quarta-feira, junho 07, 2006

"QUANTO VALEM OS VERDES" (?)












Foto: Num concelho Verde algures na Margem Sul

A semana passada citámos aqui excertos do artigo em título, um artigo publicado no PUBLICO, na SÁBADO vem uma resposta a essa questão dada por José Pacheco Pereira e que faz parte da sua crónica semanal "A lagartixa e o jacaré" que se transcreve o referido excerto.

Perguntava com imensa boa vontade o Público, a propósito de algumas trapalhadas internas do "partido" Os Verdes. A resposta , para além de umas preciosidades académicas, é : do ponto de vista eleitoral, nada ; para o aparelho parlamentar do PCP, bastantte. Não é uma contradição: ao manter um partido artificial, que não existe fora do PCP, o PCP consegue na Assembleia da Republica aumentar, e muito, os recursos que lhe são facultados pelo erário público. É por isso que nas listas é milimétricamente escolhido o número de deputados Verdes para garantir um grupo parlamentar, ou seja, instalações, funcionários e tempo nos debates muito superior ao que obteria se aqueles deputados estivessem nas suas listas como membros do PCP. Há alguma, escassa, vantagem marginal do disfarce, o que no PCP é genético, habituados a fazer partidos e movimentos "independentes" para tentar alargar o seu espaço politico. mas com os Verdes um ano depois percebeu-se que não viria dali nenhum voto, só sobraram as vantagens no parlamento. De graça para o PCP.

1 comentário:

P. Rocha disse...

Pouco muito pouco, talvez nada.