segunda-feira, dezembro 15, 2008

GANGS OF SEIXAL



Não sei se virá a ser parte de algum percurso turístico para rentabilizar os muitos hotéis anunciados para Almada e Seixal , é possível que sim .

Falo das masmorras privadas e da guerra de gangues, revelados na passada semana pela policia e tendo como cenário o Bairro da Quinta da Princesa e da Jamaica no Seixal.


No Rio de Janeiro , há um safari turistico devidamente autorizado pelo poder local (os gangues da droga) para percorrer as ruas da maior e mais perigosa favela da cidade , a Rocinha.

Penso que sim, que não passa de diversão , de outra maneira os autarcas teriam feito declarações públicas, mostrariam a sua preocupação e tomariam medidas , ora tal não aconteceu , o que parece revelar que é para os autarcas, uma situação normal , ou pelo menos calculada como consequência de trinta anos de politicas de desenvolvimento urbano erradas , massificadoras e caóticas , para eles será normal , mas para a população a quem vêm prometendo o oposto, não o é.


A gestão cirúrgica que é feita da miséria pela Câmara do Seixal e a propaganda que a envolve, até para promover os negócios off-shore escondidos atrás de projectos de construção dita social , os guetos dos quais resultam estas consequências , ciclicamente postas a descoberto pela comunicação social , essa "gestão politica" , é desumana e abjecta , tal como agora, o seu silêncio .

Passo a citar um comentário deixado no a-sul revelador do estado de espirito dos munícipes:


«As cidades estão prontas a explodir, mas o barril de pólvora veio da gestão CDU no concelho do Seixal.

Porque não foram demolidos os prédios da jamaica? Porque não viram os fiscais municipais a construção da prisão privada no Seixal? Para fazer aquelas paredes foi preciso amassar muita massa de betão.

Aqueles prédios da jamaica que já deviam ter sido demolidos têm obras com frequência e os fiscais não vêm nada. Para que servem os fiscais da Câmara? É caso para perguntar ao Sr. Alfredo Monteiro Presidente da Câmara para que estão os fiscais a ganhar o ordenado se não fiscalizam nada. O concelho está cheio de barracas e marginalidade.

A Cãmara do Seixal deixou este concelho chegar a um estado que se está a tornar insuportável. As barracas só existem por incompetência dos serviços camararios que Alfredo Monteiro administra. É uma competência da camara o ordenamento do território que se saiba no PDM não estão previstas as barracas que estão construidas no Fogueteiro, em Santa Marta, Santa Marta do Pinhal, na Quinta da Vinha Grande,na Cruz de Pau, em Paio Pires e sítios variados. É muita incompetência da maioria comunista.

A população não pode nem vai continuar a dar a maioria a politicos que destruiram a qualidade de vida no concelho, que permitiram a degradação ao ponto de se permitir a existência de condições que permitam a construção de prisões privadas. A população tem de responsabilizar a Câmara do Seixal pelos ultimos acontecimentos criminoso no concelho.»

14 comentários:

Anónimo disse...

Hoje fui a Almada ver com os meus próprios olhos, para tirar as minhas conclusões, sem me deixar influenciar pelos vosso comentários a favor ou contra a CMA.

Fui até ao Almada Centro e vi que tiraram os carros do centro da cidade, é verdade, mas também vi o MST a circular quase vazio, as ruas com pouquíssima gente, o pouco comércio aberto quase às moscas, mesmo com as promoções da época...

Vi pouco estacionamento ordenado e muito estacionamento anárquico em cima dos passeios e em segunda fila.

Vi obras acabadas de inaugurar, já a precisar de reparação e outras mal executadas, a formar poças de água nos buracos.

Vi fontes horrorosas... a pedir demolição imediata!

Vi arranjos exteriores e monumentos de gosto duvidosos... mas que devem ter custado os olhos da cara dos contribuintes.

Vejo a cidade de Almada cada vez mais transformada num reduto ideológico dos seus autarcas.

Depois, fui ao Almada Fórum e vi os corredores a abarrotar de gente e muitos a fazer compras de Natal. O parque de estacionamento estava cheio, claro.

A cidade de Almada até pode estar mais livre para o peão, mas a verdade é que está a perder dinamismo económico a favor do Almada Fórum.

Assim, a cidade vai acabar por perder mais habitantes e mais comerciantes e o seu eixo central correr o risco de se transformar num espaço canal de passagem para acesso aos barcos de Cacilhas.

A quem interessa a morte da cidade de Almada?

E os hotéis onde vão ser construídos?

Com vista para os clandestinos da Costa da Caparica?

Com vista para os clandestinos da Charneca da Caparica?

Alguém anda com a cabeça na Lua... ou melhor no lado obscuro da Lua.

ex-militante disse...

Há medo no Seixal mas da parte da autarquia há a recusa sequer em discutir criar uma Policia Municipal.

Seixalense Atento disse...

Muita da população sabe, o trabalho realizado pelos fiscais das obras da CMS, e o próprio executivo também sabe, dessa forma é conivente.
Os Fiscais das obras servem para extorquir dinheiro, e assim fecharem os olhos, até por SMS enviam o pedido do valor a receberem.
Reparem para o nível de vida deles, não é de certeza com o ordenado que recebem.

Anónimo disse...

Pobres dos fiscais, peixe miúdo , e o peixe graúdo ? Autarcas ...Partidos esses é que são os tubarões , esses é que têm culpas no cartório.

J.A. disse...

A culpa é mas é dos doutores da Flôr da Mata que não quizeram que o bairro de Vale de Chícharos fosse para ao pé das suas casas.
Pelos autarcas e proprietários de Vale de Chícharos e da Flor da Mata , há muito que o problema estava resolvido, os doutores é que se opuseram com uma campanha de mentiras e calúnias com queixas ao mais alto nível do estado e da magistratura.
Nem deixaram que os proprietários de um terreno o cedessem para o bem de todos , só porque iam ter pobres ao pé de si.
É a esta gente superior que se têm que queixar por a Jamaica ainda existir e não dos autarcas que tudo fizeram para resolver o caso.

ex-militante disse...

Ora cá temos o J.A. porta-voz dos verdadeiros gangues , o gangue dos autarcas com capacidade para fazer alterações de uso do solo e o gangue dos patos bravos, alguns , como os que compraram o pinhal da Flor da Mata (zona protegida no PDM , onde NÂO É PERMITIDO CONSTRUÍR), cá temos os verdadeiros mafiosos locais a estrebuxar por um negócio que não conseguiram fazer.
Eles querem lá saber dos pobres, dos africanos ou dos ciganos , vejam o que fizeram na Cucena, um verdadeiro campo de concentração !
Esta é boa , então são os cidadãos que fizeram cumprir a lei e a protecção do ambiente, os culpados ?
Então,só se pode construír habitação social em guetos longe de tudo ? Parece que não se conatruíu nada em mais parte nenhuma do concelho.
A filosofia é Condomínios fechados para os ricos e guetos longe de tudo para os pobres. Se isto não é fomentar a marginalidade e os conflitos sociais o que será?
E quando põem em prática as teses do Partido no Limiar do sec XXI ? É que isto são práticas da ex URSS e não do sec XXI.
Caro J.A. (serã João Afonso ?) o senhor sofre de grave distúrbio, vá-se tratar.

Daniel Geraldes disse...

Eu sei quem aponto a responsabilidade moral desta insegurança e destes crimes violentos que aconteceram no Seixal.

Se o sr. Presidente da CM seixal tivesse vergonha, tinha-se demitido, porque se aqueles bairros continuam naquele estado a culpa é inteiramente sua, e depois a não discussão da Policia Municipal é apenas e só o autismo comunista na defesa dos seus interesses, a promoção do descontentamento.

Anónimo disse...

O trabalho dos autarcas do PCP deveria ser acabar com os pobres, criar condições para deixarem de existir pobres através de uma correcta inserção social e pelo acesso à cultura e não terem trabalhadores nas autarquias em condições de precaridade, mas tal não lhes interessa.
Quanto mais incultos, miseráveis e dependentes da autarquia, mais mais facilmente manipuláveis e mais hipóteses de votos angarisdos.
Tal como antigamente os comunas apostam na falta de cultura das pessoas e na sua dependencia do poder instalado.

Anónimo disse...

Dentro de aproximadamente um ano,vamos ter meio Seixal deserto,por via da mudança das actuais instalações para o novo edifício sede do município.Se acrescentarmos as casas já actualmente vagas e ao abandono no centro do Seixal,ficamos com um rico património que negociado em condições vantajosas pelo futuro executivo camarário,poderá ser uma solução para a integração das minorias,não as enxutando para outro gueto tipo Cucena,Haja vontade.

Anónimo disse...

Tem piada observar que a blogoesfera seixalense ligada ao pcp ignora o que se passa no Seixal. parabéns Seixal NIM e Aldeia do Campo da Bola.

Anónimo disse...

O que é que o crime fomentado pelas condições de vida , falta de emprego e falta de saídas que o governo PS tem aumentado, sobretudo nas minorias mais exploradas desde a colonisação têm a ver com a CDU ? Só fachos como o ponto-mentiroso misturam alhos com bugalhos.

mariana disse...

O Seixal parece ser uma zona muito perigosa com todos esses gangs . Prisões privadas ? Mas estamos no Iraque ? isto é muito grave, passa-se no meu país e não num enclave vermelho que ofende o primeiro ministro. Tenho vergonha de ser governada pela CDU que organiza manifs quando o estado investe imenso aqui,

Anónimo disse...

Dr. João Afonso Almeida da Silva Luz

Nasceu em Lisboa, em 23 de Setembro de 1977.

Licenciou-se em Direito pela Universidade Moderna - Lisboa, em 2002.

Em 2002, após a conclusão da licenciatura, iniciou a actividade profissional no âmbito de uma prestação de serviços na empresa ALR, Lda. – Contabilidade e Gestão.

Em 2003, após um Estágio Profissional, na Câmara Municipal de Vendas Novas, no âmbito da consultoria jurídica, assumiu diversas responsabilidades, nomeadamente, na área das relações institucionais entre os órgãos do Município, sendo responsável pelos Serviços da Assembleia Municipal de Vendas Novas.

Em 2005, passou a integrar os quadros do Município de Vendas Novas como técnico superior de 2ª classe – Jurista.

Desde Maio de 2006, exerce a sua actividade profissional como técnico superior na Associação de Municípios da Região de Setúbal desempenhando funções, nomeadamente, na área do Ambiente.

De Outubro de 2002 a Dezembro de 2006, membro da Direcção da Pluricoop, CRL, Cooperativa de Consumo.

De 2003 a 2005, exerceu funções de Presidente da Assembleia de Freguesia de Sta. Maria da Graça, no concelho de Setúbal.

De 2005 até à presente data, exerce as funções de membro da Assembleia Municipal de Setúbal e de Vice-Presidente da Assembleia Metropolitana de Lisboa.

E, desde Julho 2007, vogal não executivo do Conselho de Administração da SIMARSUL, SA.

In SIMARSUL | Relatório de Gestão e Contas | 2007

Anónimo disse...

ex-militante disse...
Há medo no Seixal mas da parte da autarquia há a recusa sequer em discutir criar uma Policia Municipal.



Em resposta ao seu comentario.
Eu moro no Seixal e não tenho medo! Andei na escola paulo da gama e so havia conflitos todas as semanas havia brigas lutas e ate ja espancaram um amigo meu que foi parar para o hospital. Mas eu nao tenho medo . Concordo plenamente que os predios da jamaica deviam ser destruidos ! Porqe desde pequenina muita gente tem medo de ir lá. Mas lá a jamaica nao ao seixal!