segunda-feira, junho 12, 2006

PER-MISCUIDADE 2























Como prometido voltamos ao tema do post de ontem, agora para analisar o caso concreto da Flor da Mata - Pinhal dos Frades e o artigo publicado ontem no Publico, de autoria de Claudia Veloso. Um excelente trabalho jornalistico como aqui mencionámos ontem.

Como o tempo é sempre grande conselheiro e melhor aliado, voltemos um pouco atrás no tempo, até 1992, antes da aprovação do Plano Director Municipal do Seixal, serve também para avivar a memória do senhor vereador ouvido na entrevista e que parece "não ter presente esse processo" de envolvimento de uma off-shore de Gibraltar e uma vez que ainda não foi ouvido pela PJ, pode aqui refrescar a memória de forma a não passar por mentiroso, pois que em devida altura em que já era vereador na Câmara do Seixal aconteceu:

1992 - Até esta data o terreno é propriedade da familia Quintella, a familia Quintella chegou a apresentar para o local um projecto de baixa densidade com algumas moradias dispersas no Pinhal que foi, e bem rejeitado pela Câmara do Seixal. Acontece que a familia Quintella vendeu em Agosto à Sociedade imobiliària RMR 160 000 m2 de terreno, e aqui começa a saga da Flor da Mata.

1993 - A Câmara do Seixal aprova o Plano Director Municipal em 11/11/93 que define esta zona como espaço verde a preservar para as futuras gerações, considerando-o a partir daí como "Espaço Agricola e Florestal - Mata e maciço Arbóreo" um espaço destinado ao equilibrio ecológico, um pulmão do Concelho.

1998 - Cinco anos passados sobre a protecção ambiental e seis sobre a ultima transacção, o terreno é dividido em duas partes uma a Nascente que fica a pertencer a ANITEX Imobiliária , e outra a Poente, confrontando com a Estrada de Sesimbra e propriedade a partir dali de SOFERDI.

2000- Em reunião da Câmara é deliberada a "Elaboração de plano de Pormenor PER Flor da Mata 2/M/00 destinado ao tal terreno propriedade da empresa SOFERDI, mas aparecendo no referido protocolo da Câmara como propriedade de BETOBEJA - primeira mentira.

2000-Janeiro é apresentado ao Sr.Presidente do INH o PER-Flor da Mata com o nº de 160 FOGOS.

2000- Julho é aprovada em sessão de câmara, minuta de protocolo entre a Câmara do seixal e a referida empresa BETOBEJA, refere-se à construção de 200 fogos PER mais 163 de venda livre, como já vimos a BETOBEJA não é a esta data proprietária do terreno.

2000- Agosto, ainda está fresco o protocolo com a BETOBEJA, supostamente proprietária daquele terreno e assistimos a uma venda desse terreno da SOFERDI para a off-shore MEDANAN LIMITED do Paraíso Fiscal de Gibraltar, esta aquisição é feita "a titulo provisório por duvida" e tornada "definitiva" a 13/09/00 .

Pelo meio houve toda a "novela" conhecida...manifestações , um grupo Cívico a opôr-se a tal projecto, uma investigação da Policia Judiciària, com a imprensa a tratar o caso com algum destaque e com a apresentação pela população de um abaixo assinado com 4000 assinaturas e sobretudo sedimentado numa argumentação que obrigou a que o processo estivesse durante seis anos pelos gabinetes...

Agora em 2006 surge nova tentativa para reatar o projecto com uma nova disposição dos fogos tendo "em consideração" as linhas de água REN, uma linha de alta tensão, mas continuando a não apresentar soluções sobre os esgotos da referida urbanização que entretanto foi redimensionada para 200 fogos, mas que não deixa de ser um gueto para 200 fogos uma vez que não possui caracteristicas que permitam qualquer tipo de integração.

E chegámos ao ponto actual focado pela noticia de Claudia Veloso, há de novo oposição civica nas ruas, um abaixo assinado a circular, cidadãos a avançar para a vertente juridica e ambiental pelas caracteristicas naturais daquele espaço.

Mas o que mais espanta são as palavras certamente sábias de serralheiro mecânico , do senhor vereador do urbanismo da Câmara do Seixal "Eu próprio vivo ao pé de um bairro social e dou-me bem com toda a gente" , assusta, o nem sequer se aperceber do quanto segregador está a ser (Eu - versus os do "BAIRRO SOCIAL") e termino com a brilhante conclusão "Se no lugar de um bairro social estivesse a ser construido um empreendimento de luxo , suspeita o vereador, «ninguém se queixava»" . Sugiro neste caso ao senhor vereador que construa um bairro social à maneira de como se faz na sua cabeça , um empreendimento de luxo e assim terá a resposta a esta sua questão existencial , e lembro-lhe novamente o quanto discriminatório está a ser, uma vez que na sua concepção do urbanismo estão dois extremos , num o Bairro-Social e noutro a Urbanização de Luxo (o que é lamentável para um vereador do urbanismo).

Por ultimo fica a declaração sublime do senhor Jorge Silva que na continuidade da ideia anterior refere "ninguém se queixava nem se preocupava com os pinheiros, como não se preocuparam quando abateram dezenas e dezenas de hectares de pinhal para se construir clandestinamente" pois pergunto-lhe agora , onde estava a fiscalização da Câmara do Seixal enquanto se construia clandestinamente em "dezenas e dezenas de hectares de pinhal" é que a autarquia está nas mãos de uma maioria CDU já lá vão mais de trinta anos???
_____________________________________________

Veja aqui (clique) o video sobre a zona que se pretende destruir.

8 comentários:

Anónimo disse...

Esse Jorge Silva é o homem forte do betão, como é que não sabe... se tudo isso passa por ele?

João Poço disse...

Esse senhor não tem moral para vir aqui pôr em causa pessoas que construiram a sua casa sem ajuda de ninguém, gente honesta e trabalhadora que pagou toda a vida os seus impostos e que nunca prejudicou ninguém nem lhe deram fosse o que fosse de mão beijada.

jack disse...

Afinal entendo este folclore urbanistico deste concelho e a construção de um gueto. Num pelouro da Câmara do Seixal está um vereador sem qualquer formação sobre urbanismo e ambiente e a declarar esse tipo de "postas de pescada". Pudera, com ignorantes deste calibre, como é que este país pode avançar.

Portugal de rastos

maria disse...

É mesmo verdade que um vereador utiliza esta argumentação? Mas em que país estamos nós? na república das bananas? Isto de argumentos dos tadinhos é chão que deu uvas. Queremos argumentos que melhorem a qualidade de vida das pessoas, não queremos conversa de xaxa, que esconda a pobreza das suas decisões políticas. Onde isto vai chegar...

Que Deus nos acuda

margarida vilhena disse...

Isto não se acredita mesmo, o senhor deve estar a pensar que está a governar uma colónia de TóTós e que não percebemos os esquemas.

Salvador disse...

Só para expressar a minha indignação face às declarações desse eleito. Explicasse o senhor os negócios da Câmara no Boletim Municipal e não haveria tanta desconfiança, pelos vistos bem fundamentada como a que é mencionada no artigo e no post de hoje.Parabéns pela coragem.

Anónimo disse...

O Boletim é propaganda enganadore,não é para informar, é para desinformar.

Anónimo disse...

Quem manda no PCP no Seixal é o Stalin de betão, não é o Alfredo, tudo passa pelo Stalin, até as off-shores de que nunca ouviu falar e há mais negócios escondidos...