terça-feira, julho 31, 2007

CIDADANIA VERSÃO (A ABATER) MARGEM - SUL




















Aos "fiéis-jardineiros" que ousam desafiar e denunciar a corrupção e os interesses instalados.


Do Jornal Rostos a posição oficial do PCP sobre o Movimento de Cidadania da Várzea da Moita , se não fosse trágico o que se pretende passar e a forma como o PCP tem moldado esta região impunemente há mais de trinta anos e seria hilariante a observação exterior dos tiros nos pés e no desmascarar dos procedimentos anti-democráticos e neo-feudais do PCP!

____________________________________________________

Sem mais, o PCP por ele próprio, contra a cidadania :


PCP Moita:

“PCP não reconhece legitimidade moral aos que o renegaram”

“O PCP defende e incentiva, as mais das vezes isoladas no contexto partidário português, as iniciativas, os movimentos e as organizações populares. Contudo, nunca o PCP se eximiu à sua responsabilidade, enquanto Partido de classe, com a sua identidade ideológica e os seus princípios, a valorar os propósitos, explícitos ou encapotados, de qualquer movimento. É que o rótulo “movimento de cidadãos” não constitui por si qualquer tipo de caução – afinal, tão cidadão era o antifascista, como o bufo que o denunciava.” – refere em comunicado o Executivo da Comissão Concelhia da Moita do Partido Comunista Português.

Divulgamos o texto integral do comunicado enviado pelo Executivo da Comissão Concelhia da Moita do Partido Comunista Português:


LIÇÕES (I)MORAIS

O Sr. António Ângelo solicitou à Comissão Concelhia do PCP uma reunião, que se veio a realizar no passado dia 5 de Julho, onde compareceu com quatro acompanhantes.
O Sr. António Ângelo entregou-se à habitual diatribe contra... o Plano Director Municipal, a Câmara, os autarcas, enfim, contra (quase) tudo e (quase) todos, concluindo com uma colecção de “recomendações” / “recados” ao PCP.
Alguns dias depois revela-se o real propósito da reunião, na publicação de um escrito em “O Rio” onde o Sr. António Ângelo se dedica a “relatar” a dita, conforme a sua conveniência, e sem que o jornal se tenha preocupado no esclarecimento da outra parte, neste caso o PCP.
O Executivo da Comissão Concelhia do PCP considera que deve aos incautos leitores de tal peça os seguintes esclarecimentos:

- A “acta” que o Sr. António Ângelo fez publicar em “O Rio” enferma da notória falta de honestidade intelectual que vem demonstrando. Não passa de um pretexto para a reprodução do chorrilho de falseamento de factos, puras invenções, injúrias e dislates que têm servido de base à campanha feroz que está a ser conduzida contra a gestão municipal, os autarcas comunistas e o PCP e a CDU.

- O custo desta campanha é pago em última análise pela população do Concelho, pois o que está verdadeiramente em causa é bloquear o progresso e o desenvolvimento do Concelho.

- O PCP não reconhece legitimidade moral aos que o renegaram para nos darem quaisquer lições – seriam verdadeiramente lições imorais.

- O PCP defende e incentiva, as mais das vezes isoladas no contexto partidário português, as iniciativas, os movimentos e as organizações populares. Contudo, nunca o PCP se eximiu à sua responsabilidade, enquanto Partido de classe, com a sua identidade ideológica e os seus princípios, a valorar os propósitos, explícitos ou encapotados, de qualquer movimento. É que o rótulo “movimento de cidadãos” não constitui por si qualquer tipo de caução – afinal, tão cidadão era o antifascista, como o bufo que o denunciava.

- O PCP reafirma o seu entendimento de que, através da utilização de preocupações e aspirações legítimas de alguns munícipes, se está a promover uma campanha que pretende impor, por todos os meios a que consiga deitar mão, a não concretização das propostas do Programa Eleitoral da CDU que foram maioritariamente aprovadas pela população do Concelho.

- O PCP vê em alguns dos participantes desta campanha um iniludível vezo antidemocrático, explícito na busca de conseguir a imposição dos seus interesses e opiniões particulares.
A reunião decorreu, pensava-se, em ambiente de respeito e de civismo exemplares, mas afinal, com o escrito em “O Rio”, verificou-se que o cinismo e a traição imperaram.

O Executivo da Comissão Concelhia da Moita do Partido Comunista Português

Rostos

30 - 7 - 2007


Aqui a resposta do cidadão visado (CLIQUE) , e aqui o acompanhamento feito pela blogosfera local no blogue Alhos Vedros ao poder de 30 e 31 de Julho (clique) .

Aqui (clique ) , também aqui (clique) , ou ainda aqui o comentário do cidadão alvo (clique). .

segunda-feira, julho 30, 2007

RADIOACTIVIDADE NO SEIXAL ?


O PCP denunciou ontem através do seu grupo parlamentar, a existência de radioactividade na Siderurgia do Seixal, atravessamos a silly-season, pelo que nada estranha, no entanto esta denúncia a ser verdade tem que ser tomada a sério e não como um tema que se guarda na manga da agenda politica para ser noticia quando convém.

Sendo verdade, o alerta é de elogiar, pois é das raras denúncias de que ambientalmente algo vai mal no Seixal vindas do PCP, concelho onde desde do advento do "poder local" , sempre o PCP tem detido a maioria da Câmara.

Logo estranha-se que a autarquia, empenhada que está em vigílias várias em relação ao funcionamento do sistema nacional de saúde no Seixal não tenha tomado uma posição sobre este assunto, tanto mais que está a decorrer a consulta pública para o denominado Plano de Pormenor da Siderurgia Nacional.


A Contaminação de que o PCP dá conta pode afectar tanto os solos (local) , da àgua do estuário do Tejo, quanto a emissão pelo ar de uma vasta região, a começar pela zona circundante da Siderurgia.

O país do Futebol devia estar também preocupado pois pode estar a ser contaminado o Centro de Estágios do Benfica, e isso claro, já pode ser um problema nacional.


Agora o que falta é de dados concretos , quais os níveis de contaminação, qual a monitorização que é feita, exigência de controlo por parte do Ministério do Ambiente, com participação da autarquia, não basta "suspeitas muito fortes sobre a utilização de sucata com níveis de radioactividade superiores ao permitido por lei" , já o Grupo Parlamentar do PCP deveria ter apresentado um requerimento à AR denunciando este caso que ao que parece foi levantado há dois meses pelos "VERDES" , que parece têm estado desde então ocupados com outros temas mais importantes...logo, parece que para a CDU (PCP+VERDES) isto é só um tema de agenda e nada mais.

Mas o que é facto, é que feita esta denúncia, há que ir ao fundo da questão, de onde vêm essas sucatas radioactivas, de que tipo de laboração provêm, qual a monitorização e controlo feito do percurso até à Siderurgia, como ficam depositadas no solo, quais os índices de radioactividade, qual o tipo de protecção dada aos trabalhadores e como é monitorizada a sua saúde. E já que um deputado da república refere que existe "enorme intranquilidade junto da população" há que tranquilizar a população, e isso é tarefa do Governo através do Ministério do Ambiente, da Siderurgia e da Autarquia.


O que é que foi feito ? Ou a coisa afinal é grave , mas não se alteram as férias por causa disso?

É que se nada disto for feito, se isto não preocupar ao nível da Câmara, maioria e oposição, então deduz-se que não é tão grave assim e que os deputados do PCP na A.R. são alarmistas e pouco sérios !

domingo, julho 29, 2007

CALOR , INCÊNDIOS E OS SUSPEITOS DO COSTUME



Relembro que a tirada desta época de icêndios (agora há uma época de incêndios...como uma época de caça...) foi a do vereador do ambiente do Seixal que sobre o ultimo fogo na Flor da Mata especulou ...

«...se não poderia também alguém que não queria que ali se construa atear fogo...»


Depois desta declaração os incêndios têm continuado activos na margem sul e nomeadamente no Seixal, com o incêndio aqui reportado no Parque Industrial do Seixal. Ontem , e mais alguns incêndios, na zona do Casal do Marco, uma zona sobre pressão urbana, onde ainda existem umas largas dezenas de sobreiros... serão também quem lá não quer ver construído a provocar aqueles incêndios senhor Vereador?

É que olhando para a imagem de satélite e os fogos ocorridos nos ultimos dias, sendo a área maior do de ontem, poderemos especular num padrão de destruição sistemática da floresta levado pela vontade de expansão urbana , o mesmo padrão verifica-se no Seixal e Paio Pires, com a revolta das populações que por mais distraídas que andam começas a ser criticas e revoltadas por viver entre o betão e o que resta da floresta em cinzas.

Ontem houve também incêndios na Margem Sul em Vale de Vinhas, Montijo e Pinhal Novo



sábado, julho 28, 2007

TRIANGULAÇÕES DE UM METRO EM ALMADA




A noticia foi publicada no Jornal Rostos .

" PSD Setúbal questiona
ATRASOS NO METRO SUL DO TEJO EM ALMADA "

“É preciso saber quanto custam os atrasos, mas também é importante saber quem vais pagar esses “milhões”. Será o Governo e/ou a Câmara Municipal de Almada?” – interroga o deputado Luís Rodrigues, PSD, em requerimento que apresentou na Assembleia da República.

“O METRO SUL DO TEJO (MST) é um projecto de primordial importância para a mobilidade dos cidadãos que habitam e trabalham na zona noroeste da Península de Setúbal.
Este investimento, que tem sido alvo de várias vicissitudes, nomeadamente, paragens e atrasos, levou a que o Governo tivesse ordenado a abertura extemporânea de um pequeno troço, sem uso aceitável, entre Corroios e Cova da Piedade (Centro Sul).
Em devido tempo diversos moradores da área denominada “Triângulo da Ramalha” manifestaram-se contra o traçado inicial do Metro do Sul do Tejo na intercepção das três redes, apresentando soluções.

Esta atitude da sociedade civil obrigou o Governo a encontrar, sob proposta do Gabinete do MST, um novo traçado, mais simples e mais barato.
Através do Despacho n.º 06.07/05, de 22 de Julho de 2005, da Secretária de Estado dos Transportes, esta decidiu adoptar a solução que definiu que as Linhas 2 e 3 utilizariam a Rua de Alvalade no Triângulo da Ramalha.” – refere o deputado Luís Rodrigues, eleito pelo PSD, no distrito de Setúbal, em requerimento que apresentou na Assembleia da República.
A população foi e está a ser enganada

“No passado dia 16 ao visitar as obras do MST na Ramalha constatei que o Despacho da Sr.ª Secretária de Estado não está a ser cumprido, ou seja, na Rua de Alvalade só está a ser construída a linha Corroios/Universidade, não estando a ser executada nessa artéria a linha Universidade/Cacilhas.

Não se conhece publicamente nenhum despacho da Sr.ª Secretária de Estado a alterar o anterior, nem qualquer outro diploma/despacho de outro membro do Governo a alterar, modificar ou corrigir esse despacho.
Como é possível a obra estar a ser executada desrespeitando o despacho de um membro do Governo? Publicamente a Sr.ª Secretária de Estado assume uma posição de facto a obra está a ser feita de forma diferente.

Considero que ou a população foi e está a ser enganada, ou o Governo não está articulado com os serviços prejudicando as populações envolvidas.

Neste caso a responsabilidade é sempre do Governo.
Importa também saber se já está renegociado o contrato com o concessionário, pois a obra está em curso e até ao momento não se conhece os custos dessa negociação, nem os novos prazos, nem as outras novas condições contratuais.
As noticias vindas a público apontavam para acréscimos de custos da ordem dos 70 milhões de euros.Como se sabe, a paragem das obras e os atrasos foram provocados principalmente pela não disponibilização de terrenos pela Câmara Municipal de Almada.

Como já referi é preciso saber quanto custam os atrasos, mas também é importante saber quem vais pagar esses “milhões”. Será o Governo e/ou a Câmara Municipal de Almada?” – acrescenta o deputado social democrata.
Qual a nova data prevista para inicio da exploração total da 1.ª fase do MST?

O Deputado Luís Rodrigues, no seu requerimento dirigido ao Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações e à Câmara Municipal de Almada, solicita resposta às seguintes perguntas :

1. Existe alguma alteração ao Despacho n.º 06.07/05 da Secretária de Estado dos Transportes, de 22 de Julho de 2005?

2. Qual a razão dos trabalhos no terreno não cumprirem o Despacho mencionado em 1?

3. Quais as medidas que vai tomar o Ministé rio das Obras Públicas, Transportes e Comunicações para fazer cumprir o Despacho mencionado em 1?

4. Já está renegociado e assinado o contrato com o consórcio concessionário?

5. Quais os desvios quantificados do valor inicial e quais as suas causas?

6. O MOPTC já avaliou os encargos decorrentes dos atrasos relativos aos prazos inicialmente definidos?

7. Se existirem encargos, o que parece óbvio, inerentes aos atrasos devidos à não disponibilização dos terrenos pela Câmara Municipal de Almada quem irá pagar? Será o Município ou o Governo?

8. Qual a nova data prevista para inicio da exploração total da 1.ª fase do MST?"
Notícia de http://www.rostos.pt/ Rostos 24 - 7 - 2007

A Posição do PS sobre este assunto já foi esta, clique na imagem para ler:




Citando o blogue Triângulo da Ramalha :

Esta Moção apresentada pelo Partido Socialista na Assembleia Municipal de Almada em 14 de Setembro de 2005 teve os votos favoráveis dos Deputados do Partido Socialista, as abstenções do PSD e BE, mas foi rejeitada pelos votos da maioria PCP/CDU-CMA.
Perante a situação que se está a viver com a palhaçada de a CMA não querer cumprir a decisão da Secretária de Estado dos Transportes, relativa à fixação do traçado do MST no Triângulo da Ramalha, pergunta-se:

-Qual é/vai ser a posição da bancada socialista, nesta matéria?
-Será que agora vai pactuar com a Câmara Municipal de Almada que sempre quis impor a linha 3 na R. Lopes de Mendonça ?

Como todos os cidadãos só pergunto, porque razão se insiste na opção mais cara, mais longa, que vai demorar mais tempo a concluír, que não serve melhor os cidadãos e que prejudica mais os residentes, para além de pôr questões de segurança para os cidadãos, residentes e utentes do MST?

a) É teimosia?

b) É estupidez?

c) É prepotência?

d) É Uma questão de interesses que não estão ainda revelados?

sexta-feira, julho 27, 2007

AS QUESTÕES DA AMORA


A população da Amora tem grandes dúvidas sobre o impacto do traçado da via alternativa à EN 10 na àrea da imagem que envolve algumas zonas sensíveis como a Quinta da Atalaia ao centro da imagem, zona verde envolvente até ao Talaminho e terrenos do Amora Futebol Clube.

Na Amora há algum cepticismo em relação aos efeitos que o traçado da via alternativa á EN 10 trará , esta via está há três anos parada em Corroios pois como todos sabemos , o grupo Carrefour continua impedido de avançar com a construção de um hipermercado na Quinta da Princesa motivado pelo corte ilegal de sobreiros.

Quando avançar a tal obra irá cortar uma área patrimonial extremamente importante do ponto de vista ecológico e histórico na zona do Talaminho e depois tomará a direcção da Quinta da Atalaia, para onde se encaminhará também o Metro Sul do Tejo. Isso implicará também a alterações de monta na outra quinta contigua, primeira questão, vão estas quintas, uma delas propriedade do PCP, ver alterado no todo ou em parte o uso do solo e serem também urbanizadas?

A partir daqui (inclusivé) as coisas complicam-se ainda mais um pouco e começam a surgir uma série de condicionantes que só serão contornadas com a revisão do PDM ou com a aplicação de Planos de Pormenor ad-hoc para o local, na senda aliás do que está a acontecer nos terrenos das oficinas da Câmara e Laníficios da Arrentela , na Torre da Marinha.

A tal alternativa à EN 10 terminará depois de passar pela Atalaia, na rotunda do LIDL da Amora, a sua continuidade dependerá da mudança do posto de combustível que aliás nunca ali devia ter sido construído, paredes meias com uma escola. Mas logo à frente temos o campo nº 2 do Amora que inevitávelmente com este traçado, atravessará.

Segunda pergunta: Como consequência da premissa anterior poderiamos assistir à urbanização dos campos nº2 e nº3 e também do nº 1 do Amora Futebol Clube ? É que para isto acontecer teriamos também que ter deslocalizado o campo principal do Amora para a zona da antiga fábrica de explosivos, tudo isto implicando alterações de uso do solo em catadupa...(?)

Estamos a falar com tudo isto de quantos mais habitantes? De quantos mais fogos? Quem sairá beneficiado com a sucessão de mais valias ali geradas ?

E depois, face à situação económica do Amora, mas necessidade de construír um novo estádio (para o qual não tem dinheiro), vem o interesse da autarquia em avançar com a obra da estrada cujas promessas de conclusão de uma alternativa á EN10 remontam ao ultimo período eleitoral...

Será que alguém pode esclarecer tudo ísto? A população da Amora e os sócios do Amora F.C. têm ou não razões para andar preocupados?

Da forma exemplar que a Quinta da Atalaia vai ficar servida de vias de comunicação, não seria de pensar localizar aí o futuro Hospital do Seixal?

quinta-feira, julho 26, 2007

INSTITUTO DA CONSERVAÇÃO DO QUÊ?














imagem de azeitão.net

Seria do senso comum que tudo o que são leis de protecção ambiental, teriam que ter primeiro que tudo três caracteristicas: 1) ser céleres e aplicáveis de imediato ; 2) ser objectivas e ter o ambiente como fim primeiro e acima de tudo 3) não serem embrulhadas no costumeiro pacote burocrático lusitano, dependentes de pareceres e aspectos formais que as desvirtuam, ou até, anulam.


Por outro lado as estruturas montadas das entidades oficiais de protecção da natureza (sustentadas pelos nossos impostos) teriam que ter como único fito, trabalhar para um mesmo fim, a conservação da natureza e não a sua existência como objecto de criação de cargos, de pequenos poderes, de absurdas quintas em que a teia burocrática tanto gosta de tecer e encher de protagonistas fiéis aos poderes eleitos.

Serve esta introdução para comentar uma noticia publicada no jornal PUBLICO do passado sábado e assinado por Cláudia Veloso.

Nesse artigo, damos conta do seguinte:
- Houve no passado dia 30 de Abril uma reunião dos corpos directivos do Parque Natural da Arrábida.

- Nessa reunião foram tomadas decisões importantes do ponto de vista da protecção daquela área protegida (Parque Natural).

- Nessas reuniões devem estar presentes três menbros da comissão directiva, que segundo os estatutos deverão ser convocados por carta com 48 horas de antecedência.

- Acontece que um desses membros, na altura de férias, a directora do ICN (Instituto de Conservação da Natureza) que tem como fim ultimo, a conservação da Natureza , não foi convocada.


Ora, como resultado do "incumprimento" desse procedimento formal, a então directora do PNA sofreu um processo disciplinar e as tais decisões tomadas sobre a protecção da natureza arriscam-se a não ter efeito.

Ou seja, das duas entidades ICN e PNA que deveriam pugnar ambas pela defesa da Arrábida,está uma (ICN - tutela) antes do mais interessada em questões processuais (de poder do ICN sobre o PNA) do que da razão primeira porque existiam ambas, o acautelamento do bem nacional que é o Parque Natural da Arrábida (à partida cumprido pela então directora do parque).


É que como consequência desta luta de poder, do ICN sobre o PNA resulta a anulação de decisões tomada na tal reunião, e que, poderá permitir por exemplo, que a SECIL se eternize no Outão, permitindo a exploração a uma cota inferior ao até agora permitido na concessão (até 2021) e que desta forma se estenderá até 2044.

Na reunião em causa foram para além do indeferimento das pretensões da SECIL, "analisados mais 36 processos, tais como pareceres desfavoráveis a construções na Arrábida, ordens de embargo de obras e informações para o Ministério Publico".

Se fosse adepto de teorias conspirativas poderia dar largas à imaginação, até porque há também aqui questões que se prendem com o Plano de Ordenamento da Arrábida e a co-incineração na cimenteira de resíduos industriais perigosos, sobre este último ponto, o estudo em questão foi feito pela SECIL e rejeitado na reunião em questão (cujas decisões se pretendem...como consequência, anular), entretanto, uma restruturação do ICN pôs fim às comissões directivas dos Parques Naturais...

quarta-feira, julho 25, 2007

A FRAUDE (VERDE) , É ASSIM... (3)














melancias bem quadradas


Do livro de Zita Seabra "Foi assim" concluímos a publicação de excertos referentes à criação do "Partido Ecologista" , «Os Verdes», um gozo à nossa Democracia:


"Não conseguimos implantar «Os Verdes» como um partido autónomo e verdadeiramente ecologista, mas conseguimos que tivessem na Assembleia da República um grupo parlamentar com dois deputados eleitos nas listas do PCP, que ainda por cima ocupavam um tempo completamente desproporcionado face ao que teriam caso fossem dois deputados comunistas normais.

Vinte anos depois de terem sido criados ainda subsistem praticamente inalterados desde o ano da sua fundação.
Confesso que esta foi para mim das tarefas mais divertidas que tive no PCP.

A ideia de me pintar de verde e avançar com um projecto de raiz era bem mais agradável do que fazer sobreviver à força o moribundo MDM/CDE."

Ou seja, andamos há vinte anos a sustentar através dos nossos impostos, um Grupo Parlamentar de um partido que é uma farsa, e por outro lado concorre numa coligação que não o sendo é uma fraude eleitoral...e depois queixem-se da abstenção!!!

terça-feira, julho 24, 2007

A FRAUDE (VERDE) , É ASSIM... (2)




Continuando a descrição que Zita Seabra faz (farsa) da criação do "partido ecologista" «Os Verdes» no livro auto-biográfico "Foi Assim" :


" O PCP ia criar um partido verde para se aliar a si próprio, o que além do mais trazia outras vantagens politicas (...) estas eram questões que mobilizavam os jovens. Por isso tinhamos que registar o nome rápidamente. Registámos a correr as duas palavras essenciais : ecologista e verde.

Controlada directamente pelo camarada Cunhal para esta tarefa de criar o Partido Ecologista «Os Verdes», meti mãos à obra. O José Casanova tratava dos aspectos logisticos (...). Pediu-se a todas as organizações distritais para procurarem camaradas firmes que se interessassem por coisas verdes, ecologia, natureza, etc. Mas que fossem firmes (...) De Setúbal veio Maria Santos, que foi depois deputada durante vários anos e que abandonou «Os Verdes» ao mesmo tempo que eu abandonava o PCP (...) . Veio também Herculano Pombo , ligado a organizações da natureza do Norte de Portugal, que saíu com Maria Santos para o PS e foi vereador em Sintra.


Criaram-se «Os Verdes» em 1983, integrando primeiro a APU e, com a saída do MDP, a CDU. O PCP deixou de fazer coligações com o que restava do MDP, verdadeiramente em extinção, para se aliar a este novo projecto que achávamos cheio de perspectivas para o futuro. No entanto « Os Verdes» nunca conseguiram descolar desse selo inicial e nunca foram um movimento ou um partido autónomo capaz de trazer gente diferente e nova para uma aliança com o PCP, nem de enriquecer a esquerda com uma frente de causas ambientais.

O PCP tinha medo que lhe fugissem ao controlo, mas se assim não fosse nunca representariam qualquer mais valia para a esquerda portuguesa. Os Verdes portugueses em nada se comparam com os verdes alemães (...).


«Os Verdes» elegeram logo no início , dois deputados, como acontecia com o MDP, e o seu funcionário passou a ser o funcionário do grupo parlamentar . Dois era o número mínimo de deputados para terem estatuto de Grupo Parlamentar na Assembleia da República.

Uma vez que eles não tinham experiência parlamentar, fui então, além de sua controleira, co-redactora de iniciativas legislativas verdes. Com José Magalhães escrevia-lhes projectos de lei, intervenções, requerimentos etc. (...)

-CONTINUA-

____________________________________________________

BOICOTE 2

Do Blogue do Brocas sobre o bloqueio dos Quiosques Publicos Península Digital ao a-sul e alhos vedros ao poder :

"Acho estranho, mas…nunca se sabe.

O que é certo é que aconteceu comigo, logo não consigo, por mais que queira, deixar de acreditar.

Então o que se passou?

Num dos quiosques que fui consultar, entrei aqui no http://berbequim.wordpress.com, não para consultar o meu próprio Blog, mas sim para poder seguir os links mais facilmente, em vez de digitar um a um.

Assim fiz e, qual não é o meu espanto, quando, ao clicar sobre o link do A-Sul, me deu a mensagem de:

Acess Denied

Não está autorizado a ver a página que solicitou.

Tentei novamente, e novamente e tornei a tentar, a mensagem foi sempre a mesma.

Experimentei então o link do Alhos Vedros ao Poder."

segunda-feira, julho 23, 2007

A FRAUDE (VERDE) , É ASSIM... (1)



Os nossos politicos queixam-se do divórcio dos cidadãos em relação á coisa publica, e a coisa é mais preocupante em relação às novas gerações.

A abstenção tem sido preocupante e crescenta, a classe politica está desprestigiada e os autarcas locais gozam ainda de pior reputação.


Dir-se ía estar perante universos paralelos, a sociedade civil e o mundo da politica, quem por lá passa salvo raras e honrosas excepções, que as há, distanciam-se da realidade, vivem e governam para um mundo à parte...enquanto o mundo real gira a outra velocidade, mesmo os outros poderes.


Um outro poder que normalmente se acusa de estar também à parte é o Poder Judicial, mas , nomeadamente graças a uma nova geração de magistrados, conseguiram uma aproximação do mundo real mais objectiva que o Poder Politico.

Prova desses novos tempos é a facilidade com que nascem processos, de fontes que há uns anos atrás não seria possível.
Estou-me a lembrar por exemplo do caso "Apito Dourado", e do facto de o livro biográfico "Eu Carolina" ter despoletado novas certidões com vista a investigação e a instrução processual.

No mundo da politica , a coisa não acontece (infelizmente) da mesma forma, se o fosse estariamos perante o mesmo fenómeno do "Apito", com o livro biográfico "Foi Assim" da autoria de Zita Seabra em que a ex. Alta Dirigente , expulsa do PCP vem afirmar na primeira pessoa , o que já aqui trouxemos à discussão, o facto das coligações de partidos com que o PCP concorre desde há décadas às eleições, não é mais que UMA FRAUDE!

Tenham essas coligações o nome de baptismo APU (com MDP) ou agora CDU (com os VERDES), afinal tudo não passa de uma fraude que mancha a Democracia e distancia o Povo dos Eleitos, para quê ir votar para legitimar situações que não passam de fraudes? Fraudes quer com a antiga coligação APU , citando Zita Seabra:

"(...) a APU era uma sigla importante que permitia substituir a foice e o martelo, que assustavam muita gente simpatizante das nossas ideias mas que temia o comunismo" quer actualmente com a CDU com os "VERDES" , sobre os verdes veja-se a sua génese " (...) Fui então encarregue de criar um partido ecologista, um partido verde.

Eu e José Casanova. Para começar fui a uma conferência feminista à Alemanha Ocidental (...)
(...) Fui a esta conferência para ir depois conhecer de perto os trabalhos dos Verdes alemães e trazer propostas programáticas e organizativas para o partido que queriamos criar. Vim cheia de ideias, de papéis , de tarjetas, de programas e de slogans. (...)

Percebi as questões principais que um partido verde devia defender e apliquei o que tinha aprendido . Nunca percebi bem como foi organizada essa viagem (...) só sei que vim de lá não propriamente formada em ecologia mas pelo menos com uma ideia do que devíamos fazer. (...)

- CONTINUA...

________________________________________________

O BOICOTE

Segundo o Blogue Alhos Vedros ao Poder :

"
Então não é que o acesso ao AVP e ao A-SUL está bloqueado pelo menos em alguns quiosques da net do projecto Península Digital, enquanto outros blogues são de acesso livre?

Afinal é este o modelo de liberdade que defendem com o uso de dinheiros públicos?

domingo, julho 22, 2007

SEIXAL - INCÊNDIO NO PARQUE INDUSTRIAL



Um incêndio ontem no Parque Industrial do Seixal revelou as fragilidades e o caos daquela estrutura.

Se há de facto uma zona infraestruturada a que possamos atribuir aquela designação, os terrenos envolventes onde a autarquia permitiu a construção de naves industriais várias num caos que começa no Casal do Marco e termina quase em Coina.

Estes pavilhões industriais nasceram na maior parte, não para albergar industrias específicas ou como está hoje em voga, "estruturas logisticas", mas são sim uma outra forma de especulação imobiliária. Escusado será dizer que muitos se encontram desocupados ou abandonados, sobretudo , lembre-se que houve uma grande vaga de deslocalização de empresas que operavam no Seixal.

Estas naves, alternam com zonas residenciais e com zonas de floresta, que tem as habituais caracteristicas de povoamento misto de sobreiros e pinheiros, óbvio que estes terrenos, contíguos aqueles a quem foi permitido urbanizar (quer para habitação , quer para indústria), são "apetitosos" , numa lógica especulativa e de mais-valias vigente, tal como há uma semana aconteceu na Flor da Mata, há interesses que se tentam livrar dos incómodos pinheiros e sobreiros...para quê? Julgue por si!

O incêndio de ontem à tarde teve dois focos distintos, bem separados um do outro, a tarde estava ventosa e não demasiadao quente para justificar uma ignição espontânea...no restante, a industria dos incêndios funcionou, lá estiveram dois "meios aéreos" , os incansáveis bombeiros que no Seixal não têm tido descanso nos últimos dias e a GNR.

Aqui o filme dos acontecimentos:


sábado, julho 21, 2007

PIN-TUGAL


Um PIN perto de si - Aldeia dos Capuchos (Costa de Caparica) em plena Arriba Fóssil!

Sobre os PIN - Projectos de Interesse Nacional já aqui (clique) expressámos a nossa opinião, digamos que é a ultima brecha para acabar com o que de ambientalmente preservado ainda existe, isto na vertente imobiliária dos PIN (clique) (dita também "turistica") porque Investimentos de Interesse Nacional numa óptica de sustentabilidade ambiental tendo como objectivo a Investigação, a alta tecnologia, as industrias não poluentes de alto valor acrescentado, aí a opinião só pode ser , como é obvio, favorável!

José Socrates foi no meu entendes, o ultimo Ministro do Ambiente, depois dele o que houve foi figurantes medíocres no cargo, lembro por exemplo a oposição acérrima aos "interesses adquiridos" de um investidor alemão sobre 67 hectares junto à Praia do Meco... os tempos hoje são outros, e acabou de ser aprovado pelo Socrates 1ºMinistro , o pai dos PIN um Simplex do Betão que faz esfregar as mão de contentamento os autarcas deste país .

Sobre esta nova vertente (PIN) foi publicado na semana passada no Expresso, um texto de Miguel Sousa Tavares do qual cito alguns excertos recomendando a leitura do artigo da íntegra :

"José Sócrates foi o primeiro candidato a primeiro ministro que inscreveu no seu programa eleitoral a intenção de desvincular as receitas das autarquias da cobrança que lhes cabe referente aos impostos sobre a propriedade imobiliária (...) finalmente ouvia alguém disposto a terminar com esse incentivo à especulação imobiliária e à devastação paisagistica que consiste em uma autarquia ter tanto mais dinheiro quanto mais construção autorizar (...).

Mas José Sócrates primeiro-ministro tratou logo de se esquecer da promessa feita por José Sócrates candidato a P.M. Pior do que isso: sob o seu alto patrocínio e responsabilidade, temos assistido ao assalto final, com requintes de barbaridade e selvajaria jamais vista, ao que resta da paisagem protegida e ainda não estragada de Portugal(...). A filosofia em vigor com este governo pode ser exemplarmente definida por uma frase daquele senhor que usa a alcunha de ministro do Ambiente: "Não fazemos dos valores naturais um obstáculo ao desenvolvimento económico".

Está tudo dito:é impossível ser-se mais claro.E aterrador.
(...)Nasciam assim os malfadados PIN, que estão rapidamente a transformar Portugal num país mais feio, mais degradado e ambientalmente insustentável (...)

Eu imaginei de início, que os projectos PIN se destinavam, realmente, a incentivar investimento criativo, tecnologicamente avançado, inovador, eficiente energeticamente e amigo do ambiente, capaz de fazer renascer a nossa industria moribunda e ensinar-lhe que existe mais valia para além da mão-de-obra barata.

Enfim, acreditei nas boas intenções do Governo (...) a maioria é sim na construção turistica de massas e na especulação imobiliária. Por isso aliás, é que a maioria dos projectos é nacional:porque os especuladores imobiliários do costume viram nos PIN um autêntico ovo de Colombo para- sem estudo de impacte ambiental, sem discussão publica prévia e até sem conhecimento publico prévio- terem desde logo aprovados pelo Governo, apadrinhados e acelerados por ele, projectos que de outra forma e em países civilizados, morreriam no papel (...)


E quanto maior for o projecto imobiliário, maior é a sua "sustentabilidade ambiental e territorial", segundo o Ministério do Ambiente, e maior é o empenho do Governo na sua rápida consumação.Deste modo, um projecto PIN, em rigor, nem chega a ser projecto algum : é um requerimento particular que, uma vez aprovado rápidamente (maximo 30 dias), transforma-se numa espécie de decreto administrativo que não é inpugnável nem discutível e que a todos colhe de surpresa, vinculando toda a Administração, derrogando todas as leis e procedimentos administrativos de salvaguarda e fazendo tábua rasa do respeito pelas zonas vedada à construção - com a realização de fantásticas mais-valias que nem sequer são fiscalmente tributadas" (...)


Ou seja, parece que o Governo, em vez de normalizar e acabar com a realização de mais valias discricionárias efectuado pelas autarquias, se deslumbrou com o esquema e inventou um ainda pior! Mas não é isto que Portugal espera(va) de si senhor Engenheiro Sócrates!

sexta-feira, julho 20, 2007

QUE SAÚDE PARA O SEIXAL?


O ambiente urbano no Seixal, nas várias realidades do concelho do Seixal melhor dizendo, como tem aqui sido analizado, não conduz a uma sociedade equilibrada e saudável.Isto quando saúde e ambiente andam de maos dadas e são indissociáveis.

Numa região habitada por 160.000 habitantes as orientações urbanas não foram desenvolvidas no sentido da construção de um "Seixal Saudável" , pelo que o único que se conhece é o da propaganda daquela anual manifestação com o mesmo nome, para onde nem são convidados as maiores sumidades médicas do concelho ou do país, pelo que se perdeu , em relação a esse evento, na sua credibilidade medico/cientifica, e em relação ao concelho, falhou-se, na prevenção de uma cidadania de qualidade, promovendo estilos de vida saudáveis a começar pela luta contra a obesidade e promovendo o exercicio fisico.

Por exemplo temos aqui defendido soluções simples do dia a dia nesse sentido, a criação de condições para disfrutar de zonas verdes procuradas pela população para melhorar a sua condiçao fisica (ultimamente aqui falámos na necessidade de parar com a destruição de uma delas) . Outra solução simples é a criação de ciclovias (nao esquecer que uma das maiores causas de morte em Portugal se prende com as doenças cardiovasculares) uma forma de mobilidade que ao mesmo tempo que liberta as vias do automóvel, obriga o exercicio fisico. Outras soluções passariam pela construção de circuitos de manutenção, de parques com equipamentos para execicio fisico, etc...


Ou seja, na prevenção, as autarquias locais não actuaram, Seixal incluído!

No remediar, o boom urbano levou por exemplo a que milhares não tenham médico de familia .Neste capítulo nao defendemos como sabem, da necessidade de um hospital construído de raíz , sobretudo para satisfazer mais que necessidades da população, a propaganda local, como elemento de arremesso contra , o sempre inimigo exterior denominado "poder central".Porque defendemos primeiro que tudo atitudes preventivas como as que anteriormante simplisticamente exemplificámos, e depois, um serviço de saúde de qualidade que tenha em conta a proximidade.

Nesse sentido é por outro lado fundamental, a estrutura montada do serviço nacional de saúde onde se incluem claro está, como base ,entre outras figuras, os centros de saúde e os SAP.

O anunciado fecho dos SAP do Seixal e Corroios (Corroios foi a freguesia que mais cresceu na última década) pelo mesmo governo que acede à proposta da autarquia de constrír um hospital, parece-me absurda e de uma grande gravidade para um concelho que explodiu em termos de habitantes de 30.000 em para 160.000 em trinta anos, numa acção promovida politicamente e económicamente por uma autarquia que como referi anteriormente, não cuidou minimamente das questões de qualidade de vida e ambientais dos seus cidadãos.

Nao faz sentido que o "Governo Central" atravez da CCDR e das aprovações do Dr.Francisco Ferreira permita a explosão demográfica e expansão urbana , depois retire o apoio médico do SNS. Não é justificação economicista quando se suporta financeiramente o troço actualmente em "exploração politica" (sem passageiros nem utilidade) do MST e depois avance com decisões sem sentido humano como esta.

E o povo pergunta:
Se agora lhes é retirada a assistência de proximidade, Como é que vai ser?

E óbviamente mais uma vez à CDU é dada de bandeja mais um cavalo de batalha contra "o poder central". Mais um tiro no pé deste governo?

Ou não interessa ao PS que haja alternância de poder na margem sul?
______________________________________________________

Actualização 16h

Mesmo que a explicação dada possa ser a de que os SAP são (dispensáveis por serem ) no fundo meios de triagem e orientação ...que se justificam em orçamentos desafogados mas não em orçamentos de contenção, parece, face a outros despesismos e vendo a questão exclusivamente do ponto de vista economicista , perante o número de pessoas afectadas e as caracteristicas da região, uma má medida politica.




quinta-feira, julho 19, 2007

QUERCUS TV







A Quercus lançou no passado dia 5 de Junho o site Quercus TV, que disponibiliza actualmente 50 videos divididos por temas como sejam, por exemplo, as alterações climáticas, o ambiente urbano, a biodiversidade, a energia nuclear e os resíduos.
O objectivo desta iniciativa, que se pretende aberta à participação dos cidadãos e de outras organizações solidárias com a protecção do ambiente, é a difusão de vídeos relacionados com este tema.

Para participar neste projecto, qualquer pessoa ou organização pode fazê-lo através da publicação de vídeos próprios, ou realizando comentários aos vídeos publicados, ou através da divulgação noutros sites ou blogs dos vídeos já publicados, ou integrando projectos de realização de documentários, etc. A publicação de vídeos próprios passa pela prévia aceitação por parte da Quercus TV. Os comentários a vídeos publicados, são por natureza anónimos e moderados, obedecendo a regras pré-estabelecidas. A divulgação noutros sites ou blogs de vídeos da Quecus TV, passa por exemplo, pela publicação da lista dos últimos vídeos e de um “link”, ou pela disponibilização do último vídeo publicado.

Para mais informações pode-se aceder ao site da Quercus TV: http://www.quercustv.org

quarta-feira, julho 18, 2007

RAMALHA - O TRIÂNGULO DA DISCÓRDIA


foto de Triângulo da Ramalha, na imagem o Deputado Luis Rodrigues (PSD) inteira-se das posições dos moredores.

Continua a oposição dos residentes da Ramalha (clique) sobre a imposição do traçado do Metro Sul do Tejo naquela zona fulcral para toda a rede.

De todas as soluções propostas os moradores continuam a reclamar que a escolhida é a pior solução.


Ontem esteve no local uma delegação do PSD, encabeçada pelo Deputado Luís Rodrigues, foram ouvidas as queixas dos moradores que impávidos assistiram ao que dizem ser contradições e mentiras sob a forma de explicações emitidas pelo "Encarregado de Missão", Engº Marco Aurélio) .

Qu
anto aos residentes estes acham que "A Câmara Municipal de Almada e a sua Presidente preparam-se para tomar de assalto a R. Lopes de Mendonça, usurpando aos moradores o parqueamento automóvel e os passeios que estes pagaram quando adquiriram os apartamentos, visto o que os construtores tiveram de pagar à CMA pelos passeios e parqueamentos se ter repercutido no valor da compra dos apartamentos" queixam-se ainda da degradação da qualidade do espaço e do corte de árvores, ao mesmo tempo que apontam outras soluções mais a contento dos moradores e inclusivamente menos onerosas.

E questionam inconformados "Porque razão tudo isto está a ser feito à revelia dos moradores e em claro atropelo aos direitos dos mesmos.
Os direitos dos residentes estão a ser alvo de um assalto em surdina, por gente para quem os cidadãos são seres menores, súbditos e escravos, sem direito a usufruir de qualidade de vida no local de residência" afirmaram!

Relembra-se que há uma outra solução proposta pelos moradores que nunca foi considerada pela autarquia, ou à qual a autarquia sempre se opôs sem que haja uma razão objectiva ou justificável para que tal aconteça, mais uma vez ficam a pairar no ar outros interesses que não o dos cidadãos.

Citando os cidadãos da Ramalha:

"
Compare-se o desperdício de dinheiro que a Câmara Municipal de Almada quer fazer os contribuintes gastarem, metendo a Linha 3, a azul na montagem, na R. Lopes de Mendonça e José Justino Lopes, com o que se economiza passando essa mesma Linha pela Rua de Alvalade, onde vai ser construida a Linha 2, a verde na montagem, sendo só necessário construir a curva a tracejado cor rosa, porque a Linha 3 utilizará até à curva os carris da Linha 1 que vai para Corroios"

terça-feira, julho 17, 2007

MOITA - O POVO NÃ PODE FALAR IÔ!



A aprovação do PDM da Moita por parte dos eleitos aconteceu como era de esperar na ultima sessão de câmara, contou como era esperado com os votos contra de toda a oposição, a reunião foi concorrida como mostra a reportagem , mas contrariamente ao que ditariam as regras democráticas e a lei (que esteve
"fora da ordem do dia" , presidente Lobo dixit), aos cidadãos presentes não foi permitido o uso da palavra .

No entender dos Municipes , inpedidos de participarem e questionarem a gestão da polis, foram omitidos pontos considerados importantes e que levantam duvidas do ponto de vista patrimonial (histórico e natural) e de ordenamento do território.

O Presidente de Câmara como sempre acontece escudou-se nas orientações e decisões "dadas pela CCDR" , e a oposição consubstanciada nos vereadores eleitos pelo PS, BE e PSD, voltou a sublinhar os motivos pelos quais rejeitaram aquela proposta de revisão, sobretudo na manipulação que foi feita em Áreas de Reserva Agricola Nacional.

Sobre esta questão que tem sido a pedra de toque do Movimento Civíco Várzea da Moita os seus elementos alegam "existirem vários interesses por detrás desta revisão", sobre esta e outras questões que são uma preocupação nacional, organizaram mesmo uma Conferência Nacional sobre Politicas de Solos", mas tal como qualquer outro cidadão, foram impedidos de apresentar as suas dúvidas.

É esta forma de fazer politica que depois desagua em situações de descrédito da classe politica, sobretudo os autarcas locais que conduzem a situações de abstenção como os resultados históricos (pela negativa) acontecidos nas intercalares de Lisboa. A fórmula na margem sul é mais boçal porque com menos holofotes e é simples calar quem contesta (como na Moita) , difamar quem alerta e dar o dito por não dito (como no Seixal) , foi uma semana de ouro para a CDU (tudo isto e só em sessões oficiais de câmara, certamente registadas, para os vindouros, em acta oficial - não alterada...).

Tudo isto envolvendo únicamente temas de caríz ambiental e de ordenamento do território ( PDM's, Reserva Ecológica, Incêndios , desmatação (clique) onde é obrigatório a reflorestação)...tudo isto sem uma única declaração de "Os Verdes" , pelo que é legitimo perguntar:

- Eles existem mesmo?

segunda-feira, julho 16, 2007

A LIÇÃO DE LISBOA


Qualquer "lado" é o "lado certo" para o disparate, mas o de Almada parece mais certo que qualquer outro!

Imagens do desperdicio propagandistico no blogue Em Almada

Um verdadeiro divórcio dos cidadãos da vida da Polis foi a resposta dada pelos eleitores a estas intercalares em Lisboa, vai-se escrever muito sobre o porquê, as razões... mas logo no primeiro minuto temos uma resposta , "todos saem vitoriosos" , todos encontram um prisma positivo, uma lição para alguém, e sobretudo, todos encontram patéticas derrotas nos que tiveram melhores resultados do que eles.

Mas não nos esqueçamos, eram eleições para a Cidade, para a gestão da cidade e os eleitores mostraram estar fartos de uma cidade que é a capital e o espelho de muitas outras cidades onde se vive cada vez pior, uma cidade sem vida depois das seis da tarde, uma cidade que se espraia para a periferia em prédios sem história e deixa morrer os edificios da imensa mais valia que são as zonas históricas.

Uma cidade poluída, com passeios a servir de estacionamento, com paredes cheias de graffitti, caótica com prédios belissimos e desabitados a caír no centro, com o centro cheio de turistas mas sem habitantes, com o rio privilegiado cheio de obstáculos intransponiveis, com esgotos não tratados a correr para o rio...uma cidade capital, espelho de todas as cidades à volta onde se perde o glamour da Capital e se ganha a patine do suburbio na outra margem onde o jogo democrático tem a agravante de não ser assim tão
democrático ...






Helena Roseta, uma nova forma de fazer e estar na politica, com poucos meios e sem desperdicio mas com credibilidade e envolvendo os cidadãos...já se esqueceram do resultado de Manuel Alegre?

Depois vai-se falar de todo um imenso rol de outras razões para a abstenção , mas que se vão esquecer de imediato para só vir a aflorar de novo nas proximas eleições. Não fora os movimentos de cidadãos independentes (ou "ditos independentes" como a forma depreciativa com que Ruben de Carvalho a eles se referiu) e não haveria esperança de mudança ou de renovação , no distanciamento cada vez maior dos cidadãos dos politicos, da tolerância cada vez menor aos negócios, às decisões , aos favorecimentos que não se vêem beneficiar os concelhos ou as freguesias, mas só alguns.

O que já não há pachorra é para a propaganda que de tão presente já não se vê, tudo um enorme desperdicio uma verdadeira industria de marketing politico que agora é moda ir muito para além do período eleitoral e durante o período eleitoral então, é de um despesismo a toda a prova !!!

Um exemplo nesta banda é a campanha perfeitamente absurda imagens de Em Almada em cima que pode ser vista em Almada e que não serve absolutamente para nada para além de um enorme autoelogio de duvidoso alcance para os cidadãos..."No podium" ? mas de quê???

Mas o mais curioso é que não contentes com isso , uma semana depois, novo cartaz, versão actualizada do primeiro, com a mesma mensagem mas grafismo alterado, aparece... este desperdicio , esta propaganda constante sem visibilidade na vida
do dia a dia, as promessas não cumpridas , os jogos de poder , o clientelismo as decisões erradas divorciam cada vez mais o cidadão da participação nos destinos da sua cidade onde cada vez mais se sente um estranho e um indesejável (sobretudo se protesta) ... excepto na véspera das eleições!!!

Depois? Bom, depois comentam com muita preocupação o nível de
abstenção!

Os resultados são os que se seguem com a Toda Poderosa CDU do outro lado do rio a não ter aqui mais de 9,5% e 18 681 votos, a enorme máquina de propaganda atrás de dois cidadãos independentes...não dá que pensar?

domingo, julho 15, 2007

E O SENHOR PRESIDENTE DA CÂMARA DO SEIXAL? QUE CAMINHO?















Se a politica local não fosse na margem Sul actualmente, o grau zero
da politica e da democracia e diria que só restaria , ao Presidente da Câmara do Seixal, à luz da noticia do Jornal do Seixal a demissão , depois das declarações e da performance efectuada em ultima sessão de câmara.

A atitude desproporcionada e descontextualizada do senhor Presidente, é , mesmo para uma sessão depois do almoço e numa tarde quente de Verão que mais convidaria a uma sesta, desajustada em democracia, aliás caracteristica de uma visão peculiar da democracia distorcida por trinta anos de poder autocrático.

Estes eleitos da margem Sul, tendem em, quando são confrontados perante uma denúncia ou um alerta, a tomar tais denuncias ou alertas como ataques pessoais ou à sua gestão, esquecendo que vivemos num estado de direito onde há meios de investigação e um sistema judicial independente.

Curiosamente não vislumbro no artigo do Publico, mais do que a descrição de factos, e factos que não referem por parte da CMS , conluío com a destruição ambiental e curso na Flor da Mata, a menos que pela atitude do senhor Presidente, ele saiba mais do que ali foi escrito. E depois o artigo foi publicado no Publico, ass
inada pela jornalista Claudia Veloso...e até agora não vi ao Jornal e à jornalista um pedido de qualquer desmentido, correcção ou processo!

Então, possivelmente, tudo não passou de um golpe de teatro, onde quem se excedeu e enveredou para um caminho que não o da clareza mas , no minimo, da omissão... foi o senhor presidente da câmara do Seixal - isto tomando como verdadeiras as suas afirmações transcritas no Jornal do Seixal de 14 de Julho, é que inclui o senhor Presidente na sua verdade, quando afirma que
"não existe nenhum projecto de construção para os terrenos ardidos da Flor-da- Mata , nem no actual PDM, nem no futuro PDM em revisão, pelo que as declarações do vereador são falsas e especulativas"... (?)

Resta saber o seguinte,
"não existe nenhum projecto...para os terrenos ardidos" ... mas existe para os não ardidos (?) , se sim , lembro que os não ardidos este ano (clique)arderam em anos anteriores (clique), lembro que os não ardidos este ano foram incendiados e deflorestados (clique) contra o espirito do PDM há dois anos atrás e lembro também que há cerca de dez hectares actualmente a serem , não deflorestados , mas , arrazados e onde o proprietário diz ser para construír " ou um hipermercado ou uma urbanização, ou até um cemitério se lhe apetecer..."

O Senhor Presidente é bom a jogar com as palavras, tem um timbre de voz convincente, mas é preciso verdade e clareza totais e não estas nuances que fazem esquecer projectos importantes para a zona como o Plano de Pormenor para alteração de uso do solo para uma urbanização que esteve em discussão publica há um ano, ou o projecto de passagem do IC 32, que também esteve em discussão publica há mais algum tempo...porque não se referiu nem a um nem a outro senhor Presidente?

Nem se referiu a quem com eles vai lucrar, quer com as mais valias brutais geradas, quer com as expropriações que terão de ser feitas?


O que devemos nós então compreender de ter levado tão pessoalmente acusações que não foram feitas?











Documentação oficial da Câmara do Seixal dois projectos que já estiveram em períodos anteriores de férias de Verão em discussão publica, ei-los aqui juntos e em separado para relembrar as omissões do senhor Presidente na última sessão de câmara, a imagem maior é uma projecção do que será a passagem do IC 32 no local

O qu
e devemos nós simples cidadãos compreender de tão graves omissões?

Num regime de seriedade,como SERVIDOR DO POVO! ou explique-se, ou demita-se, e já agora, demita também o senhor vereador do ambiente, o que ele disse numa sessão publica e que estará certamente registado em acta é demasiado grave num estado de Direito Democrático e cerceador dos direitos civicos individuais e colectivos.
__________________________________________________

Divulga-se aqui o blogue do anterior Presidente da CMS, Eufrázio Filipe, o blogue chamas-se MAR ARÁVEL. Esta é uma tentativa de o senhor EX... fazer uma divulgaçãozinha a retribuir esta gentileza em relação ao A-SUL , uma vez que ambos "põem pauzinhos nas engrenagens".

sábado, julho 14, 2007

OBVIAMENTE : - DEMITA-SE SENHOR VEREADOR!
















O senhor da imagem é um "Vereador do Ambiente", não explica porque razão o PDM do Seixal não é cumprido no que toca à protecção de zonas protegidas, mas vem com insinuações contra quem protege o verde e o ambiente.


Há nitidamente por cá um modelo de ecologia e de sustentabilidade diferente do resto da Europa, é semelhante aquele que no Brasil mandou matar o ecologista Xico Mendes e que sugere a nossa deslocação "para a Amazónia" , deve ser do conhecimento que têm das "piranhas" do outro lado do Atlãntico.


O modelo que por cá propomos tem sido analisado ao longo de mais de três anos é simples (legível) e tem como principio a sustentabilidade, até de espécias que não estimamos como os "patos-bravos", é que se esta geração construír tudo, destruír todos os locais possiveis e impossiveis de construír o que vai ser o negócio da próxima geração ? Extinguir-se-ão certamente.

Mas há quem não pense assim e por cá deixe "opiniões " arquivados na nossa caixa de comentários , destaco os retratos feitos do pontoverde quem "é" , "onde vive", para "onde vai"...mas a pérola maior , foi a alusão deixada em sessão de câmara (clique) e reproduzida no Jornal do Seixal por Carlos Mateus - Tecnico Superior de Administração local, Vereador do Ambiente e Serviços Urbanos da câmara do Seixal, que sugeria sobre as culpas do incêndio da Flôr da Mata que:

«...se não poderia também alguém que não queria que ali se construa atear fogo...»

Este mesmo senhor já havia revelado um olhar enviezado sobre aquele local , quando há cerca de dois anos houve uma desmatação selvagem denunciada pela população e que este declarou tratar-se de "trabalhos agricolas de manutenção" , se calhar, digo agora eu, feito na calada da noite por esses selvagens que não querem que ali se construa, respeitando o Plano Director Municipal ? E é este senhor que desconhece também as leis que cita : Vereador do Ambiente!

O PCP não põe sequer estes incompetentes na ordem? É que este senhor é eleito CDU, militante do PCP! Como é isto possível?

A menos que os colegas de coligação Verdes que conhece sejam todos incêndiários, no verdadeiro sentido da palavra!

O Senhor Técnico Superior da Câmara do Seixal, Vereador do Ambiente , lá saberá! Para já parece ser pessoa de muitas certezas sobre a origem criminosa do incêndio da Flor da Mata...
______________________________________________________

Agradecimentos ao blogue PINHALFRADES (clique)

sexta-feira, julho 13, 2007

CASAS PARA 40 MILHÕES DE HABITANTES NUM PAÍS DE 7,5 MILHÕES DE PORTUGUESES



Somos t
odos contemporâneos desta sociedade da informação.

Nunca antes houve em tempo algum o acesso à informação que existe hoje em dia, tantos meios de comunicar com os outros, tantos dados a circularem à velocidade da luz de um qualquer ponto a outro do Globo.


As causas como assistimos este fim de semana no Live Earth assumem dimensões globais, simultâneas. Um país pequeno como Portugal, neste mundo, no espaço geográfico e politico onde se insere não está, nem pode estar fora deste turbilhão desta verdadeira revolução.

Mas o absurdo como vemos diáriamente acontece, alertados que estamos Todos para determinadas orientações e consequências do que chamam "desenvolvimento" , muitos há que unicamete interessados em defender posições pessoais de poder ou de bens materiais e/ou monetários, estão alheios a estas questões.

Tal é admissível, numa sociedade de livre mercado!


O que não é admissível é que quem é eleito democráticamente para regular e gerir o bem comum e que toda a estrutura social montada para julgar e punir esses desvios contrário à sociedade , o não faça, por manifestos interesses pessoais, partidários, de grupo, assim prejudicando todos e distorcendo o que deve ser uma sociedade democrática e de direito.


Vem isto a propósito dos dados e das projecções revelados anteontem sobre a natalidade em Portugal, ou melhor dizendo, sobre a preocupante baixa de natalidade em Portugal com as consequências que isso terá do ponto de vista social e de sustentabilidade nomeadamente dos sistemas de segurança social, mas não é por aí que pretendo enveredar.

Gostaria era de sublinhar o absurdo que é o continuar o nível de construção com o incremento que actualmente ocorre, com Planos Directores Municipais que projectam habitação para QUARENTA MILHÕES DE HABITANTES (no seu horizonte de vigência- 10 anos) quando "as projecções do INE apontam que em 2050 o país terá perdido quase um quarto da sua população, passando para 7,5 milhões" - SETE MILHÕES E MEIO DE HABITANTES EM 2050!
Mesmo os cenários mais optimistas apontam para regressões de no máximo sermos em 2050, 9,3 milhões!

O que leva a perguntar:
Que mundo local estamos a criar ? Toda esta construção (que já "não se vende") é para quem? Porque não se investe (meios, empresas , autarquias) no património construído, renovando, reconstruindo?

Acho que finalmente compreendi a piada do ministro Mário Lino...é que a margem sul já é o DESERTO , mas do betão, o deserto de milhares de metros quadrados de construído, mas sem habitantes, milhares de metros quadrados de armazéns e industrias, mas, ou nunca ocupadas ou entretanto abandonadas!

Parece estarmos perante mais um paradoxo português. Os portugueses não concretizam a reprodução, mas compensam esses maus genes , más tendências, ou impotências várias com uma desmesurada tendência de erguer, não o que parece não terem, mas gruas e mais gruas e como apêndices , mamarrachos ... é só o que vêmos no horizonte!!!

quinta-feira, julho 12, 2007

O FILME DA DESTRUIÇÃO DE UMA ZONA PROTEGIDA


O filme do que se tem passado nestas três semanas no Pinhal dos Frades e Flor da Mata está documentado nos cinco minutos de filme .

Este pinhal é uma zona de preservação, garantida pelo Plano Director Municipal do Seixal.


A pressão para a sua destruição iniciou-se com a mudança de propriedade dos terrenos da familia Almeida Lima , para especuladores e como agora se diz, promotores imobiliários, alguns escudados atrás de empresas sediadas em paraísos fiscais como Gibraltar.


O que está em causa é para além do interesse nacional, o interesse do Seixal e dos Seixalenses que ali poderiam ter a zona ideal para a instalação de um Parque Ambiental , numa zona que é o centro geográfico do concelho e poderia ser o cartão de visita para todos os que procuram as Praias, da Arrábida a Sesimbra, Alfarim / Meco e Lagoa de Albufeira.


O Seixal é já hoje o concelho com maior numero de fogos em comercialização, os situados nas zonas mais antigas ou que têm mais de dez anos, ou não se vendem ou dificilmente se vendem e estão em curso dois planos de pormenor que prevêem mais habitação na Torre da Marinha/Fogueteiro e na Siderurgia Nacional, para além do que está a ser construído da Quinta da Trindade ou junto à Baía.


Outros projectos megalómanos e que urge parar são também para aquela zona , mas do outro lado da estrada em Sitio Rede Natura, o Hospital (que não teve discussão publica para a sua localização) e duas mega urbanizações e um campo de golf.

É preciso acabar de vez com a destruição da natureza e com a betonização absurda e insustentável da Margem Sul .
_____________________________________________________

Sublinha-se aqui a posição da concelhia do PS sobre este crime ambiental e veículada num artigo publicado ontem no Publico, exigindo a continuação da protecão ambiental da zona protegida no PDM e o seu reforço .

quarta-feira, julho 11, 2007

A DESTRUIÇÃO DA NATUREZA E A CUMPLICIDADE DOS "POLITICOS" LOCAIS OU A ANATOMIA DE UM GOLPE!



Não fora um grupo de residentes, lutadores e perserverantes no cumprimento da lei e a Flor da Mata / Pinhal dos Frades na sua àrea protegida como Mata e Maciço Arbóreo, teria mamarrachos formando um gueto com mais de sete andares promovido pela autarquia.


Não fora esse grupo de cidadãos e esse espaço não estaria ainda livre de construção como o resto do território deste concelho onde a população anda mais distraída , manipulada ou alíenada !

Não fosse esse grupo de cidadãos e os autarcas não se teriam aqui deslocado para se "explicarem" aos cidadãos, nem os candidatos à oposição se teriam cá deslocado sempre que por cá passa uma brisa eleitoral.

Não fosse esse grupo de cidadãos e os "politicos" locais tinham mais uma vez demonstrado a sua inutilidade , mais uma vez nas últimas semanas aquela zona tem visto (como esses cidadão previam) esse valioso coberto vegetal ser destruído, primeiro foram os cerca de dez hectares desmatados (inclusivamente com o arranque de raízes) isso incluí a destruição de pinheiros e também de sobreiros, que começaram a pooupar quando as denúncias passaram para a GNR e comunicação social (visivel a amarelo no lado esquerdo da imagem).

Mas mais destruição veio (infelizmente também previsível) ontem, com um fogo, melhor dizendo, mais um fogo de grandes proporções, desta feita arderam cerca de vinte hectares de idêntico coberto protegido, pinheiros, sobreiros, urzes, giestas, medronheiros e com ele , todo o ecossistema associado, coelhos, toupeiras, raposas, ginetes répteis, anfibios e muitas aves, todos estes animais em pleno ciclo reprodutivo que vêem praticamente 50% daquela zona - mais uma vez relembro, protegida no PDM, pretendida pela população como Parque Ecológico do Seixal (encontra-se exactamente no centro geográfico do concelho) - ser destruída!
E o que fazem os politicos? O que chega á população da atitude dos politicos?

Pouco, muito pouco, sabe-se que por parte do PSD foram postas questões sobre a desmatação, sabe-se que a maioria CDU , reclama que a desmatação "foi a
utorizada pela DGRF" , mas não interessam à autarquia as denuncias dos residentes que não sendo tolos , nem politicos locais, sabem que aquela não é uma desmatação "normal" (arrancar árvores pela raiz) , e implica a destruição do importante coberto vegetal que é a superficie do terreno, o coberto rasteiro de ervas , folhagem, fungos e musgos...


E agora o incêndio, foi autorizado por alguém?

Vai a autarquia alterar em PDM a tipologia do terreno? É que se o fizer, acuso desde já esta maioria, estes autarcas de estarem a beneficiar os actuais proprietários, em nome individual, os testas de ferro e as sociedades off-shore de duas formas:


- Primeiro pelo que lá permitirem construír e pelas mais valias produzidas (terreno foi vendido em 2000 a 1,5 € o m2, valor declarado)! -

Segundo, como ali vai passar o IC 32, as indemnizações pagas pelo Estado, todos nós vão ser mais elevadas sobre terreno passível de ser construído do que o terreno de 1,5€/m2 actual! E isto será ( a acontecer) mais que uma fraude perpertrada pelos autarcas ou tendo-os como cumplices, tratar-se-á de pura conspiração contra o Estado!


E a PJ, o que espera para actuar, uma vez que estão de posse de todo este dossier desde o seu inicio?

Não é altura de ser mais do que um grupo de cidadãos a lutar e dar a cara? Para que servem as leis? Os politicos? O Sistema Judicial ? O dinheiro dos nossos impostos?