quarta-feira, agosto 08, 2007

A RECICLAGEM DOS AUTARCAS E "ECOLOGISTAS DE BOLSO"



Seria curioso um trabalho sobre a forma como alguns autarcas, depois de concluídos os seus mandatos (aqueles que não se eternizam nos cargos) se inserem na chamada "sociedade civil" ... do comum dos
mortais, isso e a comparação do estilo e plafond de vida da alguns no A/C ,D/C ou seja, Antes do Cargo e Depois do Cargo, isso e a forma que encontram para preencher o vazio deixado pela saída da ribalta.

O actual tecnico da Câmara de Setúbal (os vasos comunicantes do PCP?...) - recentemente demitido das funções que dempenhava na Sociedade Setúbal POLIS - Ex. autarca Demétrio Alves, ex-presidente da Câmara de Loures dedica-se ao colunismo e curiosamente tem à sua volta um ruído de fundo no sentido de se recandidatar (clique) . Depois da "travessia no deserto" setubalense e nos serviços prestados, o abaixo assinado parece que circula já na net. Antes que tal aconteça, o ilustre ex-autarca afastado, vai assinando umas crónicas na plataforma que lhe é disponibilizada, no caso o jornal electrónico Setubal na Rede, na sua última crónica (clique) de opinião os visados são os por si chamados "ecologistas de bolso".

E o que são, no entender deste ex. futuro autarca um "ecologista de bolso" ?

Citando o shôr engenheiro :

- "a maior parte (...) até são cultos e cientificamente credenciados. Mas, de facto, eles não pretendem questionar as verdadeiras razões políticas e económicas que estão na base dos graves problemas que asfixiam os povos, porque, no essencial, estes ecologistas fazem parte do sistema.É por isso que os governos os utilizam como e quando querem, tirando-os do bolso sempre que necessário."

Curiosa esta descrição, deliciosa mesmo, os ecologistas e seus movimentos são afinal nada mais de um meio de manipulação governamental que faz afinal "parte do sistema" e mais grave " não pretendem questionar as verdadeiras razões politicas e económicas..." não é de admirar que o PCP tenha querido aglutinar na sua criaçãop de "Os Verdes" o movimento ecologista para que estes estivessem no seu bolso e não no de outrem , certamente para que em vez de ecologia, sustentabilidade, ordenamento, qualidade de vida, se preocupassem com os problemas que o deputado Madeira normalmente assinala no Parlamento.

Por outro lado, Setúbal, a Região, o País e o Mundo não avançam por causa desses Ecologistas!
Ao assinar este artigo, o senhor engenheiro ex. e futuro autarca vem confirmar o que a sua ex Camarada de Partido referiu acerca dos "Verdes" e pretensões na sua criação pelo PCP e que para além disso, o PCP não tem conseguido instrumentalizar os movimentos, dirigentes e organizações ecologistas como gostaria (folgo em sabê-lo). Também é curioso que as questões de aliviar a dependência do petróleo, sejam consideradas por este ex. e futuro autarca :

"
(...)monumental embuste representado pelos designados biocombustíveis, mais propriamente os biodiseis e os bioalcoois, na perspectiva que lhe vem sendo dada pelas grandes economias neoliberais".

Já tinhamos a perspectiva do "embuste" ecológico defendido por alguns iluminados no que respeita às alterações climáticas pela sua negação, agora temos as alternativas energéticas transformadas em conspiração neo-liberal...
Mas o que não deixa de ser curioso são os ataques pessoais (caracteristicos) aos ecologistas locais , mesmo quando não se pode afastar do politicamente correcto da sua actuação .

Agora não se admite é que um ex. autarca e actual técnico superior de uma Câmara (disfuncional) como a de Setúbal venha a pôr os ecologistas como bodes espiatórios da sua incompetência quando refere o seguinte :


"Quanto aos impactes expectáveis dos grandes empreendimentos turísticos de Tróia, e dos restantes PIN’s em desenvolvimento, é certo que algumas organizações ecologistas já se manifestaram. Mas, quanto a Tróia, aquilo a que se dá relevo, é à diminuição da população dos golfinhos. Bom, é de facto problemática essa questão, que, aliás, já levou o empório de Belmiro a vir dizer-se amigo dos roazes corvineiros, e, porventura, não desdenharia aproveitá-los como ícones da sua “sustentabilidade empresarial”. Contudo, quanto ao essencial, ou seja, o bem-estar durável dos cidadãos de Setúbal, pouco se diz e nada se faz."

Ò senhor Engenheiro, ex autarca , actual técnico da Câmara de Setúbal:
- Mas afinal quem nada faz não será por acaso a autarquia Setubalense ?

O Senhor autarca enganou-se no alvo, é que não há ecologistas na vereação, à excepção dos "Verdes" , os "Ecologistas de bolso" do seu partido !!!

8 comentários:

Anónimo disse...

Os ecologistas são uns malvados e os autarcas uns bem intencionados, mais Demétrios não obrigada.

Anónimo disse...

FOTOGRAFIA DE ESGOTO a CEU ABERTO:

Onde será?

www.juventudeseixal.blogspot.com

jsd seixal disse...

FOTOGRAFIA DE ESGOTO a CEU ABERTO:

Onde será?

www.juventudeseixal.blogspot.com

Anónimo disse...

engraçado é que não vejo este comunista dizer mentira nenhuma.

Anónimo disse...

Para se ser ecologista não é preciso ser ignorante e preconceituoso. Também dá jeito andar actualizado com as notícias. Há meses que Demétrio Alves saiu de Setúbal!...

Ponto Verde disse...

O texto do Engenheiro Demétrio é actual e recomenda-se a sua leitura, quanto a ter saído "há meses" de Setubal ...não atirem areia para os olhos dos cidadãos...

Mário da Silva disse...

Gabo-lhe a pachorra de ainda ir escrevendo sobre estes "comunistas" de pacotilha que nos rodeiam.

Bem disse alguém noutro blog que este partido devia mudar de nome e passar a chamar-se PARTIDO DO COLECTIVO.

Era mais honesto e sincero.

Agora virem sempre encher a boca com o POVO e depois vêr-se o que é a verdadeira acção dos detentores de poder real afectos ao PC até dá nojo.

E se juntarmos a estes os "socialistas" aberrantes que hoje temos no poder central não sei o que nos sobra da verdadeira Esquerda Socialista. É mesmo muito triste, muito triste.

Até mais.

Demétrio Alves disse...

Caro "a-sul" e demais comentadores em geral,

Dizer que preferiria estár a responder a pessoas com rosto e identidade mas, enfim,lá terá que ser assim.

1- Começo por lamentar que tenha optado por fazer a sua crítica na base de insinuações e inverdades, fugindo às questões concretas, recorrendo à tentativa de me atingir em termos pessoais, coisa que me parece desaconselhável quando se quer debater questões políticas e técnicas de uma forma honesta e frontal.
2- Se pretendia, com a sua alusão lodosa (já percebi o porquê das suas preferências cinematográficas)às fases A/C e D/C, atacar-me em alguma vertente, bem poderá, como diz a malta, tirar o cavalinho da chuva. É que antes de ter desempenhado as funções presidente da câmara municipal, o que aconteceu durante dez anos, eu era técnico superior da EDP, e, depois de saír da actividade autárquica regressei exactamente à mesma empresa para trabalhar e ter a minha remuneração. Não tinha antes, e continuei a não ter depois de ser presidente, quaisquer activos imobiliários, financeiros, jóias ou bens artisticos valiosos. Sempre vivi do meu trabalho.Presentemente tenho actividade univerrsitária e sou consultor. A casa que é minha residência comprei-a à quatro anos, isto é, comecei a pagá-la à CGD porque, como a generalidade dos portugueses, tive que recorrer a um empréstimo. O mesmo para a minha viatura, adquirida em segunda mão.Devo dizer-lhe, aliás, que não me desagradaria o facto de já ser dono pleno destes e de outros bens, mas, infelizmente, não tenho posses para isso.
Conheço de gingeira um certo tipo de caluniodsas insinuações, porque já tive que lidar com gente pouco escrupulosa, a quem tive que levantar os processos judiciais adequados, tendo vencido todos.Quem não consegue ganhar no plano das ideias e da luta política leal, normalmente recorre ao truque e ao golpe baixo. Espero que não seja o vosso caso.
3- Não exerço quaisquer funções técnicas ou políticas em Setúbal desde Maio deste ano. Fui eu que me demiti tanto Polis como da CMS.Expliquei, na altura, as razões porque quiz saír, ou, pelo menos, parte delas. Sei que houve gente (i)rresponsável que, de uma forma deselegante e desonesta, contribuiu para o criar um certo equívoco.Portanto, o meu caro "a-sul" está completamente "a-leste" da verdade, ou porque foi levado ao erro, ou porque quiz mentir.
4- Se tivesse tido o cuidado de estudar melhor a situação, verificaria que eu me demarquei do tal abaixo-assinado que você refere como sendo destinado a lançar-me para novas funções autárquicas, sendo, portanto, completa ficção uma hipotética recandidatura. Porque razões andará tanta gente preocupada com o meu eventual regresso às lides políticas activas, e não me deixam apenas exercer o meu direito e dever de cidadania, emitindo opiniões e polemizando?
5- Quanto às questões relacionadas com os biocombustíveis sugiro que lei-a um artigo meu publicado em www.resistir.info.pt, com o título Bioconfusão. Depois terei muito gosto em discutir a matéria consigo e com quem mais quizer, desafiando-os a contraporem teses alternativas à minha.
6- Eu não escrevi, nem penso assim, que "Setúbal,a Região, o País e o Mundo não avançam por causa desses ecologistas". As palavras são suas,e a salada russa que tenta servir aos seus leitores, confundindo-os e distraindo-os com a questão dos Verdes e do PCP, é completamente lateral aquilo que eu defendi, que, sublinho, foi e é(0u pretendeu ser) uma análise política sobre o essencial do papel de uma parte do movimento ecologista, e não qualquer execício de gincanismo politiqueiro de cariz partidário, ou, ainda menos,um ataque pessoal aos actores envolvidos.
O esquerdismo político, as suas origens, e o papel que desempenhou no passado e que desempenha hoje em dia, estão razoávelmente bem caracterizados. Parece-me que algum do "ecologismo militante" constitui uma forma de esquerdismo pós-moderno. Claro, isto é discutível, e eu gostaria de o discutir. Mas só de uma forma séria, sff.
Deixo-lhe, contudo, um derradeiro desafio:- Tal como acontece actualmente com muitos ex-MRPP's e UDP's,ou, ainda, com ex-frequentadores de raves psicadélicas, ondas ecológicas bacanas, e outras cenas fixes herdadas do movimento dos make lovers, e que hoje em dia são inefáveis dirigentes do PSD e PS, ou dirigentes de bancos e das grandes transnacionais, não acha altamente provável que os impetuosos "Eufémios" que investiram contra as maçarocas transgénicas lá p'rás bandas de Aljezur, venham a constituir-se, também eles, daqui a uns anos, quando se despirem das actuais "rebeldias juvenis", em "conscientes e responsáveis" gestores do SISTEMA?

Demétrio Alves