sexta-feira, setembro 14, 2007

RECICLAGEM DOS AUTARCAS E "ECOLOGITAS DE BOLSO" UMA CORRECÇÃO



O senhor Demétrio Alves (Engenheiro) publicou em 2 de Agosto, do Setúbal Na Rede, o artigo intitulado
"Ecologistas de Bolso".

Nesse artigo o senhor Demétrio Alves (Engenheiro) tecia várias consider
ações pouco abonatórias "dos chamados «ecologistas»" de que o referido senhor Demétrio Alves (Engenheiro) , "conhece as tácticas e as estratégias" , nomeadamente o "terrorismo verbal". Embora não subscreva como afirma no artigo a definição do seu "amigo e professor Sidónio Pardal" que estes movimentos ecologistas são uns "eco-patetas", teceu mesmo assim considerandos que considero no minimo redutores :

-
"A grande maioria dos movimentos ecologistas, salvo honrosas excepções, integram jovens bem-intencionados, genuinamente preocupados com algumas das graves problemáticas que assolam a humanidade, mas só com algumas, exactamente aquelas que não toquem na chaga essencial do modo de produção que actualmente domina o mundo, ficando pela rama dos assuntos, aqueles de que se alimenta o folclore mediático.

(...)Na verdade a maior parte dos seus dirigentes até são cultos e cientificamente credenciados. Mas, de facto, eles não pretendem questionar as verdadeiras razões políticas e económicas que estão na base dos graves problemas que asfixiam os povos, porque, no essencial, estes ecologistas fazem parte do sistema.

É por isso que os governos os utilizam como e quando querem, tirando-os do bolso sempre que necessário."

Escrevi então aqui no a-sul , um post discordando daquela posição tornada publica por Demétrio Alves (Engenheiro) , o referido post intitulava-se "Reciclagem dos autarcas e "ecologistas de bolso" .

Do referido texto, e depois de informado pelo próprio (?) , gostaria de corrigir que :

- Quando refiro no post "O actual tecnico da Câmara de Setúbal (os vasos comunicantes do PCP?...) - recentemente demitido das funções que dempenhava na Sociedade Setúbal POLIS - Ex. autarca Demétrio Alves, ex-presidente da Câmara de Loures (...) " ,

Demétrio Alves (Engenheiro) a quem agradeço a correcção, informa que não desempenhava desde Maio "quaisquer funções técnicas ou politicas em Setúbal" e "Fui eu que me demiti tanto Polis como da CMS".

Penso ser essa a unica imprecisão do texto que assinei , esses dois meses em que ainda o considerei funcionário da CMS, e a forma como tal aconteceu (o que dada a "turbulência" Sadina...) , aliás, é o próprio a reconhecer : "Sei que houve gente (i)rresponsável que, de uma forma deselegante e desonesta, contribuiu para o criar um certo equívoco." .

Pela mesma incorrecção peço as minas desculpas, quanto ao restante do seu texto que abaixo cito na íntegra, embora livre na interpertação que faz do post do a-sul , como me dará certamente a liberdade de interpertar o seu (?) , não pretendi, nem fiz "alusões lodosas" , "insinuações e inverdades" , ou também "caluniosas insinuações" e há muito menos "tentativa de (...) atingir em termos pessoais" ...estas interpertações, sendo legítimas, mas são exclusivamente , suas !

Quanto ao resto, o senhor Engenheiro ao tornar publica uma opinião, em democracia está sujeito ao contraditório, contraditório esse que neste blogue , não tem a expressão dos orgãos de comunicação a que o senhor engenheiro tem acesso e onde publicou o seu artigo (apesar de na região o a-sul ser uma voz incómoda sobre o PCP e o poder instalado) , mesmo assim, humildemente lhe refiro em nenhum ponto do comentário ao seu artigo foi posta em causa , o bom nome do cidadão Demétrio Alves, ou seria essa a minha intenção.

________________________________________________________

Passo a publicar na íntegra o texto remetido e assinado em nome de Demétrio Alves :

Caro "a-sul" e demais comentadores em geral,

Dizer que preferiria estár a responder a pessoas com rosto e identidade mas, enfim,lá terá que ser assim.

1- Começo por lamentar que tenha optado por fazer a sua crítica na base de insinuações e inverdades, fugindo às questões concretas, recorrendo à tentativa de me atingir em termos pessoais, coisa que me parece desaconselhável quando se quer debater questões políticas e técnicas de uma forma honesta e frontal.

2- Se pretendia, com a sua alusão lodosa (já percebi o porquê das suas preferências cinematográficas)às fases A/C e D/C, atacar-me em alguma vertente, bem poderá, como diz a malta, tirar o cavalinho da chuva. É que antes de ter desempenhado as funções presidente da câmara municipal, o que aconteceu durante dez anos, eu era técnico superior da EDP, e, depois de saír da actividade autárquica regressei exactamente à mesma empresa para trabalhar e ter a minha remuneração. Não tinha antes, e continuei a não ter depois de ser presidente, quaisquer activos imobiliários, financeiros, jóias ou bens artisticos valiosos. Sempre vivi do meu trabalho.Presentemente tenho actividade univerrsitária e sou consultor. A casa que é minha residência comprei-a à quatro anos, isto é, comecei a pagá-la à CGD porque, como a generalidade dos portugueses, tive que recorrer a um empréstimo. O mesmo para a minha viatura, adquirida em segunda mão.Devo dizer-lhe, aliás, que não me desagradaria o facto de já ser dono pleno destes e de outros bens, mas, infelizmente, não tenho posses para isso.

Conheço de gingeira um certo tipo de caluniosas insinuações, porque já tive que lidar com gente pouco escrupulosa, a quem tive que levantar os processos judiciais adequados, tendo vencido todos.Quem não consegue ganhar no plano das ideias e da luta política leal, normalmente recorre ao truque e ao golpe baixo. Espero que não seja o vosso caso.

3- Não exerço quaisquer funções técnicas ou políticas em Setúbal desde Maio deste ano. Fui eu que me demiti tanto Polis como da CMS.Expliquei, na altura, as razões porque quiz saír, ou, pelo menos, parte delas. Sei que houve gente (i)rresponsável que, de uma forma deselegante e desonesta, contribuiu para o criar um certo equívoco.Portanto, o meu caro "a-sul" está completamente "a-leste" da verdade, ou porque foi levado ao erro, ou porque quiz mentir.

4- Se tivesse tido o cuidado de estudar melhor a situação, verificaria que eu me demarquei do tal abaixo-assinado que você refere como sendo destinado a lançar-me para novas funções autárquicas, sendo, portanto, completa ficção uma hipotética recandidatura.

Porque razões andará tanta gente preocupada com o meu eventual regresso às lides políticas activas, e não me deixam apenas exercer o meu direito e dever de cidadania, emitindo opiniões e polemizando?

5- Quanto às questões relacionadas com os biocombustíveis sugiro que lei-a um artigo meu publicado em www.resistir.info.pt, com o título Bioconfusão. Depois terei muito gosto em discutir a matéria consigo e com quem mais quizer, desafiando-os a contraporem teses alternativas à minha.

6- Eu não escrevi, nem penso assim, que "Setúbal,a Região, o País e o Mundo não avançam por causa desses ecologistas". As palavras são suas,e a salada russa que tenta servir aos seus leitores, confundindo-os e distraindo-os com a questão dos Verdes e do PCP, é completamente lateral aquilo que eu defendi, que, sublinho, foi e é(0u pretendeu ser) uma análise política sobre o essencial do papel de uma parte do movimento ecologista, e não qualquer execício de gincanismo politiqueiro de cariz partidário, ou, ainda menos,um ataque pessoal aos actores envolvidos.

O esquerdismo político, as suas origens, e o papel que desempenhou no passado e que desempenha hoje em dia, estão razoávelmente bem caracterizados. Parece-me que algum do "ecologismo militante" constitui uma forma de esquerdismo pós-moderno. Claro, isto é discutível, e eu gostaria de o discutir. Mas só de uma forma séria, sff.

Deixo-lhe, contudo, um derradeiro desafio:- Tal como acontece actualmente com muitos ex-MRPP's e UDP's,ou, ainda, com ex-frequentadores de raves psicadélicas, ondas ecológicas bacanas, e outras cenas fixes herdadas do movimento dos make lovers, e que hoje em dia são inefáveis dirigentes do PSD e PS, ou dirigentes de bancos e das grandes transnacionais, não acha altamente provável que os impetuosos "Eufémios" que investiram contra as maçarocas transgénicas lá p'rás bandas de Aljezur, venham a constituir-se, também eles, daqui a uns anos, quando se despirem das actuais "rebeldias juvenis", em "conscientes e responsáveis" gestores do SISTEMA?

Demétrio Alves

8/27/2007

____________________________________________________

Atenção amanhã a esta iniciativa da Câmara do Seixal, mais aqui ; Rumo a Bombordo

6 comentários:

Anónimo disse...

O despertar das virgens puras, antes as Tágides inspiradoras.

ex-militante disse...

INTIMIDAÇÃO, INTIMIDAÇÃO, INTIMIDAÇÂO a velha tática Estalinista:

« Conheço de gingeira um certo tipo de caluniosas insinuações, porque já tive que lidar com gente pouco escrupulosa, a quem tive que levantar os processos judiciais adequados, tendo vencido todos.Quem não consegue ganhar no plano das ideias e da luta política leal, normalmente recorre ao truque e ao golpe baixo. Espero que não seja o vosso caso.»

José Santos disse...

Em breve, será divulgado, no Zumbido, o nome completo de Tony do Telhado.
Uma pequena introdução já foi feita.


José Santos
Dono e proprietário de um dos blogues mais palermas da região.

Anónimo disse...

Caro a-Sul,
registo a sua capacidade para reconhecer que, pelo menos em certos aspectos errou, e agradeço.
No entanto, quando diz que não fez insinuações, pergunto-lhe o que significará, então, a sua frase inicial, que passo a trancrever :"Seria curioso um trabalho sobre a forma como alguns autarcas, depois de concluídos os seus mandatos (aqueles que não se eternizam nos cargos) se inserem na chamada "sociedade civil" ... do comum dos mortais, isso e a comparação do estilo e plafond de vida da alguns no A/C ,D/C ou seja, Antes do Cargo e Depois do Cargo, isso e a forma que encontram para preencher o vazio deixado pela saída da ribalta."

Deixo à sua consciência crítica aquilo que escreveu, até porque, depois ainda gastou algumas linhas com alusões aquilo que seria o "meu futuro autárquico", coisa que não me passa pela cabeça. Reconheço que não explicitou afirmações, tal como faz um ou outro individuo sem escrupulos como aquele que assina como a.pacheco, em blogues da área do BE, relacionadas com supostas fraudes e ilegalidades que eu teria realizado. Ficou provado há muito tempo que tudo isso foram calúnias para me tentarem derrotar politicamente, o que não conseguiram. Seria demais que, mais uma vez, eu tivesse que me defender em tribunal, de gente desta?

Mas, e agora quanto às questões de fundo que eu coloquei:
a) não acha que os ecologistas deveriam tomar posição, por exemplo, quanto àquilo que, salvo erro meu, é uma fraude e um crime - a forma como se pretende lançar os biodiuseis e os bioalcoois pelo mundo capitalista? Porque estão calados e quietos?
b) porque motivo alguns dos dirigentes ecologistas aparecem muitas vezes de braço dado com o governo, como foi no caso da Ota? Será pelos subsídios (encapotados de pagamento de estudos e pareceres)que lhes são proporcionados?
c) Porque motivo não tomaram até hoje posição os ecologistas, quanto às gravíssimas consequências da desenfreada exploração das reservas petrolíferas, traduzida no cada vez mais evidente peak oil, verdadeiro motivo do preço ter chegado aos 80 USD?

d) Porque não desmascaram o sr. Al Gore e a sua campanha baseada na mensagem : " Você , cidadão, é o responsável pelo que está a acontecer ao ambiente mundial, portanto resolva o problema"

e) E que dizer das escandalosas negociatas com a energia eólica em Portugal, pela qual os consumidores de electricidadetêm que pagar mais 60 a 70 euros por ano, para encherem os cofres de grandes empresas e bancos (agora todos muito amigos da sustentabilidade)?

Bom, fico por aqui, deixando-lhes as minhas saudações

Demétrio Alves

Ponto Verde disse...

Caro senhor engenheiro, agradeço o seu comentário e as suas sugestões a que voltarei em futuros posts.

Sobre a sua primeira observação, trata-se de uma introdução que mantenho na íntegra e vou também voltar a desenvolver num próximo post.

Essa introdução não se destina a ninguém em especial, serve a quem serve. Só no parágrafo seguinte começo a análise ao seu artigo.

Se considera essa introdução "lodosa" está no seu direito, o que posso eu dizer.

Mas continuo a dizer que do ponto de vista sociológico e ou antropológico seria interessante acompanhar, não só as carreiras e as vidas dos eleitos, e não só autarcas, como saltam de cargo para cargo, depois de autarcas, depois de ministros...

Óbviamente quem não deve não teme, e quanto à avaliação patrimonial há já meios institucionais que assim obrigam (o que leva a concluir que não falo no vazio, nem de insinuações) e como digo não pretendi atingir ninguém.Referi-me até aos "que se eternizam no cargo" o que ao que sei não foi o seu caso.

Relembro:

"Seria curioso um trabalho sobre a forma como alguns autarcas, depois de concluídos os seus mandatos (aqueles que não se eternizam nos cargos) se inserem na chamada "sociedade civil" ... do comum dos mortais, isso e a comparação do estilo e plafond de vida da alguns no A/C ,D/C ou seja, Antes do Cargo e Depois do Cargo, isso e a forma que encontram para preencher o vazio deixado pela saída da ribalta."

Continuo a achar interessante a forma como se inserem na vida civil...se há ex. autarcas/ministros no desemprego, se há autarcas/ministros sem abrigo... se há autarcas/ministros a varrer as ruas (com o maior respeito e reconhecimento pelos ... Almeidas)... o senhor engenheiro é técnico, trabalha no dominio das suas competências, logo não é o seu caso.

Agora quanto ao que fazem, e ao que escrevem, não podem ser deixados de ser avaliados de uma outra forma que aqueles que não tiveram responsabilidades autárquicas, e na minha condição de cidadão , residente , nascido e sempre vivido neste Distrito de Setubal, acho que os seus artigos que como é óbvio leio, não podem ser avaliados esquecendo-me que foi autarca e que na autarquia de Setubal teve a sua influência e dentro das suas atribuições responsabilidades.

Cordialmente

Anónimo disse...

"(...)b) porque motivo alguns dos dirigentes ecologistas aparecem muitas vezes de braço dado com o governo, como foi no caso da Ota? Será pelos subsídios (encapotados de pagamento de estudos e pareceres)que lhes são proporcionados?(...)"

É claro que são APENAS perguntas e também é verdade que o senhor assinou o comentário mas, ACHA QUE ESTE "BARRETE" SERVE A TODOS?

Gostava de acreditar que o seu certificado de superioridade moral ainda se encontra dentro do prazo de validade mas assim...