sexta-feira, dezembro 05, 2008

SEIXAL , OS NÚMERO$ ...DO BETÃO


Há em Portugal , concelhos do Litoral apostados não na sua qualidade de vida e conservação ambiental sustentável (pensando no futuro das presentes e próximas gerações) , mas sim em urbanizar e construír no imediato o mais possível, isto na medida inversa em que são delapidados valores natutrais fundamentais . OSeixal é um desses concelhos!

No passado dia 26 de Novembro o Vereador da Câmara do Seixal pelo P.S. Samuel Cruz, editou no seu blogue Rumo a Bombordo , com públicação, suponho , na presente semama no Jornal Comércio do Seixal e Sesimbra, o texto que pela sua importância e necessidade de divulgar ao maior número de leitores , aqui se replica . Passo a citar :




O tema que vos trago aqui hoje não é novidade para quem me ouve com alguma regularidade, o caos urbanístico, o excesso de construção e a consequente perda de qualidade de vida da população do Seixal. Aliás para quem nunca me escutou tal também não será novidade, tal realidade certamente saltará à vista, mesmo do mais distraído. Se não, pense porque é que os cuidados de saúde que lhe prestam não são os que merece, porque é que os seus filhos não têm a escola que deviam, porque é que os transportes públicos não o levam onde deseja ou o local onde vive não dispõe dos espaços verdes que lhe prometeram…

Tudo isto, no concelho do Seixal tem um nome e uma razão de ser, e essa razão é o mau ou, em certos casos mesmo, inexistente planeamento urbanístico. E assim foi, e ainda é, porque a maioria PCP/CDU que governa o nosso município há mais de trinta anos, há falta de bem saber gerir, criou um monstro com infinitas necessidades nutritivas (entenda-se uma máquina municipal que consome em despesas correntes e nos mais variados folclores e fogos de artificio todos os recursos de que dispõe).

Ora para alimentar este gigante que se chama Câmara Municipal do Seixal, a solução encontrada foi a emissão de papel-moeda autárquico, e esta emissão de papel-moeda consiste nada mais nada menos que emissão de alvarás de loteamento, licenças de construção, Planos de Pormenor, e toda uma panóplia de instrumentos que, mais ou menos legalmente, permitiram transformar um concelho rural no inicio da década de 70 do século passado, com menos de 40.000 eleitores, num subúrbio descaracterizado com cerca de 200.000 habitantes hoje em dia, uma das maiores taxas de crescimento demográfico do nosso país portanto.

Ao mesmo tempo também a autarquia cresceu, e de que maneira! Se o município sobre a gestão comunista, iniciada em Abril de 1974, viu a sua população quintuplicar de menos de 40.000 habitantes para os actuais 200.000, já a máquina camarária multiplicou por 14 os seus 120 funcionários de 1974, chegando assim aos seus quase 1700 empregados actuais. Poder-se-ia pensar que o pior já passou, mas, infelizmente não é assim, temos em plena fase de desenvolvimento os empreendimentos Seixal Baía com 300 novos fogos; a Quinta da Trindade (vulgarmente conhecida por urbanização do Benfica) com mais 1516 novas casas, e isto a somar a todos os pequenos empreendimentos que todos os dias nascem como cogumelos nas nossas ruas.

Depois há ainda projectos imobiliários já autorizados pela Câmara Municipal mas ainda não executados, dos quais destaco o Campo de Golf na Flor da Mata, 196 lotes destinados a moradias, moradias em banda, apartamentos turísticos e hotel, num total de 57.375m2 de nova construção; o loteamento do Alto da Verdizela que por si só se destina a 30.000 novos habitantes, o Plano de Pormenor da Torre da Marinha com 1.200 novos fogos e o Plano de Pormenor da Siderurgia com mais 1.500 novos fogos.
Ou seja já na forja tem esta Câmara autorizados a construção de 20.000 novos fogos, com uma população estimada de 60.000 novos habitantes!

Mas para quê este desenfreado licenciamento de nova construção se só no nosso concelho há cerca de 5.000 imóveis usados para venda?

Como já disse a explicação é só uma, inexistente planeamento urbanístico condicionado pela absoluta necessidade de financiamento da Câmara Municipal do Seixal, senão pensemos, o que justifica o licenciamento de 20.000 novos fogos, quando existem neste momento cerca de 5.000 disponíveis no mercado e é indesmentível que as infra-estruturas existentes não correspondem às necessidades de quem já cá habita?


Muito provavelmente a resposta encontra-se no 1.333.038,85€ já pagos pelo promotor do novo campo de golf em taxas urbanísticas (TRIU – Reforço e Infra-estruturas Urbanísticas e RMTEU – Edificação e Urbanização) ou nos 7.576.408,02€ devidos pelo promotor da urbanização Alto da Verdizela apenas como Caução para garantia da execução das obras do loteamento.

9 comentários:

ex-militante disse...

São indesmentíveis e indefensáveis estes números. Onde param os verdes ? Onde pára Honestidade da CDU ?
Isto é um trabalho de terra queimada, quem vier atrás que apague a luz. Isto é a subserviência total ao grande capital por parte das tropas ditas comunistas.
Isto é a Máfia do Betão ao seu melhor nível.

Anónimo disse...

Números que evidenciam bem as razões do crescimento económico e conforto de alguns dos protagonistas, que só por acaso devido ao 25 de Abril de 74, entraram na política e poder local ou na área de actividades correlativas deste, enganando as populações.
É gente que não se preocupa com a defesa do ambiente nem com o bem estar social dos cidadãos.
Para tal gentinha, qualidade de vida é ter e acumular dinheiro. Como ? É secundário, mas invocam frequentemente que estão a trabalhar para o povo e na defesa dos interesses das populações.

Nestes autarcas CDU/PCP não vemos "trabalho, honestidade e competência".
Vemos trabalho desonesto e incompetência.
Vemo-los a renderem-se à "à magia do betão" geradora de lucros fáceis e especulativos para os sustentarem e lubrificar a máquina.

NP disse...

Também interessante ler este artigo para ver o problema em que os chamados Patos Bravos estão metidos, e que complementa bem este post:

http://de.sapo.pt/edicion/diarioeconomico/edicion_impresa/empresas/pt/desarrollo/1189676.html

rosalinda disse...

No Seixal não é necessária mais construção. A que está executada utrapassa largamente as necessidades e a procura. Há , como refere o Sr vereador milhares de fogos por vender.
Esta situação desregula o mercado, desvaloriza a propriedade de quem com muito custo comprou a sua casa, ínica forma de habitar decentemente.
Isto é não só matar a natureza, mas também matar a própria galinha dos ovos de oiro e arrazar os investimentos de muita gente que os fez com muito sacrifício. Obrigado Senhor Vereador também por uma outra explicação, Bem Haja.

cidadao disse...

Esta questão é denunciada há muito pela população. A incompetência do actual e do anterior vereador desta área é assustadora e tem-nos conduzido para a Brandoa a Sul do Tejo, veja-se Santa Marta por exemplo.
Mas não é só Santa Marta.
Vejam o que se passa na última fronteira, o Pinhal das Freiras e o Pinhal dos Frades , a massificação da construção em altura no que sempre foi Pinhal, campos agrícolas e habitação unifamiliar feita á medida das posses de cada um. Agora é só prédios, refiro-me a Pinhal dos Frades com os mesmos acessos com engarrafamentos constantes para o Casal do Marco.
Lembro também que foi a própria Câmara que legislou no PDM, zonas de protecção ambiental que o Povo defende mas que a Câmara quer alterar para mais construção contra o interesse da população e contra o PDM de 1993 claro.
O Campo de Golfe por detrás da ETAR, a urbanização respectiva, o Hospital e o Alto da Verdizela tudo no Pinhal das Freiras, até ao Rego Travesso , Quinta Valenciana é outro atentado ecológico. É tudo isso Zona Rede natura , acho que isso diz tudo sobre estes vendidos , sobre estes verdes melancia, sobre esta gente sem vergonha e sem palavra que nos governa e anda a vender este concelho a pataco em feiras capitalistas de imobiliário, dizendo-se eles comunistas.

Anónimo disse...

A CDU não é melhor nas autarquias que qualquer um dos outros partidos , os interesses são os mesmos, por isso não me convencem mais que são mais honestos, mais trabalhadores , pra mim CDU NUNCA MAIS. Jorge Silva, quem te viu contoleiro na Sorefame , na Cooperativa - qualquer dia conto aqui a história dessa cooperativa - e quem te vê.
É preciso uma proposta de peso do BE para o Seixal.

Anónimo disse...

Numeros arrazadores para a CDU Seixal. Senhor Monteiro tenha vergonha e demita-se, está a pôr no prego o futuro da nossa juventude.

barack disse...

A CDU perdeu a pedalada para os cidadãos da Margem Sul , a sua participação ou omissão nestes blogue é disso evidencia.
A CDU ganhava com uma geração que já desapareceu , com uma ignorância que já não existe. CDU na Margem Sul Acabou! Vamos é pensar em desenrolar o novelo de há trinta anos e como vamos pôr ordem na casa.

SIM NÓS PODEMOS!

Emanuel Oliveira Santos disse...

Um texto publicado por mim em 2005.Na altura nem o Partido Socialista nem o PCP, me pareciam muito preocupados com o crescimento do Betão:
"Há mais de trinta anos que o Concelho do Seixal é governado pela mesma força política.
Todo este tempo tivemos um crescimento em quantidade e não qualidade.
Estamos fartos do argumento de que : "...há trinta anos não havia nada no Seixal...”. Francamente, se em trinta anos não se evoluísse alguma coisa também era maus demais. Mas não se cresceu em qualidade de vida como deveríamos. As infra-estruturas que nos trouxeram alguma qualidade de vida, a nível dos transportes por exemplo, foram levadas a cabo pelo poder central: Comboios, barcos, metropolitano, etc.
Registamos isso sim um crescimento do betão que conduziu a uma perda da qualidade de vida das populações. O sentimento de insegurança alastra no concelho, o trânsito cada vez mais caótico, o crescimento da construção e o desaparecimento de espaços naturais verdes, o crescimento de torres de prédios. Será isto o tão falado planeamento?? Se é, então foi muito mal feito.Sem querer fazer comparações pedia-vos apenas um pequeno esforço, que com olhos de observador reparassem nas obras feitas por outras autarquias deste nosso país, e vissem que, muitas vezes com menos recursos, é possível fazer melhor.
Com competência, com pessoas diferentes, é possivel fazer muito melhor. É possivel muito mais qualidade de vida no Seixal."