sábado, março 18, 2006

GRAFITTI E ESPAÇOS VERDES 2

Nem na praia, nem numa zona protegida (Arriba Fóssil da Costa de Caparica), conseguimos fugir da criatividade imposta, da "arte" que quer se goste quer não, quer se pretenda ver quer não, temos sempre que nos confrontarmos com ela.



De forma imposta, vandalizadora do construído e da paisagem que é de todos, e do direito à paisagem que a todos assiste , é uma "cultura" do rasca, de um terceiro mundismo e de um ajoelhar da sociedade perante algo que esta deveria punir e pôr cobro pelo que constitui de desafio perante as instituições, o Estado e a natureza.

2 comentários:

Martin Salvador disse...

É indiscutivel que se pode considerar um atentado ambiental.

Anónimo disse...

Por acaso conheço bem a zona ...
Então digam-me o que está lá a fazer um muro em ruínas no meio da zona protegida ?
Não faz muito sentido pois não ?

Se não houvesse muro, não havia grafitti