terça-feira, junho 30, 2009

FAZ O QUE EU DIGO MAS NÃO OLHES PARA O QUE EU FAÇO


O Partido Comunista Português lidera a disfarçatez politica nacional . Não só por ter inventado uma suposta coligação denominada CDU , como por ter criado um farsante Partido "Verde", com o qual se coligou nessa tal... CDU.

De vez em quando os Verdes, que nunca concorreram a umas eleições em nome próprio (coisa que o PCP também não faz há muuuuitos anos) , dão um ar da sua graça, e ainda esta semana se manifestavam contra a deflorestação no Jamor, exigindo a sua urgente reflorestação.


Da mesma forma, mas agora já como CDU, Os Verdes, ou melhor , o PCP , fazia com igual preocupação ambiental , uma caminhada de protesto e outras iniciativas contra a construção de uma urbanização de 1200 fogos na Póvoa de Santa Iria , informando também que essa acção despoletou já por parte da tal CDU , a elaboração de um abaixo assinado, com 500 assinaturas , com o argumento de que com esta urbanização, a Póvoa de Santa Iria ficar com a "maior densidade demográfica do concelho de Vila Franca de Xira « a par da menor disponibilidade de espaço ribeirinho para usufruto da população» , considerando também « que o PDM que está na forja vai consagrar como urbanizável grande parte da zona Ribeirinha da Póvoa» como afirmaram.


Não, não julguem que estou em desacordo com estas acções do PCP ou dos Verdes , ou da CDU... estou até em perfeita concordância com elas... mas porque razão não se manifesta o PCP da mesma maneira com a urbanização selvagem e em massa ... na zona ribeirinha do Seixal (Torre da Marinha, Arrentela, Quinta do Outeiro, Quinta da Trindade...) , porque não se manifesta o PCP da mesma forma contra a deflorestação do Sítio Rede Natura Fernão Ferro- Lagoa, com a deflorestação da zona protegida no PDM da Flor da Mata onde o próprio PCP , ou melhor CDU Seixal pretende dar carta branca a uma mega urbanização...etc...etc...etc... ou por exemplo a vergonha que tem sido a elaboração da revisão do PDM da Moita ...

A resposta é ; porque neste caso são os próprios eleitos CDU a promover a deflorestação, a massificação urbana , a construção em massa !

E já agora, quanto a abaixo assinados, o que exigia a manutenção da protecção ambiental consignada em sede de PDM para o caso da Flor da Mata /Pinhal dos Frades reuniu 4MIL ASSINATURAS ... (LEMBRAM-SE ?!)

segunda-feira, junho 29, 2009

O PAÍS DO "AUTEDÓRE"


Portugal é certamente dos países da Europa onde mais se gasta em campanhas eleitorais , e não me estou a referir a gasto "per-capita", refiro-me mesmo a GASTO em geral.

Um país pequeno (POBRE) que se atravessa em poucas horas e com MUITAS AUTOESTRADAS , é fácil um candidato fazer de manhã uma "arruada" - como agora se chama em politiquês - ou um beijo de buço a peixeiras na lota de Olhão, e dar um jantar em smoking à noite, no Palácio da Bolsa do Porto ... mas isto não chega, politico que se preze, de candidato a Presidente da Junta a candidato a Presidente da República deve ter a sua cara espalhada por aí, numa fotografia garrafal , possivelmente reminiscências daqueles cartazes do Cinema Condes, Tivoli, Eden ou S.Jorge , cartazes a fazerem deles verdadeiros Clark Gables ... ou Brad Pits para sermos mais actuais.

Isso hoje é possível com dinheiro e com a tecnologia de impressão disponível, bem como as técnicas de afixação desses cartazes , os "outdoors" , por isso não há rotunda, curva , local de passagem, ou saída de hipermercado que não sejamos obrigados a visualizá-los !

Ganha a informação ao cidadão ? Ganha o conteúdo das mensagens ? Ganha a verdade ?

NÃO !

Todos , ou quase, sem excepção apresentam campanhas OCAS , FABRICADAS , IRREAIS !

A nível local , para já , os actuais eleitos em exercício, abusam dos meios e dos dinheiros das autarquias para "apresentar obra" (escondendo o prometido e não cumprido) , outros apresentam-se a custas próprias, para apresentar o seu rosto, um slogam parido de longa discussão e reunião , mas não mais do que isso, um slogan!

Dizia um conhecido publicista ; "vende-se " da mesma forma a imagem de um politico ou um sabonete, tudo depende do dinheiro envolvido. Mas
, a questão é :

- É por isto que vamos ter duas eleições em separado e num espaço de 15 DIAS ???


- Esperemos que pelo menos os candidatos locais respondam a esta questão pela positiva e justifiquem esta decisão, que dêem "o litro" e que informem em vez de confundir, ou sequer inventar !

-------------------------------------------------------------------------
Segundo o Correio da Manhã os gastos são :

116 MILHÕES PARA 3 ACTOS ELEITORAIS

Os três actos eleitorais de 2009, europeias, legislativas e autárquicas, vão custar 116,5 milhões de euros ao erário público, sendo a grande parte deste dinheiro destinado às subvenções às campanhas eleitorais, 74,1 milhões de euros. Deste montante, 60 milhões são dirigidos para as eleições autárquicas. Este é o resultado de um estudo realizado por Manuel Meirinho, docente do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

Além do apoio às campanhas eleitorais, os cofres do Estado vão ainda custear 16,2 milhões de euros para a organização do acto eleitoral e mais 9,2 milhões para os tempos de antena dos candidatos às eleições.

Estes valores resultam da alteração à lei do financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais, que foi aprovada em 2003. Antes da entrada em vigor da nova lei, a subvenção para as legislativas era um valor equivalente a 2500 salários mínimos, neste momento a subvenção para as legislativas equivale a 20 000 salários mínimos nacionais.

No que diz respeito às europeias, os apoios públicos são no valor de 10 000 salários mínimos. Nas autárquicas a subvenção é o valor equivalente a 150% do limite de despesas admitidas para o município, sendo 75% deste valor dividido consoante o resultado eleitoral.



domingo, junho 28, 2009

MAIS DUAS... (2)


E como foi ontem comunicado pelo altíssimo Sr.Presidente da República, a pedido de vários partidos, lá foi decidido que as próximas eleições, para a AR e Autárquicas acontecerão em Setembro e Outubro, com quinze dias de diferença.

Como referi ontem, discordo , como muitos cidadãos contribuintes, do gasto desnecessário que tal (estratégia partidária ) implica uma vez que duvido das virtudes e do conteúdo da discussão despoletada entre 28 de Setembro e 11 de Outubro a nível autárquico .

É verdade que tal dependerá da qualidade dos senhores candidatos e dos seus "conteúdos" como agora se diz, mas como até aqui o nível é o do slogan, de parte a parte (este é um mal geral) , o debate está inquinado e os quinze dias de diferença só servirão para uma perda inútil de meios, de tempo e de dinheiro.

Portugal é hoje o País do Outdoor, esses cartazes gigantescos , com suporte próprio que estão por todo o lado, entaipando paisagem e património construído , no entanto, para além dos "slogans" (fabricados cientifícamente por empresas de marketing politico) e do fácies do respectivo protagonista (fabricado cientificamente e em photoshop por especialistas de imagem), nada mais encontramos.

É por isto que querem eleições em separado ?

- Como dizem as gerações mais novas , que vão votar (ou não...) agora pela primeira vez " NÃO TÊM NOÇÃO"

sábado, junho 27, 2009

MAIS DUAS



Parabéns tipografias, montadores de cartazes , fotógrafos, gráficos ... jornalistas, jornais, televisões e rádios... vem aí trabalho e do bom, duas campanhas em vez de uma , vai ser um fartar vilanagem...já está a ser...


Quem perde ? Perdemos todos com este atestado de menoridade intelectual, perde o País que neste momento de crise profunda vai gastar, sem neccessidade mais uns milhões, vai perder o espaço público com mais outdoors, cartazes e afins e vai perder o ambiente com tudo isto.


Mas os nossos altissimos politicos asim decidiram , mais um passo foi dado para o descrédito da politica e de quem a protagoniza.

sexta-feira, junho 26, 2009

PROMESSAS NÃO CUMPRIDAS - ACTUAL QUATRO ANOS E TAL DEPOIS...

22 de Agosto de 2006

MENTIRAS DA CDU NO SEIXAL, AS OBRAS PROMETIDAS ,MAS INCOMPLETAS OU NÃO INICIADAS DO REGIME.

















Ler, passado um ano as promessas eleitorais quaisquer elas sejam e de que força politica venham, é por um lado um hilariante exercício ao analisar determinadas propostas (que felizmente não foram sufragadas) de tão iverossímeis que eram no seu conteúdo vazio e alucinante.

Por outro lado é um exercício doloroso na medida em que vêmos da parte de quem foi eleito que muito está para cumprir...senão tudo, claro que a nível local a culpa é dos outros, mesmo se há forças politicas como na Margem Sul, imutávelmente no poder há mais de trinta anos.

Outro exercício , este de perfeita desfarçatez são as promessas que se matêm, e que nos locais são prova da mentira, da indigência e da inoperância das propostas apresentadas, e constituem publicidade (propaganda) enganosa do que afinal se pretendeu anunciar... à caça de mais votos.

Quatro exemplos:

1) Viaduto e alternativa à EN 10 Corroios/ Cruz de Pau, a imagem hà um ano está acima, devidamente enquadrada com propaganda eleitoral, o viaduto ficou por acabar e a obra está na mesma um ano depois, queixa-se a Câmara que tais acessibilidades seriam pagas pelo grupo Carrefour como contrapartida da construção de mais um Hipermercado, obra que não avançou pelo corte ilegal de 1200 sobreiros no local... no entanto a autarquia assume num cartaz no local que " Investimos nas acessibilidades - CMS ", ora se é investimento da Câmara e não do Carrefour, porque não acabam as referidas obras?










Das duas uma, ou estão a mentir...ou estão a mentir... a verdade é que há uma obra prometida parada há um ano...



2 ) Na Ponte da Fraternidade
há um cartaz que anuncia (há mais de um ano...) o seu alargamento e construção de ciclovia a ser iniciada execução no primeiro semestre de 2006...










Um ano depois para além do anúncio mentiroso, nem uma nova pedra da calçada...

3) O Terceiro cartaz a anunciar aquilo que não é está colocado nas Paivas junto à nova (mais uma) rotunda... aqui anuncia-se em execução, só que deve ser uma execução tão lenta que não se vê, apesar de prometer um Parque Subterrâneo, sempre daríamos por alguma coisa à superfície caso essas obras fossem reais...









Um ano depois nem a rotunda foi concluída, nem avançou nenhuma das outras obras anunciadas
.












4) Aqui anuncia-se a construção de 87 fogos ao abrigo do PER em Vale de Xixaros...hoje...nem um...o que se continua a querer fazer, agora da forma mais encapotada e descaradamente mentirosa é deportar, favorecendo capitais especulativos off-shore , aquela gente para Pinhal dos Frades de forma a rentabilizar o espaço das torres ocupadas e as urbanizações à volta que não encontram comprador...
___________________________________________________

Quatro anos totalmente perdidos , real só mais construção , mais criminalidade , património mais abandonado degradado e demolido , um DESASTRE !

quinta-feira, junho 25, 2009

OS INIMPUTÁVEIS



O caso aqui retratado hoje numa reportagem televisiva no Seixal, ou ontem em Almada poderão ser entendidos como casos de somenos importância pela maioria, no entanto afectam profundamente e diáriamente os directamente envolvidos .

Mas o que é manifestamente preocupante para a sociedade é a ausência de assumpção de culpa por parte daqueles que todos, pelo mais básico senso comum não podem deixar de atribuír às autarquias envolvidas e seus responsáveis.


Nunca há autarcas responsáveis da CDU , seja porque uma criança morre num colector de esgoto (link) , seja porque um homem morre electrocutado (link) em instalações camarárias abandonadas, seja porque há património a ser arrazado (link) ou abandonado sem qualquer razão inteligível , porque há deflorestação contra a lei (link) , incluindo espécies florestais protegidas, seja por púra incompetência de execução e consequente falta de supervisão... nunca há ninguém por parte destas autarquias a assumir o erro, a assumir a culpa , a mostrar o mínimo de integridade.

A culpa por estas bandas morre sempre solteira , os autarcas são sempre uns cândidos e exemplares cidadãos eleitos que de nada são responsáveis e que sempre são apanhados de surpresa por estas situações , como se de uma cabala de uma força externa se tratasse.

No extremo da sua inimputabilidade está o caos urbano, o aumento brutal e descontrolado do aumento da construção, o disparar da criminalidade, a aprovação de projectos em zona protegida, as alterações adhoc do PDM (link) , o atraso e os erros de percurso em obras estruturantes como o Metro Sul do Tejo (link) , e em fim de linha e para sustentar a máxima inimputabilidade... se encontre sempre algo que nunca é atingido ... mas por culpa do Poder Central...

Resta saber quais as razões intrínsecas desta inimputabilidade (link) , é que já lá vão trinta e tal anos, o tempo de uma vida , o tempo de se considerar uma Ditadura e neste campo há uma verdadeira galeria de inimputáveis, desde Salazar, a Estaline, de Fidel Castro a Pinochet... todos inocentes todos imprescindíveis e insubstituíveis.

quarta-feira, junho 24, 2009

CÂMARA DE ALMADA E METRO NÃO ASSUMEM RESPONSABILIDADES



Em Almada há dinheiro para tudo , para tanta jantarada e tanta empresa municipal... tanta propaganda...fogo de artifício...

Só não há para pagar as justas indemnizações devidas aos pequenos comerciantes afectados pela sua incúria e incompetência e pelas cheias do ano passado .

Estas cheias resultaram de colectores pluviais entupidos (reponsabilidade CMA) e pelas obras do Metro Sul do Tejo que se prolongaram no tempo...por culpa da Câmara de Almada ... e que como nos lembramos , decorriam aquela altura
.

terça-feira, junho 23, 2009

O VERÃO DOS OUTROS...




É curiosa ver a diferença de tratamento do PCP em relação aos trabalhadores por conta de outrém e os que tem ao seu serviço ou de instituições e autarquias por si tuteladas, ou de empresas que para si trabalhem.

No passado sábado no local fronteiro à Quinta da Fidalga (duas primeiras imagens) , onde com grande pressa foi demolido há meses e sem qualquer explicação, o Estaleiro de interesse patrimonial dos Gama . Depois de meses de impasse nas obras chamadas de "requalificação do local" , havia nesse dia, um afã a ultimar o embelezamento do local.


Tudo seria até "normal" , não fosse um sábado, não fossem três da tarde e não estivesse uma temperatura a rondar os 40 graus... pois nesse ambiente trabalhava uma equipa de homens em condições meteorológicas precárias e algo desumanas, para preencher o ego dos autarcas do PCP ao serviço dos quais trabalhavam.


Passei várias vezes no local a ver se entretanto se instalara ali, ou na Torre da Marinha (terceira imagem) , onde se trabalhava sob idênticas condições , um piquete do PCP a exigir melhores condições de trabalho para aqueles explorados , ou impedir mesmo aquele trabalho "escravo" pois tratava-se de um Sábado... como havia visto defender no mesmo dia a propósito das condições de trabalho na AutoEuropa, e sendo ainda , estas condições bem diferentes (para bem... melhor) das daqueles trabalhadores do Seixal... mas nada de piquete... de greve, de manifestação... o trabalho só acabou no final da jornada !


Outra observação para o ajardinamento e para a colocação de relva naquelas condições meteorológicas e aquela hora perfeitamente imprópria , bem como o gasto de água suplementar que tal aberração acarreta.

Mas os nossos excelsos autarcas decretaram que assim teria de ser , é que S.Pedro, Portugal no Coração e a propaganda assim o obrigavam não é?

segunda-feira, junho 22, 2009

« SEIXAL É ÚNICO... »




Há uma escandalosa promiscuidade entre as autarquias da margem sul e o Partido Comunista Português.


A autarquia do Seixal é de todas , aquela em que é mais notória essa promiscuidade , ou não se realizasse a Festa do Avante naquele concelho e não fosse a Atalaia o "abono de familia" do PCP.


Há hoje, durante as festevidades locais , de cariz popular , não politico , uma lógica de abusivo aproveitamento panfletário e propagandistico que , tal como nos outdoors continuamente mudados , se confunde propositadamente, actividade autárquica e partidária e se desinforma em vez de esclarecer e informar.


Aliás, toda a lógica das festas populares do Seixal se tornaram no meio priveligiado de promoção e orientação para o climax de Setembro.

No entanto este ano perdeu-se toda a vergonha e todo o decoro politico com o facto aqui relatado ontem, mas é de há muito que se sabe que são utilizadas instalações municipais, tempos de trabalho de trabalhadores municipais, para além de meios técnicos e materiais de suporte municipal a actividades do PCP.

No abandono criminoso das oficinas do Fogueteiro (link) em que a autarquia deixou degradar propositadamente uma estrutura municipal (link) com plena capacidade de funcionamento , demolindo-a posteriormente, era visivel por todos a quantidade de material do Partido Comunista Português ali existente e deixada no local.


As imagens acima , os links aqui deixados e o filme abaixo, demonstram-no!


domingo, junho 21, 2009

NÃO HÁ SACO! 2


Também não há saco para a promiscuidade existente entre o PCP e a Câmara do Seixal. Embora o Senhor Alfredo Monteiro desconheça, não é bem a mesma coisa!!!

Mas este ano "Seixal é único" ao transformar as festividades de S.Pedro numa manifestação de propaganda partidária .

É preciso muita falta de vergonha ! É que este concelho não é , nem do PCP , nem dos seus eleitos e isto, é uma demonstração de pura prepotência e carência de cultura democrática.


E Já agora, quanto pagou o PCP à autarquia por afixar, em espaço público, em plena via, esta propaganda ? Quais foram os funcionários do PCP envolvidos na sua montagem/desmontagem (é que nem concebo que foram funcionários da autarquia) ?

À atenção da oposição ! isto tem que ser muito bem esclarecido!

sexta-feira, junho 19, 2009

quarta-feira, junho 17, 2009

SEIXALANOS - O VETO PLANO-B










Qualquer concordância entre a realidade , nomes e factos , é pura coincidência... ( Continua amanhã ... Erratas ; onde lê Cantro , deve ler Centro . Onde lê ortugas, deve ler ortigas )

terça-feira, junho 16, 2009

O VETO AO DEBOCHE


Aquela lei escandalosa cozinhada e aprovada há cerca de mês e meio na Assembleia da República , com um só voto contra - de José Manuel Seguro (PS) - teve afinal da parte do bom senso do Presidente da República , a devida avaliação, ou seja , o veto.

Num parlamento em que consenso e interesse nacional andam tão afastados das agendas dos excelsos deputados, como temos presenciado na pornografia em torno da (não) eleição do provedor de Justiça , encontrou-se em tempo recorde e em momento oportuno, maneira de fartar vilanagem até não mais nas campanhas partidárias que se avizinham, isto quando estamos mergulhados na maior crise económica global de sempre.


E os representantes do Povo lá tiveram que meter a viola no saco, que é como quem diz, a vergonhosa lei no cesto dos papéis , e guardar cópia ... para momento mais oportuno, que não será certamente já nesta legislatura, até porque a opinião pública e publicada tem desancado forte e feio no desaforo partidário.


Os Calimeros e Melancias da Assembleia é que não se conformam, é que de todos os iguais representantes do povo estes assumem-se como os mais iguais, e por isso não se conformam com o facto do
valor de “dinheiro vivo” que pode entrar nos cofres dos partidos, lá ter de se manter nos actuais € 22.500, pobrezinhos...
... e não os pretendidos 1,2 milhões de euros por ano...
e até com a possibilidade das campanhas "darem lucro" , isto para além dos lucros , das agências de publicidade, de imagem , de imprensa ...

O Calimero mor,
Bernardino Soares, líder parlamentar do PCP, foi o primeiro a falar e a fazer a defesa da lei vetada, afirmando que o diploma em vigor tinha por alvo os comunistas e o seu funcionamento – nomeadamente as verbas da Festa do Avante!, face à impossibilidade de titular todas as receitas da festa por cheque ou transferência bancária...

Realmente não há Festa como esta para lavar mais branco a Alma desta Gente e logo no Seixal , a Sicilia a Sul do Tejo ... pelo clima Mediterrânico ... como é óbvio!!!

__________________
Não perca amanhã a continuação da fotonovela ...

segunda-feira, junho 15, 2009

PARAR ... E PENSAR! (3)


O a-sul pelos seus leitores , por OZ :

«É necessário promover rapidamente o tratamento do nosso planeta. Fizémos crescer algo doentio dento dele que a nós próprios prejudicará, mas felizmente, a cura depende também de nós.

Vamos agir - a sua televisão, está ligada? Está alguém a ver? A impressora do seu computador, está em stand by? Porque não desligá-la?

Está a pensar em comprar um carro novo? Já viu os "pequenos urbanos", ou os híbrídos e eléctricos? Nas ultimas eleições, ficou esclarecido sobre as dúvidas que tinha? Nas próximas, escreva aos candidatos e pergunte-lhes directamente. Um e-mail demora 5 minutos a escrever.


Este fim de semana, tem programa? Visite uma área protegida, mas não deixe lá nada para além das suas pegadas.

Tem de ir às compras? Apoie o seu comécio local...

Há muitas coisas que pode fazer e nem todos os "tratamentos" são com base em remédios que custam a tomar.

A doença do planeta não é tratável com uma grande e mediática cirurgia. São precisas paciência e persistência, mas como cada um de nós pode ser médico, e como somos tantos, isso só quer dizer que se cada um de nós fizer o seu bocadinho, podemos vir a conseguir um grande tratamento. »

domingo, junho 14, 2009

PARAR ... E PENSAR ! (2)


O a-sul pelos seus leitores , por OZ :

« Os custos que cobra aos indivíduos, através da aplicação de uma política de preços completamente arbitrária, os custos que cobra á sociedade, através do estrangulamento do desenvolvimento e os golpes constantes causados pelos "choques energéticos", e os enormes danos causados a todos os seres e todos os ecossistemas do planeta revelam que esta é uma indústria conduzida por gente sem qualquer tipo de preocupações para com os seus semelhantes, e inclusivamente a terra onde habita. São autênticos cancros da nossa espécie.

O tratamento, para libertação deste grupo de manipuladores e extorsionistas, passa pela opção de cada um de nós em diminuir a dependência dos combustíveis. Usar veículos que consumam menos (motos, scooters, veículos híbridos, eléctricos, transportes públicos e bicicletas), usar lâmpadas de baixo consumo; aplicar painéis solares fotovoltaicos e para produção de água quente, desligar electrodomésticos (televisões, aparelhos em stand-by, ar condicionado, quando não fazem falta) e dar real importãncia ás questões do dia a dia que nos vão sendo impostas mais ou menso subrepticiamente por legisladores a soldo desta poderosa indústria.

É necessário que prestemos devida atenção á preservação do ambiente, e é necessário agir na minimiazação da criação de lixo, e aplicar os princípios da reciclagem, mas também exigir a reparação dos danos causados pela indústria e pela própria acção humana desregrada, através da despoluição, reflorestação, repovoamento de espécies autóctones. É necessário que não deixemos que interesses particulares, elites movidas apenas pelo interesse do lucro despojem os cidadãos de bens públicos como a água, o ar limpo, os rios, a costa marítima, as florestas, os bosques e as matas e que os investimentos vão no sentido de remodelar, renovar, adaptar e modernizar o que já existe e foi já retirado ao que em tempos foi também espaço natural: uma vez que já há cidades onde haviam campos, que as cidades sejam de facto funcionais e eficientes, que as urbanizações não sejam apenas depósitos onde gente se junta para dormir, empurradas para ermos de onde só se conseguem movimentar entrando em filas intermináveis de automóveis que alimentam a sanha insaciável das petrolíferas.

É preciso exigir que as casas que compramos não sejam só de "xis" assoalhadas, com estacionamento, vista e electrodomésticos encastráveis: têm de ser casas onde não necessitemos de ter aquecedores em todos os quartos no inverno, e mesmo assim tremer de frio, ou onde só com recurso a r condicionado sejam habitáveis no verão. devem ser construídas de forma racional e inteligente, com isolamentos e uso eficiente da energia; devem ser casas onde não necessitemos de estar como refugiados, como se fossem bunkers para nos protegerem dos perigos da rua, onde nunca estamos para além do trajecto que fazemos de e para o carro, ou para despejar o lixo. É necessários que as ruas das nossas cidades sejam novamente espaços onde os cidadãos possam estar, e não de onde fujam,sentindo-se apenas seguros no interior de centros comerciais que procuram incutir-lhes a cada segundo impulsos de consumismo, como renda de casa por essa permanência.


As acções das indústrias do petróleo e automóvel, da indústria financeira e da construção civil, simbióticas e dificilmente diferenciáveis, existem e têm prosperado devido a nós, como consumidores. Por muito que nos queiram fazer crer no contrário, elas precisam muito mais de nós, seus clientes, seus consumidores, seus doadores de tempo e trabalho, do que nós dependemos delas. Não é necessária, nem sequer desejável a exterminação destas actividades, mas é absolutamente necessário que elas tenham uma significativa mudança de atitude e que deixem de agir sob o espirito de que existem apenas para seu próprio e auto-justificado benefício, mas por causa e para todos nós. E isso nunca acontecerá por inciativa delas próprias, mas apenas por pressão de nós.
(continua) »

sábado, junho 13, 2009

PARAR ... E PENSAR !


O a-sul pelos seus leitores, por OZ :

«A busca do lucro no longo prazo é o objectivo lógico (e legítimo) de qualquer empresa. Os problemas surgem quando as empresas decidem funcionar de formas que resultam numa desarticulação total com o resto dos agentes sociais e económicos, perseguindo o seu objectivo sem qualquer tipo de preocupações com a inserção e equilíbrio no resto das outras relações humanas e quando todas as consequências dos seus actos são medidas apenas na medida em que afectam a grandeza dos lucros obtidos.

A propositada desinserção desta indústria no resto da sociedade é comparável à presença de um tumor que existe e cresce graças aos recursos de todo o corpo, mas que vive para cumprir um programa em tudo alheio ao resto desse corpo.

O petróleo não está a acabar. Não se sabe se já se atingiu o máximo de extracção diária possível, porque a extracção ainda não diminuiu. A comunidade técnico-científica tem desenvolvido nos ultimos dez anos soluções que permitem aumentos de eficiência na utilização dos combustíveis fósseis, na viabilização da reutilização e reciclagem de fontes de combustível que se encontram nos resíduos urbanos e industriais, e ainda no importantíissimo desenvolvimento de recolha de energia a partir de fontes renováveis. Todos os indicadores demonstram que, se fôr permitido à investigação continuar, os progressos venham a ser cada vez maiores. Apesar disso, é-nos constantemente brabdida a ameaça da "crise energética".

Os progressos que vão surgindo são sempre mostrados como notas anedóticas no final dos noticiários, enqutnao as grandes desgraças são sempre manchete e tema de abertura, para além de mencionadas com mais tempo de antena, como por exemplo as espectaculares chamas nos campos de petróleo ou os roubos aos pipelines da Nigéria, que fazem disparar o receio "já há tão pouco, e alí aquele todo a estragar-se", as imagens das filas para as bombas de gasolina e os "problemas do terrorismos", da "instablidade no médio oriente" com as alienantes imagens de carros bomba e manchas de sangue nas paredes de edifícios bombardeados, ou o "crescimento da China" e "as crescentes necessidades dos países em desenvolvimento", todos os temas que servem de justificação para o contínuo aumento nos preços ao consumidor.


Na economia um dos princípios básicos enuncia que o preço descerá à medida que um bem se torne cada vez mais abundante, no entanto, apesar da produção ter decrescido de forma significativa (mas breve, para ser retomada e ultrapassada em menos de um ano) em 1974 e 1985 (anos do embargo da opep e queda do Xá do Irão), esta produção tem vindo sempre a subir. A oferta do bem tem crescido sempre. E o seu preço também. O chamado "equilíbrio de mercado" nunca foi definido pelo ajuste da oferta, mas sim pela resignação da procura em pagar o que era exigido.

A indústria petrolífera é reconhecida como sendo uma das que gera mais incríveis dividendos. É igualmente reconhecida como uma das que taxa mais fortemente o ambiente, é reconhecida pela alteração dos terrenos onde se implanta, pelos poluentes produzidos normalmente durante a prospecção, transporte, transformação e utilização e ainda devido a quaisquer acidentes que possam decorrer numa desas fases. Apesar disso é uma indústria que não tem demonstrado qualquer tipo de preocupações na redução dos impactos que causa no planeta nem na recuperação dos locais onde faz as suas explorações, nem tão-pouco no desenvolviento das populações naturais dos locais de onde extrai as riquezas.

Os dividendos ficam sempre nas mãos de uma restritíssima elite, e os custos sociais e ambientais nas mãos de todos os outros. Muitas vezes surgem dúvidas fortíssimas se a própria indústria não fomenta a desestabilização e conflios locais em benefício próprio (uma sociedade desagregada, desinformada e focada apenas para acções de guerra civil e vingança política, étnica ou religiosa, terá menos preocupações em promover o pagamento devido pela exploração dos seus recursos naturais).

(continua) »

sexta-feira, junho 12, 2009

PETRÓLEO SOBE...SOBE (2)



Esta é a proposta da Mitsubishi, não é um conceito, é uma viatura em produção !

A Mitsubishi escolheu o Dia Mundial do Ambiente para apresentar a versão de produção em série do seu veículo eléctrico, o i-MiEV.

A sua comercialização arranca no final de Julho, com as primeiras entregas às entidades institucionais, governamentais, mas as vendas a particulares apenas estão agendadas para Abril do próximo ano.

O i-MiEV é um citadino de quatro lugares, equipado com um motor eléctrico alimentado por uma bateria de iões de lítio, capaz de desenvolver 64 cavalos de potência e 180 Nm de binário, disponíveis logo às 0 rpm. A autonomia é de 160 km com apenas uma carga.

A bateria pode ser carregada através de uma tomada doméstica de 100 ou 200 volt, pelo que vem equipado com o respectivo cabo e ficha. Para uma carga rápida será utilizada uma Estação de Serviço de Carga Rápida que está neste momento a ser implantada no Japão.

O construtor japonês espera distribuir num sistema de leasing cerca de 1.400 unidades do i-MiEV, até 31 de Março de 2010, nomeadamente a empresas e a instituições japonesas.



quinta-feira, junho 11, 2009

PETRÓLEO SOBE...SOBE...


Fala-se em retoma e o petróleo começa a subir, hoje chegou aos 70 Dólares!!!


Numa altura em que fecham empresas automobilisticas , o que as impede de investir em novas tecnologias ?

quarta-feira, junho 10, 2009

A VALSA DAS MEDALHAS


« ... Foge Cão que te fazem barão, para onde se me fazem visconde? »

Almeida Garret

______________________________________________________________

Senhoras e Senhores,

(...) Neste dia em que se celebra Portugal e a memória de uma nação com mais de oito séculos, devemos interrogar-nos sobre aquilo que podemos e queremos fazer para que essa caminhada prossiga, e para que os nossos descendentes possam vir também a sentir-se orgulhosos das nossas realizações e das opções que tomámos.

Não podemos invocar as glórias do passado sem olhar às dificuldades do presente e à responsabilidade que a todos cabe na procura de soluções para o futuro. (...)

Em tempos reconhecidamente difíceis como aqueles em que vivemos, não é aceitável que existam Portugueses que se considerem dispensados de dar o seu contributo, por mais pequeno que seja.

O alheamento não é uma forma adequada – nem, certamente, eficaz - de enfrentar os desafios e resolver as dificuldades. Pelo contrário, níveis de abstenção como aquele que se verificou nas eleições de domingo passado são um sintoma de desistência, de resignação, que só empobrecem a democracia. (...)

A abstenção deve, além disso, fazer reflectir os agentes políticos. A confiança dos cidadãos nas instituições democráticas depende, em boa parte, da forma como aqueles que são eleitos actuam no desempenho das suas funções.

Se não tivermos órgãos de representação prestigiados, será difícil aumentar a participação dos eleitores e demonstrar-lhes que o seu voto é importante e útil para a formação das decisões de interesse geral. (...)

Face às dificuldades e aos desafios que temos pela frente, é imperativo promover uma cultura de valores, uma cultura que contemple a dignidade das pessoas, incentive o esforço e o mérito e favoreça a coesão social.

É preciso valorizar os laços familiares, que são o mais sólido alicerce de qualquer sociedade e a melhor forma de assegurar a responsabilidade inter-geracional.

É preciso reavivar nas pessoas um espírito de sobriedade e uma consciência solidária; combater o esbanjamento e o desperdício e rever hábitos de consumismo; compreender que também somos responsáveis pela sorte dos outros, principalmente daqueles que são mais carenciados e que vivem e sofrem perto de nós, na nossa cidade ou aldeia, no nosso bairro ou na nossa empresa.

Mais do que simples regras formais, terá de haver, sobretudo, uma clara presença de princípios éticos nas instituições, no mundo dos negócios e no mundo do trabalho. A justiça, a equidade e a responsabilidade social não podem ser letra morta, simples palavras de que só nos lembramos em momentos de apuros. (...)

Não esqueçamos que, na origem de alguns dos principais problemas que o mundo actualmente enfrenta, esteve a ausência de escrúpulos e de princípios por parte daqueles que abusaram da confiança neles depositada, prejudicando milhões de pessoas e acabando por comprometer o bem-estar de muitos mais. (...)

Em virtude da nossa situação geográfica, somos detentores de uma das maiores zonas económicas exclusivas da Europa, de um património oceânico que é único e de recursos geológicos, biotecnológicos e energéticos muito relevantes.

Temos uma riqueza florestal de grande valor, se a soubermos proteger dos incêndios.
As condições climatéricas e de segurança, somadas a um rico e diversificado património natural e cultural, fazem de Portugal um País reconhecidamente vocacionado para o desenvolvimento do turismo.

Há que saber mobilizar o esforço e o talento dos portugueses para aproveitar todos estes recursos, quer para melhorar o desempenho da nossa economia, quer para suster a tendência para o endividamento crescente do País - famílias, empresas, sector público


Aníbal Cavaco Silva Presidente da República

10 de Junho de 2009 (excertos)


terça-feira, junho 09, 2009

SINGULARIDADES DE UMA RAPARIGA LOIRA


No passado dia 7 o Jornal Correio da Manhã publicou mais um dossier sobre o património dos autarcas, desta vez dedicado à Edil de Setúbal, Maria das Doresa Meira, aquela senhora loira que substituíu Carlos de Sousa quando o PCP resolveu corrrer com, este último.

O referido dossier pode ser visto aqui (clique) , vê-se que a senhora não está nada mal da vida, que reside no Lumiar , que é uma empresária de sucesso, com tanto sucesso que como qualquer politico que se preze, diz estar a perder dinheiro no desempenho do cargo...

Mas o mais curioso é , sobretudo para uma empresária de sucesso, a seguinte passagem , passo a citar o CM :

«
3,7 MILHÕES DE EUROS OU CONTOS?

Ao analisar as declarações de rendimentos entregues por Maria das Dores Meira no TC fica uma dúvida em relação aos anos de 2002 e 2004. Nestes dois anos, a presidente da Câmara de Setúbal, que na altura era vereadora, apresenta apenas rendimentos independentes e o valor inscrito é: 3,700.00.00. O CM questionou a autarca para saber se este valor era de 3,7 milhões de euros. Maria das Dores disse que não se lembrava. "Já estamos em 2009, e isso já foi há muito tempo. Não me lembro, não estou a ver", afirmou.»

Então, tão destacada empresária não distingue milhões de euros... de milhões de contos ??? , Bem são MILHÕES ....e quem se preocupa com isso ?Para além disso ficamos a saber que o património da desprendida autarca COMUNISTA,consta também, e segundo o Correio da Manhã :

« PORMENORES

APARTAMENTOS

A edil tem dois apartamentos T3 em Almada, um T4 em Soltróia e um T1 em Setúbal.

ESCRITÓRIOS E GARAGENS

Os escritórios são cinco, no total, divididos entre Lisboa e Setúbal. Têm entre os 220 e os 400 m2. Possui ainda quatro garagens: três em Almada e uma em Lisboa.

OS CARROS

Tem duas viaturas, um Toyota e um Mazda. Teve até 2006 um Ford Fiesta que disse ao ‘CM’ já ter vendido.»

BOA , CAMARADA ! EXCELSA REPRESENTANTE DOS POBRES, EXPLORADOS E OPRIMIDOS!

segunda-feira, junho 08, 2009

PORREIRO PÁ!


E o grande vencedor destas eleições EUROPEIAS... foi .... o Português José Manuel Durão Barroso.

De registar também a subida do Partido Ecologista Europeu.

Já alguém descreveu o 7 de Junho de 2009 como o Dia D para a ecologia politica, com grandes avanços em França, Bélgica, Holanda, Grécia e com mais dez lugares no Parlamento 2009 sendo agora a quarta maior força politica.

Portugal, ao que parece, e como resultado destas eleições, fará eleger 10 deputados para o Grupo do PPE (PSD+CDS) 7 deputados para o Partido Socialista Europeu ( PS) e 5 deputados (BE+PCP) no Grupo da Esquerda Unitária Europeia , que são , se não me engano, as famílias politicas a que correspondem os deputados eleitos pelos Partidos Portugueses se o não são a culpa é da falta de informação facultada pelos nossos políticos e traduzida na campanha de obscurantismo europeu que encenaram nas últimas semanas , escondendo o que estava realmente em causa com estas eleições...

Se pretendem outras leituras dos resultados, bom elas há para todos os gostos , mas a minha preferida é o tranbolhão no bastião Comunista que JÁ NÃO É !!! o Distrito de Setúbal , vejamos.

Almada---------- 1º PS ; 25,74% ......... CDU 22,39%
Setúbal---------- 1º PS ; 23,24%.......... CDU 19,85%
Sesimbra------- 1º PS ; 24,13%.......... CDU 21,31%
Montijo---------- 1º PS ; 25,86%.......... CDU 18,74%

Elucidativo, não é ?

E não esquecendo que só umas centésimas mantiveram o PCP à tona em Alcochete (10 décimas) em Sines (5 centésimas) no Seixal (73 centésimas) ... Santiago do Cacém ( e vêm aí eleições autárquicas... este é um verdadeiro cartão vermelho à gestão catastrófica do Partido Comunista na Margem Sul.

domingo, junho 07, 2009

EUROPA



Sei que a Europa , desenvolvida, ambientalmente equilibrada , económicamente forte, sustentavelmente gerida , ainda é por cá uma miragem.

Veja-se muitos dos nossos autarcas, veja-se alguns dos nossos políticos, veja-se a aberração que foi esta campanha eleitoral , mas para mudar , há que participar há que escolher !

Há que lhes mostrar que não estamos alheados , que fazemos parte da Europa , não na Europa das Rotundas, mas na Europa real a Europa com preocupações de sustentabilidade no futuro, a Europa com cultura democrática, a Europa da Cidadania , a Europa do Ambiente .

Sei que os politicos são os piores inimigos de si próprios , que têm uma incapacidfade visceral de falar da Europa, de nos explicarem os seus mecanismos , a sua importância , o que torna , não fácil , a escolha , mas a Europa também somos nós cidadãos comuns, por isso não se alheie :

- VOTE !

sexta-feira, junho 05, 2009

DIA MUNDIAL DO AMBIENTE

Um Dia de alerta para mudar !

- URGENTEMENTE !


Mas também de farsa e propaganda por parte de quem nada quer alterar , de quem quer que nada mude!
Destaco mais que as actividades politicamente correctas promopvidas pelo Estado , ou pelas autarquias, dois trabalhos da sociedade civil :

- O DVD
"Quem matou o carro eléctrico" - que me faz não ter pena da falência da General Motors -

- E o projecto HOME de Yann Arthus Bertrand. (em exibição gratuíta na FNAC), no PUBLICO de hoje, por mais €5 e Aqui (clique)

quinta-feira, junho 04, 2009

A DEMOCRACIA VISTA DA MOITA



Queixam-se os politicos do verdadeiro divórcio entre os cidadãos e a Politica queixam-se, e com razão da abstensão , queixam-se os cidadãos do verdadeiro fosso que os separa dos politicos e os politicos do verdadeiro descrédito em que caíram junto do cidadão.


Admiram-se ?

Só se admirará quem não viver com os pés assentes no chão, só se admirarão os politicos que só descem à terra para beijar peixeiras e criancinhas ranhosas , de quatro em quatro anos...

Dúvidas nos restassem bastava ver esta campanha para as Europeias.. É para as Europeias ?

Ninguém diria, tal é o grau zero da maioria das intervenções ...


Mais um exemplo depois do artigo de Fonseca Ferreira no DN publicado no passado domingo. Um exemplo que nos vem da "prática democrática" na revisão do PDM da Moita ou Kafka no seu melhor...
Cito Américo Jorge:


« Cronologia triste, pura e dura mas bem real de …

Então a trampolinice foi assim urdida:

  • A 6 de Julho ’05 a Câmara Municipal da Moita anunciou o Período de 44 dias da Discussão Pública da Revisão do PDM da Moita, entre 4 Julho ’05 e 2 Setembro ’05;
  • Durante esse Período previsto no Decreto-Lei 380/99 de de 22 Set, nomeadamente no seu Artº 77º nº 4 e no Decreto-Lei n.º 310/2003 de 10 Dez , nomeadamente no seu Artº 77º nº 5, os Cidadãos da Moita foram convidados a pronunciar-se numa Discussão Pública de fingir. Foi só para cumprir calendário e para se poder dizer, por exemplo ao Tribunal Administrativo de Almada, que a Lei estava assim a modos que a ser cumprida, era uma espécie assim de uma certa legalidade;
  • Entretanto, já a 10 Out ’00 e a 9 Dez ’03, e noutras datas também, a Câmara tinha comprometido ‘de factu’ os destinos de extensões muito significativas do território concelhio, assegurando futuras desclassificações de Solo Rural em REN e em RAN com passagem a novos Solos Urbanos sem REN e sem RAN, em Protocolos assinados com a Imomoita SA (grupo Pluripar SGPS, Montiterras SA, Imomoita SA e Parcoop CRL), com a Macle SA (grupo Macle SA, JAR SA e Rodrigues e Filipe SA), com José Manuel Marinho Pires da Costa (Desanexação nº 30 de REN), com Abílio Lagoa, e outros grandes investidores do Concelho e da Região;
  • Simultaneamente, à data de 16 Março ’04, a Câmara Municipal da Moita levou à Comissão Nacional da REN, supostamente de defesa da REN, mas na ocasião liquidatária da REN, a proposta de amputação de cerca de 400 hectares de REN, em Solo Rural e muitas vezes igualmente em RAN, tudo áreas de máxima infiltração. A CN da REN despachou obediente que …”concordava com a proposta de deliberação”…, aliás na altura com igual parecer favorável da CCDR-LVT. A circunstância dessas alterações significarem uma revogação privada e ilegal da Portaria 778/93 de 3 Setembro pouco importou aos altos Funcionários desses Organismos intermédios ou médio-baixos da Administração Pública;
  • Não contente com tanto Protocolo nem com tanta decisão de bastidor, à revelia do Processo de Revisão do PDM, a Câmara Municipal da Moita mais a CN da REN e com o beneplácito da CCDR-LVT, não perderam tempo. Enquanto o Povo se entretinha na Discussão Pública da Revisão do PDM da Moita de fingir, entre 4 Julho ’05 e 2 Setembro ’05, aqueles organismos agiam paralelamente do modo seguinte, nas datas indicadas:
    • 28 Julho ’05: a CCDR-LVT emite o seu parecer, com base na Proposta da Câmara da Moita de novas 42 Desanexações de REN, que por esquecimento (exemplo Desanexação nº 30), ou confusão (exemplo Desanexação nº 18) não tinham ficado arrumadas a 16 Março ’04. A CCDR-LVT anota…”contributo significativo”…
    • 8 Agosto ’05: a CCDR-LVT envia para a CN da REN o seu douto despacho (…”contributo significativo”…)
    • 11 Agosto ’05: a Presidência da CN da REN distribui pelos Vogais a papelada toda
    • 12 Out ’05: a CN da REN …“emite parecer favorável à Proposta de Revisão da Delimitação da REN da Moita, concordando com o Parecer da CCDR-LVT”…blá blá blá

Para documentar as suas Propostas, por exemplo a Desanexação de REN nº 18, no Penteado, a Câmara Municipal da Moita invocou entre o início de 2005 e finais de Janeiro de 2007 um …”Alvará existente de loteamento em vigor”… que não existia.

Alguma daquelas entidades do Aparelho de Estado deu pela marosca?

Estudou o dossier e descobriu o embuste?

Pediu para ver com os próprios olhos o Alvará existente que afinal não existia?
Vai lá, vai…


Ficou assim claro

  • como se contorna a Lei,
  • como se põe os Cidadãos a discutir em roda livre e no vazio,
  • como se engana as Autoridades e os Tribunais,
  • e como na verdade se leva sem falha a água ao seu moinho na Moita.»

terça-feira, junho 02, 2009

"UM NOVO CICLO PARA O PODER LOCAL" (2)

(continuação)

« (...)A geração de autarcas que promoveu a infra-estruturação do País já vinha revelando limitações na aplicação dos fundos comunitários. QCA III exigia que, progressivamente, os investimentos se dirigissem para as áreas tecnológicas, a formação dos recursos humanos e para processos e equipamentos de apoio à gestão.

Mas os autarcas responderam com mais arruamentos e estradas, saneamento e multiplicação de equipamentos, frequentemente redundantes e insustentáveis.
Agora, as dificuldades de evolução também são visíveis no ordenamento do território.

Enquanto os instrumentos de ordenamento de primeira geração, foram elaborados e aplicados sem regras enquadradoras de âmbito regional e nacional, aos autarcas era permitida a satisfação de todas as pretensões.Com os conhecidos resultados para o (des)ordenamento do território.»


Resta perguntar ao autor do texto, o Ilustre Professor António Fonseca Ferreira , presidente da Comissão de Coordenação Regional de Lisboa e Vale do Tejo : - O que tem andado a fazer todos estes anos ?

Que Comissão de COORDENAÇÃO tem andado a presidir ?


É que muitos dos projectos, Planos de Pormenor, alterações de PDM's que considera e muito bem, redundantes, desordenantes e insustentáveis careciam , no caso de Lisboa e Vale do Tejo , do parecer positivo da respectiva CCDR-LVT presidida pelo excelso Professor , que parece só agora ter acordado para a realidade !!!

Quer-me parecer que ao senhor Presidente cabe alguma quota parte no "desordenamento" , no "esgotamento e vicio da obra fisica" , nos "excessos cometidos" na "duplicação de equipamentos e ao desperdicio de recursos " .

O texto que agora assina parece ser o reconhecimento que , o senhor professor e a CCDR LVT , têem sido parte do problema e não parte da solução !

Óbviamente, DEMITA-SE !
_____________________________________________

Aqui (clique) um exemplo do labor da CCDR-LVT !