sábado, novembro 04, 2006

SEIXAL - LIBERDADE? EXPRESSÃO?


















_________________________
________________











No Seixal lida-se mal com a opinião discordante ou diferente, basta ver os comentários a muitos dos nossos posts para ter uma ideia do tom e da boçalidade reinante, outra hipótese mais didática e hilariante até será assistir a uma sessão de Câmara, com os elementos da maioria a assumir posturas de longe mais divertidas e surreais, que uma actuação dos Gatos Fedorentos.


O resto não é mais acessível, nem divertido, trata-se de divulgar informação escrita para além do Boletim Municipal, na imprensa regional (controlada) , ou até a participação com propaganda de rua no palco democrático do espaço urbano, por cidadãos e por outras forças politicas tão legitimas e democrátricamente eleitas e fazendo parte do espectro politico como as que assumen o poder... não fosse a blogosfera em crescendo e diriamos estar em plena ditadura informativa.

Serve isto para denunciar os sitemáticos atropelos à liberdade de expressão perpretados por entidades devidamente identificadas como uma junta de freguesia, e outros que actuam "covardemente a coberto do anonimato e da noite".

Dos primeiros recebemos queixa de populares da Flôr da Mata que lutam na defesa daquela zona protegida (clique) , alertando para aquela questão legal e moral e que vêm os seus cartazes sistemáticamente destruídos , outra vitíma deste vandalismo anti-democrático é a JSD / PSDque vê também sistemáticamente a sua propaganda ser destruída por todo o concelho.

Isto enquanto por parte do partido sustentáculo da maioria autárquica permanece durante todo o ano propaganda por exemplo à Festa do Avante, ou não é retirada a propaganda utilizada em período eleitoral, para além dos cartazes que durante todo o ano estão por todo o lado, em cada cruzamento, em cada esquina... sem já falar na marcação territorial da bandeira (clique) da (antidemocrática e ditatorial) ex. União Soviética na Quinta da Atalaia e tão visivel como o Cristo Rei em Almada, se isto não é uma imposição de opinião única , o que é então?

13 comentários:

ex-militante disse...

É a ditadura do proletariado ao serviço da ditadura do betão e seus lacaios na Câmara.

António Santos disse...

O conteudo deste post é ridiculo e só demonstra a boçalidade do ponto verde. Pelos vistos o PCP está proibido de ter uma bandeira no seu terreno... O Salazar tinha igual pensamento. O único cobarde aqui é o ponto verde que escreve os disparates que entende encoberto pela internet, e isto faz-me dar razão ao escrito de Miguel Sousa Tavares no expresso de 28 de Outubro.

Ponto Verde disse...

O que incomoda o senhor António Santos ao ir ao ponto de confundir "alhos com bugalhos" ?
- Se o senhor acha legitimo aquela bandeira ridicula no seu objectivo de marco de conquista, o que diria se um partido de cariz nazi puzesse uma bandeira na sua propriedade?

Quanto ao que apelida de disparates, não o serão tanto... a julgar pela forma como o incomodam... e pelos vistos estã bastante bem documentados.

Quanto ao Sr Sousa Tavares ainda bem que admira e respeita as suas posições espero que acate também as suas opiniões em relação ao modelo de desenvolvimento assente no betão, à corrupção que denuncia nas autarquias, o conluiu com os construtores civis...

Sobre o anonimato a sua opinião é irrelevante, tanto quanto para todos os que nos lêm , que por acaso são muitos como tão bem sabe, a propósito já reparou que estou a fazer algo que o senhor e outros não têm a capacidade intelectual de fazer, ou seja, discutir ideias e opiniões próprias!!! Aliás já ponderou que o seu nome pode e muito possivelmente é , não anónimo...mas inventado?

citando miguel sousa tavares disse...

Ainda bem que o senhor António Santos aprecia a escrita de Miguel Sousa Tavares, veja o que este publicou no Publico 29/04/05:

"É sabido o que penso (à parte as honrosas excepções, pelas quais tenho sincera admiração) sobre o geral dos autarcas portugueses: são o maior mal democrático que o país tem que suportar. Em trinta anos de roda livre, deram cabo da paisagem urbana, desordenaram o território, cometeram os maiores atentados contra o ambiente e a preservação das zonas protegidas, mancomunaram-se com empreiteiros, clubes de futebol e investidores imobiliàrios sem escrupulos para tornarem Portugal um país mais feio, mais degradado, mais inviàvel.

Nada escapou à sua cobiça ou à sua ignorância, não houve nem há dinheiro que jamais lhes chegue,gastando sem pudor nem vergonha numa proliferação de obras sumptuárias que que custam dez vezes o que custariam a um particular, de rotundas idiotas semeadas de horrendas estátuas da autoria do primo, do cunhado ou do compadre (Setubal, Évora,Lagos!), enquanto deixam por fazer aquilo que não se vê mas que mais necessário é à qualidade de vida das populações.

Basta olhar para todo o litoral , de Caminha a Vila Real de Sto.Antonio, para perceber que nada lhes chega, nada os detém, nada os sacia.Não há erro que lhes sirva de emenda, não há horror que os envergonhe , não há escândalo que os assuste.

Enquanto houver um metro quadrado de costa por destruir, uma reserva agricola por semear de vivendas, uma àrea protegida por urbanizar, eles não se dão por satisfeitos.Para isso precisam de mais anos no poder, precisam da eternidade. Por isso estão tão indignados que alguém queira removê-los ao fim de doze anos, contrariando a vontade, que presumem sempre imutável, das populações locais.

E presumem bem: é justamente porque o caciquismo e a dependência que facilmente instalam no seu circulo de poder garantem a sustentabilidade do voto que a limitação dos mandatos autárquicos constitui uma reforma urgente e higiénica."

comunicado divulgado à imprensa disse...

Comunicado de Imprensa




O respeito por todas as formas de pensamento politico, apanágio das sociedades modernas, democráticas e de direito, que se verifica em toda a sua plenitude na aceitação pacifica da diferença de ideias e de ideologias têm sido recentemente posto em causa no nosso Concelho.
As estruturas de propaganda politica da JSD Seixal têm nos últimos dias sido alvo de bárbaros ataques quer ao seu conteúdo material, quer à sua própria integridade, pondo em causa a livre expressão do pensamento político, uma das maiores vitórias de Abril.
A par da destruição, nada casual das ditas estruturas de propaganda, e do o furto de algumas (5 estruturas roubadas) outras ocorridos anteriormente, a própria sede do PSD e JSD Seixal tem sido reiteradamente alvo de actos de vandalismo, nomeadamente na sua fachada, através de pinturas diversas.
A JSD Seixal, por meio da sua Comissão de Politica, veementemente lamenta e critica a destruição dos seus meios de expressão e a brutal ofensa à probidade de um partido que também nasceu com a revolução democrática.
A JSD Seixal questiona, porque motivo apenas os muppies da JSD são alvo destes ataques destrutivos, sendo que existe propaganda politica de outros partidos que se encontram em locais contíguos aos dos da JSD e a que felizmente nada acontece.
A JSD Seixal alerta para o facto de estes ataques se terem dado um pouco por todo o concelho reconhecendo que é no mínimo estranho sucederem apenas nas estruturas da JSD, concluído assim que é nitidamente um ataque a um partido político em questão, e não um simples acto de vandalismo.
A JSD Seixal é uma organização pacifista, democrática e popular, que aceita a diversidade de pensamento e a diferença de opiniões.
A JSD Seixal tem lutado por uma outra forma de ver a realidade do nosso Concelho, mas sempre com respeito pelas instituições existentes e pelos outros partidos e formas de organização social e cultural.
A JSD Seixal repudia desta forma todos e quaisquer actos de violência quer sobre a sua sede, quer sobre todas as suas estruturas, que têm sido praticados ao longo dos últimos dias, e peremptoriamente afirma que nada a afastará dos seus propósitos e que continuará a transmitir, sob todos os meios que tiver ao seu alcance, a mensagem do respeito pela diferença e dos princípios democráticos.


O Presidente da Comissão Política JSD Seixal

Carlos (Brocas^) disse...

Caro Ponto Verde, o seu comentário no meu Blog de 31 de Outubro só hoje apareceu porque o wordpress o terá considerado invalido. As minhas desculpas apesar do ser uma questão que me apesar de me ser alheia eu poderia ter tido mais atenção.

Um Abraço,
Carlos

Anónimo disse...

O Ponto Verde limita-se a revelar factos reais do nosso municipio.

Cada vez é mais dificil viver no Concelho do Seixal, e o facto de o Ponto Verde manter a sua identidade em anonimo só o ajuda. Conheço muito boa gente por fazer oposição a esta camara que viram os seus carros com vidros partidos e pneus furados.

O que é certo é que é muito dificil fazer politica no nosso municipio. Esta aos olhos de todos que as estruturas da JSD foram TODAS vandalizadas, enquanto as do PCP nao sofreram nada de nada, quando se encotravam a 2 metros das da JSD. Estranho não é?

Marco António disse...

O 25 de Abril não passou no Seixal... Não há liberdade de expressão! A Censura é feita com tinta branca em vez do lapiz azul

Filipe de Arede Nunes disse...

Chegará o tempo em que a politica seja apenas uma forma de expressão do pensamento democratico e leal. Aquilo que tem acontecido às estruturas da JSD espalhadas pelo concelho do Seixal é um verdadeiro ataque aos valores do pós 25 de Abril. A coberto da noite, vandalos organizados têm perpetuado diversos ataques contra a propaganda de organizações contrárias à actual politica neste concelho. O facto de se verificar com a propaganda dos moradores da flor da mata e com os muppies e outdors da JSD pode ser apenas mera coincidência, mas não é essa a opinião de que partilho.
Com certeza que não nos vamos calar, e não serão estas brigadas organizadas que nos vão impedir de expressar livremente o nosso pensamento.

O Presidente da Mesa do Plenário da Secção da JSD Seixal.

Filipe de Arede Nunes

cidadao disse...

Agradece-se ao A-Sul a divulgação dos esforços de um movimento de cidadãos não alinhados com qualquer força politica, na defesa da natureza, defesa essa que está consignada na Constituição da República e nas leis do municipio através do Plano Director Municipal.

É então de estranhas o empenho do PCP e da autarquia em urbanizar uma zona que o PDM diz ser para preservar para as futuras gerações, pela sua valia ecológica.

E ao mesmo tempo, tudo o que fazem para dificultar a informação da população. Como não o fazem, somos nós, comunidade que fazemos essa informação circular, e óbviamente tem que ser durante a noite, senão , há quem de seguida retire todos os cartazes ou panfletos, o que ocorre , senão no dia seguinte, pelo menos nos dias seguintes. Não é isto estranho???

Os cartazes artesanais que colocamos são também imediatamente retirados ou destruídos (também recolhidos por viaturas e funcionários da Junta de Freguesia da Arrentela) , tal como era feito no tempo do FASCISMO!

O Ponto pode ser anónimo, mas as fotos e os factos têm a assinatura da verdade.

Marlene disse...

É lamentável que ainda exista este tipo de acções anti-democráticas. Mas não é de estranhar, visto que no seixal vivemos num "regime" comunista! Sim, porque qualquer um dos (poucos) países onde ainda subsiste o comunismo, não há qualquer tipo tolerância. Isto só vai ter fim quando tirarem a CDU do poder!

Pina Martins disse...

Quero deixar aqui o meu agradecimento ao Ponto Verde por ter publicado as fotografias dos nossos outdoors. Estes ataques á democracia feitos por anónimos aos nossos outdoors, não são mais que incentivos para continuarmos com mais força a fazer politica e mostrar as nossas ideias.

O Presidente da JSD Seixal
Miguel Pina Martins

HKT disse...

Esta concelho, vive da imagem e da propaganda. Esta é uma verdade que ninguém questiona. A imagem difundida por um Boletim Municipal, que de tanto transmitir a "voz do dono" se transformou num verdadeiro pasquim pago por todos os munícipes. Lutar contra a máquina de propaganda instalada é arricar no mínimo, ser acusado de "querer protagonismo". Ora, o protagonismo dos grupos de cidadãos, dos bloggers, da JSD ou ... é incómodo para uma maioria comodamente instalada no poder desde há 3 décadas. É que o protagonismo dos cidadãos que agem simplesmente na defesa dos seus interesses pode danificar uma imagem laboriosamente construída por assessores de imprensa pagos com avenças milionárias, e de visitas de Estado rigorosamente controladas para passar a imagem pretendida pelo poder local instalado.