sexta-feira, novembro 23, 2007

GRAFFITI E DEGRADAÇÃO URBANA (1)



Estamos práticamente a meio do presente mandato autárquico , nestes dois anos acentuou-se na margem sul a degradação quer do espaço ambiental, quer do construído de uma forma que começa a ser perigosa para o dia a dia das populações com um crescente aumento da insegurança e da criminalidade.

Nos espaços naturais o que vemos acontecer é assustador, antevê-se mais 72 hectares de pedreiras a céu aberto para o concelho do Seixal sem que se requalifiquem as saibreiras abandonadas e em exploração como aqui analisámos há dias, ao mesmo tempo, zonas ambientalmente privilegiadas como é a Flor da Mata viram arder mais uma vez grande parte da sua área, ser arrazada outra parte (duas faces da pressão urbana, para não dizer outra coisa) e ainda, mantém-se, quase um ano depois, o depósito em céu aberto das sobras das obras de alargamento da A2, sem que aquela zona de reserva agricola tenha sido reposta.

Quanto aos espaços urbanos eles estão cada vez mais degradados, há centenas de construção nova que não se vende, zonas antigas muito degradadas e desertas e por todo o lado encontramos quer nos espaços naturais quer nos urbanos uma forma de vandalismo urbano que alguns, incluindo autarcas, insistem em chamar de "uma arte de intervenção social" , a definição é do Boletim Municipal do Seixal nº445 .

As autarquias da margem-sul estão a proteger uma vertente urbano-depressiva em detrimento de espaços harmónicos, e de qualidade, continua a mesma publicação:

"Os graffiti tanto incluem mensagens de natureza reivindicativa como uma simples dedicatória. É um mundo que todos vêem, mas que nem todos são capazes de perceber.Há nos graffiters uma necessidade de marcar as paredes com a sua identidade, mesmo que dissimulada pelas linguagens que partilham entre si"

Devo reconhecer perante a publicação oficial do concelho do Seixal, paga pelos contribuintes que, sou daqueles que " não são capazes de perceber" que tenha de haver tolerância, e mais do que isso admiração e reconhecimento para quem de uma forma gratuita transforma o espaço que é de todos e que deve transmitir harmonia, numa banalidade agressiva , que incomoda e que transmite insegurança, que danifica propriedade privada e publica e que faz perigar a vida de outros, nomeadamante quando vandaliza sinais de trânsito ou informativos.

Se os autarcas , como os do Seixal são dos iluminados "capazes de perceber" o que a maioria da população não consegue e logo, não tem uma politica de limpeza do espaço urbano transformado em "arte urbana", ao menos não deveria utilizar meios publicos para promover essa minoria que transfora à sua maneira o espaço urbano , e muito menos fornecer tintas e festivais da dita "arte" , pelo menos enquanto da mesma forma não fomenta a recuperação do património histórico e construído da grande maioria dos que "não são capazes de perceber"!

11 comentários:

Anónimo disse...

Chamam arte a essa trampa que é pata não terem que limpar ou pintar por cima e para vivermos convencidos que é progresso.

outsider disse...

Trata-se de uma questão bastante complexa: Por um lado existe genuinamente alguma arte em algum Graffiti, por outro a natureza e regras do género "artístico" são dadas à intervenção sob a forma de vandalismo.

Entendo que nem todo o Graffiti será mau. Concordo no entanto que não se deve tolerar o mesmo quando estamos perante fenómenos de vandalismo e ou de terrorismo visual. A CMS pode e deve usar a estratégia de integração para tentar "civilizar" os graffiters. Já é mais perigoso o integrar como corrente mainstream da cultura de subúrbio.

Bons grafos... especialmente se forem para dizer mal da CMS

António disse...

Estes senhores que andam a promover festivais, concursos de graffiti no Seixal e inclusive a fazer publicidade do dito evento na SIC Noticias deviam era olhar para as paredes dos prédios do concelho, existe alguns que junto ao passeio estão completamente pintados com estas porcarias de tags ou graffiti. E não me venham dizer que são coisas diferentes.....um tipo pinta o prédio e na noite seguinte passam por lá uns animais que resolvem pintar as paredes de novo, mas desta vez com a sua marca como se fossem animais e necessitassem de marcar território....

O problema é que os ditos senhores camaradas já não vivem junto do proletariado, agora vivem em vivendas e condomínios fechados onde não é permitida a entrada do povinho.... assim tb eu achava que este é o melhor concelho do país para se viver!

www.jsdseixal.com disse...

Caro Ponto Verde,

"Se os autarcas , como os do Seixal são dos iluminados "capazes de perceber" o que a maioria da população não consegue (...) "

A JSD Seixal, e os seus autarcas não têm a mesma visão que têm os Comunistas nesta matéria:
Somos contra qualquer pintura de murais e prédios.

Seja por parte de juventudes partidárias (como faz a JCP em muros do nosso concelho) ou por grafiters em locais indevidos.

JSD SEIXAL

www.jsdseixal.com disse...

AJUDE A JSD SEIXAL NESTE NATAL A DAR A QUEM MAIS PRECISA, POIS O NATAL É DE TODOS, E PARA TODOS.

www.juventudeseixal.blogspot.com

www.jsdseixal.com/blogs

Anónimo disse...

Bom bom são os GRAFITIS que fazem nos Outdoors da JSD.......

Anónimo disse...

Com o comentário anterior se vê quem são os "verdadeiros democratas". Mas tb nada de admirar vindo de saudosistas de Estaline

Anónimo disse...

É pena que o autor do blog tenha deixado de prestar atenção tão repentinamente à questão da linha de muito alta tensão que pretendem instalar em Almada.

O semanário Notícias de Almada acrescenta na sua edição de hoje contributo muitíssimo interessante à discussão nesta matéria. Esta história do parecer positivo da Junta de Freguesia da Trafaria (PS) ao traçado que a REN quer impor tem muito que se lhe diga. Será por isso que o tema do blog mudou para ... graffitis?

Anónimo disse...

ÉS MESMO REACCIONÁRIO!!

Marta Guerreiro disse...

O Graffiti – Arte Urbana, para muitos de nós ainda é considerado um simples acto de pintar uma parede, com intuito de vandalizar. A verdade é, que cada vez mais há artistas a praticarem este tipo de arte ou simplesmente a inspirarem-se nela para enriquecer os seus trabalhos, desde o design gráfico à moda.

Assim sendo, gostaria de o convidar a aparecer dia 16 de Junho do corrente ano, pelas 18horas na Biblioteca da Universidade Nova de Lisboa, Campus de Caparica, para a inauguração da Exposição/Intervenção/Debate Terroir Graffiti.

E partilhe da sua opinião!
Pois, poderá participar no debate que reúne artistas, investigadores no campo das ciências sociais, juristas e outras individualidades que trabalham sobre o tema da Arte Urbana.

Poderá também usufruir de uma exposição que integra uma dimensão extramuros, onde um Writer será acompanhado na sua actividade por uma equipa de filmagens que produzirá um documentário, outra intramuros que consiste na pintura de um mural do Campus de Caparica e uma terceira indoor, instalação efémera de artes plásticas.


Local: Biblioteca UNL no Campus de Caparica – Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa
Data: 16 de Junho a 11 de Setembro de 2009
Horário: 16 de Junho a 19 de Julho, 2.ª a 6.ª, das 09:00h às 20:00h.
20 de Julho a 11 de Setembro, 2.ª a 6.ª, das 09:00h às 17:00h.
Tel. 21 2947829 / 21 2949677

Para mais informações: http://biblioteca.fct.unl.pt
http://bibliotecaunl.blogspot.com/

Como cá chegar:
http://www.fct.unl.pt/candidato/como-chegar-a-fct

Anónimo disse...

Muito boa tarde, primeiro gostaria de começar com uma simples questão, voces conseguiriam fazer esta arte de vos dessem latas de tinta pa mao? muitos de voces claro que nao, trampa??? sinceramente so pode ser uma pessoa inculta, esta arte é feita desde o imperio romano, e graças a revolução contracultural em frança podesse expandir novamente esta arte mundialmente por isso nao digam que a ARTE URBANA e uma trampa, segundo ponto, uma coisa e haver adolescentes sem escrupulos e sem educação inventarem graffitis so pa dizer "eu escrevi numa parede, e tem o meu nome", vou so acabar com um promonor, deveriam estabelecer locais adequados aos verdadeiros artistas ja que nao querem as paredes rabiscadas como dizem, nao reclamem quando nao tem o direito de o fazer, arrajem locais para esta arte.

Cumprimentos Boa tarde