sexta-feira, janeiro 19, 2007

A ESTRATÉGIA DA ARANHA













Horas antes do debate sobre a Margem Sul em Almada, o blogue situacionista
"Banheirense" , publicava o seguinte:

" Frases como “Cresceram espontaneamente” ou “Cresceram desordenadamente como zonas dormitório e não mais conseguiram abandonar essa imagem” aplicam-se na perfeição à nossa terra, mas do “caos urbanístico” já discordo, porque apesar de não ser o desejável, estamos longe do caos que se verifica por outras paragens." e ainda " O boom urbanístico e o demográfico não foram integrados, em parte, devido às autarquias, mas também "por responsabilidade do poder central, que colocou dificuldades à descentralização".

ou também :

"
Como nota final, direi que falta abordar o problema do trânsito local e estacionamento, que na Baixa da Banheira começa a ser um problema relevante, e sobretudo a mobilidade dentro da própria Margem Sul, especialmente entre os eixos Almada/Seixal e Barreiro/Moita/Montijo/Alcochete. O Metro poderá vir a aliviar este panorama, mas a demora na sua chegada aos concelhos do Barreiro e Moita promete prolongar-se por anos, e da ponte Barreiro-Seixal nem sinal"

Sendo este blogue alimentado por destacados elementos , eleitos locais pelo PCP, e tendo a discussão sido orientada exactamente nestes vectores nele anunciados: - Desresponsabilização CDU > Negação do caos urbano > Teoria de que há pior > Ênfase à mobilidade (mas recusando responsabilidade no MST) .

Poderemos considerar que não seria dificíl à oposição, desmontar esta farsa, pois havia nitidamente uma estratégia do PCP para tal debate, estratégia essa denunciada descaradamente .


Quanto à oposição , pensar que o PCP não instrumentalizaria e não prepararia milimétricamente (Emilia e Alfredo) tal debate, é demasiado ingénuo, terem-se demitido mais uma vez de responder à altura, não estranhará, mas o que é de uma gravidade extrema é a instrumentalização que o Diário de Noticias e TSF permitiram.

- Como é que permitiram a fuga a questões como o ambiente, o corte indiscriminado de sobreiros, a poluição atmosférica, a poluição dos aquíferos, a destruição de habitats, os esgotos não tratados , a expansão urbana descontrolada, as alterações à REN e RAN, os PDM's de "segunda geração", os meios de transporte não poluente e ciclovias, aproveitamento de energias alternativas, a erosão costeira , as florestas...???

Como foi isto tão ostensivamente ignorado? Como foi isto possivel ?


- Como é que o Governo se faz representar por uma Secretária de Estado dos Transportes e não por um Secretário de Estado do Ordenamento do Território ?

-Como é que estavam empresas de transportes e não estava nenhuma organização ambientalista ?

Como pode um trabalho jornalistico (deontológicamente irrepreensivel e isento) ter uma tal promoção (porque não foi transmitido em directo pela TSF como estava anunciado?) ter atrás de si instituições mediáticas como o DN , a TSF e serem tão
naives na sua feitura ?

Será que de tão inocente não era tudo isto descaradamente anunciado ?

E será que tinha mesmo de ser assim?

19 comentários:

Paulo Silva disse...

Ou será que este debate veio demonstrar, mais uma vez as mentiras do ponto verde? Com efeito, o ponto verde andou semanas a apregoar o caos... Não teve pejo em afirmar que as pessoas estavam fartas da CDU... Não se inibiu de anunciar que o debate iria demonstrar o vazio da CDU. E o que se viu?! Uma reportagem jornalistica em que as pessoas inquiridas afirmavam que não trocavam viver no Seixal por nenhum outro sitio do mundo! Um trabalho jornalistico que demonstrou a realidade da margem sul, e a obra que tem sido efectuada e que não teve pejo em afirmar que a margem sul já rivaliza, mercê do bom trabalho autárquico, com a margem norte! Um debate com casa cheia, em que as pessoas demonstraram apreço pelo trabalho desenvolvido pelas autarquias, e em que os autarcas demonstraram o conhecimento da realidade e a capacidade para o exercicio do lugar para que foram eleitos pela maioria da população.
Depois disso, qualquer pessoa séria e honesta intelectualmente que estivesse no lugar do ponto verde acharia que era melhor parar para pensar... Mas o ponto verde demonstrando, uma vez mais, a sua fobia doentia, acha que todos estão enganados, que ele é o único com razão, que os jornalistas erraram, que a oposição errou, que a secretária de estado é incompetente...
Palavras para quê... O ponto verde representa a frustração em pessoa!

hkt disse...

O encantamento que as câmaras da margem sul exercem sobre os órgãos de CS é um quase mistério. Um subtil misto de promessas de publicidade institucional, avenças, e de ameaças de processos. Além disso, os "complexos de esquerda" tb jogam a favor do repetidamente chamado "poder local democrático". Fossem estas autarquias governadas por outra (qualquer) força política e o escrutíneo sobre os seus actos seria bem maior.
Analisemos a postura que a generalidade da CS tem tido para com estas autarquias e verificaremos que têm tido um papel activo na construção de uma imagem falseada.
Em boa verdade, o deficit democrático existente nestes concelhos onde a imprensa nacional, é frequentemente conivente com o poder instituído e onde a imprensa local não existe (de forma económicamente independente)não favorecem nem o papel das oposições nem o da sociedade civil pois, dificilmente têm acesso à informação (em ambas as suas vertentes.

Anónimo disse...

Pois é a comunicação social quando não escreve o que os detractores queriam já não presta...

rabaca disse...

Não era minha intênção fazer qualquer comentário,neste blog que acho,uma voz contra os assassinatos embientalistas,que os comunistas soviéticos de cariz pacóvia,alentejana e algarvia (peço desculpa aos alentejanos e algarvios de bem)vêm sustentando para este distrito que um dia sonharam serem uma républica soviética/cubana.Quanto custaria aos Almadenses ou melhor quanto está a custar às populações de Almada,Seixal,Moita e Barreiro e os restantes que estão na alçada dos PCs toda esta propaganda para suster esta gente no poder local.Está quase desmontada a estratégia desta gente de imcompetentes comunistas,quando o rigor das contas forem efectivamente para valer então começam em debandada a abandonar ou a chegarem-se a posições mais de acordo com a Europa!

Anónimo disse...

A população do Barreiro está tão farta dos comunistas que após 4 anos de gestão socialista, achou por bem voltar a dar a maioria na Câmara ao PCP...

Anónimo disse...

..."do mundo"!!!! Atenção: "do Mundo"!!!...

Bom... enfim, se calhar, também servia Pyongyang, Dushanbe ou Brazzaville. Ou o Seixal.

..."do mundo"...
...(=suspiro=)...

André Santos disse...

"Mas o ponto verde demonstrando, uma vez mais, a sua fobia doentia, acha que todos estão enganados..." by paulo silva
"...veio demonstrar, mais uma vez as mentiras do ponto verde" by paulo silva

Não achará igualmente o Sr Paulo Silva que andam todos enganados excepto o senhor?

Recebesse eu 1centimo por cada vez que profere a palavra "mentira" (e derivados) neste blog e já tinha a soma suficiente para comprar uma casa, imagine lá, no melhor sitio do mundo!!

Estes senhores cada dia que passa voltam melhores, caramba, sempre dá para rir um bocadinho...eheheh!

Anónimo disse...

Mas porque haveria de ser estranho tudo o que se passou nesse debate? Porque haveria de ser estranho que as pessoas dêm sucessivas maiorias absolutas ao PCP na margem sul?
Provavelmente as responsas não se resumem a analises simplistas e descontextualizadas da realidade.
Se é bom viver na margem sul? Não. Será bom viver no Seixal? Não.
Grande parte do problema reside em algo que já aqui foi dito, existe um complexo de esquerda no distrito de Setúbal, porque na verdade as pessoas nem sabem bem o que é o comunismo, ou se sabem têm vergonha de dizer o que verdadeiramente é. O autarca PCP não é mais competente que o autarca dos outros partidos, apesar dessa ideia ter sido criada. Creio mesmo que será justo dizer que há muitos autarcas PCP preocupados com a população, da mesma forma que os há noutros partidos. Nem sei se se trata de um modelo de desenvolvimento. A ver: a famosa cassete do grande capital estrangeiro e dos interesses dos burgueses feita pelos dirigentes nacionais do PC não é igual à pratica dos seus autarcas, onde se contratam construções e cedências a grandes grupos economicos privados. E eu - que acho o mercado bom - nem discordo que se o faça. O grande problema é tudo o resto. O desordenamento urbanistico, a ausencia de verdadeira politica ambiental. O concelho do Seixal que têm duas cidades, não tem nenhuma na verdadeira acepção da palavra. Onde é que as pessoas se encontram? Ondem é que se encontram pessoas? Porque é que temos aglomerados urbanos de milhares de fogos completamente desligados no resto do concelho? Porque é que continuamos a urbanizar cada metro de terreno ainda não urbanizavel? Veja-se o exemplo de Santa Marta em Corroios. O que é aquilo? O Cacém da Margem Sul!
Não há volta a dar. Grande parte do problema reside de facto na oposição. A prova: Barreiro, Setúbal, locais onde o PCP perdeu a Câmara e voltou a ganha-la de depois, o que significa que a população não acha credivel a oposição e que prefere que o autarca PCP continue a governar. Mas atenção, o autarca PCP não governa à PC, governa como centenas por esse país fora que têm ajudado a construir desenfreada e caoticamente.
Outro dos problemas reside no facto de a população não se manifestar nas urnas. Percentagens superiores a 50% de abstenção são entraves à mudança. As pessoas não se sentem como sendo do Seixal. São nomadas urbanos. Trabalham e vivem em Lisboa ou na Margem Norte e dormem no Seixal, não conhecem a sua realidade e não se sentem responsabilizados pelo que cá acontece.
Depois o caciquismo local. Podemos todos fingir e tapar os olhos, mas na verdade grande parte dos votos PC no Seixal são fruto de cacique ao genero do caudilhismo Sul Americano.
Pessoas como o Sr. dr. Paulo Silva, como o Sr. João Afonso ou o Sr. Nuno Cavaco podem continuar a ler a sua cartilha bem estudada, mas é tudo uma questão de tempo. Chegará a altura em que não será mais possivel manter o jogo de aparencias!
O comunismo têm uma faceta que não consegue disfarçar, é destrutivo, corroi e seca à sua passagem com efeitos devastadores. Foi assim em todo o lado onde se manifestou. Mais cedo ou mais tarde as coisas vão ter de mudar, resta saber é se quem se seguir vai ter coragem de lutar contra os interesses instalados e de assumir que o poder não serve para manter o poder, mas para servir a população.
Um grande bem haja a todos aqueles que se preocupam,

Filipe de Arede Nunes

Anónimo disse...

Nunca é demais recordar as palavras do exVereador da CMPorto:

“(...) E hoje na área do urbanismo há uma aliança perversa entre promotores imobiliários, alguns arquitectos de uma pseudo-esquerda e que por serem de uma pseudo-esquerda vêm branquear projectos imobiliários que são autênticas aberrações, e escritórios de advogados.
E é esse tripé que manda hoje, como sempre mandou neste país. “

O que é que quer dizer a nomeação do Arqt Salgado para o desenvolvimento do MasterplandaQuimiparque senão isto mesmo?


Nota:

O crescimento e aparecimento Diário de blogues na MargemSul é inversamente proporcional ao aparecimento de contraBlogues e contraComentários da Situação.
Isto quer dizer que, não obstante a profusão de meios ( SOBRETUDO PÚBLICOS)ao seu dispor começa a haver dificuldade em processar e sistematizar a informação que surge fragmentada na Net (pois enquanto se canta não se assobia). Só no dia em que a Comunidade superar a intervenção do Partido, simultaneamente em todos os pontos da região se respirará Liberdade.

Anónimo disse...

"Pessoas como o Sr. dr. Paulo Silva, como o Sr. João Afonso ou o Sr. Nuno Cavaco podem continuar a ler a sua cartilha bem estudada, mas é tudo uma questão de tempo. Chegará a altura em que não será mais possivel manter o jogo de aparencias!" Filipe de Arede Nunes

O Caríssimo Filipe de Arede Nunes ainda escreve "O comunismo têm uma faceta que não consegue disfarçar, é destrutivo, corroi e seca à sua passagem com efeitos devastadores."

Bem são argumentos políticos muito fortes, vão profundamente às causas. Aliás, o sr é militante de um partido que não seca nada à volta. Aprecia um sistema, o dito de mercado, que se preocupa com as pessoas.

Não reconheço ao Sr. Filipe de Arede Nunes conhecimentos suficientes para falar do P.C.P. até porque conhece muito pouco do partido. Também considero que a sua forma de fazer política é muito boa, especialmente para o PCP, porque se baseia em argumentos gastos a cairem de maduros. Espera ele que o PCP caia de maduro e não cai, não cai porque o mercado que ele defende é injusto e cruel, o sistema capitalista não serve e as pessoas na margem sul sempre tiveram essa consciência.

Refere ele implicitamente que onde se desenvolveu o socialismo, este falhou. Bem, parabéns pela análise, mas o PCP considera também que houve falhas e não segue nenhum modelo. Se quiser ofereço-lhe um programa/estatutos.

O programa do PCP, para Portugal assenta numa democracia avançada com verdadeira participação de todos, com eleições, pluralismo partidário, sem sobreposição da economia sobre a política.

Hoje isso não acontece e por isso nós temos de actuar no sistema que é o preferido do Sr. Filipe de Arede Nunes, o sistema centralizador, com sobreposição da economia sobre a política, com democracia representativa (cada vez menos).

Se quer que lhe diga, dá-me um certo gozo quando os senhores neo-liberais argumentam como você o faz. Parece que tentam justificar um mal, com um pretenso mal maior. É engraçado ver como se atrapalham quando sistemas mais justos (e existem no mundo) começam a surgir um pouco por todo o mundo.

Esperemos para ver. O futuro da humanidade não é já amanhã e nem eu, nem o filipe de arede nunes estaremos cá para ver o fim da história, uma sociedade sem classes, sem exploração do homem pelo homem.

Quanto ao ponto verde, nem me pronuncio nem vale a pena, o outro dia escreveu sobre as empresas públicas do seixal :)

Isto diz tudo.

Cumprimentos e saudações democráticas, especialmente ao Filipe de Arede Nunes.

Anónimo disse...

Meu caro Nuno Cavaco. Há algo que ambos temos em comum. Não nos escondemos atrás do anónimato e eu admiro isso. Repare, poderia responder ao seu comentário, mas não iriamos nunca ao cerne da questão. Parece-me que temos mais alguma coisa em comum. Eu acredito nas ideologias, tal como o Sr. Mais ainda, estou disponivel para debatermos este assunto de forma séria, quando quiser e onde quiser. O modelo de desenvolvimento, a forma de construção da sociedade, o contexto histórico das politicas e das ideologis é algo que considero fundamental e tenho pena que não se discutam. Mas olhe, está convidado para vir à sede do PSD do Seixal no Fogueteiro quando quiser para discutirmos este e outros assuntos de igual relevancia, prometo que será tratado com respeito e consideração. Fica feito o convite.

Filipe de Arede Nunes

Alice C. disse...

Felizmente estou à margem das guerras partidárias que se desenrolam por aqui. Embora sejam bastante esclarecedoras.
Há uma coisa que eu ainda não entendi, e que os senhores Silva e Cavaco, poderiam me dizer. Como é que o PCP tem um discurso nacional e outro local? Como é que um partido que se diz dos trabalhadores faz alianças com o grande capital, matando por exemplo o comércio em Almada, e permitindo construções que são autênticas aberrações e atentados ambientais?

João Afonso disse...

PORQUE SERÁ QUE O PONTO VERDE NÃO SE PREOCUPA COM ESTES PROBLEMAS?
Seis mil exigem centro de saúde


A Comissão de Utentes da Saúde de Corroios entregou na Assembleia da República um abaixo-assinado com seis mil assinaturas exigindo a construção de um novo centro de saúde naquela freguesia do concelho do Seixal, anunciou ontem a associação. O centro de saúde de Corroios funciona há 32 anos num terceiro andar de um prédio de habitação sem elevador, obrigando os médicos a deslocar-se a uma sala no rés-do-chão para atender os utentes com dificuldades de mobilidade, sobretudo os idosos, disse, à agência Lusa, Domingas Gonçalves, da comissão de utentes.

"É uma situação insustentável, tanto para os doentes, como para os médicos, que não têm condições de trabalho", afirmou a dirigente. Segundo a comissão de utentes, a construção do novo centro de saúde, para a qual a Câmara do Seixal há vários anos que disponibilizou um terreno, já esteve inscrita em PIDDAC (Programa de Investimentos e Despesas de Desenvolvimento da Administração Central), mas, este ano, não consta no orçamento do Governo nenhuma verba para esta obra.

Na freguesia de Corroios, com mais de 50 mil habitantes, existem cerca de 16 mil pessoas sem médico de família, distribuídas entres os dois centros de saúde, Corroios e Miratejo, acrescentou Domingas Gonçalves.

Depois de ter entregue quarta-feira o abaixo-assinado na Assembleia da República e no Ministério da Saúde, a comissão de utentes vai pedir audiências ao ministro da Saúde, Correia de Campos, e aos líderes dos grupos parlamentares. Membros da comissão de utentes vão concentrar-se hoje, em frente ao centro de saúde de Corroios, numa acção de sensibilização à população.

Em Outubro, o presidente da Câmara do Seixal, Alfredo Monteiro, considerou "escandalosa" a redução das verbas para o concelho, dados os compromissos assumidos anteriormente.

A resposta é simples! Porque os mesmos não servem para atacar o PCP! E o que move o ponto verde não é o ambiente, nem os problemas das populações, mas sim o ataque cego ao PCP!

Anónimo disse...

Concordo com o filipe de arede nunes e estou disponível para conversarmos até porque me parece que temos realmente algumas coisas em comum à parte das ideologias que defendemos. Pode ser na sede do psd, ou na do pcp (cá também era bem vindo, recebemos bem quem vem por bem), num almoço, num café, enfim combinaremos depois.

O meu mail nunomiguelfialhocavaco@gmail.com

Respondendo à senhora alice c., o pcp não tem um discurso nacional e outro local, aliás um pcp defende um projecto autárquico em consonância com o nacional, o que se passa é que nos vivemos num sistema democrático (ou quase) com leis, que quer consideremos justas ou não, temos de as cumprir. No caso específico, se um hipermercado quiser abrir num concelho, as leis da república são iguais em almada, em vila nova de gaia, etc. Se me perguntar se concordo ou não com hipermercados, eu, vou-lhe dizer que não sou contra, porque até os utilizo, agora sei que eles reflectem o sistema, a concentração de capital e de meios nas mãos de uns poucos prejudicando e muito os comerciantes locais. A difusão exagerada dos hipermercados e os hábitos de consumo dos portugueses (sim porque é o povo português que os quer e isso é indubitavelmente uma vitório do sistema capitalista) é que na minha opinião estão errados, fruto de um forte apelo ao consumo. A questão é, o que podemos fazer, nós comunistas conjuntamente com os pequenos e médios comerciantes e quem quiser participar:

- Será que podemos limitar a publicidade a estes espaços através da alteração da lei, tal como foi feito com o tabaco?

- Será que os podemos limitar em número através de critérios de área?

São exemplos, por outro lado não podemos deixar de considerar as pessoas que lá trabalham e que muitas vezes são exploradas.

É complexo, muito complexo, mas percebo a sua opinião alice c.

Ponto Verde disse...

"Quanto ao ponto verde, nem me pronuncio nem vale a pena, o outro dia escreveu sobre as empresas públicas do seixal :)" by Nuno Cavaco

O senhor Cavaco é mentiroso, nunca escrevi fosse o que fosse sobre esse tema, temho escrito sobre muitos que os senhores pretendem ignorar, mas não sobre esse.

Anónimo disse...

As Câmaras Municipais da Margem Sul não podem negar que existe caos urbanístico em todos os concelhos. Os bons exemplos são apenas excepções e há municípios que continuam a crescer a um ritmo alucinante. Mais uma vez a política do betão é quem vai mandando em muitas autarquias, pois são responsáveis pelas fontes de financiamento das mais variadas taxas.

Anónimo disse...

Senhor Ponto Verde veja bem que escreveu, o que mereceu um comentário a perguntar quais eram as empresas municipais? Não queirabranquear as suas gaffes...

Anónimo disse...

Bem, é impossível discutir com quem escreve uma coisa e a seguir diz que não o fez. Portanto, não vale a pena. Sempre ouvi dizer que aos ... diz se sempre que sim, então:

Sim ponto verde eu sou um mentiroso;

Sim ponto verde tens sempre razão;

Sim ponto verde és o salvador da margem sul;

Cumprimentos a todos os democratas (também são para ti ainda que ...)

outsider disse...

Quadro síntese do óbvio da margem sul:

Complexo de esquerda. Resolve-se na margem sul projectando os concelhos para se transformarem em novas Sintras e Amadoras com rio ao pé.

Democracia avançada. Conceito que mistura o fascínio pelo novo-riquismo e suas benesses com uma postura de assiduidade e "controlismo" nas reuniões da sede do Partido mais próxima.

Comunicação Social. Grupo de pessoas que convém saber receber em conferências de imprensa e ter como amigos, especialmente se se é político (independentemente da cor).

Margem Sul. Designação de zona controlada e explorada por pseudo PCPs e local de experiências sócio-económicas mais ou menos incompatíveis com a cartilha da Soeiro Pereira Gomes.

Morador da margem Sul. Nasceu noutro sítio, trabalha noutro sítio. Acha graça as iniciativas da câmara onde reside ao fim de semana.

Eleições autárquicas. Eleições onde os moradores da margem sul vão passear com os filhos as terras de origem. e o PCP vai chamar toda a gente listada no directório como votantes.

Grande capital. Grupo de pessoas de quem convém ser amigo ou facilitar favores e no entanto negar tudo.

Patos Bravos. Subgrupo do grupo anterior onde os "eleitos" pelo tipo de poder que têm podem especialmente facilitar favores.

Metropolitano Sul do Tejo. Vide metropolitano do Porto.

Comercio Tradicional. Alguém que tem uma loja e diz mal de quem abre uma loja maior ao lado. Uma loja que emprega pouca gente e normalmente familiares. Vide ainda Os chineses dão cabo de tudo e os ciganos não deviam vender nas feiras.

TSF e DN. Estruturas de comunicação Social demasiado grandes e com público pouco interessado no que se passa aqui.

Alentejanos. Grupo Geo-Social maioritário na margem Sul e nas estruturas de poder. antigos guardiões do paraíso PCP da terra.

Corroios. Veja crescimento explosivo e falta de planeamento de infraestruturas.

Barreiro. Local onde se vivia mal e onde havia emprego. Actualmente vive-se um pouco melhor mas não há trabalho. Veja Barreirenses passeiam todos os para Lisboa.

Almada. à sombra da Ponte Salazar e a comprimidos de betão cresce todos os dias.

Progresso. Unidade de medição que contabiliza o numero de habitantes. Veja ainda quantos mais... maiores as transferências do OE.