quinta-feira, julho 13, 2006

VERDE














Aquilo que significa para muitos a frase "um planeta verde" , ou desenvolvimento sustentável... livre de IRS... não é?

3 comentários:

salvador disse...

Toda a razão, felizmente que acabou o futebol para se discutirem temas "menores" como o futuro do planeta, o ambiente sustentável, a qualidadede vida da população...claro que nada disto é tão importante quanto as Férias de Ronaldo, a reconciliação de Simão ou a cabeçada de Zidane...

Também a consulta Publica do Plano de Pormenor da Flor da Mata foi secundarizado no meio de tanto Futebol, claro que não foi por acaso, claro que a autarquia sabe o que faz e quer evitar que se fale, quer tanto evitar que no Boletim Municipal não deu espaço para mostrar sequer o projecto que se É assim tão Nobre" porquê tanto secretismo e tantas transacções off-shore pelo meio, e tanto protocolo secreto???

Ou muito me engano ou isto cheira a esturro. Bom trabalho aí pelo Pinhal , vê-se que não ficaram adormecidos pelos penaltys defendidos por Ricardo...

Alfredo Silva disse...

Retirado do website regiaodesetubalonline.pt


PS contesta projecto para Flor da Mata
O Partido Socialista do Seixal vai pedir uma audiência ao presidente da câmara, Alfredo Monteiro, para manifestar a sua oposição ao projecto de construção de um bairro social com 198 fogos na Flor da Mata.

Na próxima segunda-feira termina o prazo para a consulta pública do Plano de Pormenor e os socialistas querem impedir a câmara de «cometer um erro urbanístico grave». De acordo com Fonseca Gil, presidente da concelhia do PS, a autarquia pode estimular o mercado de arrendamento para casais jovens – o conceito defendido para a Flor da Mata – através da recuperação de casas devolutas existentes no concelho. «Não precisa de construir bairros que, pela sua concentração e sem infra-estruturas, serão focos de instabilidade social», refere o presidente da concelhia, para quem «há já demasiadas experiências negativas deste modelo».

Para os terrenos da Flor da Mata, Fonseca Gil propõe a construção de um «centro de lazer e cultura» dada a proximidade à auto-estrada e ao futuro IC32. «Está em curso a revisão do PDM pelo que é o momento ideal para adequar o local ao interesse público e colectivo dos habitantes do concelho», refere.

O PS também questiona eventuais «interesses cruzados entre os proprietários dos terrenos da Flor da Mata e os proprietários dos terrenos do Vale da Jamaica» e acusa a câmara de, com a aprovação deste Plano de Pormenor, «não resolver nenhum problema social, mas sim beneficiar a especulação imobiliária que se esconde atrás das empresas off-shore sedeadas em paraísos fiscais». Para Fonseca Gil, este processo «é tudo menos transparente, até pelo facto de, estranhamente, não estar disponível qualquer certidão do prédio para consulta». Em seu entender, a câmara do Seixal «tem andado a dialogar com uma empresa quando o proprietário é uma off-shore».

O Plano de Pormenor da Flor da Mata prevê a construção de 198 fogos ao abrigo do Contrato de Desenvolvimento Habitacional (CDH), vulgarmente conhecido como habitação de custos controlados, mas desde há vários anos que o projecto é alvo de críticas por parte da população. Desde que se soube da intenção da câmara de retomar o processo que circula um abaixo-assinado contra as intenções da câmara que, segundo a Rede SemMais apurou, conta já com cerca de 1.500 assinaturas.

O documento exige que o presidente da autarquia abandone o projecto, sob pena de «destruir os habitats naturais, a fauna e a flora selvagem» numa área definida no Plano Director Municipal (PDM) como mata e maciço arbóreo, ou seja, onde deveria ser interdita qualquer edificação.

Há cerca de um mês, o vereador do Urbanismo prometeu realizar uma sessão de esclarecimento com a população mas, até à data, nenhuma iniciativa foi convocada. Contactado pela Rede SemMais Jorge Silva explicou, através da assessoria de imprensa, que «esta semana» seria remetida uma informação escrita à população da Flor da Mata e Pinhal de Frades. A apresentação pública do projecto «ainda não tem data marcada», acrescentou.

Recorde-se que o processo da Flor da Mata está a ser investigado pela Polícia Judiciária por suspeitas de negócios ilícitos em torno da venda dos terrenos e da ausência de concurso público para a adjudicação da obra.

césar lopes disse...

Com toda a consideração pelo PS, mas contestação em audiência, pf????? Se o Sr.Fonseca Gil não tem na máquina partidária quem lhe escreva, disponha este fim de semana do meu fraco pretoguês(cada um dá o que pode).
Com que então, o projecto da CMS datado de 20.01.2005, será apresentado à população depois de consumada a alteração da lei do solo(aprovado que seja o plano de pormenor)...belo exemplo da politica maravilha da democracia participativa dos factos consumados.