sábado, abril 01, 2006

NUCLEAR ???














Subitamente entrou de novo em cena em Portugal a discussão sobre a opção pela energia nuclear, uma discussão que já por cá tinha estado na ordem do dia há trinta anos atrás.

De repente , como que do nada emergiu o poderosíssimo Lobbye nuclear, é obvio que o preço a que está a "estabilizar" o barril de petróleo terá a sua influência, mas outros factores haverá que convirá não perder de vista.

Enquanto essas forças tentam impôr essa opção a Portugal, em Inglaterra o governo concessionou o desmantelamento a privados, de 20 centrais nucleares, um custo de cem milhões de euros, simultâneamente o governo britânico do Gupo Nuclear Britânico, a entidade publica responsável pelo desmantelamento de centrais nucleares em fim de ciclo revelou que a entrega a privados é a melhor solução , como forma de aliviar custos para o estado do que consideram a "Pesada Herança" de sessenta anos de Histório Nuclear Britânica segundo declaração do presidente da Autoridade para o Desmantelamento Nuclear.

6 comentários:

Cx do Lixo disse...

HOJE É O DIA DO PONTO VERDE.

Anónimo disse...

Não faz mal, os restantes 364 são vossos...

Anónimo disse...

Hoje dia veio à ribalta o nuclear com os profetas a anunciar energia barata, segura e sobretudo limpa!! Pois, podíamos olhar para os desastres nucleares e ver os milhões de pessoas que morreram e as gerações futuras que ficaram irremediavelmente afectadas, os solos que vão ficar para sempre inutilizados....tb podíamos perguntar a esses profetas o que vão fazer com os resíduos nucleares que se mantém activos milhares de anos, ou perguntar quem vai pagar o desmantelamento das centrais daqui a 50 anos?? Basta olhar para chernobyl e ver a dimensão do desastre e que se algo acontece em Portugal afectaria todo o país... sim, já vejo os profetas a dizer:" mas já temos centrais nucleares... aqui mesmo ao lado, junto da nossa fronteira! É verdade, mas sobre isso nada podemos fazer, mas sobre o que se passa no “nosso quintal” ainda temos algum poder de decisão e a opção não é o nuclear, mas sim a poupança de energia seguida na aposta de energias alternativas limpa e sobretudo amigas do ambiente! Estes profetas querem, como todos sabemos, fazer negócio... se algo de mau acontecer apanham o seu avião e vão embora... nós o povo ficamos cá a morrer num longa agonia!
LEMBREM-SE DE CHERNOBYL

P.S: cx do lixo, comporte-se como um adulto! Se não tem ideias fique calado!

Anónimo disse...

no post anterior esqueci-me deste link. vale a pena ver.Dez anos após o desastre:
http://archive.greenpeace.org/comms/nukes/chernob/cherfoto.html

António

© JJCN 07 disse...

É sempre o mesmo...
neste país é tudo ao contrário...
sempre os 20 anos de atraso...
sempre os mesmos a decidir...
sempre a falta de imaginação...
para não dizer mais...

Anónimo disse...

Enquanto por cá se extingue o Inst Nac do Transp Ferroviário (em tempo de TGV e Metros de superficie...) aqui está uma notícia p reflectir:

Japão terá comboios a pilha de combustível em 2007

A companhia ferroviária japonesa JR East, que serve a região de Tóquio, prevê dispor em 2007 do primeiro comboio movido a pilha de combustível no mundo, informa hoje a agência noticiosa Jiji.



A empresa está a ultimar o seu protótipo de comboio de uma só carruagem a pilha de combustível capaz de circular a 100 quilómetros por hora graças a uma bateria com 65 quilowatts de potência, segundo a agência.
A JR East prevê pôr a circular a primeira composição deste tipo, chamada «NE Train» (comboio a novas energias), em meados de 2007 em linhas regionais das zonas montanhosas a oeste de Tóquio.

A companhia optou por este tipo de comboio por ser mais ecológico, já que limita o consumo de energia e as emissões poluentes.

As pilhas de combustível só largam água e recarregam-se com hidrogénio.

O Japão está na vanguarda do desenvolvimento das pilhas de combustível e de outras energias limpas, cujo potencial cedo suscitou o interesse do Estado e da indústria, nomeadamente dos construtores de automóveis e dos grupos de electrónica.

Diário Digital / Lusa