sexta-feira, novembro 10, 2006

METRO SUL DO TEJO - AS INDEMNIZAÇÕES!!!














Querem trazer para aqui, mais construção escudando-se num Metro que impedem de pôr nos carris.

Era legítimo e de esperar! Segundo o Diário de Noticias (clique) de hoje, a empresa concessionária do Metro Sul do Tejo negoceia com o Estado as indemnizações compensatórias pelo atrazo na entrada em circulação desse meio de transporte.

E Agora Dona Emília?

Pagamos todos, nós cidadãos contribuintes...MAIS!!! E porquê? Pela sua incompetência e teimosia? Por orientação do seu partido? Por determinação do colectivo que domina a autarquia???

De nada serve fazerem campanhas do género "Contra o aumento de impostos" ou " A Saúde é um direito, não um negócio", quando depois nos metem em negócios lesivos do Estado que somos todos nós (os que pagam impostos!!!) a pagar!

De nada serve este tipo inconsequente de slogans enquanto alegremente, ao fazer "politica" se obriga a pagar mais do que o necessário do Orçamento de Estado ou das contrapartidas negiociadas para cobrir um investimento inicial de 350 MILHÕES DE EUROS e que devia já estar nos carris a servir a população há cerca de um ano! (já não falo da propaganda feita à custa de uma mentira...) . Um projecto que relembre-se, está parado por deliberação da Assembleia Municipal de Março de 2004, dois anos e meio depois de se terem iniciado as obras.

Entretanto a Siemens cumpriu o contrato para a construção das 24 (VINTE E QUATRO) composições, que não foram oferecidas... e que se encontram agora fechadas numa garagem em Corroios.

Esta situação, a par do prejuízo financeiro, significa um prejuízo para os cidadãos triplamente penalizados.
- Por um lado, são penalizadops ao serem privados de um meio de transporte que potencialmente e fisicamente já existe.

- Por outro lado são penalizados ambientalmente por este ser um meio de transporte não poluente que em muito ajudaria à melhoria da qualidade do ar e à mobilidade (uma mobilidade , ou falta dela que vai obrigar à construção de um novo hospital) retirando automóveis de circulação.

- Para terminar, e como se estas duas penalizações não bastassem, vão ter que ser ainda os cidadãos (Estado) a suportar os encargos extra com as indemnizações que agora estão a ser negociadas.

Como é que isto pode passar impunemente num regime democrático sem que ninguém seja responsabilizado? (continua).

1 comentário:

DÊ-ÉNE disse...

O valor do investimento inicialmente previsto - 350 milhões de euros - está desactualizado, disse a mesma fonte, que se escusou a adiantar o valor da derrapagem no projecto.