quarta-feira, novembro 15, 2006

PORQUÊ NEGAR? OU QUAIS OS INTERESSES DA NEGAÇÃO ?














Há estudos, muitos, relatórios, imensos, dados estatisticos, "palletes" deles. É aliás consensual no meio ecologista e cientifico - não querendo misturar as coisas para desde já não ferir susceptibilidades - que há já dados substanciais que apontam para que ocorram alterações climáticas (clique), nas quais o homem não é só mero espectador , mas causador.


Os dados que estão na mesa revelam que há um padrão que permite considerar que se se mantiverem as tendências actuais há, generalizada a ideia, (dentro da referida comunidade) de que tudo aponta que as alterações climáticas vão no sentido de um aumento da temperatura global. Uma das grandes causas apontadas, grosso modo, são a libertação para a atmosfera de gases com efeito de estufa.

Certas ou erradas, estas previsões , para muitos alarmistas, têm recomendações , que farão todo o sentido , verifiquem-se ou não as consequências para onde apointam, reduzir a delapidação de recursos e a destruição da natureza , quer numa perspectiva global, quer numa perspectiva de conservação (clique) da própria espécie, caracteristica básica em qualquer ser vivo.

Os relatórios existentes e que defendem um reequilibrio do actual estado das coisas, o que defendem é que perante determinadas possibilidades (mesmo que se não venham a verificar) , há determinadas orientações que farão todo o sentido, emtermos de sobrevivência ou de uma melhoria ou sustentabilidade da qualidade de vida.

Que se acautele por exemplo, a ineficiência energética (de forma a gastarmos menos e melhor as fontes de energia não renováveis), não delapidarmos a este ritmo, a floresta, os recursos hidricos, os solos considerando que em Portugal um dos factores que para isso mais contribuem é o desordenamento do território (clique), a pressão e expansão urbana (clique) e o turismo não sustentado, e por outro lado temos que em Portugal, acautelar a erosão da nossa costa , salvaguardando o que é erosão natural e a provocada pelo homem com sobreocupação populacional de muitas zonas.

Parece ser natural que se acautelem situações que potencialmente podem ocorrer, como se fazem edificios com estruturas que respondam a ondas sismicas, na hipótese de ocorrer algum tremor de terra. Os estudos mais recentes, nomeadamente o relatório Stern ou o trabalho de divulgação de Al Gore (clique) , é nesse sentido que vão. Um sentido que prevê alterações do comportamento das sociedades actuais, do consumo desenfreado e muitas vezes desnecessário, o uso e abuso e dependência urbana do automóvel , a entrega a construtores civis cujo unico fim é o lucro , de muitas zonas naturais a preservar e onde constroem espaços para morar, mas perfeitamente inabitáveis e profundamente desumanizados de raiz.

O que não se compreende é que perante estudos que orientam a sociedade de consumo actual para trilhos mais sustentáveis e equilibrados para a existência de futuras gerações (clique) para além das actuais, muitos se dediquem exclusivamente a pôr em causa a validade destes estudos (clique) - (aqui clique) e (aqui) -, ignorando de todo a sua valia e o seu objectivo de melhor ambiente e melhor qualidade de vida, mesmo que se não verifiquem as premonições que no limite se prevê poderem vir a ocorrer.

13 comentários:

nunocavaco disse...

Nenhum dos cépticos discorda de que o homem altera o planeta, o que discordamos é a forma de combater a isso. Poupar energia, produzir de modo mais limpo, não gastar recursos é correcto mas o mais correcto é mudar o nosso modo de vida.

Ninguém nega as alterações climáticas, elas existem, existiram e existirão sempre porque o sistema climático é dinâmico, no entanto um aquecimento global, medido de forma duvidosa e que é da ordem das décimas de ºC, num período de 150 anos não prova que existe aquecimento e muito menos que este é rápido.

O sistema capitalista é predatório, admite até guerras para usurpação de recursos, esse sistema é que tem de ser combatido e substituído por outro que respeite o ambiente para bem da nossa espécie.

Pensar Global e Agir Local é mais uma manifestação da globalização que tanto tem destruído o planeta.

Ruca disse...

Esta é brilhante : "Pensar Global e Agir Local é mais uma manifestação da globalização que tanto tem destruído o planeta."

Aliás, na linha do mesmo autor com : "O Rui Moura é um cientista que toca na ferida, que nos alerta para as verdades incovenientes e o que afirma ou explica deve merecer da nossa parte reflexão."

Ou seja é um céptico, porque não há segundo ele dados concretos que o convençam do aquecimento, mas parece bastar uma opinião para se convencer do contrário!!!

Ou seja, o Rui Moura põe o dedo na ferida e na verdade incómoda, e os restantes são uns palhaços p.e. Luisa Shmidt, Sorumenho Marques, Stern...Agência Europeia de Ambiente...Nações Unidas...

nuno cavaco magister disse...

NUNO CAVACO DIXIT:

"Se calhar até tenho mais habilitações para falar sobre isso do que alguns dos nomes que referiu, se calhar."

Paulo Silva Magister disse...

"Este ponto escreve sobre o que não sabe e depois sai disparate..."

" Este Ponto Verde "travestido" não sabe mesmo o que diz!"

" pois o que lhe interessa é "bater" na CDU..."

"Ponto Verde, você teima em dizer disparates... Não apresentando qualquer ideia, limita-se a ser caceteiro em relação às autarquias CDU! Como não estou habituado a discutir com pessoas vazias de ideias, entendo não valer a pena responder..."

"Quanto ao senhor Ponto Verde quantas vezes ganhou umas elições neste concelho?..."

"Senhor Ponto Verde, o seu comentário demonstra o tipo de pessoa que o senhor é! Bem como o vazio de ideias e a sua falta de argumentos! Para si quem não é doutor não tem valor."

" Senhor Ponto Verde não se faça de ingénuo, à falta de argumentos, o senhor passou a desconversar..."

Ponto Verde disse...

Nuno Cavaco, Mestre em Ciências da Terra, Paulo Silva Advogado, ambos autarcas, ambos militantes do PCP... Brilhantes opinion makers, é como quem diz, "cada tiro , cada melro"

Assim com opiniões tão doutorais de gente "formada", bem que prefiro a formação do Vereador do Urbanissmo, agora que o senhor Dr.Paulo Silva me fez relembrar quem era.

É que a um serralheiro mecânico não se pode, de todo exigir bom urbanismo (ver comentários sobre o artigo MST) . Já dos senhores, tão doutorandos esperava-se mais!!! É que não basta andarem carregados de livros...

António Santos disse...

Mais uma vez se demonstra que o ponto verde só sabe desconversar, levou um baile do Paulo Silva sobre o MST e agora atira para o ar para afastar as atenções! Sobre o Metro não conseguiu rebater um único dos argumentos apresentados pelo Paulo Silva e a seguir caiu no ridiculo sobre o Jorge Silva.

Caparicano disse...

Creio que é unânime a necessidade que o Ser Humano tem actualmente de preservar o melhor possível os seus recursos (água, solo, ar, energia, etc.), sob pena de os esgotarmos e deixarmos as gerações vindouras em claras dificuldades.

O aquecimento global é real, embora o clima seja algo de muito variável. Por enquanto, preocupam-me mais os efeitos locais da política dos homens, do que propriamente o aquecimento global.

Anónimo disse...

"O sistema capitalista é predatório" E o sistema comunista??? Já olhou para os desastres ambientais na Rússia!?!?! Deixemo-nos de tretas, qq sistema apenas procura o domínio e nunca o bem-estar da humanidade! Usam diferentes meios para atingir os mesmos fins!

nunocavaco disse...

Segundo o último anónimo não podemos fazer nada porque que qualquer regime é predatório. Está bem.

O caparicano, pessoa que prezo afirma que o aquecimento global é real. Eu não digo que não apenas gosto de trabalhar com valores e o valor apontado é extremamente baixo e registado em 150 anos. O que acho é que querem fazer negócio.

Quanto ao ponto verde, o sr. continua a copiar comentários dos outros e a inserir os mesmos sem contexto, isso é feio.

Ponto Verde disse...

O senhor Nuno Cavaco é senhor de muitas certeza e outros tantos enganos não tenho mesmo mais nada para fazer que lhe dar importância e andar a copiar os seus comentários.

O que é feio é processar uma ideologia em que a cegueira é mestra.

Anónimo disse...

É evidente que o ponto verde "PROCESSA" ideologias... E de forma cega... Sendo para isso um mestre em desconversar e evitar o debate de ideias. Mas para processar precisa de um advogado... E daí se explica a sua fixação no Paulo Silva!

Ponto Verde disse...

Há quem por aí apareça com teoria de serralheiro cívil, se é o próprio, só pergunto de vai dar a cara por projectos privados ,mais uma vez no Forum Imobiliário?

Anónimo disse...

O serralheiro é "civil" ou "mecânico"? Ou será que o ponto verde está tão desorientado que já não diz coisa com coisa... Tadinho...