segunda-feira, janeiro 15, 2007

MARGEM SUL, O DEBATE


Realiza-se na próxima quarta feira às 21.30 no Forum Romeu Correia em Almada, um debate programa radiofónico com o patrocinio da TSF sobre a Margem Sul. Estarão presentes autarcas desta banda , numa iniciativa aberta ao público.

Apela-se a uma presença empenhada quer da oposição nestas autarquias, quer do público em geral, sob o perigo desta iniciativa se vir a tornar mais uma sessão de propaganda industriada pelo PCP, no sentido de ser escamoteado o descontentamento e o desagrado pela forma como estas autarquias são geridas e a péssima qualidade de vida urbana que se tem construído nos últimos trinta anos.

É uma altura única para serem trazidas a terreiro este ultimo ano de legislatura (e os anteriores) e a inércia, as obras prometidas antes das últimas eleições e entretanto paradas, o escândalo que é o boicote ao avanço das obras do Metro Sul do Tejo, a Sintrização da linha Fertagus , o Centro de Estágios da Caixa Geral de Depósitos, as revisões dos Planos Directores Municipais (com mais carga de população e construção) , a massificação urbana do Tejo á Costa Atlântica e o caos urbanistico quer habitacional quer industria.

É uma boa altura para ser revelado ao país os problemas de poluição, a descontaminação urgente dos terrenos da Siderurgia e o esquecimento dos terrenos da área gigantesca ocupada pelos areeiros abandonados, o aterro sanitário, a antiga SPEL ("fábrica da pólvora") e os problemas com os aquíferos onde á captada a água para abastecimento público.

É uma boa altura para ser explicada a destruição de uma zona de sapal em Corroios e onde se instalou ilegalmente uma aquacultura, os esgotos despejados directamente no Tejo ou desmantelamento de navios na Moita que mesmo depois de fechada a Lisnave e a Parry & Son , os dois grandes estaleiros) continua a ser um foco de poluição que impede por exemplo a reimplantação da cultura de ostras que podia ser uma enorme e sem concorrência fonte de rendimento para a região e para o país.

É uma boa altura para escalpelizar porque razão no actual trabalho editado pelo Expresso, as cidades de Almada, Seixal e Barreiro partilham tão más avaliações sobre o nível de qualidade de vida oferecida aos seus cidadãos, e porque evoluíram estes concelhos (menos o do Barreiro que regrediu) para situações de uma explosão urbana incontrolável e desregrada, com milhares e milhares de casas à venda sem comprador, mas com nova construção a ser construída a um nível alucinante e arrazando tudo o que é espaço verde, mas com as mesmas acessibilidades de há vinte anos atrás.

É também uma altura para pôr em causa a nova politica urbana de condominios fechados, na Quinta da Trindade, na Quinta do Outeiro e nos Capuchos sobre a falésia protegida.

É também uma boa altura para explicarem a vergonha do cemitério do Feijó, a suburbanização e terceiro mundo instalado na Costa da Caparica, o tráfico de influências generalizado e a subserviência aos grandes grupos de construção e distribuição e a certidão de óbito que passaram ao comércio tradicional.

É também uma altura para se denunciar a forma pouco democrática como a cidadania é vivida nestes concelhos, na mordaça que paira sobre a imprensa local e sobre a instrumentalização com que obras públicas e meios de comunicação (oficiais) autárquicos são utilizados como meios de propaganda.

Espera-se pois a participação viva e empenhada de todos, relembro, Quarta-feira , 21.30h , Forum Romeu Correia em Almada.

16 comentários:

copy-paste disse...

Um exemplo de que é preciso intervir:

As “Melhores Cidades Portuguesas para se Viver em 2007” foi este o titulo de um trabalho do Expresso, se este estudo fosse feito à trinta anos atrás o Seixal nem sequer aparecia, o Seixal foi elevado a Cidade em 1993, para isso muito contribuiu o grande desenvolvimento que se deu desde o 25 de Abril, o povo do Seixal e o poder local foram determinantes para esta situação, ainda existe trabalho por fazer e novos desafios surgem, que se olhe para o que de bom se fez e se aprenda com os erros cometidos.

Manuel Reis Pires

copy-paste disse...

e mais outro:

Seria bom que o ponto verde antes de publicar este post, tivesse o cuidado de verificar os diversos itens da classificação. Assim o Seixal teve 0 pontos na rubrica ensino superior. A responsabilidade deste 0 é da Câmara? É evidente que não! A Cãmara do Seixal tudo tem feito para a transferência da Universidade Aberta para o concelho do Seixal. Há 10 anos a Cãmara do Seixal adquiriu a Mundet com o objectivo da instalação da Universidade Aberta. Desde essa data e apesar de multiplas promessas dos vários governos e da Universidade Aberta estar a funcionar em instalações deploraveis e sem quaisquer condições, havendo professores que ficaram sem gabinetes de trabalho por questões de segurança, o certo é que a transferência da Universidade Aberta para o Seixal tem sido adiada. Deste modo a classificação do Seixal tem de ter em consideração as responsabilidades dos vários governos no desinvestimento que tem efectuado na Margem Sul do Tejo.

João Afonso

o josé disse...

"Se se colocar uma rã dentro de um recipiente com água muito quente ela salta imediatamente para fora, mas se a água estiver inicialmente fria e se fôr colocada ao lume, a rã deixa-se ficar lá dentro enquanto a temperatura aumenta, até ficar cozida". Assim estão estes homens, a dizer-nos constantetemente que a água está boa, não está nada quente e nunca esteve melhor que agora.

Na verdade, e em termos biológicos esta "alegoria da rã", não é verdadeira; dentro de água gradualmente aquecida uma rã, ao ser-se atingido um limiar crítico de temperatura, fará todos os esforços para sair, e sairá se puder. Aqui o facto e o real drama é que grande parte das pessoas já percebeu que a Margem Sul está praticamente a ferver de problemas, e no entanto, há quem continue a não deixar que "saltemos fora".

copy-paste disse...

E ainda mais outro:

A Amadora também não era cidade há 30 anos, e veja-se em que lugar da classificação ficou (em ultimo). Curiosamente, em "desempenho econónico" a Amadora teve 60 pontos, e o Seixal 20... Portanto, não estou bem a ver como é que um concelho assim pode considerar que o seu crescmento (e não desenvolvimento) foi "sustentável".

Já agora, Vila do Conde é cidade desde 1988. Localizada na margem Norte da foz do rio Ave, Vila do Conde é um importante centro industrial, porto de pesca e zona balnear e turística (palavras da "Wikipédia" - fazem-vos lembrar mais alguma terra?). Ficou em 10º, DÉCIMO lugar.

Ganhem juízo. Aliás, reformulo: ganhem vergonha na cara.

josé

Pois é, toda a razão, eu sou é parvo...

manuel carreira disse...

É preciso denunciar ao país em directo na rádio o que se passa nesta colónia da margem sul e o facto de as outras forças politicas ao nível mais alto das cupulas partidárias terem-se abstido de fazer verdadeira oposição e de apresentar verdadeiras alternativas. Fizeram um verdadeiro Tratado de Tordesilhas, deixando a fatia da margem sul para o PCP. Como se quem nasceu nesta banda tivesse alguma conta a acertar com o país pela excelente condição geográfica , paisagistica e de clima que tinha para que o PCP tudo lixasse.

Anónimo disse...

João Afonso, acha que é só por causa do Seixal não ter ensino superior que ficou nos últimos??? Até podíamos ter a melhor universidade que jamais ia-mos ficar nos dez primeiros. Basta ver o caos urbanístico, a falta de espaços verdes, não existe um único parque urbano.. olhe como o parque da paz de Almada! Não estou a falar de canteiros com relva, se bem me entende! Os acessos são aquilo que todos sabemos etc etc. Por exemplo o viaduto em Corroios, ja viu a vergonha que aquilo representa??? Diga-me, aquilo foi ou não uma negociata??? Se não foi por que razões pararam as obras? por falta de dinheiro? não acredito! foi negociata! Se me lembro uns meses antes das eleições vinha no jornal da Câmara que ia estar pronto em Outubro de 2005, estamos em Janeiro de 2007...

Quer mais um exemplo, a ciclo via que construíram à volta da baía poluída. Por que razão só antes das eleições é que foi feita?? Não houve tempo antes? Por que razão não a concluíram? Para que nas próximas eleições haja algo para apresentar como obra feita! É por causa disto e muito mais que estamos nos últimos! O Concelho não tem continuidade, não passa de um agrupamento de urbanizações feitas à vontade dos patos bravos com quem a câmara colabora!

Seja honesto na avaliação que faz!

Anónimo disse...

As vozes em desacordo com este superdesenvolvimento da margem sul que não se apressem ou preocupem em estar presentes nesse debate, porque a dona Emília de Almada vai recrutar os seus funcionários e "yesmen" para encherem a sala não só para seu conforto, mas também para não dar oportunidades a que haja contestação e a venham pôr em causa a ela, aos autarcas do PC e à sua gestão.Os governantes que lá forem vão lhe dar apoio deliberadamente ou ingenuamente(não acredito) ou sem quererem.Não se iludam porque NÃO VAI HAVER QUALQUER DEBATE. Quem lá for vai ouvir o que eles disserem e querem dizer.
É claro que eles vão dar prioridade às perguntas dos orgãos de comunicação social. e o
as populações? Também aqui eles vão ter na assistência alguém preparado e "anónimo" para fazer perguntas que possa parecer ser dos contra.
Nunca assistiram a colóquios destes? Não sabem como eles trabalham?
E depois dizem que isto é democracia e democrático! Uma OVA.
Lembram-se os mais velhos do antigamente?
Pois é, aqui e às vezes é pior.
Cumprimentos a todos e boa sorte para o futuro com este subdesenvolvimente!

Anónimo disse...

Para quem pensa que a Maria Emília e os seus colegas das outras autarquias vão levar comparsas disfarçados para fazer as perguntas combinadas, faça o favor de estar no Forum Romeu Correia de forma a servir de contraditório.

Anónimo disse...

Concordo com a papoila e lamento que o ponto verde apele à participação contra as autarquias, deveria apelar à discussão e participação. Isto é doentio, é uma obcessão.

Anónimo disse...

Que vá quem entenda que deve ir e que faça o que achar que deve ser feito mas faça o que faria qualquer clandestino antifascista: proteja a sua identidade.
Quem julgar que está em situação de igualdade de armas com a nomenklatura vai ter amargas decepções, lamento imenso dizê-lo, sobretudo aqui.O Ponto que me desculpe.

Anónimo disse...

Era de perguntar como foi possível que uma área de 12000m2 do campo Albano Narciso Pereira, na Qta da Trindade,cedido pelo Eufrázio ao Seixal FC, passou a menos de 10000m2, sendo a área em falta ilegalmente engolida pelo centro de estágios do SLB de que muitos autarcas são sócios ferrenhos, mas sem peso no clube.

Anónimo disse...

Não deixa de ser curioso o facto do Partido se desdobrar em iniciativas que mimam a participação popular ao longo de todo o distrito. Sejam as Opções Participadas no Barreiro ou o Fórum MST em Almada todas elas visam branquear uma mentira: o cidadão tem influência nos destinos da sua autarquia para além do exercício do direito ao voto.Não tem. No caso desta iniciativa que irá decorrer no Romeu Correia fá-lo-á até com a cumplicidade do Governo ( futura Ministra ?)e sob o patrocínio dos agentes económicos.

O Partido descobriu uma maneira de estancar a sangria eleitoral em meio urbano e não olha, como nunca olhou, a meios para atingir os fins que pretende. Ao nível nacional, desembaraçou-se de alguns intelectuais – não em demasia, pois a sua presença confere respeitabilidade – e regressa com alarde ao seio do operariado e do Povo em geral. Ao nível local criou as Cidades Da Participação, onde a lógica que preside à sua administração não é a de cumprir a Lei e realizar as iniciativas nela previstas quando se trata de auscultar os Munícipes ou as “mal-afamadas-e-redundantes-entidades-exteriores-ao-município” quando se pretende fazer avançar este ou aquele projecto, mas sim de as evitar a todo o custo substituindo-as por um fórum de participação devidamente formatado e por um ou outro parecer jurídico, geralmente subscrito por eminente jurista-primus-inter-pares, que ateste da desnecessidade em promover as pertinentes consultas públicas ou a recolha dos pareceres favoráveis de outras entidades públicas de que a legislação em vigor faz depender o sucesso dos diversos processos administrativos de licenciamento.
Se há, de facto, zonas do licenciamento administrativo a cargo das autarquias que são críticas são exactamente estas: o momento em que se decide realizar ou não uma consulta pública – onde se esvai, na óptica de alguns caciques, o efeito surpresa pela entrada no domínio do conhecimento público do “que se vai fazer e onde” – e o momento em que se inicia a via dolorosa de consulta aos técnicos especializados das tais entidades exteriores aos municípios (CCDR’s, DGOTDU, Ministérios, outras Câmaras , REN, APL, etc.).

Junte-se a isto a falta de Transparência dos Serviços, causada pelos entraves colocados a satisfação dos pedidos de consulta a processos administrativos ( sejam eles de licenciamento ou até aos próprios processos internos das Câmaras de revisão dos instrumentos de gestão territorial -que são de LIVRE ACESSO- formulados pelos munícipes em que, como bem o demonstra a jurisprudência de entidades como a CADA há casos kafkianos e até anedóticos de Câmaras e Assembleias Municipais que negam aos munícipes o acesso às próprias deliberações desses órgãos ... redimindo-se depois em correrias loucas para a Provedoria de Justiça e para a comunicação social onde fazem o habitual papel de vestais desonradas ) .Junte-se, também, a crónica mania Lusitana de cada dirigente se achar dono da divisão ou departamento que dirige e exercer o intimidatório poder disciplinar sobre funcionários subalternos de diferente opinião e vejam se temos ou não uma grande aldrabice a desfilar perante os olhos dos nossos incautos concidadãos.

Já temos a Empresa Na Hora e o Investidor Mais para gáudio dos agentes económicos.
Já temos a promessa de transferência de mais competências para as autarquias para contentamento quer dos Governantes quer dos Autarcas.

Só não temos é aquilo a que temos direito: ser informados com rigor no momento próprio.

Ponto Verde disse...

Remeto a parte "doentia" assinalada por Nuno Cavaco para o próprio, pois não é feito nenhum "apelo contra Câmara alguma" o que digo e reafirmo é que "Apela-se a uma presença empenhada quer da oposição nestas autarquias, quer do público em geral, sob o perigo desta iniciativa se vir a tornar mais uma sessão de propaganda industriada pelo PCP" dá para perceber ou não, é que vão lá estar o senhor DR. Cavaco, o senhor Dr. Paulo Silva, os funcionários das autarquias (emprego oblige ) e os caceteiros de serviço e era bom que estivesse também a população e o seu ENORME DESCONTENTAMENTO, isso é que é Democracia !

Mas para o senhor Cavaco , tudo o que não é PCP é "doentio" como acabou de afirmar na imprensa local sobre pos comentários contrários no seu blogue.

Atento para Ver disse...

Muitos cidadãos já não têm paciência para colaborar em farsas e comédias.
Esta exemplar gestão CDU é uma trapaça com mais valia de palhaçada, onde ainda há governantes a colaborar e quem se lixa é sempre o mesmo...o mexilhão.
Uma coisa este pessoal tem em comum:
o desjo de viver à conta do trabalhador, do povo anónimo que sofre e luta para sobreviver.
Não vale a pena lá ir para sentirmos que somos insultados com os disparates que os supostos técnicos dizem.
BASTA!!!!!! Fiquem a falar sózinhos e olhem para o umbigo!

hkt disse...

Chamem-me pessimista mas esta iniciativa tem todo o aspecto de ser (mais)uma orquestração PCP (com uma pequena ajudinha PS/governo) para nos fazer crer que tudo vai bem nos melhores concelhos possíveis. Alarmados, pelas mossas que o trabalho do Expresso poderia produzir os camaradas tocaram a rebate e decidiram-se por esta encenação. Não interessa o resultado do debate nem a qualidadedas intervenções. Para os ouvintes da TSF já ficou a ideia de que os concelhos da margem sul "é que é!".

Anónimo disse...

Pois! Os ouvintes da TSF que venham cá vêr e logo percebem o que "é que é" viver bem nesta margem.

Somos todos muito felizes.
Tudo corre pelo melhor.
Tudo é lindo.

E o desenvolvimento. O desenvolvimento nem se fala que isto "desenvolve" que é uma coisa parva.