sábado, abril 22, 2006

COMPARAR 2

Compare a Margem Sul , Fisica , e sua gestão Politica com a Constituição da República e com as palavras que as forças que suportam essa gestão politica supostamente têm como suas:
Artigo 66º

1. Todos têm direito a um ambiente de vida humano, sadio e ecologicamente equilibrado e o dever de o defender.





No Seixal, um movimento de cidadãos em defesa de uma zona verde protegida "Flor da Mata" , neste caso , foi sistemáticamente tentada a sua desacreditação e reprimidos os seus direitos de denúncia e oposição , inclusivamente ameaçados em sessão de Câmara com a Policia pelas denuncias de irregularidades apresentadas nesse processo (clique).
Um abaixo assinado por si apres
entado com 4000 assinaturas em defesa daquele espaço, foi ignorado e desvalorizado, uma manifestação no Seixal teve como resultado a fuga do Presidente de Câmara (clique) que não recebeu os cidadãos isto quando :

2. Para assegurar o direito ao ambiente, no quadro de um desenvolvimento sustentável, incumbe ao Estado, por meio de organismos próprios e com o envolvimento e a participação dos cidadãos:

a) Prevenir e controlar a poluição e os seus efeitos e as formas prejudiciais de erosão;














No Seixal (clique) , que nos ultimos dez anos cresceu 30% e desde os anos sessenta cresceu de 20.470 habitantes para 160.000 continua sem tratamento de esgotos (clique) para a maioria dos seus actuais habitantes, isto às portas de Lisboa, a Capital!

b) Ordenar e promover o ordenamento do território, tendo em vista uma correcta localização das actividades, um equilibrado desenvolvimento sócio-económico e a valorização da paisagem;

















A um c
rescimento urbano explosivo (clique) e caótico, não tem correspondido uma gestão à altura do território de acordo com a Constituição, não há qualidade no construído nem na salvaguarda da qualidade do espaço tornado não natural, violando de forma grosseira o "construir paisagens biologicamente equilibradas" , cada vez há uma menor biodiversidade e àreas verdes na Margem Sul

_______________________________________________________

PUBLICIDADE ENGANOSA!

Num concelho de 160000 habitantes onde só há uma livraria e essa só foi inaugurada há um mês, foi bem-vinda a noticia de uma realização da Câmara do Seixal intitulada 1ª Feira do Livro do Seixal (clique) , lá me desloquei nesta tarde de sábado e o que encontrei foi afinal , não uma Feira do Livro, mas uma tenda cheia de MONOS a sua maioria da Editorial Caminho e das Edições AVANTE, também alguns livros Edições Câmara do Seixal (por acaso quiz comprar um mas não pude porque não sabiam o preço, a Câmara não tinha dito qual era...). Palavras para quê?

5 comentários:

Matute, Varillon, Otto disse...

Excelent blog! In Argentina we are fighting with the Uruguay goverment who wants to put a paper´s factory.

Thanks for your recomendation and keep fighting!

Otto

Anónimo disse...

Uma tanga aquela suposta feira do livro, miserável , e aqueles posters do Sebastião Salgado já em elevado estado de degradação. Para além dos livros serem mais baratos no Continente.

RAA disse...

Obrigado pela visita; passarei por cá mais vezes.

Anónimo disse...

Grupo de cidadãos? Grupo de Fascistas xenófabos que impediram a construção de um bairro para trabalhadores emigrantes num sitio que só serve a prostitutas e para despejar entulho.

afrodite disse...

"O Engenheiro José Sócrates, homem moderno, culto e informado, levanta bem alto a bandeira da co-incineração. Vários países desenvolvidos entendem que a co-incineração está ultrapassada e querer implementá-la é fazer um retrocesso civilizacional. Portugal, em 22 de Maio de 2001, a, assinou a Convenção de Estocolmo sobre Poluentes Orgânicos Persistentes. Nesta convenção, a co-incineração de resíduos perigosos em cimenteiras está explicitamente listada como uma actividade a ser eliminada o mais depressa possível (Anexo C, Part II, alínea b da Convenção). Ora, por esta altura José Sócrates era Ministro do Ambiente de um Governo que assinou um documento que vai contra o que ele defendia e defende para o País.
Ora, se para mais de 100 países que assinaram a Convenção (incluindo Portugal), a Co-incineração deve ser abolida o mais depressa, porque é que um antigo Ministro do Ambiente e agora um Primeiro-ministro a defende em Portugal e a condena no resto do mundo. É aceite, a nível mundial que a Política de Resíduos deve respeitar as alternativas de Redução, Reutilização e Reciclagem, para se poupar os recursos naturais. Ora os Governos do P.S. não o fazem e apontam o caminho da destruição dos resíduos como solução. E onde fazer esta destruição? Nos fornos das cimenteiras, que não foram construídos para o efeito, utilizando os resíduos como combustível..." Ponto verde comenta, salva-nos deste tirano com nome de filosofo.