domingo, abril 16, 2006

ALMADA - FICÇÃO VELOCIPÉDICA










Na imagem Paris, uma cidade ciclável, como centenas de outras por essa Europa fora, como Copenhague (clique), Bruxelas, Amsterdão (clique) , Londres ou Barcelona aqui tão perto (clique) , não teria sido mais pedagógico para os autarcas Almadenses e mais barato para o erário público uma visista a estas cidades do que ir assistir a um congresso sobre o tema à Cidade do Cabo, Àfrica do Sul?Não seria preferivel ver o original projecto de Lyon (clique) por exemplo?

Depois dos estonteantes "duzentos e tal quilómetros de vias cicláveis" anunciados antes das ultimas autárquicas (e que até hoje ninguém encontrou) , eis que a autarquia de Almada esteve representada numa conferência mundial para o uso da bicicleta, afinal parece que os conselhos por nós aqui dados (clique) foram encarados sériamente, a menos que os autarcas só tenham ido fazer ciclo- turismo.

A noticia a que nos referimos foi publicada na edição de Abril da revista ALMADA que passamos a transcrever:

______________________________________________

Conferência Mundial- Concelho no Velo Mundial 2006

"O município de Almada esteve na Cidade do Cabo, na África do Sul, para participar na grande conferência internacional Velo Mundial 2006, conjuntamente com 250 delegados de 41 países. Este encontro realiza-se de seis em seis anos, com o objectivo de reflectir e estabelecer estratégias que promovam o uso da bicicleta, enquanto meio de locomoção sustentável.

A grande preocupação deste terceiro encontro foi elevar o estatuto da bicicleta, enquanto meio de transporte, e não apenas como objecto de lazer, medida que poderá ajudar a democratizar as sociedades, a contribuir para a saúde e bem-estar da população e a reduzir as emissões de CO2 (dióxido de carbono).

Com esta participação, Almada pode contactar com experiências de topo a nível internacional que poderão vir a integrar o Plano Almada Ciclável.

Democratizar o uso da bicicleta Em países como a África do Sul, ainda com marcas do Apartheid, a bicicleta pode ajudar a esbater as diferenças sociais, melhorando as deslocações diárias entre os bairros construídos fora do perímetro urbano e a própria cidade onde os empregos se concentram.Neste contexto, os países que participaram no Velo Mundial pretendem iniciar campanhas de solidariedade, recolhendo, recuperando e entregando bicicletas antigas, a países onde estas possam ajudar a democratizar a sociedade. A iniciativa deve incluir acções de formação para a manutenção dos equipamentos.

A dinamização de campanhas desta natureza em Almada poderá vir a ser desenhada no quadro das acções cooperação que a Câmara tem vindo a realizar, tendo-se aproveitado a Conferência para estabelecer contactos com os Países de expressão portuguesa participantes: Angola e Moçambique.

Um nicho de mercadoA bicicleta surge ainda como um vector de desenvolvimento ao nível do turismo, que assim se assume como um nicho de mercado a explorar.

Permite um turismo diferenciado, estimulando o contacto com a natureza, facilitando a ligação de pontos de atracção diferenciados, sejam museus, parques verdes, praias, ou outros locais de interesse.A promoção do ciclo-turismo em áreas do Concelho de Almada de vocação mais turística, é uma vertente que o Plano Almada Ciclável pretende explorar, em articulação com outros projectos estratégicos do Município."
_________________________________________________

Como se vê , uma verdadeira pérola de cínismo e demagogia face à realidade!!! Mais uma dúvida se alguém da CMA me puder esclarecer, o que tem o Apartheid a ver com isto tudo???

-Expliquem-me como se eu tivesse quatro anos como aquela criança do anúncio do ecoponto!!!

E já agora, não cai mal esse paternalismo post-colonialista ? É que Portugal e muito menos Almada tem lições a dar cobre a democratização do uso da bicicleta no seu próprio território, ou "entregando bicicletas antigas" a quem as não tem, nem posses para as adquirir, mas já pretende fazê-lo nos PALOP's... fantástico! Não é?

Já agora sugeria a ida de uma delegação da CMA em acto de humildade pedagógica , a um país civilizado da Europa, duas horas de avião em vez das doze, para ver na prática o que se faz em Copenhaga ou Amsterdão e não na teoria da Cidade do Cabo, aliás, na Africa do Sul que conheço não há tradição do uso da bicicleta em massa, tal como nos restantes PALOP's dados como exemplo!!! Essas referências estão bem mais perto!

9 comentários:

Anónimo disse...

Estes camaradas não têm cura!!!

jpt disse...

obrigado pelo aviso ao post. é completamente inacreditável. grande risada. mandem um tipo que chega, há-de ver a explosão de gingas por cá. nã precisa de vir cá ensinar a andar. depois não precisa de oferecer as velhas, há as do malawi e da china, dá para comprar (e são novas).
vá lá, podem mandar delegação: praia, caranguejo, meninas. mas depois regressem aí e não voltem com bicicletas velhas
(Essa gente não tem vergonha, mesmo)

Anónimo disse...

Ficção é tu existires.
Talvez seja melhor fechares esta espelunca...

© JJCN 07 disse...

É inacreditável…por este caminho (não ciclável), vão construir cidades cicláveis na Lua, ainda primeiro, que neste país á beira-mar plantado…

Anónimo disse...

eu já sugeri uma vez...
precisarei explicar melhor?

KALU disse...

Não têm cura mesmo, e uma delegação ao Polo Norte para explicar aos esquimós as virtudes da arca congeladora.Tudo isto está na linha dasa ladas na Assembleia, das viagens Fantasma...do assinar o ponto e bazar... estes detentores de cargos publicos vivem à nossa custa quer a nivel local, quer nacional e esgotam-se em comissões de estudo, de acompanhamento, assessores e outros parasitas que tais, cada um destes cargos à pala do PCP na Margem Sul , dá direito a uma maquia para o proprio partido, e estas viagens possivelmente renderão alguma coisa.

Anónimo disse...

por acaso conhecem as cidades em causa? já repararam que en todas elas o relevo é praticamente inexistente?

este blog é uma ficção

Anónimo disse...

Sim, por acaso conhece Bruxelas, Paris, Lyon... o relevo é tudo menos inexistente, e se tal é impraticável para a Margem Sul., onde o relevo é práticamente inexistente, então porquê este interesse de Almada? Passear os autarcas? Estes politicos ditos ecologistas é que são uma ficção!!!

anabananasplit disse...

Olá. :-)

No passado dia 15 de Março pude assistir a uma seminário subordinado ao tema "Mobilidade Sustentável: iniciativas e experiências" organizado pelo Instituto do Ambiente em que foi feita uma apresentação do Plano Almada Ciclável. Gostei muito do que vi. A apresentação pode ser descarregada aqui: http://www.iambiente.pt/ngt_server/ngtifs/iFileDialog.jsp?path=//Servidor/Destaques/761/CMAlmada.pdf&action=7.

As outras também estão disponíveis: http://www.iambiente.pt/portal/page?_pageid=73,32775&_dad=gov_portal_ia&_schema=GOV_PORTAL_IA&id_item=761

Eu tenho esperança que um projecto tão bom não fique apenas no papel! Vamos esperar para ver! ;-)

Cumprimentos,

Ana

P.S.: parabéns pelo serviço público que presta neste blog.