sexta-feira, julho 07, 2006

MOITA - PDM DE SEGUNDA GERAÇÃO OU PDM DO BETÃO?













João Lobo - Mais um autarca na linha da betonização da Margem Sul, mais um clone de Maria Emilia (Almada) ou Alfredo Monteiro (Seixal), quem precisa do betão para sobreviver ? O que é comum a todas estas autarquias? Aceitam-se apostas!

Sobre a revisão que parece ser escandalosamente gravosa para o ambiente do PDM da Moita, mais uma autarquia CDU- VERDES que em nada põe em prátrica as promessas eleitorais e a vontade dos cidadãos, citando agora alhosvedrosaopoder:

Um Projecto de novo PDM simples, claro e objectivo: com um fito claro!
Mas afinal, quais são as ideias mestras que o Projecto de novo PDM encerra? Muito simples:

§ Faz-se crescer o Solo Urbano do Concelho em mais cerca de 460 hectares, com mais e mais áreas de Solo Urbano Habitacional Proposto e e mais áreas de Solo Urbano para Usos Múltiplos Propostos, para grande gáudio dos cobradores de Licenças de Construção, de IMT e IMI, com os cofres camarários a sorrir, e a Administração Central a poupar nas transferências de verbas,

§ Desanexa-se com precisão cirúrgica para fora de REN Reserva Ecológica Nacional uma meia dúzia de áreas somando centenas de hectares, que certos investidores haviam comprado nos últimos anos de forma totalmente “desinteressada”, em plena fase de elaboração da Revisão do PDM, para grande gáudio dos amigos alquimistas do solo, daqueles que costumam comprar a tostão e vender a milhão,

§ E faz-se um alarido enorme em torno da defesa da permeabilidade dos solos e da protecção dos aquíferos, com alargamento da REN a mais cerca de 900 hectares, quase todos colocados numa zona só, a Várzea da Moita (da Barra Cheia, dos Brejos da Moita, do Rego de Água), para desgraça “que se danem” de umas quantas centenas de pessoas do campo, moradores e proprietários agrícolas e pecuários sem grande peso nem eleitoral, nem sobretudo económico ou de “lobby”.

Mais simples, não podia ser.

E eficaz tampouco, pois com a conversa da protecção ambiental e com o alargamento considerável da REN, tudo parecia indicar que ninguém haveria de “topar” as desanexações de REN “à maneira” noutros lugares, nem a desenfreada reclassificação de 460 hectares de solo rural como novíssimo solo urbano, gratificante em tantos azimutes.

Só haveria lugar para aplaudirmos e gritarmos todos “hossanas” a um Município tão bom e com um novo PDM tão verdinho e ecológico! Certo?
Não, infelizmente não!

7 comentários:

farto_de_maria_emilia disse...

um exercicio interessante que chegou a ser feito como trabalho final de curso na minha faculdade, foi a de com base na legislação elaborar de raiz a cartografia da ren para um concelho. depois comparar a carta da ren final com a presente no pdm do concelho. neste caso como era de esperar a área presente no trabalho era muito superior à existente no pdm. pelos vistos essa mancha cada vez mais tende a desaparecer com a desculpa que é demasiado restritiva e limitadora. o nome ren engana muito, algumas pessoas nem sonham que se respeitar a ren o risco de desastre ambiental diminui muito.
depois vem o pessoal chorar que a casa esta à em risco de cair ao mar ou que tem Àgua até ao tecto.

Anónimo disse...

De comun não há uma, mas quatro coisas, o PCP, A CDU, Os Verdes e o clientelismo de toda esta gente.

jack disse...

A estratégia partidária é a mesma: como fazer €. O objectivo dos CDUs é o mesmo: €. Capital a quanto nos obrigas.

Que diferença há entre os capitalistas e o PCP? Foi para isto que se fez o 25 de Abril?
Que qualidade de vida e que desenvolvimento sustentado encontramos na margem sul?

Margem Sul do betão!

Portugal de rastos

Luis Rodrigues disse...

Depois a culpa é do PC:
"Contudo, a plataforma Lisboa Norte, que substituiu o projecto inicial apontado para a área industrial do Sobralinho, previsto no plano Portugal Logístico apresentado em Maio, nascerá numa área inserida na Rede Agrícola Nacional, o que originou críticas da associação ambientalista Quercus. (...)
Entretanto, a associação ambientalista Quercus manifestou-se contra o projecto logístico, que nascerá em terrenos agrícolas facilmente inundáveis e sob os maiores lençóis de água doce. «É uma zona extremamente sensível, inserida em Rede Agrícola Nacional (RAN), que perderá toda a sua capacidade produtiva, para se tornar alvo de especulação comercial», acusa Carlos Moura."
UM VERDADEIRO ESCÂNDALO, MAS COMO A IDEIA NÃO É DE UMA AUTARQUIA DO PC, o Ponto Verde e os amiguinhos calam-se... O que demonstra que neste blog os objectivos não são ambientais, mas apenas de anticomunismo!

Salvador disse...

O suposto Luis Rodrigues, homónimo do deputado do PSD do Seixal, é um básico.

O que quer dizer com a sua afirmação? Só os PRÓ-Comunistas é que têm razão nas suas opiniões sobre o ambiente?

Se não se fôr PRÓ- Comunista, logo se é ANTI-Comunista e então as opiniões não têm validade?

Se este blog trata da MARGEM SUL, porquê insistir em trazer para aqui problemas COMUNS (A MERDA É A MESMA, com a diferença que aqui há menos liberdade e mais coacção)da Margem Norte?

O Senhor Rodrigues é mesmo BÁSICO!

Este blog é mesmo anti conunista, tão anti comunista que aqui publicou um texto assinado por Nuno Cavaco, um destacado Militante e autarca COMUNISTA.

Anónimo disse...

o Salvadorzinho não amandes areia para os olhos da malta, que já não vamos em cantigas, o que o Luis Rodrigues -gosto da preocupação com o nome - demonstra é que o que move este blog não são os interesses ambientais, mas sim o ataque às Câmaras PC, e que para isso abusam de pseudo ideias ambientais... Assim se vê quem é o básico... Quanto à MERDA fala por ti, que possivelmente tambám moras em Gaia!

Anónimo disse...

Vejam as Mentiras Sociais da Câmara do Seixal em www.pinhalfrades.blogspot.com