terça-feira, agosto 31, 2010

A ARRÁBIDA PELOS LEITORES A-SUL


As "manifestações" da Arrábida vistas por um leitor a-sul :

«Cada vez que é lançado um ferro de uma embarcação, é lavrado um rego no fundo que parte estruturas que levaram anos (2, 4, 5) a crescer.

É alterada a morfologia do solo subaquático, são arrancadas plantas e quebrados corais. Estes seres estão na base de toda a cadeia alimentar daquela zona. As pedras, escolhos, recessos do fundo servem de local de abrigo aos avelins dos peixes que criam na zona.


A ideia de manter aquela faixa o mais intocada possível prende-se com o objectivo de permitir a restabelecimento desses locais de crescimento. Para além disso, as "poucas gotas" de combustível e lubrificante que são largadas pelos motores das embarcações, uma a uma, vão-se juntanto em quantidades que não são de todo saudáveis para a fauna e flora aquática da zona, especialmente porque o ecossistema já está seriamente doente, incapaz de aguentar as agressões mesmo dessas "poucas gotas".

Mas para perceberem isto, era preciso que as pessoas vissem o que se passa debaixo de água, em lugar de terem como horizonte máximo a proa dos seus vasos de vaidade ou as as facturações estivais.
Há uma frase que diz que nós temos de nos mentalizar que não somos donos do mundo: vivemos nele por empréstimo aos nossos filhos.

É preciso começar a pensar em termos que englobem as consequências dos nossos actos não em termos de um verão ou uma década, mas de uma geração.

Até lá... é natural que haja pessoas a aparecer na televisão muito chateadas porque acham que cinco anos já eram mais que suficientes para regredir à situação que vigorou durante 30 anos, e que conduziu praticamente à desertificação do fundo da Costa da Arrábida... é uma pena.( Ozé Agosto 2010) »

segunda-feira, agosto 30, 2010

A CZARINA DO SADO


Afinal temos Czarina, reconhecida ao mais alto nível pela classe dirigente dos ditadores chineses e está mesmo de malas aviadas para esse paraíso dos trabalhadores sem direitos, explorados e mal pagos .

É nesse paraíso ultracapitalista maquilhado de comunista onde os direitos humanos e ambientais são perfeitamente desprezados que a excelsa primeira dama de Setúbal, a autarca que salta fácilmente e com o maior à vontade , da "maior sardinhada do mundo" para manifestações em iates de luxo contra a protecção ambiental no Parque Natural da Arrábida, é convidada de honra.

Maria das Dores estará já a caminho de Changchung para a Cimeira Mundial de Indústrias Emergentes sob o tema "Nova Revolução Industrial e Economia Verde" , para integrar segundo a imprensa, a mesa de honra desta reunião...

Podia era ficar por lá a fazer formação na arte em que é perita, a ocupação de cargos autárquicos sem recurso a eleições nas democracias ocidentais, e como exportar reconhecidos incompetentes da equipa herdada como acessores pagos a peso de ouro para os concelhos limítrofes.

domingo, agosto 29, 2010

ECO SOLUÇÕES


O a-sul pelos seus leitores:

« No Nevada norte-americano encontrei um motivo para um post vosso.

É que no meio de tanto diesel e petrol, numa cidade que para se alimentar com tanta luz e tanta máquina de jogo deve ter uma poderosa central nuclear ali por perto, encontra-se em funcionamento há poucas semanas um serviço chamado ACE e que não é mais do que um autocarro hibrído !!! (caso mesmo raro naquela cidade onde nem lixo separado existe sem ser no aeroporto).

Pois este ACE, para além de efectivamente veloz é muito eficiente em termos energéticos e tem a vantagem de um bilhete de um lado ao outro da linha (Zona do Aeroporto e do City Hall até Downtown Las Vegas) custar apenas $3, quando o Monorail custa $5 e uma deslocação de taxi não custa menos de $30.

Bons exemplos que se deveriam aplicar aqui, em vez de andarem a inventar carris, linhas, máquinas pesadas sem mobilidade alguma fora dos carris e que tardam em chegar a algum lado, nomeadamente aqui a Amora, a maior freguesia da região.» ( N )

sábado, agosto 28, 2010

ECO-SOLUÇÕES


« Cientistas escoceses anunciaram o registo de um novo carburante biológico para automóveis produzido a partir de subprodutos do processo de destilação do uísque.

Durante dois anos, investigadores da Universidade Napier, em Edimburgo, desenvolveram o biocombustível que pode, a seu ver, ser usado em viaturas sem qualquer sistema de adaptação particular, bastando adicioná-lo à gasolina ou ao gasóleo. O novo carburante necessita apenas dos dois principais subprodutos resultantes do fabrico do uísque: o líquido produzido pelos alambiques de cobre e o que resta do grão depois da destilação. "O novo biocarburante é fabricado a partir de materiais biológicos que já foram gerados", assinalou Martin Tangney, que dirigiu as investigações. » Fonte LUSA

sexta-feira, agosto 27, 2010

« À PROCURA DE UM CULPADO »


Do Editorial do Expresso de 14 de Agosto:

«Todos os anos a saga é mais ou menos igual. No verão ardem as florestas e o país tenta encontrar quem tem a culpa pela perda de vidas e de bens e pelo desastre ambiental que os fogos provocam.

Em certa medida, a causa essencial reside no clima, que é uma variante incontrolável - e pelo mundo inteiro se veem enormes incêndios levando tudo à frente, independentemente da boa ou má organização dos respetivos estados. Mas a prevenção - tanto na vigilância aos incendiários cadastrados como, sobretudo, na limpeza das matas - pode reforçar-se de modo a minorar o problema.

Verifica-se que nos locais em que a mata é um investimento económico, como na indústria da celulose, os fogos tendem a ser menos e mais depressa controlados, devido ao cuidado que existe com os terrenos.

De resto, sabe-se que uma boa maioria de proprietários de habitações limpa o seu perímetro de mata, de acordo com a lei. O que já é incompreensível é que o Estado, detentor de 15% das florestas (contando com os municípios) não dê exemplo nesta matéria e tenha tanta mata por limpar, de norte a sul do país.

Acresce a este desleixo outro, cuja responsabilidade é inteiramente dos governos - a ridícula incapacidade (num tempo de tantos recursos) em cadastrar as propriedades, sabendo-se que muitas delas, fruto de heranças sem valor ou do puro desconhecimento dos seus legítimos proprietários, estão ao abandono.

O ministro da Agricultura chegou a propor esta semana que esses pedaços de floresta abandonados passassem para a tutela do Estado, mas o líder do CDS deu-lhe a resposta que ele provavelmente não gostou de ouvir, tanto mais que estando há menos de um ano no cargo, não sente essa responsabilidade. Disse o líder centrista ao ministro que o Estado "não sabe tratar, limpar e ordenar as suas matas, que andam ao deus-dará". Tem razão!

Mas não vale a pena fazer política com os incêndios. Há que agir. Desde os anos 80 que todos os governos prometeram resolver o problema, fosse pelo lado da venda da madeira queimada, fosse pelo lado do ordenamento, fosse pelo lado do material fornecido aos bombeiros, fosse ainda pela intervenção do Exército. É desconsolador que, 25 ou 30 anos depois, sintamos quase a mesma impotência perante o fogo que nessa altura se sentia.

Mais do que procurar um culpado há que procurar soluções.»

_________________________________________________________

ULTIMA HORA

Ontem à tarde , no Laranjeiro , mais um acidente grave envolvendo o Metro Sul do Tejo .

«O alerta foi dado pelas 12h33. O acidente que provocou um ferido grave aconteceu na Avenida 23 de Julho, no Laranjeiro”, informou à Lusa o Comando Distrital de Operações de Socorro de Setúbal (CDOS).

De acordo com o CDOS, que não dispõe ainda de números relativos a 2010, durante o ano de 2009, os acidentes com o MST fizeram 13 vítimas, quatro delas graves e uma mortal.

As linhas Cacilhas-Corroios, Corroios-Pragal e Cacilhas-Universidade, que abrangem os concelhos de Almada e Seixal, estão a funcionar desde Novembro de 2008.» (Publico)

quinta-feira, agosto 26, 2010

NO FUTURO , VAMOS COMER O QUÊ ?... E PAGAR QUANTO ?


São oficiais os aumentos esperados no alimento base dos portugueses, o pão , da ordem dos 20 por cento por causa da seca na Rússia e com o fecho das suas exportações , bem como o encarecimento dos mercados globais por quebra de oferta versus especulação.

Mas a coisa é muito mais complicada num país , Portugal , cada vez mais dependente das importações e de um mercado externo oscilante e sujeito cada vez a mais variáveis.

Isto porque a realidade da produtividade da agricultura nacional é , segundo o INE , a seguinte em Kg/ ha :

- Tomate ..............................76.200...... menos 5%

- Batata ...............................14.790 ...... menos 4,8%

- Pêra ................................... 13.640...... menos 30%

- Maçã .................................. 9.500...... menos 30 %

- Pêssego .............................. 8.000 .... menos 15 %

- Arroz .................................. 5619 ...... manteve

- Milho .................................. 1570 ........ mais 5%

- Girassol .............................. 523 .......... manteve

- Amêndoa ........................... 245 ........... menos 24 %
__________________________________________________

Nota:

A imagem foi tirada junto à estação Refer da Moita. Aquele casal de idosos, recolheu de uma área de menos de 100m2 umas 20 sacas de batatas, certamente mais do que o seu consumo anual. O que demonstra a importância na economia doméstca (auto-suficiência / complemento do rendimento ) destas pequenas hortas.

Demonstra também o erro estratégico que é o desprezo a que foi votada a terra nos últimos trinta anos, abandonada e sobretudo URBANIZADA e ALCATROADA no litoral e junto aos grandes centros urbanos, e desertificada porque as pessoas emigraram para o litoral e grandes centros urbanos, no interior.

quarta-feira, agosto 25, 2010

A CRISE DO BETÃO


A construção civil bateu no fundo, não só por causa da crise que "veio de fora" e da escassez do crédito , mas também pela construção acima da procura, de novos fogos , que põem Portugal no pelotão da frente em número de construção nova e desabitada... não esqueçamos que Portugal é o país dos PDM que prevêm habitação para um país de cinquenta milhões de habitantes...

Muitos vêm agora querer mitigar a crise em que mergulharam as empresas de construção, compensando esta quebra por esgotamento do filão, com novas e megalómanas obras públicas, mais autoestradas, um TGV e um novo aeroporto.

Ora isto não é sério, num país onde práticamente não se faz reabilitação urbana, onde as cidades estão literalmente a caír e onde quase cem mil hectares de regadio público precisam de obras de recuperação dos seus sistemas de irrigação por estes terem atingido o seu tempo útil de vida e quando continua incompleto o perímetro de rega do Alqueva.

Não seria prioritário canalizar antes o betão para estas obras ? Ou seja, a recuperação urbana e de infraestruturação agricola, paralelamente a uma renovação da estrutura ferroviária clássica e também de mercadorias a partir de Sines ?
____________________________________________

ÚLTIMA HORA

SILLY SEASON

A candidatura "presidencial" de Setúbal ... de Francisco Lopes LOL .

Uma candidatura entre outros conteúdos da Kassette "em defesa da protecção do meio ambiente" pela força politica que mais destruiu a natureza e mais urbanizou no país, no distrito em que é representado pelo senhor deputado Francisco Lopes.

Distrito onde concorre localmente sob o nome e símbolo de uma coligação fraudulenta que diz subscrever principios ecologistas mas em que os supostos ecologistas estão ausentes de cargos nas autarquias onde supostamente são eleitos.

Ah, e também contra a corrupção e o enriquecimento e opulência de alguns, quando são as próprias autarquias na dependência politica do mesmo partido do senhor Francisco Lopes a favorecer discricionáriamente particulares e empresas ...

Ao menos vemos que a hipocrisia, a farsa-politica, a fraude eleitoral tem um rosto neste distrito e o descaramento de apresentar uma candidatura à Presidência da República.

terça-feira, agosto 24, 2010

2010 O ANO MAIS QUENTE DE SEMPRE ?


Os climato-cépticos continuam a manter a sua opinião anti preventiva de atalhar as causas para prevenir das consequências de um futuro-próximo cenário de aquecimento global.

Por sua vez, na recente cimeira de Copenhaga os cientistas apontavam para a possibilidade de 2010 vir a ser o ano mais quente desde que há registos. Infelizmente parece que os alertas de Dezembro de 2009 para o corrente ano parecem estar a cumprir-se, uma vez que 2010 continua a bater recordes de temperatura.

Segundo o centro de dados do clima do National Oceanographic and Atmospheric Agency dos Estados Unidos comprovam que o mês de Julho foi o segundo mais quente de sempre, a seguir ao de Julho de 1998, considerando a média das temperaturas terrestres e oceânica.
Mesmo países nada habituados a temperaturas quentes, como a Finlândia e a Rússia estiveram a braços com temperaturas nunca sentidas, com recordes absolutos a serem batidos.

Nós por cá bem temos sentido o estio, com consequências várias como a anunciada causa de morte de um número recorde de tartarugas marinhas na costa do Algarve.

segunda-feira, agosto 23, 2010

AVANTE - FANTASIA 2010



Em oposição ao que aqui vamos escrevendo no a-sul, há verdadeiras pérolas inquestionávelmente pró-PCP publicadas na imprensa. Um desses exemplos dignos de António Ferro e de um Secretariado da Propaganda fascista é o texto publicado no Jornal semmais de 21 de Agosto, cito um excerto:


« Vai tempo em que aqui foi assumida a dificuldade de selecionar um melhor exemplo de um paradigma que nunca deixou de nos mercer uma sistemática atenção, deste modo : "que força no Poder é responsável por opções que evitaram que as velhas e emblemáticas instalações da ex-Mundet, no Seixal, não fossem poupadas à lógica da especulação e do negocismo imobiliário para ali poderem vir a acolher (proposta do PCP e da CDU) o ensino superior público descentralizado.


Uma bandeira de futuro, de cultura e partilha alicerçada na memória de labor e de lutas contra a exploração ( e o fascismo) , pelo 25 25 de Abril e suas conquistas, numa baía em plena recuperação e reoredenação ambiental, paisagistica e urbanistica envolvente, onde também participamos com a nossa Festa construída, a Festa do Avante (...) ».

Mas ninguém desmascara o embuste destas palavras ?

Até se compreende o desplante de um cidadão , na qualidade de "militante do PCP" ser capaz de vir elogiar, mesmo que de forma macarrónica uma « baía em plena recuperação e reordenação ambiental, paisagistica e urbanistica envolvente » quando ao mesmo tempo denuncia forças imobiliárias ocultas interessadas na urbanização da Mundet (mas « a Mundet não é nossa?» ).

A contradição é no entanto total , quando começa a elogiar o que se está a fazer em volta da Baía, e que nós sabemos ser , urbanizações e passeio A.Silva & Silva , Paços do Concelho A.Silva & Silva , Hipermercado Leclerc e respectivo passeio ribeirinho ...

O que é estranho é o Grupo Expresso dar, mesmo que em Agosto , Espaço Publico sem contraditório a este embuste , fora do Avante ou dos Boletins de propaganda locais . Parece até um atentado à nossa sanidade, inteligência e ao rigor jornalistico que reconheço ao Expresso , mesmo salvaguardando tratando-se de um artigo de opinião com origem e finalidades bem definidas.

Será que o texto elogioso ao PCP e Festa do Avante, é o que parece ser ? Uma preparação para que nos conformemos com que « forças no Poder » ocultas e invencíveis se preparam para urbanizar a Mundet, em oposição à "ideia" « PCP/CDU » ?...

- Não nos esqueçamos é que se tal acontecer é por iniciativa ou permissão de uma Autarquia/Poder PCP/CDU que parece não saber o que fazer aquele local ?

O que vai acontecer no Parque dos Franceses, já todos sabemos, prédios de um lado e de outro descendo do Forum até ao rio, mais o que o grupo A.Silva e Silva tem em construção na Quinta do Outeiro ou como a imagem demonstra do que já foi feito , de forma exemplar , como considera o articulista Valdemar Santos, assim se chama o militante-autor...

É isto que quer "denunciar" ?
Ou estamos a falar de uma outra Baía imaginada e propagandeada pelo colectivo PCP/CDU via Expresso-Semmais e bem diferente da realidade?

domingo, agosto 22, 2010

ARRÁBIDA 2010 - O « ECO » FOLCLORE



Hoje é o dia em que se juntam os Comunistas da Câmara de Setúbal com os proprietários de embarcações de recreio, para em conjunto com os pescadores protestarem contra as restrições impostas pelo Plano de Ordenamento do Parque Natural da Arrábida.

Que é original, lá isso é !


Uma manipulação perfeita e conjunta.
Uma salganhada , Autarquias PCP (Setúbal e Sesimbra ) , pescadores de subsistência , proprietários de iates de luxo , comerciantes ligados à náutica de recreio...

Todos juntos numa espécie de masturbação colectiva.

O que Sebastião da Gama pensaria desta luta «ecológica» dos «cidadãos pela Arrábida» por mais barcos , por mais bóias de atracação, por mais bem sucedidos comerciantes de barcos , por mais restaurantes, por mais combustível vendido.... enfim, o verdadeiro cerne desta questão «ecológica» está na verdade nestas cândidas declarações de Eugénio Martins , um dos manifestantes , membro do Clube Nautico da Arrábida :

«Para dar um exemplo: as pessoas não podem, a partir da língua da Figueirinha e até ao Portinho, atracar os barcos a menos de 500 metros de terra. Isto impede o acesso à praia. O que acontece, na prática, é que as pessoas deixam de comprar barcos, vendem os que têm e depois disso cai o negócio dos vendedores de combustível, de bóias, das oficinas de reparação, dos restaurantes, etc»

Meus senhores assumam os vossos interesses e vaidades mas não metam no mesmo saco questões tão diversas como a conservação de alguns acessos às praias , as matilhas de cães abandonados e o lixo , com a vossa vontade de exibicionismo o mais próximo possível das vistas de quem está na praia.

E muito menos andem de braço dado com a autarca de Setúbal que é co-responsável por omissão ou inacção de muitas das situações atrás apontadas ou com a carga urbana que tem aumentado em toda a Serra ou o de Sesimbra responsável por um dos maiores atentados urbanisticos do país... ao mesmo tempo que se esquecem TODOS da SECIL ou das pedreiras.

sexta-feira, agosto 20, 2010

FOGO QUE ARDE E SE VÊ 2



Esta vaga de incêndios de Agosto deu azo a muito disparate vindo da boca de politicos encartados , e de muita verdade vinda do Povo resistente do chamado "interior" , como se um país com 200 Kilómetros fosse condenado a ter interior...


Entre outros , um dos maiores disparates, ditos com a maior da disfarçatez foi a do BE que sugeria a nacionalização das floprestas não cuidadas... como se o Estado, grande proprietário florestal, ou as autarquiuas, igualmente proprietárias de muitas zonas florestais, fossem exemplo de boa gestão e conduta no tratamento da floresta.


Mas o que acontece é que ninguém ou quase ninguém falou antes da multiplicidade e variantes do problema:


- A desvalorização e desertificação do mundo rural , suas actividades e produtos... o fecho de escolas e outros serviços como os de saúde...

- Em oposição à causa anterior , a urbanização do litoral e a pressão urbana nas periferias sempre mais permeáveis a mais urbanizações para as quais o primeiro passo é o criminoso queimar e urbanizar de manchas florestais que deveriam ser protegidas a todo o custo até Zonas Rede Natura 2000.


- A desvalorização do papel da floresta como sorvedores de carbono, produtores de oxigénio e base de ecossistemas.

- A não valorização da biomassa florestal e criação de uma rede de recolha que compense per si a actividade de limpeza das matas e a criação de uma rede de transporte recolha desses mesmos subprodutos da floresta aliviando a carga térmica dos terrenos.


- A não manutenção de acessos que permitam o mais fácil acesso dos bombeiros aos locais dos sinistros bem como uma maior preparação e coordenação desses mesmos bombeiros.


- A politica demasiado restritiva de determinadas actividades humanas benéficas que existe nos Parques Naturais que fomenta o acumular de pastos e matos em demasia no solo desses mesmos parques.


- Etc...Etc...Etc... e fundamentalmente o grande desconhecimento do mundo rural por parte das elites - urbanas - que governam o país e a maioria das autarquias.

quinta-feira, agosto 19, 2010

FOGO QUE ARDE E SE VÊ


Paulatinamente e com cumplicidades municipais ao mais alto nível , vão destruindo o património ambiental (link) que nos rodeia , nos torna únicos e nos trás qualidade de vida fundamental. Mas outros interesses , que não os do interesse público, vão a pouco e pouco arrasando com tudo .

Começam por depositar ou permitir a deposição de lixos e entulhos , depois vão cortando com maior ou menor despudor as árvores "não protegidas" como se não fossem importantes ... e no fim lá vem um providencial fogo para acabar com o resto, nomeadamente com os sobreiros protegidos por lei ... depois ...


Ups!!! Depois lá aparece no meio da legislação e da verborreia que vem à tona depois de uma reunião de câmara, a autorização e o alvará de construção ...

Na então floresta junto à A2, junto à Estação de Serviço e perto da Estação Fertagus de Foros de Amora... os primeiros passos foram dados ... vejamos o Tubarão que vai ganhar esta!!!

Também junto à Estação Fertagus do Fogueteiro.

Também na Flor da Mata, este ano, por enquanto num fogo de pequenas proporções, mas lá voltou a arder em grande a zona da PAVIL no Marco do Grilo...e a Mata da Machada no Barreiro.

quarta-feira, agosto 18, 2010

A CAPITAL DEGRADADA - OS CULPADOS



É a análise séria ao artigo do El País aqui referenciado ontem e do qual resultou este editorial do Correio da Manhã, assinado por Armando Esteves Pereira e com o qual não posso deixar de estar mais de acordo:

«
Abandono das cidades

Uma reportagem publicada ontem em Espanha no ‘El País’ falava de Lisboa como ‘capital do vazio’, a cidade que tem perdido nos últimos 30 anos cerca de 100 mil habitantes por década.


É a capital da Europa mais envelhecida, uma vez que 24 % da população tem mais de 65 anos. É uma cidade onde mais de 4 mil edifícios estão abandonados, no entanto os preços das casas disponíveis são tão proibitivos que afasta as famílias para a periferia. Além do preço da habitação, há outros factores que afastam os moradores de classe média do centro, como a inexistência de creches e de rede social de apoio para as crianças.

Todos os dias entra e sai da cidade meio milhão de pessoas que lá trabalham. Um êxodo diário que o geógrafo João Seixas, citado nessa reportagem, diz que é uma situação praticamente única na Europa. Exceptuando a dimensão, Lisboa não é um caso isolado em Portugal. O Porto vive exactamente os mesmos problemas. E o abandono do centro é um problema comum à maioria das capitais de distrito.


Muita gente ganhou com este atentado contra as cidades. Os especuladores imobiliários lucraram milhões. Houve uma máquina oleada com dinheiro sujo da corrupção que permitiu os crimes urbanísticos. Há quem tenha alertado sistematicamente para esse desastre. O arquitecto Ribeiro Telles sempre falou dessa ameaça. Mas parece que ninguém o ouviu.»


________________________________________________________


Só falta referir o perverso que tem este continuado crime urbanistico que é o alargar infinito dos anéis de expansão urbana com a consequente degradação de solos, aniquilamento de vastas zonas florestais e campos de cultivo.


É que os municipios que muito lucraram com este Ed Dorado de mãos dadas com a mais básica corrupção continuam eles mesmos a sentir esta perversidade com o abandono também dos seus cascos históricos e das zonas de primeira e segundas vagas de urbanização.



terça-feira, agosto 17, 2010

A CAPITAL DEGRADADA SEGUNDO O "EL PAÍS"


« Capital portuguesa é “uma cidade cada vez mais despovoada”

‘El País’ revela degradação de Lisboa

Uma grande cidade europeia em declínio. É este o antetítulo de um artigo sobre Lisboa publicado na edição de ontem do ‘El País’. "A degradação dos edifícios e o elevado custo do solo expulsam os habitantes jovens e convertem a capital portuguesa numa cidade cada vez mais despovoada", revela o jornal espanhol, citando os vereadores Helena Roseta e Manuel Salgado.

Segundo o ‘El País’, "Lisboa e o Porto lideram o grupo de cidades europeias que mais se esvaziaram desde 1999 e com maior índice de habitantes (24 por cento) com mais de 65 anos". O jornal cita ainda um estudo recente, segundo o qual quatro mil dos 55 mil edifícios de Lisboa estão devolutos.

"Nos últimos 30 anos, Lisboa perdeu cerca de cem mil habitantes por década, passando de 800 mil para meio milhão", pode ler-se no artigo que ocupa toda a página 12. Um em cada quatro dos alfacinhas vive abaixo do limiar da pobreza, assinala ainda o ‘El País’.» in Correio da Manhã 2/8/10

segunda-feira, agosto 16, 2010

SOCORRO VISITOU O SEIXAL

O caso data de Março, mas só agora , devido a uma leitura atrasada do mail chegou ao nosso conhecimento. Não sabemos o resultado da visita de Socorro ao Seixal, que ao que parece , por cá se deslocou em socorro dos autarcas locais, a quem vinha ensinar como gerir o Seixal, aplicando a prática de Timon.

O resultado não parece ter sido famoso, apesar do esforço de Socorro que a deixou malvista jundo dos seus, é que nós cá pelo Seixal, não demos conta de nenhuma melhoria...Fica a noticia que veio do outro lado do Atlântico.


«Socorro e sua equipe vai mostrar ao gestor desta cidade (Seixal) como se trabalha

A Câmara Municipal de Timon foi reunida às pressas na sexta-feira(14) à noite para aprovar mais um pedido da prefeita Socorro Waquim (PMDB) para se afastar do país, juntamente com mais quatro assessores. A prefeita e sua “entourange” deve viajar na segunda-feira(17) para participar de um seminário sobre gestão pública municipal que começa só no dia 24 e vai até o dia 28 deste mês, na cidade de Seixal, em Portugal. Somente em diárias internacionais, a prefeita e seus quatro assessores consumirão mais de R$ 200 mil, nos dez dias em que estiverem passeando pela Europa. O pedido de afastamento foi por 15 dias – de 17 a 31 de maio – e a prefeita não disse no requerimento se vai passar o cargo para o vice-prefeito Edvar Ribeiro. Em junho de 2008 ela viajou para a Alemanha e não passou o cargo para o vice prefeito de então, João da Gráfica(PCdoB) e chegou a transformar a cidade numa praça de guerra para impedir a sua posse, que foi autorizada pela justiça.
Com relação aos custos com mais esta viagem ao exterior, é que, logo no início de sua segunda administração, a prefeita Socorro Waquim mandou um projeto de lei à Câmara Municipal reajustando seus salários, do vice-prefeito e dos secretários municipais. A prefeita passou a perceber R$ 22 mil mais 100% de representação e a diária passou a valer R$ 2,4 mil, para os deslocamentos fora do Estado do Maranhão. Sua lei não previu viagens para o exterior mas estima-se que ela mude apenas o nome da moeda e mantenha a quantidade. Como vai agora para Portugal, deve receber 2,4 mil euros por dia. Além das diárias tem também as despesas com as passagens aéreas, de cerca de R$ 7 mil cada uma. Foram autorizados a viajar com a prefeita a sua irmã Suely Almeida, secretária de Educação; seu cunhado Nicolau Waquim, secretário de assistência jurídica; sua secretária particular Isabel Barradas e o secretário de Administração Magno Pires.

Só dois contra

Na sessão de sexta-feira(14) à noite, convocada extraordinariamente, apenas os vereadores Jair Mayner(PSB) e Francisco Torres(DEM) votaram contra a autorização da licença de 15 dias por entenderem que é muito tempo para um seminário de apenas quatro dias. Jair chegou a dizer que a intenção da prefeita e sua equipe era passear pela Europa num momento em que a cidade passa por inúmeras dificuldades financeiras e administrativas – os salários dos servidores estão atrasados, o lixo, a lama e os buracos estão por toda parte, não tem transporte nem merenda escolar e muita gente morre à míngua por falta de atendimento médico.
Deixaram de comparecer à sessão (alegaram terem sido pegos de surpresa) os vereadores Jeconias Moares(PDT), Uilma Resende(PDT) e Doutor Tuá (PMN), que tenderiam a votar contra mais este desperdício de dinheiro público na administração da prefeita Socorro Waquim.

Vai trazer dinheiro

Os vereadores governistas que votaram a favor do passeio da comitiva esnobaram na justificativa, segundo Jair Mayner. “José Carlos assunção, que é o líder da prefeita, disse que “viaja para exterior quem pode”, ele por exemplo só consegue viajar mesmo para seu sítio, na zona rural de Timon”, disse Jair, acrescentando que Tales Waquim(PMDB), sobrinho da prefeita, reconheceu que a viagem da comitiva tem um custo mas ele será compensado quando a prefeita trouxer o dinheiro da Europa para aplicar em Timon.
Promessa semelhante foi feita em 2008, quando a prefeita Socorro Waquim levou comitiva semelhante para participar de um encontro de “mobilidade urbana” na Alemanha. O secretário de Obras Delfino Guimarães anunciou na época que havia conseguido assinar convênio com o governo alemão que garantiria R$ 90 milhões de euros para serem aplicados na “mobilidade” de Timon. Nunca ninguém viu um centavo deste dinheiro e de lá pra cá aumentou a dificuldade de se movimentar na cidade.

Seixal tem um quinto da população de Timon.

O Seixal é uma cidade portuguesa pertencente ao Distrito de Setúbal, região de Lisboa e subregião da Península de Setúbal, com cerca de 31 100 habitantes.

É sede de um pequeno município com 93,58 km² de área e 150 272 habitantes (2001), subdividido em 6 freguesias. O município é limitado a leste pelo município do Barreiro, a sul por Sesimbra, a oeste por Almada e a norte pelo estuário do Tejo, através do qual tem ligação a Lisboa. O Seixal inclui ainda uma baía natural.
Cidade plana que motiva o cicloturismo e, como tal, conta com uma ciclovia ao largo da baía ligando as cidades de Amora e Seixal, passando pelas localidades de Correio D’Água (ou Correr D’Água), Torre da Marinha, Arrentela e Cavaquinhas. Local onde Vasco da Gama construiu a sua frota marítima para se deslocar até à Índia, conta com inúmeras quintas senhoriais, com um património riquíssimo testemunho dessa época (Quinta da Fidalga, Quinta da Trindade, Quinta de São Pedro, etc.). Terra de pescadores, viveiro de músicos, o Seixal tem presente a qualidade artística das melhores bandas filarmónicas nacionais, tais como a Sociedade Filarmónica Democrática Timbre Seixalense e a Sociedade Filarmónica União Seixalense. Ao passear pelo Seixal, por mar ou por terra, não deixe de saborear a nossa gastronomia e aprecie o núcleo histórico e as embarcações típicas do Tejo.

Da história remota da sede do Município pouco se sabe. Contudo, esta cidade terá tido origem, muito provavelmente, num pequeno núcleo de pescadores e o seu nome poderá estar associado à grande quantidade de seixos existentes nas praias ribeirinhas que seriam utilizados como lastro nas embarcações.

No início do século XVI, a população rondava as três dezenas de fogos e no dealbar do séc. XVIII, o número de habitantes ascendia a cerca de 400 pessoas. Actualmente, o Concelho tem 155 mil habitantes.

A organização administrativa e territorial do Seixal sofreu várias alterações ao longo dos tempos. Assim, na época de Quinhentos, o povoado do Seixal fazia parte da freguesia de Arrentela, estando incluído no termo de Almada. Só após a revolução liberal, na sequência da reforma administrativa de 1836 (reinado de D. Maria II), é que viria a ganhar direitos de concelho. Contudo, em 1895, viria a ser extinto.

A Freguesia de Amora foi então integrada no concelho de Almada e as de Arrentela, Aldeia de Paio Pires e Seixal no concelho do Barreiro. Três anos mais tarde, o concelho do Seixal foi de novo instituído, passando também a abranger a freguesia de Corroios, criada em 1976.

As alterações de estatuto administrativo acompanharam a evolução e desenvolvimento das povoações. O Terramoto de 1755 fez-se sentir violentamente no Seixal, tendo obrigado as populações ribeirinhas a procurar refúgio nas barrocas do Conde de Vila Nova. A reconstrução foi lenta.

A partir da segunda metade do séc. XIX, começou a registar-se um significativo surto de desenvolvimento económico e industrial, com a instalação de diversas unidades fabris (têxtil, vidro e cortiça). Ficaram conhecidas a Companhia de Lanifícios de Arrentela, a vidreira Fábrica da Amora e as corticeiras Mundet e Wicander. Há cerca de 100 anos, o Seixal era o principal centro corticeiro do País.

Nos anos sessenta, a instalação da Siderurgia Nacional (inaugurada em 1961) e a ponte sobre o Tejo (1966) deram um novo impulso ao desenvolvimento económico do Concelho, com grande incidência no crescimento demográfico e na alteração profunda das suas características urbanísticas.

Em 27 de Maio de 1993, é criada a freguesia de Fernão Ferro, resultante da subdivisão da antiga freguesia de Arrentela. Em 20 de Maio do mesmo ano, as vilas do Seixal e Amora adquirem o estatuto de cidade e Corroios ascende a vila.

A presença do Tejo neste concelho, nomeadamente da Baía do Seixal, condiciona o aparecimento de um conjunto de profissões – pescadores, marinheiros, moleiros, calafates, carpinteiros de machado – que, durante anos, constituíram o principal modo de vida das populações.

A fisionomia urbana do Concelho foi também definitivamente marcada pela presença do rio, com a construção de moinhos de maré, estaleiros navais e de actividades ligadas à pesca, tais como a antiga seca do bacalhau na Ponta dos Corvos.

Nos últimos 27 anos, o município do Seixal tem vindo a ser projectado para uma posição avançada onde lhe é reconhecida uma dinâmica de progresso, em grande medida consequência de um acentuado e assumido investimento cultural.»

sábado, agosto 14, 2010

"ECO" MANIFESTAÇÃO


Que estranho é ver agrupados sob uma mesma "ideia" de suposta "protecção ambiental" , pescadores , uma câmara municipal comunista e proprietários de potentes , poluentes e caras embarcações de recreio , pouco ou nada identificados , nem com a dita câmara comunista nem com a pesca de subsistência.

Mas é o que acontece quando se mete no mesmo saco a contestação pouco ou nada racional ao Plano de Ordenamento do Parque Natural da Arrábida .

Se podemos estar de acordo com manifestações que acentuem a vertente natural do parque, como a sua limpeza , como a captura de matilhas de cães formadas por animais abandonados naquela serra, ou com o incompreensível continuar da actividade das pedreiras ou da SECIL , ou ainda a urbanização incompreensível de muitas zonas do Parque.

Não podemos de alguma forma estar de acordo que metam no mesmo saco as limitações , tendo em vista a preservação de espécies e da vida marinha na zona de Reserva Marinha Luiz Saldanha e que é afinal a face mais visivel e o real objectivo desta pseudo "manif" ....

É triste a manipulação que é feita dos pescadores pela autarquia e pelos proprietários dos barcos de recreio, é lamentável que os pescadores não consigam entender da urgência das medidas tomadas e que têm em vista o repovoamento e a sustentabilidade da pesca futura , ou seja , a continuidade da sua actividade.

É ridiculo ver os proprietários de iates de recreio ou das motas de água preocupados com o show-off dos seus brinquedos no valor de muitas centenas de milhares de euros e que com as limitações criadas pelo PONPNA, estão impedidos de impressionar ...


Como era bonito, antes destes biólogos desmancha prazeres aparecerem ver todos os anos o senhor "A.Silva & Silva" e afins, com um novo iate comprado na Nauticampo , sempre maior que o do ano anterior e vê-lo passar bem ali, frente ao Creiro, à vista de todos...e fundear bem para cá da Pedra da Anixa.

E no meio de tudo isto, os eleitos do povo ... mas a câmara de Setúbal não se dá ao trabalho de ir ao cerne da questão ? De equacionar tudo isto, de interiorizar sequer as razões pela qual apoia a Arrábida a Património Mundial ?

- Não. Aparecer na TV saltar da maior sardinhada, para a maior palhaçada, vale tudo o resto, até mesmo ser parte da farsa anual de "protecção ambiental" da Arrábida ao lado dos novos-ricos- aristocratas da Serra.


Silly season a quanto obrigas !!! Até uma original "happy hour pela Arrábida"...às cinco dela tarde será que "Os Verdes" esse partido eco-sebastianista também vai aparecer no cocktail ?

sexta-feira, agosto 13, 2010

VANDALISMO E INTIMIDAÇÃO NAS QUINTAS DA FLÔR DA MATA


Numa altura em que uma empresa - ANITEX IMOBILIÁRIA - se prepara para tomar bem mais que os 80 mil metros quadrados legítimamente adquiridos e na sua posse - depois de uma desanexação/compra/venda (link) do proprietário R.M.R. em Janeiro 2001, de uma parcela o dobro desta 160 000 m2 , onde na outra metade propriedade da SOFERDI e ... cinco dias depois... da off-shore Medanan Limited... (link) se pretendeu criar em 2000 o Bairro Social PER (link) .

A Anitex Imobiliária, uma empresa do Porto com sede em Paranhos, ameaça agora vedar uma area considerável na Flôr da Mata, no Seixal , não respeitar confrontações , propriedades ou os direitos dos outros proprietários e residentes da Flôr da Mata fechando servidões, caminhos agricolas e florestais, numa área que nunca limpou ou manteve , situação que conduziu a inúmeros incêndios numa zona considerada
non edificandit no actual PDM.


Pelo menos as autoridades agora sabem, se dúvidas houvesse, a quem imputar a não limpeza e manutenção da floresta.


Assistem-se no presente, paralelamente a estranhas acções de pura violência e vandalismo contra as construções existentes nessas mesmas quintas e seus proprietários cujos residentes têm resistido ao avanço do betão naquela zona protegida no Plano Director Municipal desde 1993 .

São crimes ... contra o património - retirar telhas dos telhados (???) e partir mobiliário e loiças sanitárias - mas há situações a acontecer em simultâneo que são pura violência de colarinho branco e configurando já acções de coacção e violência psicológica sobre os residentes e proprietários agricolas .

Vamos estar atentos e acompanhar a par e passo esta nova tentativa de destruição do coberto vegetal de uma das últimas zonas verdes do concelho do Seixal.

Está nas mãos da Câmara do Seixal , do Partido Comunista Português / "Os Verdes" , retirar ou não a protecção ambiental e uso do solo que reclamou a favor do interesse público, em 1993 pela mão e letra de Eufrázio Filipe e é a prosa do actual PDM que considera aquela zona de "Mato e Maciço Arbóreo" .

Ou está a Câmara do Seixal (link) do lado da telenovela do betão, do compra vende e volta a vender e a comprar ... e destes métodos e violência venha ela de onde vier ?

quinta-feira, agosto 12, 2010

AS CINZAS DA MEMÓRIA


Em Março do ano passado, sobre uma paisagem deixada a descoberto por uma acção de deflorestação massiva numa magnífica àrea florestal que é ao mesmo tempo uma apetecível àrea de construção (junto à A2 - Estação Fertagus - Foros de Amora ) , publicámos a imagem acima , acompanhada do texto que seguidamente cito, terminando com a frase « para memória futura» , pois, parece que adivinhávamos a efemeridade daquela imagem.

Pouco mais de um ano passado. Acabaram no final do passado mês de Julho com o que só poderemos rever na nossa imagem, se então ainda deixaram ficar por obrigação da lei , alguns sobreiros, eles foram agora queimados, tal como a bucólica casa de madeira que então retratámos ilustrando o post :


«Há paisagens improváveis assim, não não é a Escandinávia , podia até ser melhor que a Escandinávia se tivessemos durante a ditadura, ou depois dela , investido na educação e não continuássemos a suportar pequenos ditadores, como se fosse essa a nossa sina.

Imaginem as possibilidades deste espaço com o património construído preservado , a cultua defendida, a memória viva. Imaginem as potencialidade economicas e sociais de uma outra orientação politica , de desenvolvimento sustentável e de protecção do ambiente e da paisagem.

Imagine a imagem sem a politica do
quanto pior melhor de trinta e cinco anos CDU!
»

Local, junto à A2, Estação de Serviço Seixal , para memória futura.

quarta-feira, agosto 11, 2010

CONTRADIÇÕES 3



Que tocante é ver o PCP opôr-se contra a nova lei que permite ter os hipermercados abertos aos domingos e feriados... cito:


«O PCP vai pedir a apreciação parlamentar do Dec.Lei do Governo que alarga o horário das grandes superfícies» defendendo, pela voz de Agostinho Soares as associações de comerciantes e o comércio de proximidade.


E que contradição é ver autarquias PCP , ao mesmo tempo , autorizarem a instalação nos seus concelhos de Grandes Superfícies como cogumelos ... na Margem Sul, a somar ao exagero que já existe - e que tem "rebentado" como o pequeno comércio tradicional

Temos agora em plena execução o Outlet de Coina , na imagem ( Chamado eufemisticamente de Barreiro Retail Park, relembre-se que um mega shopping foi inaugurado no Barreiro há poucos meses) ou a construção já anunciada do Seixal Retail Park, mais um ... desta feita no também Comunista Seixal...

terça-feira, agosto 10, 2010

CONTRADIÇÕES 2


Como é contraditório o "PCP Porto" opôr-se à demolição de edifícios de uma escola desactivada na Invicta, por esta demolição não constar do PDM ... e depois nem uma menção aquando da apressada demolição pela maioria PCP da Câmara do Seixal do histórico edifício dos antigos estaleiros de Paulo da Gama junto ao Tejo.

segunda-feira, agosto 09, 2010

CONTRADIÇÕES 1


Que gratificante é ver o PCP criticar a concentração dos serviços centrais dos CTT num só edificio, propriedade de um grupo de construção civil.

Mas que incongruente é ... não ver o PCP tomar qualquer posição quando uma autarquia CDU como a do Seixal transfere e concentra TODOS os seus serviços, quer tecnicos por um lado, quer administrativos por outro em dois edificios proprieadde do mesmo grupo de construção ( A.Silva & Silva ) , uma situação em que os próprios Paços do Concelho passam a ser propriedade de uma empresa de construção civil...

sábado, agosto 07, 2010

ECO SOLUÇÕES



Os Camaradas de Cuba não têm vergonha da terra ou o que dela se produz.

Devem ter descoberto que não podem comer betão, coisa que os comunistas da margem sul ainda não descobriram.

sexta-feira, agosto 06, 2010

PROTESTO NA ARRÁBIDA 15 DIAS DEPOIS

Temos estado atentos às reprecurssões aos protestos na Arrábida sobre as limitações criadas pelo POPNA à navegação marítima no Parque Marinho Luiz Saldanha.

O grande artigo publicado, uma página no Jornal Semmais de 28 de Agosto acaba por reflectir o verdadeiro cerne da questão e já denunciado pelo protagonismo de alguns cidadãos no referido protesto e que dá conta, não de preocupações ambientais e futuras, mas puramente económicas e imediatas, com a queixa de que « a venda de barcos caíu 70 por cento com restrições na costa da Arrábida» .

Os vendedores condenam, não a conjuntura económica e os excessos ostentatórios e do recurso ao crédito dos últimos anos na venda de embarcações, mas sim na interdição de uma reduzida faixa de costa que tem como intuíto a preservação e incremento do ecossistema marinho da Arrábida do qual no futuro todos lucraremos.

QUANDO A PREVENÇÃO NÃO FUNCIONA


O território vai ardendo ... as notícias vão-se sucedendo e nada acontece...

As autarquias desculpam-se e descartam-se - com a defesa
do PCP - com a falta de meios ou então dizem que as autoridades não actuam e não conseguem identificar os pirómanos, quanto mais os proprietários que não cumprem a lei e que não limpam os seus terrenos.

As autarquias desculpam-se finalmente - com a defesa do PCP - de que não é sua a responsabilidade de limpar coisas tão importantes e prosaicas, como as bermas de estrada e até-autoestrada.

Ver determinadas bermas em zonas florestais do Seixal, por exemplo , na A2 perto do nó do fogueteiro , ou na EN 378 - Fogueteiro-Sesimbra - demonstra que , ou a Câmara do Seixal , contráriamente à autarquia de Sesimbra , não vê e não exige a quem de direito - Estradas de Portugal , BRISA - ou então parece que até lhe convém se tudo arder. (Fica um alerta para os responsáveis da Protecção Civil ).

Quanto à identificação e notificação dos proprietários, vemos , num recente número dos jornais locais, que , se se consegue identificar proprietários para expropriar/indemnizar quanto ao traçado do IC-32 CRIPS ... e é vê-los por aí a reivindicar e pôr marcos em cada metro quadrado , então também será possível notificar esses mes
mos proprietários para limpar os seus terrenos... ou será assim tão difícil ?
_____________________________________________



ULTIMA HORA - FLAMINGOS ... NO DOURO

Todos nos devemos lembrar ainda quando um bando de flamingos esteve no estuário do Tejo na zona do Seixal e logo a Câmara Comunista veio propalar que tal se devia à magnifica ( e nula , digo eu ) gestão ambiental da maioria comunista. E tudo serviu para vangloriar as maravilhas da gestão CDU e servir a sua propaganda, tendo como ícone estas belas aves.

Este fim de semana, depois de oitenta anos, um bando de flamingos aportou ao Rio Douro , em Gaia. Não eram vistos no local há mais de oitenta anos!

Devemos então, na mesma linha de ideias ( da CDU ) concluír que tal se deve à gestão de Rui Rio pela margem Norte e de Luís Filipe Meneses na margem Sul ... do Douro, nomeadamente pela criação do Parque Ambiental de Gaia, excelente obra da gestão de L.F.Meneses ?

Penso que a CDU Seixal estará de acordo com o acima descrito. Passo a citar a notícia da Lusa.

«
Porto, 02 ago (Lusa) -- Uma população de 14 flamingos pousou na madrugada de domingo na reserva natural do estuário do Rio Douro para se alimentar, possivelmente em busca de "um novo sítio para colonizar".

"Não havia observações de flamingos no Douro há muito tempo, mas tem-se registado a sua expansão para Norte, depois de há alguns anos terem sido vistos em Aveiro e em Esmoriz", explicou à agência Lusa Nuno Gomes Oliveira, diretor do Parque Biológico de Gaia, organismo que registou a ocorrência.

Os 14 flamingos avistados no Douro eram maioritariamente jovens, tendo entretanto abandonado o local por ser muito procurado pelos veraneantes durante a época balnear. Foto A.Monteiro »

quinta-feira, agosto 05, 2010

O PAÍS QUE...VAI ARDENDO - PELOS LEITORES A-SUL

Temperaturas elevadas ( por vezes) , ventos fortes (nem sempre ) , abandono de terrenos, especulação imobiliária, pirómanos ... são o cocktail para vagas de incêndios como mais uma vez vivemos este Verão. Mas deixo-vos a opinião dos leitores do a-sul (imagem Jornal Comercio Seixal e Sesimbra via Blogue A Revolta das Laranjas):

« Moro há 35 anos encostado a uma zona de pinhal denso, onde NUNCA houve qualquer incêndio. Trata-se de uma das maiores manchas florestais da Margem Sul e um pulmão essencial para a qualidade de
vida dos habitantes locais e de grande parte das aves e micromamíferos da zona. Nem nos anos de maior calor houve incêndios. Nada. Porquê?

- Porque não é terreno urbanizável - trata-se da mata da Base da Marinha, que vai desde a Cova da Piedade até às margens da Praia dos Tesos, já frente ao Seixal.


No entanto, aqui nos concelhos, não há pingo de pasto crescido, tronco de árvore escanzelada, eucaliptal, pinhal ou montado de sobro que não arda, certinho como um relógio, todos os anos. Alguns, m
ais do que uma vez ao ano. Em anos quentes, médios ou frescos. Porquê? Porque as negociatas da abertura de caminhos, venda de madeira queimada, e muito especialmente as "despromoções" de zonas protegidas, ou todas as maneiras de impedir que outras ainda não protegidas o venham a ser, valem muito dinheiro em futuras urbanizações, em trocas e baldrocas feitas offshore, em Gibraltar; é um jogo de cartas mafioso e jogado por gente oleosa e esconsa, sonsos que se apregoam representantes da população e empresários da betoneira, onde tudo está à venda, para quem tudo tem uma etiqueta de preço e só vale pelo que vale quando transformado em Euros. Uma maneira boa de acabar com estes incêndios era deixar arder lá dentro uns quantos destes sebosos e seus comparsas. Uma ideia a considerar... Ah, e aproveitar as brasas para grelhar passarocos grasnadores.

oze , 7/23/2010 »
______________________________________

ULTIMA HORA - O "FUNCIONÁRIO" DO MÊS .


Em plena época de "silly season" e de pregos e tintas na Festa, Agostinho Lopes parece ter sido a personagem destacada pelo PCP para fazer o seu papel de entertainer sazonal.

É ver o homem cada dia com uma exigência, cada dia com um protesto, cada dia com uma proposta, e os jornais lá lhe vão dando espaço e tempo de antena .

Ontem, aproveitando-se pornográficamente da desgraça alheia, lá veio o homem pôr a descoberto que "a culpa dos incêndios eram as politicas "de direita do governo , nomeadamente do PEC" ... isentando claro está as autarquias (também as de "direita" ? ) ... Não sei era se a mensagem se destinava aos emigrantes de férias, ou a qualquer ET que não viva cá !

Os jornalistas lá vão fazendo o papel de embrulho e deixam o homem dizer os maiores dos disparates sem o menor contraditório, enfim, a "silly season" no seu melhor.

E ninguém disse ao homem que se estava a limitar a ler a cassete do costume e que já tinha declamado por exemplo em 2003 (veja aqui link) ou noutras ocasiões enquanto mandatário do Partido para este tema, e só estava à espera de algumas vítimas no meio das fagulhas, para lá vir repetir a rábula mais uma vez.

E não há vergonha na cara ?

Compare então;

- Em 2003 Agostinho acusava
"...o Governo PSD/CDS-PP e da política da direita pela tragédia ocorrida no Verão de 2003 "

- Ontem , Agostinho " ... acusou o Governo PS de não assumir a responsabilidade política pela causa central dos incêndios deste ano"

KASSETE MAIS KASSETE NÃO HÁ !!!

quarta-feira, agosto 04, 2010

"OS VERDES" PELOS LEITORES A-SUL


« por

João Pedro Henriques,
jornalista
21 Abril 2008

Já passaram 20 anos. Mais, até. Como muitos no jornalismo político, já gostava da política antes do jornalismo. Era de esquerda e não me revia nem no PS "cata-vento" de Soares nem na ortodoxia leninista do PCP (tinha tido contacto directo com essa ortodoxia nas guerras das associações de estudantes na escola secundária que frequentava, Belém-Algés). Tentei a militância nos "Verdes". E as coisas são como são: a figura envolvente da deputada Maria Santos (entretanto dissidente) não foi alheia à tentação.

A "coisa" começou com um amigo de escola, o Pedro. Foi a minha "ligação". E os tempos eram muitos interessantes: algures no segundo semestre de 1985, período de intensa campanha eleitoral para as presidenciais que viriam, em Fevereiro do ano seguinte, a eleger Mário Soares. Já me sabia um eleitor de Maria de Lurdes Pintasilgo. Os "Verdes", sendo uma extensão do PCP, apoiavam Salgado Zenha. Entrei no partido com a firme convicção de que seria possível mudar o seu sentido de voto, levando-os a apoiar Pintasilgo.


Os "diálogos" foram mais ou menos assim:

- Sobre as presidenciais...

-Isso já está decidido! Vamos apoiar...

- ...Mas julgo à mesma que deveríamos discutir! Se bem percebi nada foi discutido...

- Foi! E está decidido! Vamos apoiar...

- Eu sei quem vão apoiar! Trata-se de um erro grave para os Verdes apoiarem esse candidato! Se...

- Está decidido, não há nada para discutir!

- É um erro grave! As pessoas em Portugal sensíveis à questão ecológica não se revêem de todo em Salgado Zenha. Se alguém representa...

- Está decidido!

- Não acabei! Se alguém representa a parte do país mais sensível à questão ambiental, esse alguém é a candidata Maria de Lurdes Pintassilgo!

- Está decidido! É o Zenha!

Saí tão depressa como entrei. Convicto, finalmente, que os "Verdes" eram mesmo, como dizia a maledicência, os "melancias": verdes por fora e vermelhos por dentro. Rumei a outras paragens. Até chegar ao jornalismo.

(in Diário de Notícias, pode ser consultado em: http://dn.sapo.pt/inicio/interior.aspx?content_id=998234 ) »
_______________________________________________

ULTIMA HORA

Uma chamada de atenção para o ridículo da direcção esclerosada do Partido Comunista que esta semana resolveu fazer queixinhas aos emigrantes (link) "para a situação de Portugal" ... e com direito a vídeo no You Tube.

Deve o Comité Central pensar que os emigrantes que cá vêm passar férias residem em Cuba ou num país da Cortina de Ferro antes da queda do Muro de Berlim
.

O PCP deve pensar que os emigrantes de hoje viajam ainda de "valise de carton" e dão ouvidos a um partido jurássico que nos países desenvolvidos onde trabalham simplesmente se extinguiu, contráriamente ao anacronismo lusitano.

Deve pensar também que em busca de "informação livre" os nossos emigrantes ouvem... a Rádio Moscovo , que não têm acesso à internet nos países de acolhimento e que quando cá chegam vão logo a correr ver os vídeos do camarada Jerónimo e informar-se no site do PCP...

MAIS UMA RIDICULA ACÇÃO POLITICA DE AGOSTO DO PCP !



terça-feira, agosto 03, 2010

A ARRÁBIDA PELOS LEITORES A-SUL



O A-SUL pelos seus leitores:

É preciso preservar o ambiente o verde os parques é preciso cumprir a lei. Mas que ela seja cumprida por todos incluindo as instituições do estado.

O Parque natural da serra da Arrábida deve ser preservado deve haver algum cuidado para que não haja destruição com casas clandestinas, mas que também não haja destruição do parque com casas feitas com licença que muitas vezes não cumprem o estipulado nas leis e regulamentos e que se decide consoante a cara do interessado.

Mas também não deve exagerar-se na forma como depois de 30 anos em que tudo andou ao Deus dará neste país vêm agora uns iluminados querer destruir tudo e deixar a viver na rua famílias que residem nas casas que embora ilegais estão construidas há muitos anos no terreno que é seu, quando pelo pais inteiro há construções em cima de espaço público sem que a autarquia, e é exemplo disso o concelho de Almada e Seixal, faça seja o que for.

É preciso rigor sem dúvida mas num pais onde todos faziam o que lhe apetecia sem que disso sofressem consequencias foi um incentivo à desorganização a que se foi assistindo.

Não vale a pena exagerar e agora querer arrasar tudo no parque da Arrabida cegamente sem atender à situação em que as construções foram feitas e o uso que lhe é dado.

Num país onde os processos de pedofilia prescrevem os processos de crimes fiscais prescrevem apenas a casa do agricultor de fracos recursos tem a pena de demolição para cumprir mesmo 30 anos depois.

Construir clandestino é grave sem dúvida mas então porque fez o governo lei especial para legalizar todas as casas clandestinas de norte a sul mesmo aquelas mais desajeitadas? Talvez devesse fazer uma lei excepcional para o parque da serra da arrabida para resolver o problema de algumas casas existentes sem licença.

Ou será que quem constroi clandestino em Fernão Ferro é portugues de 1ª acima da lei e quem constroi noutro sitio do mesmo pais vê a casa demolida? Se as demolições são retroactivas e tudo o que não cumpre a lei deve ser demolido então que se comece pelas construções aprovadas pelas autarquias que não cumprem os PDMs que não cumprem a legislação em afastamentos, lugares de estacionamento, zonas verdes etc e no concelho do seixal almada há muito para demolir.

Não cumprir a lei é deixar construir ilegal se a camara deixa construir contrariando a lei também deveria ser penalizada.

O Parque natural da serra da Arrabida é um bem de todos a preservar mas numa serra que está a desaparecer engolida pela fábrica do cimento, e onde se queimam resíduos perigosos não me parece que sejam as casas dos agricultores e mesmo outras pessoas que vivem no parque o maior prejuizo e que tenham de ser sacrificados os seus proprietários com a demolição.

Também neste processo de demolição não se houve falar nas responsabilidades dos funcionários e directores do parque que estiveram a receber ordenado durante estes 30 anos com a incumbência de guardar o parque e não o fizeram. (Anónimo)

segunda-feira, agosto 02, 2010

A ARRÁBIDA PELOS LEITORES A-SUL



O A-SUL pelos seus leitores :


«O Parque Natural da Arrábida é das áreas protegidas mais antigas do país, criada em 1976, nem sempre alvo das melhores práticas de salvaguarda da sua enorme riqueza natural, paisagística e cultural e compatibilização com as actividades humanas tradicionais.

Ao longo dos anos foram-se sucedendo os atentados ambientais nesta área protegida, problemas que ainda hoje subsistem. Após um longo período de atraso, foi publicado em 2005 o tão aguardado Plano de Ordenamento do Parque Natural da Arrábida (POPNA), o qual se esperava vir a resolver parte destes problemas e a garantir a sua gestão sustentável. Acontece que as suas opções foram muito questionáveis. Não só mantém a actividade da cimenteira Secil, cujos impactes no ambiente e paisagem são significativos, como permite o aumento das pedreiras, as quais têm transformado largas áreas do Parque em autênticas paisagens lunares.

Além disso, viabiliza a construção ao permitir a edificação sobre ruínas ou por estabelecer critérios de área mínima edificável que penalizam os pequenos residentes locais ao mesmo tempo que abre a porta à especulação imobiliária, às segundas e terceiras residências de luxo e aos grandes empreendimentos turísticos.


A tentativa de demolição, no passado dia 7 de Julho, da pequena habitação da família de Florentino Duarte, junto à aldeia da Piedade, já nos limites do Parque Natural, enquanto ao lado estão legalizadas mansões e residências de luxo, mostra como o POPNA não veio resolver situações antigas e manteve injustiças sem qualquer justificativo de ordem ambiental.

Esta família, onde se inclui um filho menor, uma filha grávida de oito meses e um neto, tem aqui a sua residência permanente há mais de 27 anos e daí retira o seu sustento através da pequena agricultura e pastorícia, actividades que não parecem pôr em causa a salvaguarda dos valores naturais do Parque. Foi, aliás, a situação familiar em presença que levou à suspensão daquela demolição por parte de um Juiz pelo prazo de poucas semanas.

Se a demolição avançar, esta família não tem qualquer alternativa de alojamento e sustento, tratando-se de um caso social preocupante. O Parque Natural e demais autoridades competentes não podem ignorar esta situação, devendo accionar todos os mecanismos para evitar a demolição e dar uma resposta conveniente ao problema, prevenindo outras situações idênticas.

Este caso revela como o POPNA carece de revisão, pois é inaceitável que permita actividades extractivas e industriais com pesados impactes ambientais no Parque, ao mesmo tempo que impõe limitações grandes aos que aí residem em permanência em pequenas habitações e têm actividades económicas locais que não perturbam a salvaguarda dos valores naturais.

A revisão do POPNA é necessária para responder às incongruências existentes e enquadrar convenientemente as situações como as de Florentino Duarte, de modo a que possa cumprir efectivamente o papel de proteger os valores naturais, paisagísticos e culturais e garantir a sua compatibilização com as populações residentes e as actividades humanas locais. (B.E. Setúbal )»