quarta-feira, junho 30, 2010

VIOLÊNCIA EM ALMADA

"Esta madrugada cerca de 50 moradores do bairro do Asilo, no Monte da Caparica, envolveram-se em confrontos com a polícia. A GNR deteve 18 pessoas para identificação. Quatro guardas ficaram feridos. SIC 29/6/10 "

Mais palavras para quê ? Já não admira... mas o que choca é o estado a que aqueles residentes deixaram chegar as partes comuns dos prédios construídos com dinheiro do erário público.

Em vez de agradecerem e manterem , vandalizam , destróem e desrespeitam as autoridades!

terça-feira, junho 29, 2010

METRO A METRO...TUDO NA MESMA


A politica é hoje a arte de prometer... de nada mudar, de nada concretizar ... e para manter as expectativas de que se está a fazer alguma coisa recorre-se a conselheiros , a adjuntos e ... formam-se comissões técnidas, de acompanhamento... conselhos de sábios ...

Parece ser o que se passa com o projecto Metro Sul do Tejo, depois de alguns acidentes mortais e de as autarquias de Almada e Seixal assumirem que havia erros crassos e perigosos de projecto numa estrutura que atravessa os seus concelhos.

Depois de terem passado vários meses desde que empresa concessionária e autarquias terem avaliado da necessidade de criar meios de protecção adequados, sinalética e informação... NADA FOI FEITO de palpável... para além da « criação de um grupo de trabalho» !


Nem um folheto, nem uma campanha ... NADA !


Estamos à espera de mais mortes ?

segunda-feira, junho 28, 2010

WE HAVE CAOS IN SEIXAL


A BANDALHEIRA e consequentemente a falta de autoridade , de orientação, de moral e de ÉTICA parecem ter assentado arraiais na Câmara do Seixal .
____________________________________________

Uma Câmara FALIDA , sem liderança nem rumo que se põe sob o tecto do maior construtor civíl do concelho pagando-lhe , por ajuste directo, valores da ordem dos trezentos mil euros mensais.

Quando ao mesmo tempo a mesma instituição se recusa, interpondo recurso atrás de recurso , por advogados pagos a peso de oiro... há anos , para não cumprir uma indemnização, bem menor que essa sagrada dizima mensal ao Grupo A.Silva & Silva , a uma família vitima de um acidente mortal na via pública, de uma criança, um caso em que a autarquia foi já em tribunal considerada culpada...mas apesar disso continua a obrigar a familia a viver um calvário desumano.

_____________________________________________

Uma câmara que tem e mantém , no lugar de Vereador do Urbanismo , alguém que sobre a agressão de um mamarracho numa zona histórica se sai com a expressão "a questão arquitectónica é muito apaixonante " e que tem no seu historial outras citações e actuações conhecidas, tal como as registadas a propósito da urbanização da "Flor da Mata" - uma zona VERDE assim considerada , e protegida no PDM - ou a mentira assumida perante um Deputado da A.R. - o deputado Carloto Marques - Em que assumiu perante este a renaturalização da àrea de Reserva Agrícola e ecológica ocupada junto ao nó do Fogueteiro pela empresa Gomes Alho durande as obras de alargamento da A2 , quando nada foi verdadeiramente feito, beneficiando é claro a dita empresa que se libertou do ónus ambiental da empreitada.

_____________________________________________


Se no anterior caso a inconsequência interna ainda se possa explicar por se tratar de um digno militante do PCP local, não se entende o caso seguinte , em que um funcionário diz :

-
"Não sou filiado em partidos mas tenho ideais que movem a minha acção política e social. Sempre no interesse do Concelho onde moro, o SEIXAL" - Como é que alguém que obedece a um código de conduta para com a entidade que o emprega e a sua estrutura hierárquica ... se dá ao desplante e a impunidade interna de caricaturar e denegrir ipunemente - nunca ninguém do PCP ... é certo - cidadãos eleitos em sufrágio universar , devidamente empossados e investidos pela mesma autarquia e como tal, seus superiores hierárquicos a quem , ridiculariza caricatural e verbalmente na praça pública.
__________________________________________

E depois , ao mais alto nível veja-se o caos geral em que se está a transformar a mudança, sucessivamente adiada, dos vários serviços autárquicos, do centro histórico do Seixal para o novo majestoso Edificio A.Silva & Silva onde a grande preocupação parece ser, mais uma vez o despesismo Ceausesquiano , da ostenção arquitectural à compra de tapeçarias monumentalmente caras , e o controlo obcessivo, intimidatório e ostensivo dos seus trabalhadores...por todos os meios e tecnologias ao dispôr...
__________________________________________

E depois... tudo o resto está adiado!

- Onde está o cumprimento dos projectos prometidos na campanha eleitoral para o primeiro trimestre de 2010 ?

- QUEM MANDA E QUAL É O RUMO E O ROSTO DA C.M.DO SEIXAL?

- É QUE PARECE QUE , BANDALHEIRA MAIS BANDALHEIRA NÃO HÁ !

domingo, junho 27, 2010

UMA IDEIA LUMINOSA 2



È a oon, uma empresa portuguesa dedicada à reutilização de óleos usados.

Como noticía o Expresso :

«
Até dia 30, a Oon Recycling Solutions tem aberta ao público uma loja happening no espaço da antiga Pastelaria Marques, na Rua Garrett. É lá que, entre as 10h e as 20h, cada visitante pode assistir a uma demonstração da Oon Candlemaker, uma pequena máquina que transforma os óleos usados em cera vegetal. O visitante pode mesmo criar as suas próprias velas com o óleo ou o azeite alimentar levados de casa.»

sexta-feira, junho 25, 2010

UMA MAIS AMPLA VISÃO , A ECONOMIA DA ECOLOGIA


Na época do lucro fácil e imediato defendemos há muito a valoração económica da natureza e de quem protege o ambiente , o respeito pela natureza e pelo solo, muito para além para além do seu potencial construtivo , até pelo valor acrescentado que estes factores trazem à VIDA, alguns destes valores , essenciais a essa mesma vida como a água e o oxigénio.

Nessa ideia, veja excertos da mais recente entrevista dada por Pavan Sukdek ao PUBLICO (link)
, em defesa de uma ideia de que :

«A economia está a invadir o raciocínio conservacionista da natureza e a desafiar o que tem sido a prática dominante: vivemos orientados para o lucro privado, não para o bem público. O segredo está em fazer com que a perspectiva tenha sentido económico para as pessoas, até que as políticas sejam suficientemente pressionadas e mudem.» « Pavan Sukhdev é o economista indiano que interrompeu a sua carreira de banqueiro no Deutsche Bank para liderar o projecto que liga os europeus, o G8 e as Nações Unidas: convencer as sociedades de que tanto a destruição como o usufruto da biodiversidade e dos ecossistemas têm um valor.

A realidade vai dando razão ao trabalho da equipa de Sukhdev, que terminará antes da cimeira da biodiversidade, a realizar em Outubro, em Nagoya, no Japão.
Se tivesse Tony Hayward à sua frente, o que diria ao presidente da segunda maior companhia petrolífera do mundo sobre o que ter em conta em relação ao problema ambiental que causou no golfo do México?

Há várias maneiras de olhar para o problema.
A primeira é que a BP e a indústria devem investigar se o que aconteceu foi não ter havido um equipamento que travasse automaticamente a fuga. Se foi esse o caso, foi por causa da regulação local, de uma decisão da companhia ou de ambas?

É preciso investigar o que aconteceu em termos de segurança.
A outra é que toda a indústria petrolífera tem de entender que é preciso avaliar as externalidades [efeitos tradicionalmente considerados colaterais e que não são considerados no preço de mercado dos bens, neste caso, o petróleo]. (...)

Em 2006, o economista Nicholas Stern fez um estudo sobre o impacto económico das alterações climáticas. Tanto esse como o seu têm números que impressionam, mas o de Stern ficou mais no ouvido. Tinha números mais "sexy" ou é a biodiversidade que é difícil de entender?

Sir Stern quis avaliar os impactos de acontecimentos, probabilidades e riscos futuros sobre a economia, com base em complexos modelos climáticos. Na biodiversidade, a complexidade é de outra natureza.

Aqui não falamos de efeitos futuros, mas do presente, sempre a três níveis simultâneos.
Um é a nível local. Tem a ver com a vida das comunidades locais, por exemplo, se têm ou não acesso a produtos florestais não lenhosos ou às pastagens. O efeito a nível regional já é à escala do país, com os problemas de acesso a água por parte de uma população que lhe permita manter os campos férteis, dos quais dependem não só os agricultores, mas toda uma sociedade. Depois há o efeito global. Por outras palavras, é o impacto de não se ter mais floresta ou recifes de coral.

Acredita que os casos que mostram que os benefícios são maiores que os custos estão a convencer os decisores políticos para adoptarem políticas sustentáveis?


Ainda não. Porque os decisores ainda não agem tendo em conta os benefícios públicos. Como, por exemplo, os benefícios de ter água e ar limpos, de não ter inundações em França e na Alemanha e secas na Índia. Esses casos são vistos como catástrofes naturais, as pessoas não os ligam com a ecologia que deve ser protegida, apesar de existirem todas as razões para o fazer.
Há locais, desde Nova Iorque a São Francisco e Bombaim, onde as florestas são usadas como reservatórios de água para abastecer as cidades. Por isso, deviam estar a pensar em investir em infra-estruturas ecológicas. No fim de contas, isto é um bem público.

Todos pagamos impostos, é dinheiro público que deveria ser usado para o bem de todos. Este pensamento ainda não existe em muitos governos. Alguns estão à frente, mas ainda assim a atenção está voltada para criar riqueza privada, na mão das empresas. Temos de repensar a nossa política de impostos e começar a taxar as externalidades, como as emissões poluentes, e não apenas os lucros e receitas. O esgotamento de recursos deveria ser taxado, por exemplo. (...) »

quinta-feira, junho 24, 2010

NOVAS QUÊ?



A propósito dos últimos posts, nomeadamente o facto de numa altura de profunda crise uma Câmara Comunista (Seixal) abandonar as suas instalações próprias para se tornar inquilino do maior construtor do município - 280 MIL EUROS MENSAIS - muitos foram os comentários e as opiniões geradas, gostaria de salientar o seguinte comentário.


O a-sul pelos seus leitores:

« É constante a voz do PCP, reclamando novas politicas. Será este porventura o resultado das novas politicas que o PCP reclama e pratica nas câmaras municipais em que é poder, no caso concreto do Seixal, em que é poder há mais de trinta anos- ter passado a inquilino da maior empresa capitalista da construção civil do concelho?

É verdade que o PCP reclama novas politicas, mas nunca as nomeia nem explicita.
Teremos então, na prática das suas estruturas desvendar o mistério?

Não é bem assim, poderemos ir ao seu programa Portugal - Uma Democracia Avançada no Limiar do Século XXI”, e parte-“3.
O processo contra-revolucionário, na sua obra de destruição das conquistas de Abril, desenvolveu-se e continua a desenvolver-se em cinco direcções fundamentais complementares e inseparáveis:

a) a reconstituição e restauração das estruturas socioeconómicas do capitalismo monopolista de Estado;
b) o agravamento da exploração dos trabalhadores, a liquidação de alguns dos seus direitos e liberdades e graves limitações de direitos sociais dos portugueses;

c) a perversão do regime democrático tendente à instauração de um regime autoritário;
d) a promoção e reposição de valores obscurantistas ou retrógados no domínio da cultura, das mentalidades e da ideologia;
e) a aceitação, como opção estratégica, da crescente dominação do capital estrangeiro sobre a economia portuguesa e de limitações à soberania e independência nacionais.

A reconstituição e restauração das estruturas socioeconómicas do capitalismo monopolista desenvolveu-se numa planeada, coordenada e progressiva ofensiva contra as nacionalizações e outros sectores não capitalistas.

Começou com a entrega ao patronato de empresas intervencionadas, cooperativas e empresas em autogestão. Reforçou-se com políticas de crédito, de investimentos, de preços e de comércio externo desfavoráveis às empresas nacionalizadas e com a nomeação para estas de gestores interessados no seu insucesso tendo como missão preparar as privatizações.


Avançou com a entrega crescente das empresas públicas ao capital privado, até à totalidade do capital. E traduziu-se num historial de fraudes, subavaliações, leilões, esbulhos, casos de corrupção, entrega de milhões de contos de dinheiros do Estado e especulações bolsistas. “


Se para o PCP é este o processo contra-revolucionário contra o qual luta, o acto da CMS passar a ser inquilino do construtor monopolista e capitalista o que é?

A entrega do Estado”CMS” nas mãos do capital fará parte de alguma estratégia revolucionária?
Irra, se o PCP conseguisse levar à prática no país estas“novas politicas”.... »

quarta-feira, junho 23, 2010

JUSTIÇA...UM ANO DEPOIS



Publicámos há um ano , em plena campanha eleitoral , este post (link) documentado pela imagem acima , uma foto@sul.

Houve queixa por parte do Dr.Paulo Edson Cunha .
O veredicto veio... agora , tarde demais quanto a mim, mas só dá razão aos que lutam pela democracia e liberdade neste concelho .

A noticia é do semmais, a fotografia é nossa!


terça-feira, junho 22, 2010

TEMPO DE HUMOR



Hoje é um dia dedicado à boa disposição, depois dos 7 a zero... Para tal vou citar dois pândegos do melhor , directamente da autarquia seixalense , onde as reuniões de câmara, mesmo quando a vereadora Corália não está, como era o caso , parecem ser verdadeiras sessões de stand-up-comedy .

Dois exempl
os então.

Primeira piada:
« A questão arquitectonica é muito apaixonante » , a propósito de um mamarracho construído na zona histórica da Arrentela , o humorista Jorge Silva , não tem qualquer formação na área e é vereador do Urbanismo da Câmara do Seixal.


Segunda piada.

Esta ain
da mais rebuscada que a primeira, o que se compreende vinda de um Dr... Joaquim Santos de seu nome e apontado como sucessor - possivelmente na "secretaria" - do actual Alfredo Monteiro.

Diz então este segundo bem disposto:
« O Seixal é um exemplo em urbanismo, sendo reconhecido pelo seu planeamento urbano com uma progressão positiva (...). Quem mora no concelho e quem o visita , recomenda-o ... »

E já chega que, não quero que ninguém morra a rir !!!

segunda-feira, junho 21, 2010

OS INIMPUTÁVEIS !


Faz de novo bom tempo convidativo de passeios ao ar livre e na praia . O Seixal foi um concelho bafejado pela sorte e possui uma das maiores linhas de costa, não marítima, mas estuarina , com longas extensões de praias de areia, que onde milhares de munícipes acorrem sobretudo ao fim-de-semana , com grande expressão na Praia da Ponta dos Corvos.

Em Alcochete, no Montijo, na Moita, no Barreiro têm as referidas Câmaras municipais investido nos últimos anos , quer na limpeza dos areais, quer na criação de infraestruturas de apoio, sendo a mais básica dessas medidas a construção de chuveiros . A Câmara do Seixal não alinha por esta linha , a desculpa é de que a responsabilidade daquelas zonas é da APL e que a Câmara nada pode fazer...

Agora, a propósito de um texto de Clara Ferreira Alves publicado no Jornal Expresso , sobre a "feira terceiro mundista" em que se tornou a Estrada de Sesimbra de que aqui deixo o link e um excerto , cito :

«Quem passa a caminho de mais verdes paragens conhece o troço de Fernão Ferro por "o pesadelo". Ou "a lixeira". Próspera, cheia de moradias, algumas com piscina, a freguesia não é habitada por gente pobre. O problema não é a pobreza, é o modelo de riqueza. Dos 25 km quadrados a maior parte deve ter sido mata e pinhal dos quais se notam alguns vestígios secos e poeirentos, troncos ressequidos e manchas de pinheiros onde esvoaçam sacos de plástico nos dias de vento.

A estrada serve de mostruário dos intermediários e negociantes dos objectos, serviços e confortos da existência suburbana que copia a rústica. Piscinas de plástico; lareiras de pedra falsa; banheiras, retretes e lavatórios de porcelana; organizações de eventos, casamentos e baptizados; hortos, vasos e potes de barro; gnomos e fornos; restaurantes com nomes em elisão; automóveis novos e em segunda mão; hotéis diurnos; oficinas de mecânica e bate-chapas; esquemas nocturnos.

Existe uma loja, com vasto pátio a dar sobre a estrada, que ostenta um jardim zoológico em réplicas de tamanho natural, cavalos e campinos, burros e javalis. Decerto haverá golfinhos. Leões de gesso olham do alto dos muros das casas, guardiães dos templos do mau gosto. Num jardim particular, a Branca de Neve e os Sete Anões está cercada por uma variedade de estatuetas e miniaturas de alfaias agrícolas na Disneylândia ao domicílio.

Ficamos agora a saber, graças a um escriba-funcionário local que afinal temos de pedir responsabilidades , não à Câmara do Seixal ... que "nenhuma responsabilidade" tem, mas sim à Estradas de Portugal... permitam-me então citar, a mais desavergonhada desculpa dos últimos anos sobre o tal... :

«
... texto completamente estapafúrdio da Sra. Clara Ferreira Alves, para insinuar que a culpa do actual estado de conservação e fiscalização da Estrada Nacional 378 que liga o Seixal a Sesimbra, é da responsabilidade da Câmara Municipal. Ora nada disto poderia ser mais FALSO e, se a Sra. Clara Ferreira Alves desconhece este facto (embora seja licenciada em Direito) (...) . E fá-lo de uma forma desonesta, como sempre, com o único intuito de caluniar a CMS e desrespeitar a inteligência dos habitantes do Concelho. (...) Em primeiro lugar convém explicar que as Estradas Nacionais, onde se inclui obviamente, a N378, integram desde o Plano Nacional Rodoviário de 2000, a Rede Nacional Complementar (
Decreto-Lei n.o 222/98 de 17 de Julho, artigo 4.º). (...)

Obviamente que isto é o mesmo que dizer que a E.P. tem por objecto a "concepção, projecto, construção, financiamento, conservação, exploração, requalificação e alargamento da rede rodoviária nacional" (Decreto-Lei n.º 374/2007 de 7 de Novembro), onde se inclui a rede nacional complementar. Aliás, até no que diz respeito à construção de novas acessibilidades a este tipo de vias tem que se respeitar os desígnios, nem sempre facilitadores da vida dos seus utilizadores e de que a Sra. Clara Ferreira Alves tanto se queixa, é da responsabilidade da Estradas de Portugal (artigo 7.º do Decreto-Lei n.o 222/98 de 17 de Julho) - in O Flamingo »

INIMPUTÁVEIS !!!! POIS ENTÂO !!!

Ficam pois a saber , Clara Ferreira Alves incluída que, a versão oficial, da responsabilidade de estarmos como estamos em termos de desenvolvimento , no Seixal, é de todos ... menos da Câmara Municipal do Seixal . Caos urbano, densidade humana, desmatação, desflorestação , inexistência de praias fluviais , um hotel debaixo de um cabo de Alta Tensão...e se calhar até aquele bairro de realojamento que queriam fazer , junto e com saída para a EN378 etc...etc...etc... serão então , culpa das Estradas de Portugal ...
e se calhar da APL ... da CDU é que não...

Esta gente , é não só mentirosa, como intelectualmente desonesta!


domingo, junho 20, 2010

CANDEEIRO SOLAR



Esta é a proposta ecológica para substituir o candeeiro a petróleo ainda amplamente usado por todo o mundo.
Energia solar e LED's parecem ser a solução.

sábado, junho 19, 2010

O ÚLTIMO CADERNO DE SARAMAGO


Este o último post do blogue Caderno de Saramago :

«Acho que na sociedade actual nos falta filosofia. Filosofia como espaço, lugar, método de refexão, que pode não ter um objectivo determinado, como a ciência, que avança para satisfazer objectivos. Falta-nos reflexão, pensar, precisamos do trabalho de pensar, e parece-me que, sem ideias, não vamos a parte nenhuma. J.S.»

Revista do Expresso, Portugal (entrevista), 11 de Outubro de 2008


Nós por cá , até poder, vamos continuar a seguir algumas das linhas propostas por Saramago, como a prática interventiva da cidadania que tanto incomoda os seus correligionários de Partido , agarrados que continuam à sua Jangada de Pedra , praticando um longo Ensaio Sobre a Cegueira , deslumbrados agora em obra fisica, inventando cada um o seu Memorial do Convento , sendo nós um de Todos os Nomes que pretendem a todo o custo calar, por contrariarmos a corrente dominante, a massa inerte em que nos querem transformar :

«Inventámos uma espécie de pele grossa que nos defende dessa agressão da realidade, que nos levaria a assumi-la, a percebermos o que se está a passar e a fazer o que finalmente se espera de um cidadão, que é a intervenção. J.S. »

Gostaria de sublinhar e salientar as posições tomadas nos anos mais recentes sobre a problemática ambiental , nomeadamente na campanha da Greenpeace para salvar as últimas florestas primárias do planeta - em contralinha com a politica seguida pelas autarquias do seu Partido na Margem Sul - a posição pública de alerta sobre as consequências do aquecimento global ou o papel amigo do ambiente que fez questão de usar na publicação das suas últimas obras .
Deixo-vos com excertos do manifesto que subscreveu no seu blogue eo 28/10/2008 em que defendia :

«
Uma economia de desenvolvimento que elimine a abusiva exploração dos recursos naturais que tem lugar na actualidade (petróleo, gás, minerais, carvão) e que faça com que se apliquem normas vigiadas por uma Nações Unidas refundadas – que envolvam o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial “para a reconstrução e desenvolvimento” e a Organização Mundial de Comércio, que não seja um clube privado de nações, mas sim uma instituição da ONU – que disponham dos meios pessoais, humanos e técnicos necessários para exercer a sua autoridade jurídica e ética de forma eficaz.

Investimento nas energias renováveis, na produção de alimentos (agricultura e aquicultura), na obtenção e condução de água, na saúde, educação, habitação… para que a “nova ordem económica” seja, por fim, democrática e beneficie as pessoas. O engano da globalização e da economia de mercado deve terminar! A sociedade civil já não será um espectador resignado e, se necessário for, utilizará todo o poder de cidadania que hoje, com as modernas tecnologias (link) de comunicação, possui. »

Deixo-vos com a história - para ser entendida pelas crianças - escrita , narrada e "protagonizada por Saramago chamada A maior flôr do mundo , esperan do que os nossos autarcas, que dizem ser defensores e seguidores da mesma ideologia politica, possam na prática ombrear com a coerência do Nobel .


________________________________________________

Patéticas as declarações propagandisticas do Vereador Martins da Protecção Civil da Câmara de Almada no programa Sociedade Civil, ontem sobre Saramago...

sexta-feira, junho 18, 2010

SURPRESA ?



A actual classe politica parece surpreendida, alguns economistas parecem surpreendidos , a União Europeia parece surpreendida ...

Todos estes "actores" aparecem agora perante os eleitores ... SURPREENDIDOS ...e a cortar ... nos ordenados, nas pensões...

Mas, alguém no puro poder das suas capacidades mentais poderá mostrar-se surpreendido perante a insustentabilidade da vida que temos levado nos últimos trinta anos ?

Até acredito na incredulidade de alguns politicos. Não que acreditassem na sustentabilidade do fartar vilanagem, mas , porque acreditavam que a ressaca das suas rotundas , das suas urbanizações e condomínios, das suas autoestradas só se sentiria daqui a uma ou duas gerações. Entretanto o que conseguiriam amealhar estaria a salvo numa conta num qualquer paraíso fiscal e nunca teriam que ser julgados pelas decisões ruinosas que têm tomado... e nos arrastam para o ponto onde estamos.

- Agora pagamos todos !

Alguns responsáveis por este estado de coisas vão ter até a lata de se manifestarem contra as medidas que nos vão afectar a nós , que não fomos perdidos nem achados e , quer queiram, quer não, nos vão fazer caír na real... Mas entretanto, nos próximas décadas vamos continuar ainda a pagar - aos do costume - contas como as que as imagens documentam ...

- Não é "Camaradas" ?

quinta-feira, junho 17, 2010

PERGUNTAS SEM RESPOSTA ?




Eu tenho uma pergunta a pôr :

- Podia o Seixal ser o mesmo sem a promiscuidade entre a Câmara do Seixal e o Grupo A.Silva & Silva ? Podia... mas não era a mesma coi$a ...
______________________________________________

Outras questões postas no A-SUL pelos seus leitores :


« Deram as casas aos que tinham barracas na Boa Hora, deixaram que eles as vendessem e construissem novas barracas na quinta do Cabral, até lá lhes puseram caixas de correio e depois mandaram-nos para a Cucena. Mas só a alguns, porque sei de pessoas idosas que foram pedir casas, mas para esses não houve (se calhar, sorte a deles). Já agora, e o espaço que foi dado á associaçao das mulheres ciganas, inaugurado com grande pompa e circunstancia? estará a ser utilizdo como era suposto? ou será como o outro barracão do Bairro da Jamaica, em que foi preciso os moradores ameaçarem a cãmara para lá irem demolir aquilo? (anónimo) »
______________________________________________

«Desterrar seres humanos para um fim de mundo (Cucena) daqueles onde não há nada. Pobre gente não se faz aquilo com ninguem. Podem alguns até não ser os cidadãos mais exemplares do mundo os que moram na Cucena mas não é com o realojamento que a camara do seixal fez que vão passar a ser. Não têm condições dignas na residência que lhes deram que os incentive a seres melhores seres humanos.

É pena que estes autarcas que fazem este tipo de coisas não vão eles sentarem-se no banco dos reus para explicarem porque fizeram um negócio ruinoso para a camara e para o povo que foi realojado apenas lucrou e muito o a silva e silva que ganhou balurdios com o negócio. Porque seria que este negócio se fez?

A mesma empresa de construção que fez o novo edifício para arrendar à camara por uma fortuna e também a mesma empresa a quem a camara vai entregar o quarteirão dos actuais serviços técnicos policia finanças no seixal, para fazerem prédios de 6 andares. Não é esquisito ser sempre a mesma empresa. Assim como é esquisito que a camara deixe fazer prédios de 6 andares dentro duma vila histórica em que os prédios mais altos são de 3º andar ? (anónimo) »
__________________________________________________

«
A Câmara do Seixal transmite jogos em ecrà gigante no largo da Igreja no Seixal. Assim se vai gastando na camara o dinheiro dos municipes. Será que a Câmara vai dispensar os trabalhadores da camara para irem ver a bola às 15,oo horas? (anónimo) »

_____________________________________________

«No chamado "Parque do Forum", há falta de sombra e iluminação. A sério, já se sabe que de árvores a CMS não gosta muito mas é mesmo difícil arranjar maneira de criar umas estruturas [ecológicas, preferencialmente] para nos darem um pouco de sombra no Verão e abrigo para de Inverno? Reparo que quando o Verão está a pique e o calor é abrasador o Parque do Fórum está deserto; porque é um deserto! Não há sombra, não há bancos abrigados, nada! Nem pessoas, por conseguinte. E à noite, quando finalmente o calor passa, não há luz! - que sonho é este "Parque"! Que desliguem a água eu percebo, há que poupar e tudo mais; mas luz? »

«Outra coisa que me faz espécie é que no Seixal há muito sítio que funciona só a meio gás, é tudo às metades. Ainda no Parque do Fórum, só o Parque é que conta - o outro lado da estrada? Naaa... Podiam ser criadas ali, logo ali, com dois metros de distância, mil e uma coisas diferentes para atrair população, de todas as idades: um Skate Park (aquelas "coisas" não contam); um espaço com vista para o rio e para a Amora e Corroios que servisse de âncora à Cultura, um restaurante/bar com espaço para exposições, concertos, mostras, etc. - podia ser que o Seixal deixasse de ser apenas o sítio para ir dormir e passasse a ser vivido e atractivo; podia ter verdadeiros equipamentos poli desportivos, que não paus e ferros apenas; ou apenas o prolongamento do Jardim - com bancos, sombra/abrigo, árvores que se vejam e iluminação...

É que há tanto sítio assim aqui no Seixal que até mete dó; de um lado é, 1 metro depois deixa de ser. É assim na Amora, Paio Pires, Torre da Marinha, em todo o Concelho na verdade! Porquê? Porque é que custa relvar (ou arborizar) uns pedaços de terreno mas se constroem rotundas com relva? » (Verdades)
___________________________________________________

«
Recentemente a comunicação social relatou o caso de um bando de 13 traficantes de armas que foi apanhado pela PSP e recebiam o Rendimento de Inserção. Alguns destes eram moradores no Seixal e outros em Almada.

por sua vez, a Lei 13/2003 refere que o ‘processo desencadeado com o requerimento de atribuição é obrigatoriamente instruído com um relatório social da responsabilidade do núcleo local de inserção competente’. No caso do Seixal, segundo uma simples pesquisa na Net, surge o Conselho Local de Acção Social do Seixal.

Ora, embora saibamos que quando se quer ser bom actor, se consegue obter o que se deseja, mas não teriam obrigação estas equipas de serem mais rigorosas na inspecção que fazem e nos relatórios que entregam? ( M ) »
________________________________________________

NOTA - Obrigado pelo alerta, apesar da indicação de zero comentários, eles existem e encontram-se abertos e visíveis. O problema da indicação está na origem - Bloger - e não nas opções do a-sul que se mantêm como sempre. Por isso, não exite, comente, como vêm pelo post de hoje, o a-sul dá a primeira página aos seus comentadores, coisa rara por estas bandas ... Obrigado!

quarta-feira, junho 16, 2010

MODELO CUCENA DE REALOJAMENTO LEVA PORTUGAL A TRIBUNAL 2


Para os que ontem se insurgiram para o mail contra o post aqui publicado e que tecia paralelismos entre o gueto cigano do Bairro das Pedreiras em Beja e o Bairro da Cucena link) do Seixal , para alguns um modelo de virtudes, gostaria de acrescentar - uma vez que parecem não terem lido o artigo do Expresso - alguns pontos em comum.

1) O primeiro e que salta logo à vista é que se tratam de modelos de realojamento CDU ou seja Partido Comunista Português + Os Verdes ...

Depois vejamos mais algumas caracteristicas comuns :

- As famílias foram, em Beja , " realojadas na periferia, receberam casas inadequadas para a dimensão dos agregados e sem infraestruturas de apoio" ... o mesmo se passou na Cucena.

- O relatório que pretende pôr Portugal no banco dos réus refere que "...no Bairro das Pedreiras os moradores são forçados a andar três quilómetros para terem assistência médica, já que não há transportes públicos e que "até recentemente" a maioria das crianças não ía à escola porque não tinha como "... e na Cucena ?


- Não sei se consta do relatório, mas os ciganos de Beja não respeitam regras básicas como ... pagar a água ou as rendas ... onde é que eu já vi isto ?


- O lugar condenado pelo Conselho da Europa em Beja é longe de tudo, num acesso sem saída e paredes meias com uma fábrica de rações , no Seixal é " diferente " (ver imagem acima ) , fica na estrada que leva à Siderurgia, o Bairro foi construído fechado , vedado e sem saídas e paredes meias, não com uma fábrica,mas com um hipermercado de bricolage e materiais de construção , mas em terreno Industrial na letra do PDM .

E para não me tornar mais fastidioso convido todos à leitura do artigo de Micael Pereira e Alberto Frias no Expresso de 12 de Junho de 2010 e à oposição politica no Seixal a apresentar
este caso da Cucena ás mesmas entidades europeias que se estão debruçar sobre a questão de Beja .

A menos que prefiram ser cúmplices de um "modelo" que é marcadamente racista e xenófoba e que , no caso de Beja , já extravasou fronteiras .

terça-feira, junho 15, 2010

MODELO CUCENA DE REALOJAMENTO LEVA PORTUGAL A TRIBUNAL


Muitos foram os alertas da população sobre os modelos de construção para realojamento que a Câmara do Seixal pretendia levar a cabo em 1999 na Cucena , um terreno Industrial, e na Flor da Mata um terreno de Mata e Maciço Arbóreo protegido ambientalmente no PDM.

O Bairro da Cucena , um gueto isolado , vedado , longe de tudo e de todos , acabou por ser construído e tornou-se em menos de dez anos num dos bairros mais problemáticos da Margem Sul.

Os cidadãos contestatários destes modelos , e destes realojamentos , esgrimindo argumentos que mais do que do senso comum , demonstravam aos autarcas o erro que estavam a cometer, eram apelidados pela maioria Comunista da CMS , de racistas , de xenófobos, de querer defender os seus interesses patrimoniais ... como se mesmo "só" isso não fosse legítimo.

Este fim de semana no Expresso, dá-se conta que um modelo de realojamento semelhante posto em prática pela anterior vereação Comunista de Beja , é criticado pela Convenção para a Protecção das Minorias Nacionais do Conselho da Europa e pela European Roma Rights Centre, que apresentaram queixa contra Portugal no Tribunal Europeu dos Direitos do Homem. Considerando que com este "modelo Cucena" , Portugal transgrediu o European Social Charter de que é signatário.


O exemplo de Beja é paradigmático de um modelo errado :

" as famílias foram reaslojadas na periferia, receberam casas inadequadas para a dimensão dos agregados e sem infraestruturas de apoio " a desculpa do anterior presidente CDU da autarquia , Francisco Cuz dos Santos justifica-se " ... este tipo de realojamento é feito contra a vontade da maioria da população, que "não entende que se dá casas a ciganos" , defendendo que o facto de terem sido todos realojados no mesmo local, não se tratou de criar um gueto , mas de "manter relações de vizinhança" ...

segunda-feira, junho 14, 2010

ALMADA - CRIMINOSOS VÃO À UNIVERSIDADE DE METRO


Não sei se a autarquia ou a empresa concessionária do Metro Sul do Tejo já ponderaram atribuír um passe aos jovens residentes nos bairros problemáticos do "Pica-Pau Amarelo" que se deslocam naquele meio de transporte até à Universidade. É que fazia todo o sentido , uma vez que depois do abono de família, do subsidio de desemprego , do rendimento mínimo, da ajuda nas rendas e de outros apoios "sociais" - os quais estão vedados à maioria dos TRABALHADORES e CONTRIBUÍNTES - fazia todo o sentido dar um passe a estes empreendedores .

É que estes jovens têm que se deslocar naquele meio de transporte para ír à Universidade e faz todo o sentido serem apoiados, porque a sua actividade baseia-se primeiro que tudo no empreendedorismo de risco , na luta de classes tão querida à câmara comunista de Almada , e na busca incessante de conhecimento e acesso à informação , e à internet ...

Estes jovens são de apoiar, pois dedicam-se a galgar o passo que os separa da info-exclusão , até porque notóriamente ainda lhes falta um importante meio de apoio social que é o
e-escolas ... e até o e-escolinhas ... pois é de acesso computadores que aqui falamos.

É que estes jovens - que nem apoios têm na aquisição do passe-social - têm uma apetência por material informático transportado pelos estudantes universitários do Monte da Caparica, dedicando-se ao seu
« download» para certamente fazerem um «updrade » a seu favor ... e como é óbvio não podem ser levados a mal...coitadinhos...

Comparar isto com aqueles individuos que roubaram computadores a jornalistas (também com recurso a armas) na África do Sul ... e que passados três dias estavam presos , julgados e com penas de 15 anos de prisão...

sexta-feira, junho 11, 2010

O CAÇA NÍQUEIS DA EMILIA

A actual propaganda do PCP diz literalmente « Não ao roubo dos salários» ... Não podia estar mais de acordo, pois é roubado no meu salário que me sinto cada vez que vou a Almada, cada vez que estaciono e sou perseguido ou multado ilegalmente pela ECALMA em Almada, pela salteadora Câmara Comunista de Almada.

Mas há dias, senti-me de novo roubado pela Câmara de Almada, mas desta vez a sensação foi de um roubo de esticão, ou mesmo à mão armada...

É que pagar um euro para usar o elevador da Boca do Vento é um verdadeiro roubo !!!

Multiplique isso por o número de elementos de uma família e veja o roubo a aumentar descaradamente e a olhos vistos.É assim que querem dar vida aquela zona de Almada ?


As escadas interditadas de um lado, o cais do Ginjal degradado por outro e na única alternativa restante, um enfadado ascensorista que nos esfola a carteira em cada percurso.


Moral da história, o PCP sabe do que fala quando fala de roubar os salários dos portugueses...

___________________________________________


O PCP não mexe uma palha para dignificar a democracia nas suas autarquia, mas agora acha-se no direito de ingerir noutros estados soberanos e democráticos. É o delírio ! Cito :

«O PCP, perante a anunciada implementação na Polónia da lei que proíbe a utilização de “símbolos comunistas”, entregou hoje na Embaixada da República da Polónia em Lisboa uma carta de protesto e anuncia a sua participação amanhã, em Varsóvia, num comício internacional contra as estas medidas anti-democráticas.»

quarta-feira, junho 09, 2010

O FIM DA TETA



Foram anos e anos de fartar vilanagem, de rotundas, de viadutos inacabados e a dar para lado nenhum, de ciclovias que nascem e acabam no nada, de pavilhões multiusos para fazer comicios e estarem às moscas a maioria dos restantes dias, foram milhões para propaganda, para automóveis topo de gama, para mobiliário e para boletins municipais , foram milhões em ajustes directos, em percentagens para os cofres do partido, em cargos criados para premiar os serviços prestados com o respectivo dizimo a pingar também para as contas do "sistema" ...

Foram décadas a alimentar uma máquina parasitária que saca ao Estado e aos impostos e posturas aos cidadãos , em proveito próprio para se perpetuar, e aos seus, no poder , foram milhões de euros gastos em foguetes, em coiratos, em festas , em romarias e até em peregrinações. Gente iletrada que veio do nada para cargos de decisão nos domínios do urbanismo com consequências directas na qualidade de vida das novas gerações e no futuro do país .

Mas , embora ainda alguns se apressem a inaugurar Paços do Concelho, ultra modernos e controlados , garante de um endividamento brutal a longo prazo, por ajuste directo, como não podia deixar de ser ...

- A teta secou!

Embora muitos tentem desesperadamente fingir que nada aconteceu, agarrados que estão à teta seca...
Veja nas costas dos outros, as nossas :

« NÚMERO DE MUNICÍPIOS NA GRÉCIA REDUZIDO A UM TERÇO

O Parlamento Grego aprovou recentemente uma lei que prevê a redução do numero de municipios para 355, pouco mais de um terço dos actuais 1034.
Com esta alteração, o país espera poupar quase 1,2 Mil Milhões de Euros por ano.

A nova lei estabelece ainda que, a partir de 2014, as eleições municipais passem a ocorrer de cinco em cinco anos e não de quatro em quatro como acontece actualmente.

Também aqui o governo arrecada uma boa quantia :75 Milhões de Euros. (PUBLICO) »

terça-feira, junho 08, 2010

JERÓNIMO PROTAGONIZA NOVA FARSA


Jerónimo de Sousa , secretário geral do PCP , em pose para os noticiários reclamou ontem, apoios para os pequenos agricultores .

« O secretário geral do PCP, Jerónimo de Sousa, defendeu “uma inversão” na agricultura, pedindo mais apoios para pequenas explorações, que diz terem sido abandonadas pelo Governo, ao contrário dos “grandes negócios capitalistas” deste setor.


“Tem sido uma opção deste governo: em nome da competitividade, apoia fundamentalmente a agroindústria e deixa ao abandono dezenas de milhares de produções agrícolas”, disse o líder comunista, no final de uma audiência com dirigentes da Confederação Nacional da Agricultura (CNA) e da Associação de Jovens Agricultores de Portugal.

Eles (PAC) querem produzir e nós precisamos que essa produção se realize, por razões sociais, económicas e em defesa da nossa soberania”, referiu Jerónimo de Sousa, sublinhando: “o problema do país é o défice externo, público e privado, que resulta da destruição do nosso aparelho produtivo e da nossa produção nacional, designadamente da agricultura”.


VERSUS

Uma autarquia do PCP , a de Almada , com a protecção da GNR , avança sobre campos férteis de pequenos proprietários , nas Terras da Costa, destruindo culturas e sistemas de rega para ilegítimamente os urbanizar.

Em toda a Margem Sul as autarquias Comunistas têm sistemáticamente alterado o uso agricola do solo em terrenos de grande apdidão agricola e ecológica , orientando essa reserva estratégica para a construção ! Senhores responsáveis do PCP :

- SEJAM SÉRIOS !!!

segunda-feira, junho 07, 2010

A ESTRADA DA BANDALHEIRA



Há muito que denunciamos o rumo a que o troço da EN 378 pertencente ao concelho do Seixal tomou.


Não tem ponta por onde se lhe pegue ... mas há quem diga que por aqui só exageramos, que temos maus fígados, que no Seixal dá gosto viver, que o Seixal é uma referência ... etc...etc...etc...

Vejam então um texto de Clara Ferreira Alves publicado recentemente na revista ÚNICA - EXPRESSO .

Cito :
« É um lugar de passagem que se define a partir da estrada para outro lugar. É também uma paisagem que define o modelo de desenvolvimento português. Sai-se da auto-estrada e entra-se numa estrada cheia de semáforos que prepara o caminho para a Arrábida, Sesimbra, Azeitão, a Lagoa de Albufeira e as praias do Meco. Quem escolher este roteiro, a não ser que vá dar a volta por Setúbal e pela serra, terá de passar em Fernão Ferro.

Uma freguesia com cerca de 10 mil habitantes criada em 1993 pelo desmembramento de Aldeia de Paio Pires, Amora e Arrentela. O nome vem de um tal Fernão Ferro Peres, que tinha o cognome de Babilon. Irmão do tal Paio Pires, ou Paio Peres, fundador da dita aldeia. Segundo a melhor informação pesquisada na net, um cruzado caído em desgraça durante a guerra entre D. Sancho II e D. Afonso III. Usava a Cruz de Cristo na armadura e no punho da espada, que se designava por "ferro". Ou então, o nome vir-lhe-ia de ferrar animais. Parece ter sido um homem corpulento e cruel. Um ferrabrás. O homem não tem culpa do que veio a seguir.

Quem passa a caminho de mais verdes paragens conhece o troço de Fernão Ferro por "o pesadelo". Ou "a lixeira". Próspera, cheia de moradias, algumas com piscina, a freguesia não é habitada por gente pobre. O problema não é a pobreza, é o modelo de riqueza. Dos 25 km quadrados a maior parte deve ter sido mata e pinhal dos quais se notam alguns vestígios secos e poeirentos, troncos ressequidos e manchas de pinheiros onde esvoaçam sacos de plástico nos dias de vento.

A estrada serve de mostruário dos intermediários e negociantes dos objectos, serviços e confortos da existência suburbana que copia a rústica. Piscinas de plástico; lareiras de pedra falsa; banheiras, retretes e lavatórios de porcelana; organizações de eventos, casamentos e baptizados; hortos, vasos e potes de barro; gnomos e fornos; restaurantes com nomes em elisão; automóveis novos e em segunda mão; hotéis diurnos; oficinas de mecânica e bate-chapas; esquemas nocturnos. Existe uma loja, com vasto pátio a dar sobre a estrada, que ostenta um jardim zoológico em réplicas de tamanho natural, cavalos e campinos, burros e javalis. Decerto haverá golfinhos. Leões de gesso olham do alto dos muros das casas, guardiães dos templos do mau gosto. Num jardim particular, a Branca de Neve e os Sete Anões está cercada por uma variedade de estatuetas e miniaturas de alfaias agrícolas na Disneylândia ao domicílio.

A estrada, por dar acesso a muitos lugares, está sempre atascada de carros em marcha lenta, filas intermináveis aos fins-de-semana. Carros caros, condutores com mão fora da janela e a outra no volante, o ar displicente e entediado dos malandros de estrada, toca-me que vou-te às trombas comigo não te metes. Não espanta que os fabricantes e revendedores ostentem tudo o que se pode ostentar à beira da estrada, os automobilistas são potenciais clientes. Lembro-me de há uns anos se verem retretes, designadas nos letreiros por sanitas, aprumadas como soldados à beira do alcatrão. As árvores foram deitadas abaixo para entrar o cimento e não se vislumbra um plano urbano, uma rua desenhada, uma vaga redenção. Tudo é feio, sujo, inacabado, aziago.

Ali jaz o que os portugueses tomaram como sendo o seu ideal modelo de desenvolvimento, o alcatrão para o carro, o betão para a obra, a televisão acesa todo o dia no café com um concurso ou uma telenovela. A construção civil como motor da economia, o lazer como actividade urbana separada da vida do subúrbio por um carro, uma praia ou um piquenique. Uma gente que não sabe o gosto que tem, que nada aprendeu e nada quis aprender, e que passou do semianalfabetismo para o telemóvel sem passagem pela educação e a literacia.

Pequenos e médios empresários de arrojo videirinho protegidos por autarcas espertos que nunca foram diferentes deles. Uns e outros confundidos na ganância do curto prazo. A paisagem devassada por construções da clandestinidade, algumas legalizadas à força, e microindústrias que passaram a providenciar serviços na segunda fase económica do ciclo de prosperidade iniciado com a revolução e a descentralização. Eventos e espectáculos organizam-se. T2 vendem-se.

Podia ter sido feito de outra forma? Podia, mas não seria a mesma coisa. A dádiva da arriba da Caparica não é mais do que outra babilónia, um monte de praias emporcalhadas e barracas de terceiro mundo. Tudo falhou. Como nestas freguesias dos contrafortes da Arrábida onde tudo foi autorizado ou amalgamado. Basta olhar para a freguesia limítrofe de Fernão Ferro, a Quinta do Conde. O turismo foi repelido e o dinheiro acabou, tal como o tempo. Os imigrantes acabarão por ir um dia. Aqui cabe inteiro o pobre Portugal do Alexandre O'Neill: feito de três sílabas de plástico que é mais barato.

Texto publicado na edição da Única de 29 de Maio de 2010 »

domingo, junho 06, 2010

CARRO ELÉCTRICO É REALIDADE



Notícia Expresso:


«O novo Prius Híbrido Eléctrico Plug-in conduz-se como um carro eléctrico com caixa automática (variável em contínuo) e, naturalmente, um sistema de stop and start muito útil nos semáforos e no chamado trânsito de pára-arranca. Ao contrário da anterior geração do Prius, a autonomia das suas baterias (agora, de iões de lítio) subiu, de 2 para 20 quilómetros. Também pode acelerar até aos 100 km/h em modo eléctrico, contra os 35 a 40 km/h do seu antecessor. Ultrapassada esta velocidade, o motor a combustão entra automaticamente em funcionamento, acoplado às rodas motrizes e contribuindo para recarregar as baterias.

Depois de ver muitos exemplos de adaptações efectuadas nos Estados Unidos, a Toyota rendeu-se finalmente ao sistema de recarga plug-in. O Prius Híbrido Plug-in usa um cabo eléctrico de cinco pinos para se conectar com o ponto de carregamento (250 v /60 A) público onde recarrega as baterias em cerca de hora e meia.

Em casa, numa tomada não dedicada (230 v/ 16 A), o carregamento pode demorar mais algum tempo. O custo de uma recarga completa custa cerca de 40 cêntimos de euro, mas a melhor estratégia passa por escolher as horas de vazio em que a electricidade é mais barata.

Em Estrasburgo, a eléctrica francesa EDF já instalou 150 pontos de carregamento de baterias: 78 nos parques de estacionamento das empresas parceiras do programa; 55 em edifícios habitacionais; 18 em parques de estacionamento públicos; e oito na via pública.

São pontos inteligentes, que reconhecem a viatura e o cartão de utilizador, comunicando depois com o sistema do automóvel e assegurando o carregamento das baterias com toda a segurança. Através de um iPhone, é possível localizar os pontos de recarregamento e saber se estão disponíveis

Como sistema Hybrid Synergy Drive da Toyota recupera a energia cinética da travagem e da desaceleração, normalmente dissipada sob a forma de calor, convertendo-a em energia eléctrica, até é possível estender por mais alguns quilómetros a autonomia em modo eléctrico.

Outra especificidade do novo veículo está no sistema exclusivo de comando remoto da climatização (ar condicionado ou aquecimento) minimizando o consumo de energia no momento do arranque da viatura e reduzindo o consumo de energia e combustível.

O Prius está dotado de um motor eléctrico de 60 kW (equivalente a uma potência de 80 cv) e de um motor a gasolina 1.8 litros VVT-i de quatro cilindros, com um total combinado de 136 cv de potência.

O consumo misto anunciado pelo construtor ronda os 2,6 litros/100 km (menos 30% relativamente ao actual Prius) e as emissões desceram para 59 gramas de CO2 por quilómetro percorrido (contra 89 gr/CO2/km do seu antecessor). A sua velocidade máxima é de 180 km/h.

Estrasburgo foi a cidade foi escolhida para o lançamento deste projecto piloto pelo seu simbolismo. "Está no centro da Europa, é a sede do Parlamento Europeu e está muito aberta às novas tecnologias", sublinha o presidente da câmara, Roland Ries.

A maioria dos 100 Prius Híbridos Plug-in vai ser confiada a 25 entidades, entre as quais empresas como a Adam e a Airtec (construção e obras públicas); Schneider e Hager (electricidade); Messier-Bugatti (serviços); Orange (telecomunicações), instituições como o Banco Popular da Alsácia e os correios (La Poste); e serviços públicos como os Hospitais Universitários de Estrasburgo; a Direcção Regional do Ambiente, a Electricidade de Estrasburgo e a rede de automóveis partilhados Auto'trement. Curiosamente, a experiência também será extensível à vizinha Alemanha, através da empresa Energie Baden-Württemberg. O período de leasing é de 36 meses, com assistência garantida no concessionário local da marca japonesa.»


sábado, junho 05, 2010

AMPERA EM LISBOA



Apresentado esta semana em Lisboa.

O Opel Ampera é nada mais nada menos que a versão europeia do Chevrolet Volt.

Utiliza a mesma tecnologica, Voltec, desenvolvida pela General Motors (GM) em que o veículo é movido através de um motor eléctrico.

Apesar de funcionar apenas com um motor eléctrico o Opel Ampera acaba por ter vantagem sobre os restantes veículos eléctricos, pois não tem limite de distância percorrida.

As baterias permitem deslocações até 60 km, mas não se assuste pois é aqui que o Ampera se destaca dos restantes carros eléctricos.

Além do motor eléctrico dispõe de um pequeno gerador a gasolina/E85 que ao gera energia eléctrica para carregar as baterias e assim tornar virtualmente ilimitada a distância percorrida.

As baterias podem também ser recarregadas através de uma ligação de 230 Volts, ou seja, quando estaciona o carro na garagem basta ligá-lo á tomada e ele ficará a regarregar, tal qual um telemóvel.

O Ampera foi apresentado no Salão Automóvel de Geneva e distingue-se do Chevrolet Volt apenas na grelha e para-choques frontal, onde o Volt é mais conservador o Ampera é extravagante e arrojado.

Ainda não existem detalhes sobre a potência gerada pelo motor eléctrico nem sobre o preço a que será comercializado. Datas para o lançamento também não existem, mas rumores apontam para finais de 2009 ou para o início de 2010.

sexta-feira, junho 04, 2010

JORGE ALMEIDA LIMA - PHOTOGRAPHO AMADOR SEIXAL



A não perder durante este mês , a exposição sobre Jorge Almeida Lima na Biblioteca do Seixal que permite uma rara representação do Seixal pré-Industrial e com raizes profundas assentes na terra e nas gentes locais.

Jorge Almeida Lima foi um dos pioneiros da fotografia em Portugal e um homem com uma visão alargada para além do circulo aristocrata a que por berço pertencia.

Ou será esta exposição a prova de que no mundo agricola de então , as classes sociais que nos ensinaram a ver tão distantes , estavam afinal entrosadas num jogo de interdependências e laços quase que de sangue ?

É que Jorge Almeida Lima provinha de uma família a quem pertecia a quase totalidade das propriedades agrícolas e pinhais do Seixal . Teria sido essa proximidade entre senhores e trabalhadores , tão bem retratada por Jorge Almeida Lima que, tanto incomodou Salazar e que duas gerações mais tarde, fazendo a vontade a António Champallimaud , expropriou a propriedade central da família, a Quinta da Palmeira , para nela instalar a Siderurgia Nacional ?

É este jogo de "representações" proposto pela comissária da exposição e pelos textos e material de apoio disponível que tomando este fotógrafo como linha condutora , orienta o visitante para uma introdução à imagem fotográfica, tão rara e mágica na altura e agora tão generalizada e banalizada.
__________________________________________

Até final de Junho na Biblioteca Municipal do Seixal

quinta-feira, junho 03, 2010

O GUINESS DA ESTUPIDEZ

Numa época e numa região onde são batidos indíces de desemprego, que a fome assumida ou escondida dispara . No mesmo dia em que se fazia mais uma recolha para o Banco Alimentar contra a fome ... Em Setúbal, com o apadrinhamento da autarca Das Dores decorria uma iniciativa destinada a « colocar Setúbal nas bocas do mundo » ..., ou seja , uma sardinhada para o Guiness...

Ali se assaram segundo os dados disponíveis 6340 quilos de pescado , tendo a maioria dos convivas, em que se incluía a Presidente Das Dores comido certamente mais que o necessário para atigir o objectivo pretendido , tal como reconhecia uma das participantes citada pelo DN « Epá, nem o pequeno almoço tomei para ajudar a malta a bater o recorde ».


Se este desperdício alimentar não é chocante , quando na contra capa da mesma edição do DN estava uma entrevista a Isabel Jonet do Banco Alimentar ... é pelo minimo...no mínimo SURREAL !!!

Outra perspectiva da mesma reportagem dava conta de que a Presidente Das Dores foi surpreendida já na « ala VIP a comer um pão quente com chouriço » , não sei se a "VIP" senhora come pão com chouriço, como o Professor Cavaco come bolo-rei . ..

O que me deixou de boca aberta foi saber que em tão proletária cidade, que em tão progressista autarquia, que uma tão comunista senhora se deliciava , não de igual para igual com os restantes boçais, mas que afinal o fazia em recatada « ala VIP » ... todos iguais...todos iguais...
e depois « lá se brindou com champanhe , em apoteose , a entrada no Guiness » ...

quarta-feira, junho 02, 2010

A POLITICA DE DEFESA COSTEIRA 3


Há uns dias atrás publicámos um par de posts sobre a defesa costeira e o sucesso que se revestiu esse processo - caro - nas praias da Costa de Caparica.

É inegável que a praia rejuvenesceu uns trinta anos e que a arquitectura do POLIS já concluída ( excepção feita a quem optou por transformar areia em deck de madeira ) melhorou substancialmente as condições e o nível da frequência .... o que tráz lucros , mesmo para gente de barbas que se queixa por tudo e por nada ...


Agradeço os comentários deixados e o contraditório às opiniões aqui expressas, nomeadamente pelo Dr.Paulo Edson que teceu o seguinte comentário .


«Quanto à questão das areias, posso acrescentar que as mesmas estavam efectivamente previstas em 2008 e 2009, mas o enchimento de 2008 correu muito pior do que o previsto, enquanto que o de 2009 já correspondeu mais às expectativas dos próprios, mas uma coisa posso garantir de muitas das conversas informais (e algumas até formais) que tive com responsáveis - não é consensual que este método seja o melhor. Mesmo entre os próprios técnicos.

Resta-nos esperar que o decisor tenha tido razão, porque os prejuízos para concessionários e utentes neste momento sáo incalculáveis. »


Não estou de acordo com o que escreve o Dr.Paulo Edson , até porque dispondo igualmente de "contactos informais" , sei que a opinião - DOS TÉCNICOS - é que face à variabilidade dos fenómenos meteorológoicos, e atmosféricos , face à instabilidade fragilidade , volatibilidade e imprevisibilidade das areias e tendo em conta o espaço temporal decorrido, o enchimento das praias foi de facto - até agora - um sucesso.

Obviamente os «contactos informais» não me permitiam o abuso de os citar aqui oficialmente, mas no Jornal Sem Mais desta semana aí está , a comprovação publica da opinião técnica , do que aqui foi publicado, « as reposições de areia realizadas , tiveram um resultado francamente positivo, dispensando, por agora uma terceira intervenção ».

Obviamente que não se trata de ter vencido uma guerra, mas tão só uma batalha frente a forças muito maiores do que nós e absolutamente incontroláveis... tal como a corrosão do metal à beira mar... de que alguns - agora - se queixam...

Comparar a imagem acima da "praia do CDS" há cerca de tês anos e vê-la agora é a demonstração do que foi escrito.

terça-feira, junho 01, 2010

O ARCO DOURADO SUL


É tempo, mais do que nunca, face aos novos desafios que temos pela frente, de renovarmos urgentemente a nossa esclerosada classe politica e afins , para que esta geração que de nós se governa , alguns há mais de três décadas , deixe definitivamente de nos arrastar ainda mais para o fundo.

Precisamos , mais que de gente nova, de uma nova gente , de uma nova geração de pensamento e sobretudo de uma nova mentalidade.

Vem isto a propósito de declarações do old-boy Fonseca Ferreira ex-CCDR , ex candidato à CM Palmela pelo PS ... e agora encabeçando mais um taxo feito à medida e por encomenta, o de Presidente da agora "empresa" Projecto Arco Ribeirinho Sul.

Este projecto mais não é , ou pouco mais é , do que urbanizar os terrenos de ex-LISNAVE , os da ex-SIDERURGIA e os da ex-QUIMIPARQUE, com grande aprovação e empenho das autarquias CDU de Almada, Seixal e Barreiro ... que bonito é vê-los aqui todos no mesmo barco.

Claro que ninguém diz que este é um barco cheio de rombos e a naufragar, tendo Francisco Ferreira como mestre almirante de uma orquestra que toca uma Internacional desafinada enquanto , face a despreocupação geral , a água enche não só o porão, mas mais tarde ou mais cedo , os mais luxuosos camarotes


A Demência parece ser total, tal como total . É a incapacidade de corrigir um rumo que nos leve a bombordo quando começaram inesperadamente a aparecer icebergs por todo o lado, inclusivé no Mar da Palha ...


A loucura destes projectos e destes números é geral e só ultrapassável para as projecções da Câmara da Moita para um Parque Temático que não acabou por construír, optando agora por um Parque...Logistico ...


Nesta época, com a crise do imobiliário e o superávit de construção, com o encarecimento do crédito e a sua escassez, com o desemprego a atingir numeros record este senhor Ferreira insiste , que o projecto do qual é presidente , vale 55 mil postos de trabalho , i
nvestimentos de 400 milhões de euros, três intervenções tipo EXPO 98 isto em 912 hectares...

Sinceramente ... ou - respeitosamente - o senhor está doido ( ? ) , acredita mesmo no que diz , ou estamos nós que lhe damos tão dourado cargo , isto na concepção de que ainda vivemos em democracia ?!