quinta-feira, novembro 16, 2006

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E EUROPA


















Aquecimento Global não é ficção científica...
Kofi Annan - Secretário Geral das Nações Unidas.
___________________________________________________

Chegar ás primeiras páginas não é garantia de importância. Mas por vezes, as primeiras páginas justificam-se. As alterações climáticas não são uma questão de moda : trata-se do nosso futuro. Politicos, empresas, familias, cidadãos - todos aqueles que têm interesse no futuro sabem que é necessário actuar agora para gerir os problemas de amanhã (...).


A "solidariedade" surge por vezes como um conceito vago; mas a luta contra as alterações climáticas é neste momento o exemplo de solidariedade mais consistente que esta geração pode mostrar à geração seguinte (...).

Sabemos que o nosso planeta aquece ao ritmo mais rápido de sempre e que a espécie humana é a maior responsável pelo fenómeno.Todos podemos sentir os efeitos .Eis alguns exemplos: Desde 1995 registaram-se os 11 anos mais quentes desde 1850; recuo rápido da maioria dos glaciares do planeta: derretimento acelerado nos últimos anos.

A análise do Professor Stern sobre os aspectos económicos das alterações climáticas publicada em 30 de Outubro de 2006. Indica com grande clareza os elevados custos da inacção.Porém estes custos não são só económicos (...).

É difícil não parecer alarmista ao abordar a questão da alteração climática e do aquecimento global; pelo que pela minha parte, prefiro confirmar a nossa determinação quanto ao modo de actuar. É óbvio que para enfrentar as causas e os efeitos das alterações climáticas são necessárias mudanças essenciais (...).

A luta contra as alterações climáticas merece um lugar no topo da lista das prioridades da UE. A Europa tem ideias, tem experiência e tem também a visão necessária para promover melhorias reais. temos decisões dificeis pela frente, que implicarão seriamente cada cidadão europeu.

José Manuel Durão Barroso Presidente da Comissão Europeia in PUBLICO 16 Nov 2006 (excertos).

12 comentários:

Anónimo disse...

Já estou a ver que o passo seguinte do ponto verde é defender a energia nuclear, tal como o fez, o "grande lider" Durão Barroso...

Ponto Verde disse...

Não, amanhã analisaremos como a Câmara do Seixal gere os espaços protegidos no PDM como a Flor da Mata, e relembrar mais uma vez as negociatas, os off-shores, as compras no timing de terrenos que mudam o seu uso do solo... esse á o passo seguinte.

Mas devem pelo Seixal estar muito tristes com o grande líder desportista amigo que ficou só com as paredes ... o pobrezinho que não tem nada em nome próprio e que até sem os tapetes ficou...

AV disse...

Ainda não apareceu aqui o opinador banheirense a repôr a verdade dos factos sobre o clima?

nunocavaco disse...

Pois mas o Durão Barroso a semana passada defendeu a energia nuclear. O alarmismo que o Durão Barroso fala deve ser igual ao lançado por ele na questão das armas de destruição maciça no Iraque.

O mais engraçado é que pelo menos um grupo de pessoas começa a questionar e o resto é conversa. O Clima como parte do ambiente deve ser assegurado por políticas sérias e não por mentiras de políticos como o Sr. José Barroso, que deveria ter vergonha de sugerir o nuclear aos países.

Ponto Verde disse...

O que o senhor Cavaco defende é a continuação da politica de betonização da Margem Sul, a impermiabilização dos solos,para alimentar a Construção que por sua vez alimenta Câmaras falidas como aquela que tão bem conhece e as vizinhas.

Agora só faltava o papão do Nuclear (que fique claro, sou contra) ,a sua opinião é meramente folclórica e irrelevante, deu-lhe para ali,antes do partido lhe dar orientação sobre isso e é o que se vê.

O que me preocupa na Margem Sul, é mais uma ponte para alimentar Betão, alcatrão e automóvel.

É não haver NENHUM investimento em energias renováveis, compare com a Margem Norte onde há já vários Parques eólicos a funcionar, até se vêem da Vasco da Gama... nem é preciso is pela A8.

É não requalificarem a Siderurgia por exemplo numa central solar fotovoltaica, que como sabe permite constituir -se como sorvedouro de carbono se forem plantadas gramidias por baixo dos painéis.

Preocupa ver os Patos bravos dominarem as máquinas camarárias e a gestão do território.

É isso o que me preocupa e o que defendo, e o que é que a suposta coligação ecologista farsante que o elegeu defende?

nunocavaco disse...

O que diz que defende é defendido pelo Partido Comunista Português. Aliás o P.C.P. e os Verdes são os partidos com mais propostas na Assembleia da República na área do ambiente e do ordenamento do território. O que você não percebe, ou não quer perceber é que Portugal não tem rumo e não vai ter enquanto estas políticas de direita se façam.

Já escrevi por várias vezes que o modelo de financiamento das autarquias é errado. Os critérios de finaciamento deveriam ter em linha de conta os espaços verdes, a introdução de energias não poluentes. O governo mudou a lei das finanças locais e o que fez? Cortou verba e depois anunciou uma medida sobre o IRS, ficamos pior, deixando para as taxas do urbanismo um belo quinhão no financiamento das autarquias.

Por outro lado, os planos portugueses são uma anedota. Relativamente ao Ordenamento:

primeiro fizeram-se PDM´s, depois PROT´s e só depois o PNOT o que contraria a nossa lei. Fez-se a casa pelo telhado. Deveria ter sido feito o Plano Nacional depois os Regionais e só depois os Municipais.

Percebe. Está tudo mal, está tudo ao contrário e nós temos de jogar po mesmo jogos dos outros, com a agravante que são eles (PS, PSD e CDS-PP) quem faz as regras.

Mudemos isto, mas mudemos mesmo.

P.S. não compare a margem norte com a margem sul, porque é muito pior.

Ponto Verde disse...

Entendemo-nos, mas só uma dúvida, porque é que sendo o PCP contra, se aproveita dos mesmos mecanismos que critica e pretende alterar?

Isso transcende-me, a mim que não sou eleito.

Transcende-me também autarcas responsáveis pelo urbanismo dinamizarem projectos privados, e da mesma forma, ver boletins municipais pagos pelo erário público a fazerem propaganda a esses mesmos projectos imobiliários...Capitalistas! Direccionados para altos poderes de compra...(isto passa-se no Seixal e com autarcas CDU, militantes PCP... e Boletim Municipal do Seixal )

André Santos disse...

Será pior?
Uhm...olhe que não, olhe que não...

o josé disse...

Seria necessária alguma coragem, ou antes, falta de medo, para decidir agir de acordo com o correcto, em vez de optar pelo tradicional "fechar os olhos" ou o escudar em teias de interpretação que aproveitam as ambiguidades da lei. Há no país precedentes que demonstram actos de coragem semelhantes; em que foi vencido o medo de agir de acordo com o que sabemos estar certo, e em que cidadãos e entidades não se deixaram subjugar pelo rendilhado de manobras "legais", que permitiriam a dominação de interesses meramente capitalistas que resultam em mais construção desordenada. A seguir, exemplos de acções passadas que travaram a canibalização de zonas de reserva agrícola nacional:

http://www.agroportal.pt/x/agronoticias/2006/10/31e.htm
http://www.pgr.pt/portugues/grupo_soltas/pub/difusos/16/caso-2.htm
http://ecosfera.publico.pt/noticias2003/noticia3998.asp

Apelo aos nossos autarcas para seguirem estes exemplos de coragem. Pela margem sul, pelo país.

pato bravo disse...

Esse senhor Nuno Cavaco é um cromo. Então já não vamos ao PNOT, aos PDM's, aos PP... então na maioria dos caso onde se aplicava o velhinho Regulamento Geral de Edificações Urbanas, da responsabilidade das Câmaras...Almada...Seixal... que cabia às autarquias fazer cumprir...mas a troco de uns trocos para o fiscal se fosse coisa pouca...para mais alguém se fosse coisa de monta... e logo ali se construía com mais volumetria, com mais altura, com três prédios onde só caberiam , pelo GGEU, dois...

Vai-me dizer que não é verdade? Vai-me dizer que ninguém nesta rede de corrupção primária era do PCP? que não dependia da Autarquia?

A malta não é parva sô Nuno!

Caparicano disse...

No caso do financiamento das autarquias, as taxas de urbanização são um mito. Mais construção implica obviamente mais serviços e infra-estruturas públicas. Lá se foi o dinheiro das taxas...

nunocavaco disse...

Não é bem assim caparicano.