segunda-feira, novembro 05, 2007

O MILAGRE DA ROSA



Quando era criança ficava fascinado com a história da Rainha Santa Isabel e com a sua capacidade de transformar pão em rosas, em Setúbal fico fascinado também, mas com o milagre do Vale da Rosa e com a capacidade que a autarquia - agora nas mãos de uma "Santa" - tem, de transformar um clube de futebol falido e mal gerido , num clube "sem problemas financeiros" ...

Antigamente os pães transformados em rosas para continuar a alimentar o povo, transformam-se hoje, no que antigamente consideravam uma forma de alienação popular, como é diferente agora o "pão" que alimenta o povo e que sendo necessário não se transforma em rosas, mas em votos no seu feminino regaço...

Se não estivesse em caso o ordenamento de uma cidade e a qualidade de vida dos seus cidadãos, assim como o património natural que deveriamos passar às próximas gerações, ficaria deliciado com esta fantasia dos tempos actuais, mas o caso é grave, e para além de grave vergonhoso, só demonstrando o desrespeito que estes autarcas e esta força politica (PCP-Verdes) têm pelo património, ao mesmo tempo que se deslumbram pelo lucro fácil e aplicado discricionáriamente.

As declarações da autarca à Agência Lusa são escandalosas num Estado de Direito, citando a senhora no despacho da Lusa publicado na imprensa :

"Logo que o Plano de Pormenor seja ratificado, o Vitória de Setúbal terá condições para resolver os problemas financeiros que se têm vindo a agravar nos últimos anos"


Como pode ser este o móbil e a razão de ser "imprescindível interesse público" arrazar com centenas de sobreiros para construír centenas de apartamentos, um centro comercial e um novo estádio de futebol??? .. .

... Sendo tudo isto desnecessário???

6 comentários:

ex-militante disse...

Foi para lá porem uma santa milagreira que correram com o Carlos Sousa?

Filipe de Arede Nunes disse...

Confesso que gosto do Vitória. Confesso que adoro futebol.
No entanto, desanima-me que à custa da paixão das pessoas se crie espaço para mais uma vez ceder perante o interesse dos privados face ao mais importante interesse publico. Só existindo este respeito é possível viver verdadeiramente a democracia. Este projecto dever-nos-ia envergonhar!
Finalmente, o que me deixa mais triste de tudo é o Vitória daqui a meia duzia de anos voltar a estar como está hoje.

Anónimo disse...

Que os Misteres PIN da Economia e do Ambiente eram uns frouxos nestas matérias não era novidade para mim (são uns fantoches nas mãos do Chefe).Mas, do da Agricultura esperava outro comportamento...
Está aberto o caminho para acontecer o mesmo na Princesa...

Luis Eme disse...

Também gosto do Vitória e de futebol, mas já chega de atentados à natureza!


Se calhar para o Municipio de Setúbal não chega...

Anónimo disse...

Sr. Filipe Nunes, o que o devia deixar mais triste, assim como a todos nós, não é o que vai acontecer a um clube de futebol, mas sim as negociatas com os privados em prejuízo do Estado e logo assim de todos nós... de resto, o futebol resume-se a uma bola e 22 pessoas a correr atrás dela. Não representa valores, princípios e nem contribui para o bem-estar de ninguém a não ser para alguns afortunados que têm mais jeito para chutar... mas jeito, também, têm os artistas do circo e ganham uma miséria. A classe política, da qual o Sr faz parte, preferiu construir estádios em vez de hospitais ou creches ou investir em algo que tivesse como retorno o bem-estar dos portugueses. Olhamos para o panorama dos políticos que reinam nas Autarquias e Governo e o que vemos é gente que não faz a mínima ideia do que é governar, sem visão a não ser a visão de servir-se do estado e favorecer os amigos.

Não quero insinuar que o Sr é igual aos outros, mas actualmente tenho muito pouca esperança na classe política, ou seja nas pessoas que por ai andam....

Anónimo disse...

"(...)Parte dos incêndios registados revelaram indícios de mão criminosa, comunicados à entidade competente – a Polícia Judiciária. Pedro Fonseca revelou, durante a conferência que estão em curso 50 inquéritos relacionados com incêndios florestais no Núcleo de Investigação Criminal de Setúbal da PJ. Estão ainda a ser investigados 34 casos de incêndios em residências e edificações e 45 casos de incêndios em viaturas (que muitas vezes ocorrem em zonas florestais, desencadeando incêndios de maiores proporções). Desde o início do ano foram detidas pela PJ três pessoas e constituídas arguidas outras 32, por suspeita de envolvimento em incêndios com carácter doloso.(...)"

in:http://www.jornaldobarreiro.com.pt/?lop=n_artigo&op
=c4ca4238a0b923820dcc509a6f75849b&id=
c348616cd8a86ee661c7c98800678fad