram observados durante os seus momentos de higiene, nomeadamente a limparem as patas e pernas através dos compostos produzidos pelas glândulas.

Quando observados ao microscópio, os cientistas descobriram que estes compostos protegem os insectos ao matar os fungos que vivem nas superfícies das folhas, alterando a sua estrutura celular. O resultado final é uma sinergia da luz solar e dos químicos produzidos pelos insectos, para eliminar elementos patogénicos presentes nas folhas.

domingo, agosto 19, 2012

METRO ACIDENTADO


Entraram de tal forma na rotina os acidentes com o Metro Sul do Tejo que já nem são notícia. (fonte EmAlmada) :

http://www.emalmada.blogspot.com.br/2012/08/acidentes-mst-sempe-somar.html

sexta-feira, agosto 17, 2012

RUIDO EM ALMADA




Mais de 40 pessoas entregaram à Câmara Municipal de Almada um abaixo assinado contra uma nova discoteca, na Costa de Caparica. Os moradores queixam-se do ruído provocado pelo estabelecimento, que foi construído a céu aberto numa zona residencial. Já foram apresentadas várias queixas à Câmara mas até agora ainda não foi encontrada uma solução.

quinta-feira, agosto 16, 2012

DRAMA NO TEJO


O desaparecimento de Francisco Farinha, um mergulhador da apanha da ameijoa, que na terça-feira submergiu nas águas do Tejo, está a levantar polémica. A família da mergulhador acusa a Polícia Marítima de perseguir o homem de 44 anos e revela que este era advogado de direito marítimo que lutava pelos direitos dos pescadores. 

Margarida Barros é prima de Francisco Farinha e é a voz mais ativa contra a autoridade. «A polícia cerca e persegue mergulhadores por terra e por mar. Se ele não tivesse que fugir, não estava morto. Eles morrem porque fogem. Ele está morto graças à polícia marítima», acusa. 

A familiar do mergulhador pede à comunicação social que revele a verdadeira causa da morte de Francisco Farinha. «Eles não morrem porque são azelhas e porque ficam sem ar, eles morrem porque são perseguidos», conta. 

Os pescadores no local contam que muitas vezes a Polícia Marítima fica nas águas, onde os mergulhadores estão, à espera que estes fiquem sem ar e sejam obrigados a sair da água. Os pescadores acabam por ser multados e por ficar sem todo o material, em muitos casos o único sustento das famílias. 

A apanha da amêijoa no rio Tejo é ilegal por não cumprir os parâmetros de saúde necessários para a comercialização. No entanto, os pescadores contestam estas análises e acusam a própria polícia de vender na lota amêijoa apreendida. 

Apesar da prática ser ilegal, os pescadores alegam que correm riscos porque as «crianças têm que comer». «Eles ganham mais com as multas do que com a legalização», conta a familiar. 

Margarida Barros revelou ainda esta quinta-feira que Francisco Farinha era advogado de direito marítimo, uma profissão que escolheu para defender os pescadores da «perseguição das autoridades». Os familiares acusam ainda a Polícia Marítima de saber que era o advogado que estava na água e da operação ter sido intencional. 

«Ele é advogado, formado em direito marítimo. Formou-se com o dinheiro da ameijoa. Há 10 meses que não mergulhava», defendeu, alegando que a a polícia sabe quem está na água, «sabe ao que vai»e que o mergulhador er «um alvo a abater». «Eles sabem, eles conhecem os barcos», disse. (DESTAK)


quarta-feira, agosto 15, 2012

TELHA - SOLAR





Empresa americana desenvolve placa solar com o formato de uma telha de barro

Converter a luz do sol em eletricidade não significa necessariamente fazer uma cobertura no telhado com painéis solares sem graça. A empresa SRS Energy, da Filadélfia, desenvolveu uma placa, a Solé, que faz esse trabalho sem comprometer a estética: tem o formato de uma telha de barro, na cor azul escuro. O produto foi es
pecificamente produzido para ser compatível com as telhas de cerâmica fabricadas pela empresa parceira E.U.Tile - assim, será dada aos seus clientes a opção de cobrir uma seção de seu telhado com a nova versão, mais fashion, das placas fotovoltaicas.

As telhas já estão disponíveis no mercado americano, mas ainda não chegaram ao Brasil. A SRS Energy diz que as telhas Solé, feitas de um polímero de alta performance usado frequentemente nos para-choques de automóveis, são leves, inquebráveis e recicláveis.

Em solo brasileiro, por outro lado, está sendo instalada, no Estado de Pernambuco, a primeira fábrica de painéis para geração de energia das Américas - a Eco Solar do Brasil. A fábrica terá capacidade anual de produzir 850 mil painéis fotovoltaicos, responsáveis pela captação e armazenagem da energia solar. A grande fornecedora de tecnologia para a Eco Solar é a suíça Oerlikon Solar, com mais de 100 anos de atuação.

O presidente da Eco Solar, Emerson Kapaz, explica que uma placa tem capacidade para armazenar até 150 watts. Um diferencial da tecnologia adotada pela empresa, chamada de "filme fino", é que as placas são feitas de material 100% limpo, mais eficiente e mais barato, garante ele:

- Essa é uma tecnologia que tem um custo acessível. No início, iremos trabalhar com 80% da produção para o mercado brasileiro e apenas 20% para exportação.

O preço da placa fotovoltaica, com capacidade de armazenar até 150 watts, deve ficar em cerca de R$ 320. Para uma casa com quatro pessoas, por exemplo, seriam necessárias seis placas (R$ 1.920) e a economia de energia seria de aproximadamente 30%. Hoje, o custo de uma placa com potência de 135 watts gira em torno de R$ 1,5 mil.

Fonte: O globo


Nota 1 Euro = 2,2 Real

terça-feira, agosto 14, 2012

DESERTIFICAÇÃO DA TERRA (?)



Esta imagem circula nas redes sociais, não posso atestar da sua veracidade , no entanto, se a mesma for isenta e não manipulada dá-nos que pensar e na necessidade da urgência de inverter esta situação.

segunda-feira, agosto 13, 2012

FOGO NO SEIXAL...DE NOVO


Começa a ser fastidiosa  a descrição de incêndios no Seixal tal a sua frequência .


Pena que não haja uma investigação aprofundada e consequente  às suas causas e aos interesses subjacentes... quem lucra com tudo isto ?

Ou então, se há um ou mais pirómanos na região que precisem ser investigados e/ou identificados.

O que é certo também é que também a nova A33 parece ter arrastado consigo um novo eixo de fogo, interessante seria também investigar , observando  o que ardeu nos últimos tempos na Verdizela/Belverde, na Flôr da Mata/ Pinhal dos Frades ... e verificar se há um padrão comum de interesses ou interessados... ou vendetas a quem se tem oposto à urbanização de solos protegidos em Lei.

O que é facto é que ontem houve mais dois incêndios, de proporções assinaláveis que requereram a actuação de meios aéreos, e lá arderam mais uns hectares de floresta e mato...que é como quem diz, mais brechas foram abertos aos interesses imobiliários do costume.

quinta-feira, agosto 09, 2012

DO LADO CERTO DA MENTIRA



A partir de quando uma mentira reproduzida muitas vezes passa a ser entendida como uma verdade ? Isto a propósito de "Almada Ciclável" , esta semana mais um artigo sobre este embuste na Visão :

Objetivos/Descrição
O Plano Almada Ciclável enquadra-se numa estratégia e política municipal concertada no âmbito da mobilidade sustentável em detrimento da forte pressão de infraestruturas viárias e elevados níveis de congestionamento de tráfego registados no concelho.
Nesta perspetiva, a criação de uma vasta rede ciclável em Almada pretendia atingir os seguintes objetivos estratégicos:
  • Cobrir todo o concelho com percursos cicláveis de diferentes tipologias;
  • Introduzir a bicicleta como um dos modos suaves de transporte para deslocação quotidiana e diversificação da oferta de transportes;
  • Contribuir para a redução das emissões de gases com efeito de estufa provocadas pelo setor dos transportes no concelho;
Nesta perspetiva, a Rede Almada Ciclável foi planeada tendo em conta as diversas especificidades do território: mapas de declives, estrutura agrícola, zonas ecológicas e naturalizadas, localizações de equipamentos culturais e desportivos, interfaces de transportes públicos, entre muitos outros elementos.
A Rede Ciclável assume o papel de instrumento de gestão territorial integrado com outros instrumentos de valorização ambiental, cultural e de conectividade territorial. A metodologia adotada para a elaboração da Rede ciclável do concelho de Almada foi a de interligar simultaneamente os elementos que compõem as Estruturas Ecológica e Cultural Municipal, através de duas tipologias de redes - Rede Ciclável Potencial e Rede Ciclável Hierarquizada.
A Rede Ciclável Potencial assenta sobre redes viárias e caminhos existentes e abrange ainda a definição de novos percursos com aptidão ciclável e as ligações necessárias à criação de uma rede contínua, em função dos elementos componentes das duas estruturas, ecológica e cultural.
A Rede Ciclável Hierarquizada é a proposta que resulta da hierarquização da rede ciclável potencial, e é constituída por vários níveis, conforme os elementos que serve e percorre e ainda conforme a qualidade ambiental que lhe é conferida pela Estrutura Ecológica, quando ambas se sobrepõem.

Abrangência Territorial
Concelho de Almada

Parceiros
Câmara Municipal de Almada
Agência Municipal de Energia de Almada
Centro de Estudos de Arquitetura Paisagista do Instituto Superior de Agronomia (ISA)

Resultados/Impactos
  • 223 km de percursos cicláveis
  • 44 Percursos de três tipologias: uso quotidiano, uso cultural e de lazer e de qualidade ambiental

Financiamento
Câmara Municipal de Almada

Período de Execução
A elaboração do Plano Almada Ciclável foi concluída em 2005, sendo que a sua implementação tem vindo a seguir um cronograma faseado para a realização de todos os percursos cicláveis propostos.

Link


Ler mais: http://visao.sapo.pt/plano-e-rede-almada-ciclavel=f676872#ixzz233bYdtOT

quarta-feira, agosto 08, 2012

ALTERNATIVAS



O protótipo das Casas em Movimento será apresentado na feira tecnológica Solar Decathlon, que decorre de 13 a 30 de Setembro, em Madrid. Manuel Vieira Lopes, estudante da Faculdade de Arquitectura do Porto, é o impulsionador deste projecto que promete dar que falar.

Trata-se de uma casa sustentável giratória que assim tira máximo partido da luz e do calor. Graças a uma pala amovível com painéis fotovoltaicos, proporciona sombra no Verão e maior incidência de luz nos dias de Inverno. Manuel Lopes Vieira estima que tal sistema permita poupar entre 60% e 80% em termos de climatização e entre 35% e 40% de iluminação interior.
Esta casa é modular, adaptando-se às necessidades dos seus habitantes. Veja mais aqui.
A Solar Decathlon tem o patrocínio da Schneider Electric e da Kommerling.

segunda-feira, agosto 06, 2012

ESTAFETAS A PEDAL


Do Blogue Ginko:

Dá pelo nome de Roda Livre e propõe um serviço de estafetas alternativo e amigo do ambiente: em vez do carro ou da moto, faz as entregas em bicicleta.
Depois da Camisola Amarela, em Lisboa, este serviço eco é também dinamizado no Porto pela Roda Livre. Boas ideias em pedais!

quinta-feira, agosto 02, 2012

FOGOS NA FLÔR DA MATA 2





Afinal não foram "só" dois incêndios ontem em Pinhal dos Frades, afinal a coisa teve mais duas réplicas em áreas não ardidas e afastadas das anteriores e já durante a noite de 1 para 2 de Agosto.


Os bombeiros esses não tiveram descanso, tal como os residentes no local. Mas é tão difícil despistar quer as taras, quer os interesses ligados a estas situações que parecem ser tudo menos "causas naturais" ?


Arderam inúmeros sobreiros e muitos outros perigaram num terreno com grandes pressões urbanas, esperemos que isso conste no relatório das autoridades.

quarta-feira, agosto 01, 2012

FOGO NA FLOR DA MATA



Nos últimos anos , em Pinhal dos Frades, Flor da Mata no Seixal , tem sido o pão nosso de cada dia, ou de cada Verão... e não só , hoje foram mais dois, em locais diferentes , os bombeiros foram confrontados com as barreiras fisicas postas pelos donos de um dos terrenos, a empresa LARBRINCA, era giro que se houvesse um incêndio na LARBRINCA os bombeiros tivessem de cortar vedações e vencer valas "anti tanque".