terça-feira, julho 17, 2007

MOITA - O POVO NÃ PODE FALAR IÔ!



A aprovação do PDM da Moita por parte dos eleitos aconteceu como era de esperar na ultima sessão de câmara, contou como era esperado com os votos contra de toda a oposição, a reunião foi concorrida como mostra a reportagem , mas contrariamente ao que ditariam as regras democráticas e a lei (que esteve
"fora da ordem do dia" , presidente Lobo dixit), aos cidadãos presentes não foi permitido o uso da palavra .

No entender dos Municipes , inpedidos de participarem e questionarem a gestão da polis, foram omitidos pontos considerados importantes e que levantam duvidas do ponto de vista patrimonial (histórico e natural) e de ordenamento do território.

O Presidente de Câmara como sempre acontece escudou-se nas orientações e decisões "dadas pela CCDR" , e a oposição consubstanciada nos vereadores eleitos pelo PS, BE e PSD, voltou a sublinhar os motivos pelos quais rejeitaram aquela proposta de revisão, sobretudo na manipulação que foi feita em Áreas de Reserva Agricola Nacional.

Sobre esta questão que tem sido a pedra de toque do Movimento Civíco Várzea da Moita os seus elementos alegam "existirem vários interesses por detrás desta revisão", sobre esta e outras questões que são uma preocupação nacional, organizaram mesmo uma Conferência Nacional sobre Politicas de Solos", mas tal como qualquer outro cidadão, foram impedidos de apresentar as suas dúvidas.

É esta forma de fazer politica que depois desagua em situações de descrédito da classe politica, sobretudo os autarcas locais que conduzem a situações de abstenção como os resultados históricos (pela negativa) acontecidos nas intercalares de Lisboa. A fórmula na margem sul é mais boçal porque com menos holofotes e é simples calar quem contesta (como na Moita) , difamar quem alerta e dar o dito por não dito (como no Seixal) , foi uma semana de ouro para a CDU (tudo isto e só em sessões oficiais de câmara, certamente registadas, para os vindouros, em acta oficial - não alterada...).

Tudo isto envolvendo únicamente temas de caríz ambiental e de ordenamento do território ( PDM's, Reserva Ecológica, Incêndios , desmatação (clique) onde é obrigatório a reflorestação)...tudo isto sem uma única declaração de "Os Verdes" , pelo que é legitimo perguntar:

- Eles existem mesmo?

7 comentários:

xau disse...

Xe exixtem "verdex" na CDU?
ahahahahahaahah

O CC do PCP deliberou fazer uma frente eleitoral, sob xeu controle, para concorrer àx eleiçõex xem o nome de comunistax, para não axxustar o povo. Agora para haver coligação com o PCP há que inventar outro partido ("Ox Verdex") para enganar o "Zé".

"Ox Verdex" xão a anedóta política/partidária, apóx o 25 de Abril, inspirada na frente nacional faxista.

Max o povo vai abrindo o olho. Olhem em Lixboa, já ficaram em 5º. Deixem morrer maix unx cotax e verão começarem a rivalizar com o mrpp na disputa pelo último lugar. eheheheheheheh

disse...

Boa tarde!
Antes de mais,parabéns pelo blog!
Ainda por cima com um tema ligado ao dia-a-dia da maioria de nós!

Convido-o agora a visitar também a acrescentar o meu link à vossa barra de links laterais:

http://aguia-de-ouro.blogspot.com/

Obrigado!

ex-militante disse...

Os verdes é resultado da CDU, uma forma de existir uma coligação. Essa coligação foi o princípio da entrada dos interesses imobiliários e outros , na CDU, sobretudo nos ultimos dez anos. Um pouco antes em Loures e arredores norte.
A única coisa que os verdes têm relacionada com a protecção da vida animal é o rabo de cavalo do deputado Madeira. Então não dizem nada sobre arrancarem florestas pela raiz? ou sobre os incêndios sempre nos mesmos lugares? ou sobre os negócios com os capitalistas da construção civil?(NOZAR,LIBERTAS,ASILVA$SILVA, TEODORO ALHO, HAGEN e outros como a SOMAGUE ) e muitos mais pequenos.
Também não dizem nada sobre a progressão de muitos , do partido onde não valiam um chavo para a coligação, então um que agora manda no cimento e nestes negócios todos , que chegou a fazer uma Cooperativa com a ajuda da coligação, depois de ser vitima de despedimento lá para os lados de Corroios, coitadinho.Não dizem nada , pudera é a Máfia CDU que está a manchar a honra dos verdadeiros comunistas e fez muitos abandonar a militância no PCP, mesmo que estiveram na clandestinidade onde tiveram de voltar. O PCP se continua assim vai ao fundo com essa coligação que em troca só dá , dinheiro para o partido claro e mais tempo de antena e espaço no Parlamento .
Há para aí gente activa na STASI local do pinhal a fazer relatórios com destinatário para mostrar serviço já os vi publicados há dias até aqui e a espiolhar a vida alheia, deixem de incomodar de vez os meus vizinhos e de perderem tempo comigo, sou clandestino como já fui. Máfia CDU é que nunca , se calhar um dia sigo a proposta de escrever é um livro.

Barra disse...

O senhor anterior disse tudo, deve ser pessoa conhecedore dos meandros desta mafia. Na Moita é uma pouca vergonha, um meio pequeno em que todos se conhecem e onde eles não enganam ninguém. Aqui não se servem.

Anónimo disse...

A malta hoje tocou a reunir.Controleiros-mor definem estratégias partido questiona autogestão de algumas células.

leigo disse...

Se fossem uma "minoria etnica" tudo se fazia a seu contento, até casas se construiriam, como somos uma "minoria cultural" que tem a ver com o lado agricola que a CDU suburbana tem pruridos de ter fazem é uma reserva índia (de indígenas- naturais de).E nada de protestos , nada de falar que já falaram muito para os jornais e desmascararam muita negociata CDU, dos da CDU melhor dizendo.

Mário da Silva disse...

Penso que sobre esse pedúnculo mal amanhado e fétido já deu a resposta a si mesmo lá mais acima.

Sobre o resto -- embora com já curta esperança, como se nota pela escassa produção bloguística e com crescente desinteresse pela coisa pública -- só espero que esta canalha toda vá dar com os ossos à cadeia que é onde merecem estar.

Como disse o Luís Nascimento (do PSD); "O Povo Unido Jamais Será Vencido"... mas penso que isto cada vez mais precisa de uma revolução a sério e dentro do espírito que a própria Constituição da República Portuguesa (ainda) nos aconselha a fazer.

"A Portuguesa", na sua letra original, já lá dizia, e com razão:

"Às armas, às armas,
Contra os poltrões marchar"

Até mais.