sábado, junho 30, 2007

CONTRADIÇÕES


Notas Soltas de um fim-de-semana de Verão.

Da leitura da imprensa dos ultimos dias aos comentários aqui deixados deparo com um universo de contradições envolvendo a força politica que domina há trinta anos em maioria na Margem Sul (portanto perfeitamente identificáveis as orientações, as opções e os resultados) , o mundo autárquico em si e também aqueles que de forma avulsa ou engagée por aqui trazem a perspectiva da defesa das tais orientações, opções e resultados.

1)

Começando pelo universo autárquico, foi esta semana apresentado um relatório sobre a situação econónica das autarquias, de onde se concluíu que 74 não conseguem cumprir atempadamente os seus compromissos, nesse universo encontram-se duas autarquias CDU da Península de Setubal, Seixal e Setúbal.

Olhando para o mapa acima vê-se que à excepção da Covilhã , todas as autarquias nesta situação se encontram na faixa litoral, paradoxalmente, a mais rica, onde mais se construíu e para onde mais pessoas foram atraídas...mas parece que esse modelo não resulta!!!

2)

A disparidade entre o programa da CDU para Lisboa e o que vem sendo aplicado na Margem Sul pela mesma CDU há trinta anos... (relembro, formada pelo PCP e Verdes) vejamos as seguintes orientações para a Capital :

-
Promover a revisão efectiva do PDM, com o maior respeito pelas componentes ambientais e urbanas consideradas no Plano ainda em vigor, garantindo a consolidação e ampliação da estrutura verde da Cidade (...)

-(...) Os loteamentos ilegais proliferam pela Cidade
. Os grandes interesses imobiliários ligados ao capital financeiro tomaram conta de Lisboa. A CDU garante que vai fazer reverter a situação (...)

-(...) Urbanismo e organização do espaço público;Trânsito, estacionamento e transportes;Habitação e reabilitação urbana;Políticas sociais activas;Ambiente;Solução para a grave situação financeira da CML, criada pela direita.(...)

- (...)Uma cidade para todos, com regras claras no planeamento, ambi
entalmente equilibrada e com base económica própria (...)

- (...)Desenvolver uma política de susten
tabilidade, reduzir a poluição e concretizar medidas de criação de novos espaços verdes e beneficiação dos existentes, garantindo o seu usufruto pela população e o embelezamento da Cidade(...)

- (...)Retomar a construção
dos “corredores verdes”.Adequar e desenvolver o Plano de Ordenamento e Revitalização de Monsanto.Instalar nos contínuos verdes percursos pedonais e vias cicláveis.Reabilitar os jardins e espaços verdes abandonados.Criar novas áreas verdes e plantar dezenas de milhares de árvores, nomeadamente nas artérias da cidade.Adoptar e cumprir os instrumentos internacionais de sustentabilidade urbana, designadamente as Recomendações das Nações Unidas, as Cartas do Rio e de Alborg e o Protocolo de Quioto e envolver a população, de modo participativo (...)

- (...)
Construir novos espaços verdes, proceder a uma efectiva manutenção de outros parques e jardins, renovar os viveiros municipais e abri-los às escolas e aos munícipes (...)

-(...)O cidadão é o primeiro destinatário das preocupações e da acção dos eleitos da CDU.As várias situações e
estádios de vida, dificuldades e agressões de que o cidadão é alvo constituem matéria de reflexão, projectos e propostas da CDU.

Ou seja, tudo bem diferente do que é por cá aplicado e também na Câmara do Seixal que tem igualmente uma "grave situação financeira"...criada não pela direita, mas pela CDU...ela mesma, quanto às opções ambientais, de cidadania e de qualidade de vida, dá para ver o quanto o Tejo nos separa! Ou o quanto é diferente a teoria e a prática.

3)

A verdadeira contradição que é a leitura da nossa caixa de comentários, em que temos que os elementos defensores das autarquias da margem sul e da sua força politica de apoio, renegam não só as promessas da CDU para Lisboa, como criticam os que na margem sul defendem aquele tipo de opções, a contenção do betão e das áreas construídas, a reabilitação em vez de nova construção, a conservação dos espaços verdes e sua ampliação (não destruição ! ) , o primado ao cidadão em vez do primado às forças, lobies e grupos económicos que têm como objectivo a remuneração dos seus accionistas e a maximização dos seus lucros.

Um partido, dois sistemas?

__________________________________






















E depois de tudo isto será que alguém ousa contestar os resultados da ultima pesquisa da DECO sobre Qualidade de Vida nas nossas cidades?

7 comentários:

Anónimo disse...

este os comunas não comentam... é a vida

manel disse...

A experiência comunista, quando poder, é a de que proclamam abundância e na prática o que promovem é a miséria.
- Já viram miséria identificar-se com qualidade de vida?

Falam também na defesa da liberdade e da democracia e o que praticam é a ditadura, a perseguição política e o terror.
- Já viram nalgum país com ditadura haver qualidade de vida?

Que queriam? que a margem esquerda do Tejo fosse exepção?

manel disse...

Desculpem lá a gralha: excepção

ex-militante disse...

E os VERDES onde estão,no Seixal ? É que se há CDU, logo coligação, logo VERDES! Onde estão?
E estão de acordo com esta decisão do Poder Central para destruir uma floresta protegida pelo Poder Local? Se não, porque não se manifetam? Se Sim, porquê?
E já agora senhor Dr. Paulo S.. perdão Dr. Paulo da Borga como é que explico ao meu filho de cinco anos porque cortaram as àrvores e porque agora a vista é para a autoestrada e para o Continente e não para a floresta ?

várzea da moita disse...

1 Partido, 2 Sistemas?
Infelizmente sim.
E não uma realidade própria deste Partido, ou daquele.
Cada vezmais me convenço que é algo que decorre do exercício do poder.
É evidente que a coisa é mais flagrante quando a proposta programática tem mel para os eleitores deserdados, e a aplicação no governo tem fel na volta para os incautos enganados.
Nós aliás há muito que sublinhamos essa dualidade de práticas, na Moita, por exemplo.
Se tiverem paciência, leiam:
Aqui
http://varzeamoita.blogspot.com/2007/04/moita-boa-e-m-governao-escurido-e.html
Isto:
..."Na Moita, parecem coexistir 2 regimes políticos num só Concelho

Esta situação é insustentável, e vem dar razão a todos os que clamam que na Moita existe uma aparente dualidade de critérios na gestão da 'res publica' no Município, onde sucessivas práticas parecem indiciar que existe na Moita 1 Concelho com 2 Regimes Políticos antagónicos,

§ Um regime de favores para meia dúzia, e

§ Outro regime de mão pesada para centenas e milhares de pessoas simples e sem poder de 'lobby'."

Zeca da Borga disse...

Para ex-militantes e heterónimos.

Não são como são as coisas vistas daí, dos vossos olhinhos de autores de brilhantes textos e correspondentes desabafos e tiradas de um anti-comunista bafiento. Mas vistas daqui, do lado de quem lê, o que é claro é que vocês têm tantas preocupações ecológicas e ambientais, como eu tenho de Cristiano Ronaldo, já que sou cego dos dois pés.

O que se vê daqui, é que vocês são um grupo de ex-comunistas ressabiados, muito bem acompanhados por sedentos candidatos a autarcas de outras cores.

A ecologia é uma treta e um pretexto para vomitarem a bílis e defenderem os vossos interesses pessoais.

E se não topam isto, é porque são - desculpem a indelicadeza - uns autênticos calhaus.

Xauzinho.

Zeca da Borga

Pedro Morgado disse...

Como explico aqui, esse estudo apresenta uma estranha forma de calcular a "qualidade de vida"...