terça-feira, julho 31, 2012

A PRAGA DOS SOBREIROS





Do Blogue Alentejo Litoral

O Alentejo Litoral está, mais uma vez, debaixo de uma praga.
Primeiro foram os pinheiros bravos, afectados pelo "nemátodo"...as autoridades florestais nacionais e locais actuaram tarde, e mal, o que levou a que fossem (e ainda estão a ser) dizimados milhares de pinheiros.
Depois seguiu-se o escaravelho do Egipto nas palmeiras, que ainda está a afectar todo litoral portugês, incluindo o alentejano.
Agora temos a "limantria", que tem atacado uma das maiores fontes de rendimento do nosso país e de toda a nossa região.
As consequências já são visíveis, desoladoras e tem afectado especialmente os concelhos de Odemira e Sines, mas havendo já notícias de casos em Grândola e Alcácer do Sal.
Esperemos que as autoridades actuem rápida e eficazmente, de modo a não se perder esta fonte de riqueza ambiental, paisagística e económica tão importante para todos nós.
http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/sociedade/praga-de-lagarta-ameaca-sobreiros

http://www.confagri.pt/Floresta/pragas/Pages/praga19.aspx


http://www.tvi.iol.pt/videos/13648142

sexta-feira, julho 27, 2012

O PAÍS QUE ARDE





Ainda há quem chore pelas arvores ardidas :


A rota da cortiça deu lugar à "rota do carvão"

por Texto da Agência Lusa, publicado por Patrícia ViegasOntem
Isabel Pires, 67 anos, olha em lágrimas para a terra que deu sustento à sua família durante gerações. A serra do Caldeirão está hoje transformada na "rota do carvão", com hectares de encosta queimada, onde não se vislumbra qualquer fonte de rendimento.
Em 2004, um outro incêndio consumiu parte da produção de montado de sobro e cerca de 400 colmeias da habitante da Cova da Muda, São Brás de Alportel. A tragédia repetiu-se há uma semana mas, desta vez, com mais dramatismo. Foi perdido todo o trabalho de uma vida.
"O que não ardeu em 2004 ardeu agora. Acresce ainda o prejuízo do investimento feito nestes oito anos. Todo o montado ficou destruído e mais de 150 colmeias. O que a serra produziu em décadas, as chamas destruíram em poucos minutos. Foi o fim", vaticina Isabel Pires, enquanto aponta para as abelhas que sobreviveram ao "inferno" e pousam no mel que ainda escorre pelo solo seco e queimado.
Indignada, a moradora acredita que a desgraça, que consumiu 35% do total do concelho de São Brás de Alportel, podia ter sido evitada, caso as entidades responsáveis tivessem atuado no período que mediou os dois grandes incêndios.
"Durante estes oito anos devia ter-se feito muita coisa. Esta é uma zona crítica, mas os nossos governantes nunca ligaram à serra nem aos seus moradores. Fizeram-se miradouros, criou-se uma rota da cortiça e agora faz-se a rota do carvão. Depois de estar tudo queimado é que se fazem os corta fogos", lamenta a habitante, antes de nos deixar na estrada que separa São Brás de Alportel e Tavira.
Ao longo da encosta o cenário é desolador. O que antes era uma paisagem verde, é agora um deserto negro sem vida e em silêncio. O cheiro a queimado e os focos de fumo a sair das entranhas de algumas árvores transportam-nos para o incêndio que atingiu o coração da Serra do Caldeirão, onde estiveram mais de mil bombeiros.

quinta-feira, julho 26, 2012

PURA DIVERSÃO



Esta imagem do day after de um Avante é dedicada ao simpático comentário deixado no post onde elogiava um grupo de Jovens Belgas que passou uma temporada em Trás-os-Montes a limpar cursos de água, capinar, desmatar e ajudar as populações envelhecidas e que cito :


"..COITADOS"!?!? Bem, julgo que na vida há tempo para tudo, para trabalhar, dedicar tempo aos outros e para divertir. A forma como foi escrito até parece que a juventude portuguesa não vai fazer outra coisa do que ir a todos os festivais de musica! Ou será que estes jovens belgas também prescindem de se divertir? penso que não...Ás vezes um pouco de bom senso e meditação evita que se diga ou escreva disparates! Vá a Lisboa à noite e percorra as zonas dos sem-abrigo e vai ver muitos jovens a prestar apoio sem estarem inseridos em qq organização... eles próprios organizam-se entre eles e vão para a rua....

terça-feira, julho 24, 2012

SER ALTERNATIVO PELA POSITIVA



Enquanto os jovens portugueses cumprem o circuíto dos Festivais de Verão ,  coitados, depois do Rock In Rio, o Super Bock, O Alive, o Marés, o Cascais Jazz Fest , o  Paredes de Coura, o Sudoeste... a culminar no Avante, coitados...


Um grupo de  jovens escuteiros  Belgas decidiu por um "Festival" diferente ajudando as aldeias desertificadas do interior , aquelas onde se preparam para fechar mais duzentas e tal escolas...


Um exemplo a seguir, no país dos Festivais das bebedeiras de Verão

segunda-feira, julho 23, 2012

O REI VAI NÚ



Há países onde a coerência ainda conta, onde se enchem ruas de indignados quando lhes roubam salários e onde os reis, quando vão nús , não vêem os seus súbditos calados e onde os "verdes"  de teoria são postos no seu devido lugar :

A assembleia extraordinária da filial espanhola do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês), convocada para este sábado, tinha como único ponto de discussão a destituição ou não do rei Juan Carlos do cargo de presidente honorário. E os sócios da organização decidiram mesmo afastar o monarca espanhol daquele cargo honorífico, que ocupava desde 1968.

Em causa estava o polémico safari feito por Juan Carlos no Botswana, em Abril, na qual tomou parte numa caçada de elefantes e, após uma queda, acabou por ficar ferido. O rei de Espanha fracturou a bacia, teve de ser submetido a uma operação, mas a estadia no hospital não impressionou os defensores dos direitos dos animais, que muito o criticaram.

“É indecente, repugnante e indigno de uma pessoa com a sua responsabilidade. Você é a vergonha de Espanha”, escreveu então a actriz francesa Brigitte Bardot, conhecida activista na defesa dos direitos dos animais, numa carta aberta a Juan Carlos. Em Espanha, os críticos relevaram ainda o facto de o rei se dedicar a safaris em tempos de crise.

Os pedidos para o afastamento do rei da presidência honorária da WWF espanhola – lugar que ocupava desde a fundação da organização – foram muitos e, neste sábado, acabaram por ser ouvidos. Com 226 votos a favor (94%) e 13 contra, os sócios do Fundo reunidos em Madrid não deixaram margem para dúvidas sobre o facto de Juan Carlos já não ser ali bem-vindo.

“Apesar de este tipo de caça ser legar e estar regulamentada, [a sua prática] foi considerada incompatível, por muitos dos sócios, com a presidência honorária de uma organização internacional como o WWF de defesa da Natureza e do meio ambiente, e uma das que mais esforços e recursos dedica à conservação de espécies em vias de extinção”, lê-se na nota publicada online, após a assembleia extraordinária de hoje.

O que membros da organização fizeram, na prática, foi alterar os estatutos, eliminando o artigo 6 (“É presidente fundador e honorária da associação Sua Majestade o Rei D. Juan Carlos I de Espanha”). (PUBLICO)

domingo, julho 22, 2012

AUTARQUIAS DA MARGEM SUL IGNORAM POTENCIALIDADES DO RIO





Depois de encher as ruas da Margem Sul , terras de marinheiros, com a sua passagem, depois de depositarem uma coro de flores ao embalsamado D.Fernando II e Glória que não se $oube manter navegável ou depois de anos a ver apodrecer o Gil Eanes , que foi preciso levar para Vila do Conde onde o souberam recuperar e utilizar como Pousada de Juventude e também depois de ter visto passar ao largo uma quase frota , de navios de grande valor histórico para os afundar no Algarve, os autarcas modelo desta terra de aparafusadores navais e soldadores e metalúrgicos  (e o que parece a quem passa pelas rotundas doutrinárias de Almada). os autarcas modelo desta banda podem ver hoje desfilar pela porta dos fundos , a frota de mais uma Tall Ships Race...


Como cidadão agradeço à APORVELA , associação sem fins lucrativos - que promoveu a recuperação do Creola, construiu as caravelas “Bartolomeu Dias”, “Boa Esperança” e “Vera Cruz” e co-organizadora deste evento e divulgadora da vela em Portugal

sábado, julho 21, 2012

TALL SHIPS LISBOA



Se enquanto o país arde, a ministra que tutela o ambiente, o ordenamento...etc...etc...etc .... vai visitar com a prole os veleiros ancorados em Lisboa, você que me lê e não tem responsabilidades governativas é que não tem mesmo razão para não ir, é grátis ainda por cima .


Mas já devem ter dado por isso, é que ele é ordas de turistas e marinheiros a passear pelas belezas turisticas do Seixal e arredores...

sexta-feira, julho 20, 2012

BISPO NÃO ABENÇOA


TERÇA-FEIRA, 17 JULHO 2012 14:45 - "O Governo é profundamente corrupto”, diz D. Januário Torgal Ferreira na TVI. O bispo, que participava no programa 'Política Mesmo', defende ainda que o executivo de José Sócrates "era um grupo de anjos”, quando comparado com a equipa de Passos Coelho, que tem “diabinhos negros”. Torgal Ferreira vai mais longe: “Eu não acredito nestes tipos".

No programa ‘Política Mesmo’, da TVI, D. Januário Torgal Ferreira, bispo das Forças Armadas, teceu duras críticas à equipa do Governo. Para o bispo, a equipa de ministros de Passos Coelho é formada por “um conjunto de diabinhos negros”, sendo que Portugal está hoje, segundo Torgal Ferreira, em piores mãos do que com o anterior executivo.
“Eu não acredito nestes tipos, em alguns destes tipos, porque lutam pelos seus interesses, têm o seu gangue, têm o seu clube e pressionam a comunicação social”, afirmou Torgal Ferreira, que não se deteve.
“O anterior Governo, que foi tão atacado, era composto por um conjunto de anjos, ao pé destes diabinhos negros que acabam de aparecer”, disse o bispo, nesta entrevista, reiterando o discurso contra as políticas aplicadas pelo atual primeiro-ministro.
Num passado recente, D. Januário Torgal Ferreira fez duras acusações ao Governo de Passos Coelho, comparado com o regime de Salazar. O bispo manifestou-se recentemente “chocado” com as palavras de Passos Coelho, quando o chefe de Governo agradeceu aos portugueses paciência pelas medidas de austeridade. Essas palavras, disse, trazem-lhe à memória “os discursos da União Nacional”.
“O primeiro-ministro pareceu dizer ‘obrigado pela profunda resignação de um povo tão dócil e tão bem amestrado que parece estar num jardim zoológico’. Pareceu-me que estava a ouvir uma certa pessoa, há mais de 30 anos atrás. Apeteceu-me dizer 'vamos para a rua, vamos fazer Democracia'”, afirmou à TSF.
Entretanto, e dada a polémica declaração na entrevista concedida à TVI, a Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) já veio a terreiro demarcar-se das palavras de Torgal Ferreira, considerando que as acusações de “corruptos” feitas ao Governo representam uma opinião do bispo e não a posição da Conferência Episcopal.
O porta-voz da CEP, Manuel Morujão, revela à Antena 1 que "os bispos apelam sempre à justiça social", mas neste caso estamos perante "declarações a nível pessoal”.
A TSF contactou, entretanto, fonte do Governo, que preferiu não comentar as acusações de Torgal Ferreira, remetendo-se ao silêncio.

quinta-feira, julho 19, 2012

O EXEMPLO DA FINLÂNDIA



A Finlândia é natureza , para todo o lado que nos viremos, cada percurso que façamos ,  é floresta sem fim, são "Mil-Lagos" a perder de vista, mesmo assim , ao contrário dos nossos avançados autarcas, governantes e empreendedores :


Finlândia arrenda florestas para preservar biodiversidade

Finlandia : A Finlandia pelo enorme respeito que tem pelos seus recursos naturais irá alugar e preservar a floresta nativa que se encontra em dominio privado.

Terra
http://invertia.terra.com.br/sustentabilidade/noticias/0,,OI6004013-EI18949,00-Finlandia+arrenda+florestas+para+preservar+biodiversidade.html

See Translation

terça-feira, julho 17, 2012

E CÁ?



Quando se fala da implementação de certas medidas, como é instalar numa cidade um sistema alternativo/complementar de transportes baseado na bicicleta muitas desculpas surgem com factores como o acesso à tecnologia, ou neste caso em particular, o fabrico das bicicletas, o curioso é que sobre o sistema posto em prática em Paris nos últimos anos :


Metade das bicicletas mais famosas de Paris (VELIB)  foram feitas em Portugal  


São 23 mil e fazem no domingo cinco anos. Estão espalhadas pelos 1700  pontos de acesso em toda a cidade e arredores. Funcionam 24 horas por dia,  sete dias por semana. Têm habitués, fãs e curiosos. 
As Velib' são as bicicletas mais famosas de Paris, e metade das que  correm a cidadeforam feitas em Portugal. Este sistema de bicicletas urbanas  foi "um ponto de partida muito importante" para a empresa Órbita, disse  à Lusa o presidente da empresa, Aurélio Ferreira. Em cinco anos, estas bicicletas fizeram mais de 130 milhões de trajetos  e conquistaram mais de 220 mil clientes anuais. Em 2011 foram alugadas mais  de 30 milhões de vezes. "Hoje, o mundo está todo preocupado com a mobilidade, e somos consultados  permanentemente para bicicletas urbanas. Estamos com um sistema de bicicletas  urbanas que está a ter uma grande aceitação em Portugal e em todo o mundo",  afirmou. 
Este modelo, que os pés do mundo inteiro pedalam em Paris, é "muito  especial" e "continua atual". O responsável diz que a empresa tem apenas  substituído algumas peças com desgaste normal, e garante que tudo "está  a funcionar impecavelmente". Os ciclistas, dos ocasionais aos diários, confirmam.
Sílvia Pinto tem 45 anos, vive em São Paulo, no Brasil, e é administradora.  Encostou a sua Velib' para tirar uma fotografia. Está de férias em Paris  com a família, que também encostou, e que espera agora por ela. 
Todos gostam "muito" de andar de bicicleta, e por isso procuraram o  serviço: "Foi muito simples. Na esquina do nosso hotel havia um ponto de  bicicleta. Põe-se o cartão de crédito, pega-se na bicicleta e anda-se pela  cidade inteira. É uma bicicleta de ótima qualidade, funciona super-bem.  Delícia. Tudo dez!", disse à Lusa. Luciano Iaçu e Nicolás Salores, ambos estudantes, e ambos com 25 anos,  são argentinos. Vieram de Buenos Aires passar férias em Paris.  
Contam à Lusa que o posto de turismo os informou de que este serviço  existia e estava acessível a turistas: "Decidimos usá-las. Temo-las usado  em vez do metro, e quando já estamos cansados de andar a pé. Assim vemos  muito mais da cidade", afirmaram. Também Magali Lambert, de 58 anos, não tem razões de queixa. Esta parisiense  é utilizadora diária da Velib' desde o início do projeto. 
"Utilizo-a todos os dias, sempre que posso. Vendi recentemente o meu  carro porque estava farta. É muito caro em Paris. Subscrevi o serviço anual,  pago 29 euros por ano, e posso utilizar gratuitamente a bicicleta por períodos  de meia hora. Sou muito mais feliz", contou.  As bicicletas, diz, "são boas e robustas". Não percebe, acrescenta,  como é que "há quem consiga estragar algumas". 
"O serviço está cada vez melhor, mas podia melhorar ainda mais se houvesse  apenas bicicletas na cidade, se os carros fossem apenas para quem não pudesse  deslocar-se de outra forma", concluiu.  
 (Lusa)

segunda-feira, julho 16, 2012

UNS E OS OUTROS



Não vou ser fastidioso pois todos aqui se devem lembrar das multiplas violações da lei e do ambiente no Seixal, quer na Flôr da Mata com sucessivas desmatações ilegais, ou até com o que se passou com a construção de uma piscicultura em Corroios ( na imagem) feita ao arrepio das normas , das leis e dos procedimentos administrativos, tudo isto com denúncias públicas .


Dir-se-ía que nã há consequências para crimes ambientais desta natureza em Portugal, apesar da lei ser bem clara, pois aqui vai uma noticia que contradiz esses pensamento de que não vale a pena, passo a citar o Jornal SOL:

Os proprietários da Quinta da Rocha, na Ria de Alvor, foram condenados pelo Tribunal Administrativo e Fiscal de Loulé a repor as espécies e habitats que destruíram, informou hoje o Grupo de Acompanhamento da Ria de Alvor.
Em causa estão intervenções nos terrenos da Quinta da Rocha, Portimão, que afectaram habitats naturais e zonas protegidas da fauna e flora, situação denunciada durante anos por habitantes e organizações não governamentais da área do Ambiente. Apesar das movimentações de terras, não se chegou a construir no terreno, para onde estava anunciado um empreendimento de agroturismo.
Em comunicado, o Grupo de Acompanhamento da Ria de Alvor, que reúne seis associações ligadas à protecção da natureza, refere que esta é uma «decisão histórica para o direito ambiental português», após «anos de denúncias, autos de notícia e contraordenações» pela destruição de espécies, não especificadas.
De acordo com aquele grupo, a sentença obriga os proprietários à interdição completa de actividades nas zonas de habitats protegidos durante dez anos, dando aos sapais condições para recuperarem.
Os infractores terão ainda que apresentar ao Instituto para a Conservação da Natureza e da Biodiversidade um plano de recuperação das espécies destruídas.
«O facto de um tribunal administrativo condenar um particular, obrigando-o a medidas concretas de reposição ambiental em favor do interesse público, constitui um avanço considerável», refere aquele grupo, sublinhando que aquela medida, embora prevista na lei, raramente é aplicada.
Segundo os ambientalistas, este era um caso que ameaçava acabar «como quase todos os outros casos de destruição de zonas protegidas», já que, depois do facto consumado, «fica quase sempre aberto o caminho para, após o pagamento de pequenas multas, serem feitos negócios milionários com terrenos que foram comprados muito baratos».
«Durante os próximos dez anos, a Ria de Alvor vai ter uma oportunidade de encontrar outros modelos de desenvolvimento económico, cujo legado não seja apenas betão e lucro fácil», concluem.
O Grupo de Acompanhamento da Ria de Alvor é constituído pela associação A Rocha, Almargem, Quercus, Liga para a Protecção da Natureza (LPN), Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA) e Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA).
Em Fevereiro, o administrador da empresa proprietária da Quinta da Rocha, Aprígio Santos, já tinha sido condenado a dois anos de prisão com pena suspensa pela prática de crimes contra a natureza, na forma continuada entre 2006 e 2010, e de desobediência.
O administrador da empresa Butwel e presidente do clube Naval 1.º de Maio, da Figueira da Foz, ficou com pena suspensa sob a condição de, no prazo de seis meses, entregar a quantia de 150.000 euros à Associação de Defesa do Património Cultural e Ambiental do Algarve (Almargem).
Aprígio Santos comprou a propriedade da Quinta da Rocha, com mais de 200 hectares, em 2006. ao empresário madeirense Joe Berardo.
A Ria de Alvor é a terceira zona húmida mais importante do Algarve, a seguir à Ria Formosa e ao Sapal de Castro Marim.
Lusa/ SOL

domingo, julho 15, 2012

RECICLE NÃO DERRAME



Esta imagem diz mais que mil palavras, mas acrescento e apelo à consciência daqueles que vão passear para os pinhais e florestas para...mudar o óleo à viatura, é tão fácil, abre-se o carter e deixa-se verter no solo o óleo antigo...no solo... depois é só pôr o novo e ír satisfeito para a sua bela cazinha...

sábado, julho 14, 2012

OUTRA "REALIDADE"



Hoje, em entrevista  na TSF  a "Sô Dona" ou será "SÔ Tora" (?) Dores Meira revelou que ia avançar com uma queixa conta a DECO por esta ter em inquèrito aberto à qualidade de vida nas cidades ,  considerado na listagem final e de acordo com os parâmetros inquiridos , Setúbal como a cidade com pior qualidade de vida.


Isto só pode vir de quem tem uma visão enviozada da realidade, e vive ainda na cultura Soviética da perfeição dos líderes e suas obras.


Deixo aqui o repto da DECO avançar contra a Ilustre e pouco dada a críticas autarca , no sentido de apresentar queixas crime sobre a publicidade enganosa e promessas não cumpridas.

sexta-feira, julho 13, 2012

CALDOS DO MESMO TACHO



Sobre o caso "Dr" Relvas, vejo a classe politica em geral muito calada, será por não quererem mexer muito nas suas próprias ditas cujas "licenciaturas" ? 


É que depois dos canudos rosa da Independente, vemos agora canudos Laranja na Lusófona, mas percursores mesmo destes up-grades foram muitos ditos (turbo) doutores Comunistas com canudos importados, da Bulgária, da ex URSS etc...etc...etc... será por isso que andam tão caladinhos ?

quinta-feira, julho 12, 2012

PERDER O MEDO , GANHAR DIGNIDADE




Há um dia, depois de nos tirarem tudo... em que já não há nada a perder,  ultrapassa-se o medo...e sai-se da "zona de conforto" ... 


A História não está feita.

quarta-feira, julho 11, 2012

"A PORCA DA POLITICA"



Os negócios dominam a vida política. A confusão entre interesses privados e públicos é regra.


O maior antro deste tráfico de influências é a Assembleia da República. Desde a comissão parlamentar de acompanhamento ao programa de assistência financeira, onde os interesses da EDP estão representados através dos deputados Pedro Pinto e Adolfo Mesquita Nunes, até à comissão de agricultura, onde o parlamentar Manuel Isaac fiscaliza a actividade do Ministério que tutela o sector da empresa a que está ligado. São dezenas os deputados que, de forma aparente, potencial ou real, estão em situação de conflito de interesses.
Mas a promiscuidade não se esgota aqui. Contamina até o Banco de Portugal, em cujos órgãos sociais têm assento representantes da banca privada como António de Sousa, que assim se pronunciam e condicionam a actividade do Banco Central, que supervisiona as entidades para que trabalham.
Só neste caldo de cultura poderiam nascer negócios ruinosos como as parcerias público-privadas rodoviárias, com lucros garantidos aos privados e riscos a correr por conta do estado. O que talvez se perceba se atentarmos que os principais administradores das concessionárias das PPP são os ex-ministros das obras públicas dos governos que as conceberam e implementaram. Como Ferreira do Amaral gizou o negócio da Ponte Vasco da Gama e preside hoje à entidade concessionária, a Lusoponte; ou Jorge Coelho e Valente de Oliveira que são administradores da Mota Engil, a empresa dominante no sector das parcerias.
O poder dos negócios sobre o interesse público é tal que um grupo privado, o Mello, consegue dispor de crédito de quinhentos milhões dum banco público, a Caixa, para uma operação de aquisição de uma empresa privada, a Brisa; para que mais tarde esta se possa eventualmente candidatar à privatização de uma empresa pública, a ANA. Aterrador! Os administradores da Caixa, nomeados politicamente, já não são só promíscuos, parecem mercenários.
Os interesses privados capturaram os agentes políticos e alimentam-se da enorme manjedoura que é o orçamento de estado. Como diria Bordalo Pinheiro, "a política é uma porca em que todos querem mamar". E neste regime, os mamões estão insaciáveis. (Paulo Morais in Correio da Manhã)

terça-feira, julho 10, 2012

SOCIALISMO EM DIRECTO



A Famiglia dos Santos e os outros... todos iguais , mas uns nitidamente diferentes...


Digam lá se não é um modelo urbano bem conseguido ... 

segunda-feira, julho 09, 2012

CAPUCHINO


O café continua a caír mal aos despotas da região , qualquer dia exigem passaporte e guia de marcha a quem "venha de fora" cá tomar café. 


Parece que então os Capuchinos não caem nada bem a quem prefira outras bebidas.


Para a próxima ponham no menu um Irish-cofee.

segunda-feira, julho 02, 2012

O MINISTRO DA SALSICHA


Hoje somos uma "familia  feliz ", o  Ministro dos Negócios Estrangeiros do meu país  foi abrir uma loja de cachorros quentes em Xangai , não podia ser melhor, oferecemos a preço de saldo sectores estratégicos no noso país e vamos emigrar para  vender salsichas num país ( que nos compra e ) onde os direitos humanos e laborais e ambientais são no mínimo , limitados .


E é tão bom ver um homem do PP fazer de corta fitas num país Comunista.

domingo, julho 01, 2012