quinta-feira, junho 07, 2007

"JUDITE" NA CÂMARA DA MOITA














uma foto :
cardo.planetaclix.pt/autarquicas/Site/moita.html

A PJ esteve esta semana na Câmara da Moita com uma operação de algum aparato.Segundo o PUBLICO:

" Uma dezena de inspectores da PJ procedeu à apreensão de material informático e de documentos nas instalações da Câmara Municipal da Moita.

Munidos de um mandado judicial, os agentes da Direcção Central de Investigação da Corrupção e da Criminalidade Económica e Financeira cumpriram a diligência ao longo de várias horas, tendo estado, entre outros, nos gabinetes do presidente da câmara e dos arquitectos Carlos Matos e António Dores, responsáveis pelo urbanismo e fiscalização.


De acordo com uma nota distribuída pela câmara à imprensa local, "os elementos da Policia Judiciária procederam a buscas no âmbito de um mandado judicial relacionado com denúncias de alegadas irregularidades na revisão do PDM e na gestão urbanistica" (...)

6 comentários:

reneé artois disse...

VIVE LA RESISTANCE!!!

Anónimo disse...

"PJ efectuou buscas na Câmara da Moita

A Polícia Judiciária (PJ) realizou no dia 5 de Junho buscas nas instalações da Câmara Municipal da Moita no âmbito de um mandado judicial relacionado com alegadas irregularidades na revisão do Plano Director Municipal e na gestão urbanística.
«Recebemos a PJ e prestámos todo o apoio que nos foi solicitado. Estamos disponíveis para colaborar e respeitamos sempre as instituições de poder», disse hoje à Lusa, João Lobo, presidente da Câmara da Moita.

Os elementos da Polícia Judiciária realizaram as buscas nos gabinetes do presidente da autarquia e de dois vereadores.

«Foi a primeira vez que isto aconteceu, mas como solicitámos ao IGAT uma intervenção no âmbito do processo de revisão do PDM era de esperar que algo acontecesse. Agora vamos aguardar pelo desenrolar da situação», referiu o edil.

Em causa estão eventuais irregularidades na revisão do PDM da Moita, o que levou mesmo à criação de um movimento de cidadãos da Várzea, que criticou as intenções do actual executivo.

O Movimento da Várzea do Moita nasceu para contestar a revisão do Plano Director Municipal (PDM) que está a ser elaborado pela autarquia desde 1996 e que em 2005 foi sujeita a discussão pública.

«Em 2005 percebemos logo que o PDM previa a passagem de 922 hectares da nossa terra para Reserva Ecológica Natural (REN), para proteger os solos, mas na nossa zona este aspecto já estava garantido», defendeu à Lusa, António Ângelo, um dos rostos do movimento.

António Ângelo explicou que mais tarde perceberam que este aumento de REN se devia à retirada desta e de outras áreas do concelho, onde o solo passou depois de rural para urbano.

«Montaram uma cortina de fumo para retirar a REN de outras áreas, onde esta era realmente precisa e depois ainda passaram o solo de rural para urbano. Os terrenos foram comprados baratos por certas pessoas e passado pouco tempo valiam alguns milhões de euros devido a uma assinatura do sítio certo», criticou.

O processo de revisão do PDM da Moita tem causado bastante polémica na vila do distrito de Setúbal e as buscas da Polícia Judiciária foram o mais recente episódio de um assunto que ainda está longe de uma resolução. "

Diário Digital / Lusa

07-06-2007 18:11:52

Anónimo disse...

Gente de "confiança" melhor dizendo

100smog lda. disse...

visita e comenta!!! obrigado pelas visitas e pela força! eheheh passa por lá e reenvia aos teus contactos http://www.algoespecial-almadavelha.blogspot.com/ Já sabesbrevemente irá nascer algo especial em Almada Velha contamos contigo! Obrigadinho lol

Anónimo disse...

Como é que gente de Confiança é (se) sujeita a desConfiança?

Ana disse...

A corrupção que existe na CMM é repugnante ,pois não se restringe apenas ao PDM, é também extensível aos fiscais da CMM! Como é possivel que um simples fiscal, consiga comprar um terreno de 80,000,00€ e construa uma vivenda de 250,000,00€ (no concelho da Moita!!!!