segunda-feira, setembro 03, 2007

BICICLETA MOBILIDADE E A EUROPA



Continuando o tema de ontem, e antecipando a "Semana da mobilidade" vamos mostrar o que sériamente tem sido feito na Europa sobre a opção bicicleta em oposição ou complemento a todos os outros meios de transporte , já aqui trouxemos em posts anteriores os exemplos de Lyon, de Burgos, de Bruxelas entre outros.

Vamos hoje aqui trazer os dois casos mais recentes, inaugurados já esta Primavera/Verão e que são um sucesso , o primeiro é em Barcelona onde há cinco meses foi inaugurado o sistema Bicing , que se apresenta, não como uma curiosidade ou uma falsa preocupação ambiental, mas sim como uma verdadeira alternativa de transporte publico... aliás arrancou sem mesmo uma campanha bublicitária ou de propaganda (isto seria impensável na margem sul, onde mesmo campanhas virtuais e ficticias têm honras de primeira página) .

BARCELONA - Os números são os seguintes : Entrada em funcionamento -------- 5 meses , as previsões eram no inicio terem 15000 utilizadores inscritos para 1500 bicicletas.

Em cinco meses, os pedidos de adesão ultrapassaram os 90000 registos, com 20000 utilizadores diários.

As 1500 bicicletas iniciais passarão a 3000 até ao final do ano.
Pontos de levantamento depósito das bicicletas, são actualmente 120 e serão 200 até ao final do ano.

Filosofia de utilização - Inscrição pela internet, fornecida identificação e cartão de crédito recebendo depois pelo correio um cartão de acesso mediante uma taxa anual de 24 euros para percursos até 30 minutos.

Outro exemplo vem de Paris, há ainda menos tempo, o sistema denominado VELIB , foi implantado a 15 de Junho !!!




















PARIS - Os números
------ em dois meses UM MILHÃO DE INSCRITOS , 11 000 bicicletas disponiveis que serão 20 600 até ao final de 2007

Locais de distribuição 750, serão 1450 até ao final do ano.

Filosofia de utilização, o utilizador regista-se mediante preenchimento de um formulário , os primeiros 30 minutos são grátis, a primeira meia hora depois é taxada a 1 euro, a segunda a 2 € e as demais a 4 euros .



De notar que a implantação e gestão destes sistemas resulta de concurso com empresas privadas que o gerem, nomeadamente empresas concessionárias de mobiliário urbano, o que não traz custos acrescidos às autarqui
as.



______________________________________________________

Aqui, num tom mais descontraído , um outro mundo ou as aventuras de um Americano em Amsterdão, agradecimentos a Sargaçal.

Quem acha ainda que bicicleta é coisa de cota ou de pobre?

4 comentários:

M.João disse...

Em Portugal é tudo inconsequente , a semana da mobilidade e o dia sem carros, lá fora, em cidades com estes projectos e com ciclovias sim, há uma alternativa. Em Portugal não. Estes dias e estas semanas são só para dar valor ao "conforto" do automóvel porque não restam alternativas.

residente disse...

Caro Ponto Verde
Só hoje fiquei a saber que me tinha contactado para divulgar post do Triângulo da Ramalha sobre os custos TGV/MST. Já vi que o fez. Não há qualquer problema.

Anónimo disse...

Atenção: Barcelona é uma cidade plana!!! Mas... a Almada e Seixal tb é... ups! :)

Em Aveiro tb fizeram algo parecido e foi um sucesso!

Anónimo disse...

Já houve tempo em que a bicicleta foi um meio de transporte popular a começar pelo operariado. Nos fins da década de 40 do século passado até à década de 70 do mesmo século.As tendências até aqui progressistas, enveredaram pelo aburguesamento e, assim, a bicicleta que eu fazia mover ,perdeu a parada em favor do automóvel que me transporta sem esforço! As autarquias têm feito ultimamente uso e abuso do solo bordejando estradas, quero dizer, ciclovias sem jeito nem trambelho.
Conclusão: como não há um estudo científico profíquo, são feitas a trouxe-mouxe e o resultado é o que vê!