sábado, setembro 22, 2007

SEMANA DA MOBILIDADE : ANDAM-NOS A GOZAR A METRO?


Obras do Metro Sul do Tejo, Centro de Almada, Setembro 2007 - O Metro já devia estar a passar por aqui!!!

Parece que sim, que nos andam a gozar com o Metro Sul do Tejo... Mas quem nos anda a gozar com o metro? Bom , os suspeitos do costume, a concessionária, as autarquias e o Governo.


É que todos parecem considerar normal toda esta novela e todo este gasto suplementar ao orçamentado, não estando em funcionamento o que era suposto estar a funcionar e mais grave, com um gasto superior ao orçamentado e insustentáveis perdas mensais.

Primeiro que tudo está a gozar connosco o gestor da concessionária, ao nos servir como normais os 15 mil euros custo/dia, e como justifica esses 15 mil euros custo dia com a declaração de que a actual fase de exploração "nunca foi para rentabilizar, mas antes para sensibilizar a população para este novo meio de transporte" , não parece excessivo um tal custo, só para "sensibilizar" , não há outros meios mais simples e eficazes?

É que por este custo, mais valia pagar viagens e estadias aos nossos autarcas, para verem o que se faz na Europa em termos de mobilidade, nomeadamente levando-os a visitar cidades que têm também composições Combino em funcionamento, levar os nossos autarcas a ver como este meio interage com a cidade, com o espaço urbano e como é complementado pelos restantes meios de transporte, quanto à sensibilização do Povo ela poderia ser feita de uma forma mais económica e eficaz ... por exemplo se tivesse entrado em funcionamento a amplitude de linha que era supoosta estar a funcionar neste momento!









Os 15 mil euros diários de custo promocional, mais precisamente , € 2 175 000 desde que entrou em funcionamento a 1 de Maio
! Pois é, estamos a falar de de uma campanha de (até agora) mais de DOIS MILHÕES DE EUROS que poderiam estar a ser utilizados para promover o transporte publico na margem sul de uma outra forma, nomeadamente construindo ciclovias complementares , melhorando os pontos de interface, melhorando e entrosando os outros meios de transporte publico existentes.


Depois o senhor presidente da concessionária goza connosco porque um gestor jamais poderá considerar normais tais perdas, a menos que esteja seguro de que o estado (NÓS) assumamos tal custo (alguém nos 18 Forums publicos, perguntou aos cidadãos se estavam dispostos a arcar com uma tal despesa sem sentido?) , é que é isso que parece ir acontecer, passo a citar "Se a viabilidade não for atingida, entra em cena o Estado, com uma compensação financeira que cubra os prejuizos da concessionária por o número de passageiros se encontrar abaixo do limite minimo previsto" situação que "ainda está a ser revista pelo Tribunal de Contas"... Compreende-se agora a ligeireza com que o presidente da concessionária fala dos números em jogo e de mais um negócio ruinoso para o estado?

Até agora, e como a população já demonstrou, o custo por quilómetro do Metro Sul do Tejo, mostrou-se mais caro que o projecto do TGV para Portugal .

Outra questão entretanto surgida é a construção de vários parques de estacionamento, quando o estacionamento automóvel como interface para o metro não é uma questão séria, e só estão mais uma vez, à custa do erário publico a compensar a não aplicação da lei que há muito obriga os construtores a construir lugares de estacionamento nos prédios que multiplicam a um ritmo de copy/paste e porque a linha do metro não serve as zonas mais populosas, de onde se subentende ter o cidadão que se deslocar de carro, um absurdo!

Explicam-nos também que milagre dar-se á , a partrir de Dezembro , com a entrada em funcionamento do troço até à Universidade, esquecendo-se de referir que esse troço DEVERIA já estar a funcionar!!!, a linha esta construída, as estações degradam-se porque não se quiz ou não se soube, atempadamente e da melhor forma resolver a questão do Triângulo da Ramalha! Esquecem-se também de nos informar que o custo "promocional" do funcionamento do Metro, nessa altura (15 de Dezembro) terá um saldo negativo de aproximadamente TRÊS MILHÕES QUATROCENTOS E TRINTA E CINCO MIL EUROS !

Gostaria de um simples exercicio por parte da tutela, da concessionária ou das autarquias:

- O que aconteceu, nas outras cidades do mundo onde composições do mesmo tipo COMBINO estão em funcionamento.

- Gostaria de saber se houve semelhantes atrasos , se houve semelhantes derrapagens de custos, semelhantes custos promocionais (15 mil euros diários) .

- Se houve semelhantes birras das autarquias envolvidas.

- Se entraram em jogo semelhantes garantias compensatórias por parte do Estado.

É que quase que apostava que não, mas estas seriam umas excelentes respostas a dar à população num próximo 19º Forum Publico de discussão sobre o MST. É que até agora , só têm andado a gozar connosco!


6 comentários:

Anónimo disse...

ó verde tu ainda nao vistes que o MST nao é para dar lucro meu. se assim fosse onde está o serviço publico? tens de decidir o que queres , ou queres qualidade de vida ou queres rentabilidade em tudo meu. andas a ficar um ecologista de ... ou melhor aburguesado meu. pensa la nisto meu.

olha o teu homonimo já se passou .agora até já diz que vai nao sei o quê na reunião privada da camara não sei donde mas na volta dizem que passou a reuniao toda preocupado com os terrenos que agora sao para cultivar mas que com o novo PDM vao ser para construir e sobre a sentença nem um pio, arranjastes cá um irmão meu , a andar assim ainda o alfredo um dia acorda e, a pensar que está a falar com o grande arquiteto está é a falar para o ... boneco, ponto esquece lá essa cena da viabilidade financeira do metro e pensa é nos quilos de tanga dos nossos politicos ,PÁ!

residente disse...

Excelente abordagem sobre O MST onde são levantadas questões pertinentes, oportunas e importantes, merecedoras de um profundo debate, sem convidados pagos, para defender "este brinquedo comboio" demasiado caro.

Anónimo disse...

Há aqui neste negócio uma boa oportunidade para quem queira lavar dinheiro...

Anónimo disse...

Oh meu, anónimo "defensor do povo". Ainda não entendeste que quando o serviço público dá prejuízo é o "zé povinho" que vai ter que pagar. Eu pelo menos pago impostos, tou preocupadao por estes negócios que o teu partido anda metido. É a velha história dos sitemas xoxialistas soviéticos... até que abriram falência... era só tanga, oh meu.

zé gato disse...

e quando o serviço público dá lucro é para dividir por quem ??


socooorrooooo meu deixa lá isso dos xoxialistas sovieticos e pensa que basta um só utente que ande de metro já valeu a pena. no porto estiveram décadas a ser gozados quando vinham a lisboa éra vê-los a tirar fotos no metro.

lavar dinheiro ... isso é que é complicado . estaremos a falar do QUÊ ?

Anónimo disse...

Aos construtores interessa e ajuda a vender casas o Metro à porta delas ou pelo menos perto .
Para a concessionária é igual ao litro que ande cheio ou que ande vazio, o dinheiro vai sempre lá parar.
Às câmaras interessa dar a imagem de promotoras de meios de transporte alternativos mas sem afrontar os auto(móvel)dependentes nem os trabalhadores das empresas que fazem o transporte rodoviário, que veriam os seus postos de trabalho ameaçados por um meio de transporte concorrente, caso este tivesse muita procura.
Todos sabemos quem controla os sindicatos desse sector nevrálgico.Daí, provavelmente, a escolha de alguns traçados.
Há ainda o "comboio da ponte" que também quer manter a sua posição dominante .
Daí a escolha de uma bitola que impossibilita a ligação do MST ao Metropolitano de Lisboa.
Os atrasos nas cedências de terrenos por parte das autarquias parecem ser simultanemente benéficos para coincidirem com os ciclos eleitorais nos diversos concelhos por onde passar o MST e para perpetuar no tempo a indemnização da concessionária.
Há ainda o caso dos moradores da Ramalha, agora literalmente, entrincheirados dentro de um triângulo ferroviário, que foram os primeiros a pedir explicações e documentos que não interessavam ser tornados públicos a boa parte dos envolvidos.
Sós, sem cobertura mediática e, consequentemente, sem o apoio da opinião pública , viram esta semana acontecer o impensável: o voto do PSD local juntar-se ao da CDU, legitimando ... sabe-se lá o quê.
Quando outras Ramalhas acontecerem noutros concelhos será tarde para todos.