quinta-feira, maio 31, 2007

BARREIRO A CIDADE DO CINEMA












Há mais de dois anos sublinhámos uma iniciativa da autarquia então de maioria P.S. no caso de ser reeleita, de instalar em parte dos terrenos da antiga Quimiparque uma estrutura destinada a produções cinematográficas, área em que Portugal poderia apostar pelas suas caracteristicas de luminosidade e clima e neste caso do Barreiro , as projecções apontavam para a criação de 3000 postos de trabalho.


Escrevi então:

"
(...) encontrado uma nova finalidade para o Quimiparque, com investidores Americanos no dominio do cinema a querer ali construir estudios de produção cinematográfica, a Cidade do Cinema, o que me parece uma boa ideia, assim se concretize.

As forças afectas ao PCP deixaram comentários como: "Mais um delirio do ponto verde, o trabalho do PS foi tão bom nestes quatro anos, que perdeu a Câmara para a CDU... Ai ponto verde, o teu delirio mental não tem cura!" (J.A.)

Posteriomente foi aqui colocado um outro
post (clique) aqui, como poderão ver dos comentários deixados pelos "mesmos" ... afinal já não era uma ideia de "atrasados mentais" , só que afinal era uma mera "promessa eleitoral"...de uma maioria que acabou por não ser eleita...que afinal, os tais delirios mentais... tinham agora novo dono, agora deviam sim ser tomadas a sério ...

Agora é o próprio Presidente eleito (PCP) da Câmara do Barreiro,Carlos Humberto, que anunciou que o concelho está mais perto de receber o projecto "Cidade do Cinema" depois de ter reunido com os promotores, o projecto vai mesmo ser apresentado à Agência Portuguesa de Investimento ( a mãe de todos os PIN's...) .

O Projecto que nas mãos dos outros era um delírio mental é agora um El Dorado no qual foi "dado mais um passo num projecto que pode trazer para o concelho 2800 postos de trabalho directos, vários estudos de cinema e uma escola superior ligada ao projecto".

A cegueira politica permite tudo, até não verem as suas próprias contradições.

4 comentários:

NP disse...

eh eh eh

Muito bem sacada esta contradição.

Será que agora os bloguistas críticos de outrora também são críticos agora da vinda de tal projecto?
Ou será que esses peões de trazer por casa que só servem para pintar cartazes e carregar bandeirolas ainda pensam o mesmo, à revelia do seu partido ?

Klatuu o embuçado disse...

E filmariam o quê? O caos urbanístico? Os netos dos operários a aderir à Juventude Nacionalista? Os drogaditos do Largo Casal? Ou as miúdas que se prostituem na Av. Bocage?

(São coisas visíveis... o analfabetismo e a corrupção são mais difíceis de dar forma «neo-realista»!
Já é muito raro aparecer pela nobre terra dos Camarros, onde ainda tenho amigos... mas sempre que passeio pelas ruas cinzentas, de gente trabalhadora e afável... só vejo coisas que me desgostam!)

Cumprimentos.

Anónimo disse...

Os comunas são atrasados mentais.

João Afonso disse...

Assento Parlamentar (CDU)
por João Afonso Luz
(Eleito na Assembleia Metropolitana de Lisboa)



O Distrito de Setúbal e a intervenção autárquica da CDU

Os resultados das últimas eleições autárquicas no Distrito de Setúbal reconfirmaram a confiança e o apoio das populações ao projecto autárquico da CDU, uma confiança sistematicamente reiterada em mais de 30 anos de Poder Local Democrático.




A opção maioritária do Povo do Distrito, no que diz respeito ao Poder Local Democrático, resulta evidentemente de uma profunda identificação com o projecto autárquico da CDU, com o trabalho realizado pelos eleitos da CDU ao longo dos tempos, com a sua forma de estar na política, com o envolvimento das populações no processo de discussão e decisão das matérias que a elas dizem respeito.



Ao longo de mais de 30 anos de Poder Local Democrático, as Autarquias do Distrito geridas pela CDU foram e são um motor fundamental de desenvolvimento regional, foram e são o exemplo de poder político próximo dos cidadãos e aberto à participação de todos, foram e são uma referência em matéria de trabalho, honestidade e competência. E o Povo do Distrito de Setúbal reconhece tais factos, manifestando em diversos momentos o seu apoio e confiança ao projecto da CDU.



Como vários estudos indicam e uma simples análise do investimento público em sede de PIDDAC (Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central) pode confirmar, o Distrito tem sido sistematicamente prejudicado, tem sido vítima de sucessivas quebras do investimento público, as populações continuam a esperar e a desesperar por um conjunto de obras da responsabilidade da Administração Central que os sucessivos Governos (PS e PSD, com ou sem o CDS) constantemente se esquecem de incluir nas suas prioridades, obras simples como: Escolas, Centros de Saúde, Tribunais, Esquadras de Polícia ou Quartéis da GNR, entre muitas outras. Aliás, sobre esta matéria seria muito interessante ver publicado o sentido de voto de alguns Deputados eleitos pelo Distrito de Setúbal em propostas apresentadas pelos Grupos Parlamentares do PCP e do PEV em sede de discussão do PIDDAC.



As Autarquias Locais, no Distrito de Setúbal, confrontadas com esta situação e fortemente prejudicadas nos últimos tempos por um conjunto de políticas limitadoras da sua autonomia e da sua capacidade concretizadora (veja-se a Lei das Finanças Locais ou o Orçamento de Estado para 2007) continuam a ser agentes do investimento público, do serviço público às populações, do desenvolvimento local, portadoras de um projecto regional consubstanciado, por exemplo, no Plano Estratégico para o Desenvolvimento da Península de Setúbal (PEDEPES) e em múltiplos projectos supramunicipais reveladores de uma estratégia regional de desenvolvimento sustentado e de progresso económico, social e cultural das populações. Foram estas Autarquias que desenvolveram uma rede de bibliotecas municipais e escolares e uma rede de equipamentos culturais, desportivos, de lazer e sociais sem paralelo no País, uma rede de saneamento básico e de abastecimento de água com uma taxa de cobertura acima da média nacional, foram estas Autarquias as pioneiras em matéria de ordenamento do território, tendo elaborado os primeiros planos de ordenamento, foram estas Autarquias que inauguraram uma forma de relacionamento e de apoio ao associativismo local e de incentivo à participação empenhada dos cidadãos.



São as Autarquias Locais geridas pela CDU que combatem as políticas de destruição dos serviços públicos levada a cabo pelo Governo PS, veja-se, por exemplo, o caso do encerramento do Serviço de Atendimento de Doentes Urgentes (SADU) em Setúbal, são as Autarquias Locais geridas pela CDU que combatem as políticas de destruição da qualidade de vida das populações, veja-se, por exemplo, o combate travado e os sucessos obtidos (nomeadamente, em Tribunal) em relação à teimosia do Governo PS em instalar em pleno Parque Natural da Arrábida a co-incineração de Resíduos Industriais Perigosos, são as Autarquias Locais geridas pela CDU que, junto com as populações, exigem mais e melhores condições de vida, mais e melhores equipamentos, mais e melhores serviços públicos, veja-se a luta travada em torno da justa exigência de construção de um Hospital no Seixal.



O projecto e os eleitos da CDU deram e continuam a dar provas de que estão ao serviço das populações e não de quaisquer outros interesses, deram e dão provas de que o lema: “Trabalho, Honestidade e Competência” não são meras palavras e têm uma tradução real muito concreta e visível na obra do Poder Local Democrático no Distrito de Setúbal.



Em matéria de desenvolvimento do Distrito, o PCP acabou de fazer a apresentação pública dos “Contributos do PCP para uma Estratégia de Desenvolvimento do Distrito de Setúbal”, onde se propõe um conjunto de medidas e projectos estruturantes para o Distrito, a inversão das políticas de obsessão com o défice que se limitam a agravar a situação do aparelho produtivo, a aumentar a concentração da riqueza, o desemprego e o trabalho precário, a degradar o poder de compra e o nível de vida dos trabalhadores e do povo, a utilização dos meios existentes para a construção de um Distrito de Setúbal decisivo para o desenvolvimento económico e social do conjunto do País.



Esta iniciativa do PCP é reflexo do trabalho dos Comunistas em diversas áreas da sua intervenção no Distrito, nomeadamente, no Poder Local, e nos “Contributos do PCP para o Desenvolvimento do Distrito de Setúbal” afirmam-se como Projectos Estratégicos reivindicações e aspirações regionais, há muito defendidas pelo PCP, como: o Aeroporto Internacional de Lisboa (zona Leste da Península da Setúbal), Metro Sul do Tejo (sua concretização e alargamento), ligação de Metro entre as duas Margens do Tejo, Travessia Rodo-Ferroviária do Tejo (Chelas-Barreiro), a conclusão da CRIPS, construção da Ferrovia Sines-Espanha, a conclusão do IC4, IC33 e IP8 e a construção de interfaces intermodais no Litoral Alentejano, entre muitos outros.



Ao contrário do Governo do PS que continua sem projecto para o Distrito de Setúbal, limitando-se a propagandear investimentos privados como se fossem seus, casos dos projectos turísticos em Grândola, da nova máquina de da Portucel ou do empreendimentos da REPSOL e da GALP para Sines, os Municípios do Distrito de Setúbal, maioritariamente geridos pela CDU, têm projectos muito concretos para a Região, designadamente, a requalificação dos eixos ribeirinhos do Tejo, Sado e Frente Atlântica, requalificação de zonas industriais como a Quimiparque, a Siderurgia, a Margueira, Coina, Marateca e Mitrena, a implementação de um sistema intermunicipal de abastecimento de água em alta na Península de Setúbal.



Assim, quando se assiste a intervenções públicas de dirigentes, deputados e ministros do PS dizendo que as Câmaras CDU são “forças de bloqueio à modernização do Distrito” ou que as suas políticas são “miserabilistas” ou quando revelam a sua visão sobre a “Margem Sul” e as suas populações falando em deserto, na ausência de população ou de equipamentos, a melhor resposta que se pode dar é a da constatação da realidade, é a resposta que as populações de diversos concelhos do Distrito deram às políticas autárquicas do PS, quem não se recorda dos 16 anos em Setúbal, com uma gestão completamente irresponsável do PS, aos 8 anos em Sesimbra e ao facto de terem bastado 4 anos no Barreiro e em Alcochete para as populações compreenderem qual a estratégia do PS e as consequências das suas políticas.



O que o PS, os seus dirigentes e governantes não perdoam é o facto do Povo do Distrito de Setúbal reconhecer na CDU, no seu projecto e equipas, a única força capaz de levar a cabo um trabalho sério, responsável e credível, de defesa intransigente dos seus interesses e aspirações, sempre virado para o futuro, para o progresso e desenvolvimento desta Região.



E esse trabalho continua!