sexta-feira, novembro 17, 2006

DO LOCAL AO GLOBAL



Há pelos vistos por aí quem professe que o lema "Pensar global, agir local" é mais um perigoso lema "capitalista"...pois é o lema que por aqui nos norteia desde o inicio considerando que as grandes incidências globais são em grande parte, somatório de actuações locais.

Uma das orientações que os planos contra as globais alterações climáticas é tão só, parar a deflorestação e o aumento de àrea construída, nesse sentido há regras de protecção que pelo Sul do Continente - curiosamente quem mais sofrerá com as alterações climáticas e com a previsivel desertificação- não funcionam , e continua-se a dizimar floresta, particularmente em Portugal a um ritmo percentualmente superior ao da Amazónia.

Ele há regras...bem definidas, mas sempre contornáveis ao sabor do tráfico de influências e da corrupção instalada ao nível das autarquias, veja-se o que o El País noticia em Espanha e veja se conhece algo de parecido : "Durante os últimos cinco anos, os clubes de futebol espanhóis ganharam nada mais de mil milhões de euros só com as requalificações urbanísticas de terrenos que possuem" ... e também no El Mundo (clique) claro que em Portugal fazemos ainda melhor, determinado clube de futebol não possuía nenhum terreno em determinado concelho, então, requalificou-se umas largas dezenas de hectares de terreno ... para primeiro instalar lá o tal clube (um que volta e meia tem dirigentes a contas ou com o fisco ou com a justiça) ...e depois claro construír!!!

Isto para dizer que as tais regras, os PDM, os Planos Regionais, as Redes Natura, as Reservas Agricolas, as Reservas Ecológicas...que têm como objectivo preservar o ambiente e defender de situações que localmente contribuem para o fenómeno das Alterações Climáticas, são , por mais que os grandes do Mundo apregoem o contrário...sistemáticamente desrespeitadas pela ralé da politica alojada parasiticamente no aparelho de alguns partidos e que em alguns lugares pretende ser confundida e ter o respeito que merece a maioria dos autarcas.

Veja-se nas imagens acima a Flôr-da-Mata em Pinhal dos Frades , um local no Seixal, protegido no PDM como "Mata e Maciço arbóreo" , "zona de interesse ecológico a preservar" ( ...) e onde a Câmara do Seixal pretende, beneficiando interesses imobiliários escondidos por detrás de offshores e cedências de posição betonizar mais uma vasta àrea, deflorestando inclusivamente espécies protegidas como o sobreiro e pondo em causa uma zona húmida e florestal por excelência.

10 comentários:

João Afonso disse...

LEMBRAM-SE DO PONTO VERDE VIR ELOGIAR A CIDADE DO CINEMA?
Aí está a resposta:
A discussão do tema “Projecto da Cidade do Cinema” na última reunião pública da Câmara Municipal do Barreiro veio, afinal, por a nu, que toda esta “realidade” do Projecto Cidade do Cinema, nunca foi mais do que isto – uma ideia.
Ou, talvez, com mais rigor político, foi um bluff, lançado em vésperas eleições autárquicas – assim como uma espécie de um projecto para uma geração.
O PS, na Câmara, nunca elaborou qualquer “candidatura”, nem elaborou qualquer “dossier” conceptual, nem o assunto terá evoluído para além desta vertente – “é uma ideia”.
A CDU está a acompanhar um “menino-ideia que lhe puseram nos braços”, um menino-ideia que nasceu antes de tempo, sem condições de se alimentar e que está metido numa “encubadora” a ver se desenvolve e passa do estádio de “menino-ideia” para, mais não seja, um “menino-conceito”.

Do “menino-ideia” a “ideia-nado morto”

Naturalmente, qualquer barreirense deseja que este projecto âncora se desenvolva no Barreiro.
Acredito que Carlos Humberto tudo fará para que este projecto, se tal for real, se instale no Barreiro.
Acredito que Emídio Xavier alimentou esse sonho e tinha essa vontade, mas, certamente, as portas nunca se abriram.
É tempo, afinal, de não brincarmos com este assunto.
Tudo isto continua ser apenas uma “ideia”.
Mas, se este assunto, está a ser usado nestas guerrinhas de algibeira, com o objectivo de se concluir quem sai derrotado, quem capitaliza ou perde politicamente, caso se conclua que o “menino-ideia” passou a “ideia-nado morto”, então, o melhor é tirar já o “menino-ideia” da incubadora e fazer-lhe um funeral com dignidade.

Um “filho-ideia” apenas “gerado intelectualmente”

O debate na reunião de Câmara foi a demonstração, nua e crua – é apenas uma ideia!
Fazer disto uma guerra entre os “bons” do PS, que lutaram por uma ideia e os “maus” PCP, que não desenvolvem a ideia, em nada, de certeza, ajudará a retirar o “menino-ideia” da incubadora.
Ou fazer deste processo, um confronto de derrotas e vitórias, que o PS tudo fez e PCP nada faz, fica-se com a sensação que é, afinal, tudo muito pequenino.
Mas, se pretendem capitalizar derrotas e vitórias, pelos factos, então, o PS já está a sofrer uma grande derrota, com o Projecto Cidade do Cinema.
Mais, o PS já perdeu, e, sem dúvida, continuará a perder e perderá tanto mais, quanto mais tentar responsabilizar a CDU, de não ter criado um filho que não fez.
Por outro lado, é, afinal, cada vez é mais evidente que este “filho-ideia”, não passou de um filho apenas “gerado intelectualmente” fruto de um amor platónico.

Um grande filme a preto e branco

Esta história do Projecto Cidade do Cinema faz lembrar aquela velha história do Galo que queria ser Pavão…ou então a outra história do menino que gritava : “Olhem, o “Rei vai nu!”
Afinal, quando será que no Barreiro conseguiremos começar a viver no Século XXI, com filmes a cores, e novas tecnologias e deixamos de fazer estes filmes a preto e branco?
E, já agora, se esta “ideia” tem algumas pernas para andar unam-se as vontades politicas porque o Barreiro exige este “compromisso municipal”.
Se não tem pernas para andar…registe-se a patente : Foi uma boa ideia! E, todos, acreditamos que não foi por mal.
Todos sabemos, de há muito, que de boas ideias está o inferno cheio…

António Sousa Pereira
Pois é Ponto Verde, mais uma vez foste desmascarado, e provou-se que o que escreves não passam de mentiras!
Mas mentiroso como és, ainda vais acabar por defender a cidade do cinema para a Ponta dos Corvos...

ex-militante disse...

Sobre os filmes que o Senhor anterior parece não gostar, veio a correr pôr um longo copy-paste, a ver se cortava o diálogo que por aqui costuma ser fértil. Mais do que a cidade do cinema interessa-me o filme do Ponto Verde, excelente e acho que diz tudo sobre o planeamento urbano da CDU. Vá agora João Afonso, ponha lá mais um copy paste sobre a ultima reunião dos PÊCÊS Estalinistas do Mundo que é para abafar mais esta boca.

Ponto Verde disse...

Citando o que João Afonso cita, pois não terá ideias próprias:

"Naturalmente, qualquer barreirense deseja que este projecto âncora se desenvolva no Barreiro.
Acredito que Carlos Humberto tudo fará para que este projecto, se tal for real, se instale no Barreiro.
Acredito que Emídio Xavier alimentou esse sonho e tinha essa vontade, mas, certamente, as portas nunca se abriram."

Parece que há mais gente que acha uma ideia a considerar, tal como na Moita consideram o tal de "Parque da Lusitaniedade" ... a ideia que considero boa, parece que não passou de uma ideia... e o que tenho eu a ver com isso??? Se calhar o que tem a ver com a não concretização foi a mudança de gestão para quem não teve a ideia???

Eu gostava era ver o João Afonso, homem do Seixal a falar sobre o que denuncio na Flor da Mata e na instalação do Centro de Estágio... mas isso não interessa , não é?

Anónimo disse...

~Então, o senhor Carlos Humberto tb mentiu pois até se reuniu com representantes do investidor.

Conclusão:

Ladrão,
Tanto é o q vai à horta
Como o q fica à porta

Anónimo disse...

E, já agora, senhor Afonso não chame à colação o senhor presidente da JML muitas vezes, não vá o diabo tecê-las...

ex-militante disse...

Este é o tipo de discussão, com casos polémicos concretos em que "o rei vai nu" que não interessam ao senhor Dr.Paulo Silva ou a Nuno Cavaco, então destacam o centurião ou seu pseudónimo para o fazer. Primeiro com a manobra de diversão do Barreeiro e depois com a covarde retirada dos comprometidos.

Assim se vê também a "folha" que querem fazer ao tal serralheiro que por pura hipocrisia veio a terreiro "defender".

Anónimo disse...

Casos polémicos' Só se for o embuste da cidade do cinema que o PS tentou "vender" no Barreiro antes das ultimas eleições autárquicas. É evidente que o Carlos Humberto, que brilhantemente derrotou o embuste do PS (Para o Ponto Verde o Carlos Humberto também não têm canudo e derrotou o licenciado Emidio Xavier) tinha de verificar se a cidade do cinema não passava de "banha da cobra", e o desenrolar dos factos provaram que o PS, e quem os apoiou -como o Ponto Verde- não passavam de embustes que mentiram descaradamente aos eleitores.
Assim se prova a superioridade moral dos comunistas!

ex-militante disse...

"Veja-se nas imagens acima a Flôr-da-Mata em Pinhal dos Frades , um local no Seixal, protegido no PDM como "Mata e Maciço arbóreo" , "zona de interesse ecológico a preservar" ( ...) e onde a Câmara do Seixal pretende, beneficiando interesses imobiliários escondidos por detrás de offshores e cedências de posição betonizar mais uma vasta àrea, deflorestando inclusivamente espécies protegidas como o sobreiro e pondo em causa uma zona húmida e florestal por excelência."

Citando o fervoroso PÊCÊ anterior:

"Assim se prova a superioridade moral dos comunistas!"

E a superioridade moral de Carlos Sousa? Foi por essa superioridade moral que foi retirado do cargo...e o vereador do urbanismo de Setúbal ?e...

Anónimo disse...

Para este "ex militante" não sei de quê, mas que demonstra apenas ser um anticomunista primário, o PCP é que tem culpa de tudo, até das unhas encravadas... Estes pseudo ambientalistas deviam-se ter preocupado com as zonas húmidas quando fizeram um loteamento clandestino na Flor da Mata, e construiram por cima das linhas de água... Destruiram sem preocupações ambientalistas e agora vêm agitar a bandeira da ecologia? Falta-lhes autoridade moral para isso...

Anónimo disse...

Quero ver a superioridade moral quando os Barreirenses descobrirem que foram levados a votar Na Transparência e Na Participação por alguèm que não faz a mínima ideia do que isso é.