quarta-feira, janeiro 23, 2008

ACESSIBILIDADES.


Parece que vão ser reveladas hoje algumas novidades sobre a rede de acessibilidades do Seixal.

Esse plano é pela posição geográfica do Seixal, também de extrema importância para toda a região , incluindo destinos verdadeiramente turisticos e densamente povoados como Sesimbra.


Será que nesse pacote de anuncio de obra, certamente já a pensar nas próximas eleições , finalmente vão haver revelações sobre qual a posição da autarquia , ao já divulgado, de que algumas das vias serão portajadas ?

Mais curiosos ainda estamos, para saber quando , como e com que financiamento vai ser concluído o viaduto de Corroios parado vai para mais de dois anos bem como a via alternativa à EN 10.


Relembro que esta obra anunciada como "do Município" era afinal consequência de contrapartidas dadas pelo Grupo Carrefour para construír um Hipermercado na Quinta da Princesa, obra exemplarmente suspensa pelo corte ilegal de sobreiros existentes no local.


Entretanto a cenário montado pela Câmara do Seixal para se desculpar da autorização de construção de mais uma Grande Superfície , "a concorrência ao Continente" , gorou-se , uma vez que o Carrefour foi recentemente adquirido pela SONAE.

Sobre este passo , a decisão da Autoridade da Concorrência decretou como consequências:


"Em comunicado entretanto enviado ao mercado, a Sonae descreve aquilo que são os remédios, que envolvem a alienação de um projecto seu para hipermercado em Viana do Castelo, um hipermercado seu ou do Carrefour em Portimão, e um hipermercado ou supermercado seu ou um hiper do Carrefour ou em Coimbra.

Compromete-se ainda a congelar novos pedidos de licenças nos mercados da Margem Sul do Tejo, Paços de Ferreira/Penafiel, Viana do Castelo, Coimbra e Portimão.
Os "remédios" A "decisão provável" de "não oposição" à concentração com o Carrefour – negócio de 662 milhões de euros que envolve 12 hipermercados da marca francesa e outros 13 projectos – está dependente de vários remédios naqueles mercados locais.

Assim, na Margem Sul do Tejo – Montijo, Barreiro e Seixal – a Sonae Distribuição compromete-se, nos próximos três anos, a "limitar o crescimento projectado para a área". Fica assim "impedida de aumentar a área de vendas" da base alimentar, em mais de 14.000 metros quadrados. A companhia vincula-se, durante o mesmo espaço de tempo, "a manter a totalidade da área de vendas, sob o seu controlo, em valor inferior a 50.000 metros quadrados. "

Como será também resolvido o pagamento da obra executada como antecipação deste negócio , o nó desnivelado da Cruz de Pau ?

6 comentários:

Anónimo disse...

uma questão pretinente... após o parecer positivo da câmara municipal do Seixal para a demolição das infraestruras no Sapal de Corroios que ao que parece, foi colocada de parte "a pedra no sapato" para o retorno das obras da piscicultura no Sapal, já se fala em acessibilidades na alternativa à N10? Estranho! de querm eram então os terrenos por onde vai passar o viaduto? existiu expropriação do mesmo? não ouvi falar em nada! e a questão dos sobreiros? já não existe problema nenhum! a direcção geral das florestas (n sei se ainda se chama assim) deu nota positiva para o avanço desta obra?...Eu arriscaria a dizer que há aqui "um cambalacho".. estranho... muito estranho.. como as estas coisas avançam rápidamente enquanto outras demoram anos a serem resolvidas...

Anónimo disse...

POIS!!!

Anónimo disse...

a agricultura finalmente cedeu às pressões da economia, do ambiente e do ordenamento do território e da administração local.

um vergonha senhor Sousa!

João

Arbutus unedo disse...

O vereador Jorge Silva fechou o ciclo, mostrando assim que afinal o que se falava era verdade.

Tem o problema dos sobreiros resolvidos com o ministro da agricultura (pois deu a piscicultura).

Com o Fernandes aprovou o seu projecto para destruir o sapal e ele deu-lhe os terrenos para passar a alternativa à nacional.

Ora ai esta uma historia feliz, onde todos ganham, excepto a população do seixal e de Portugal, porque o Sapal de Corroios é património nacional e não local.

Anónimo disse...

Vergonhoso pois então!

toma e embrulha! disse...

Foi arquivado o Inquérito n.º 28/07.0TELSB relativo à queixa intentada pelo cidadão José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa e primeiro ministro enquanto tal contra mim, António Balbino Caldeira, conforme despacho da senhora procuradora-geral adjunta dra. Maria Cândida Almeida (directora da DCIAP) e da senhora procuradora-adjunta dra. Carla Dias, datado de 18-1-2008 e que há pouco recebi.

O motivo da "queixa do cidadão José Sócrates e primeiro-ministro enquanto tal", que finalmente posso revelar, foi a minha referência ao "centro governamental de comando e controlo dos media" no post "Rasganço domingueiro" em 7-4-2007 (e à "força de encobrimento e contra-informação do centro de comando e controlo do Gabinete do Primeiro-Ministro" no post "Páscoa da Cidadania", ainda de 7-4-2007) e a questão do MBA curso/grau.

O Ministério Público arquivou e mandou notificar o cidadão José Sócrates e primeiro-ministro para deduzir, se o entendesse, no prazo indicado, acusação particular. José Sócrates não deduziu acusação particular contra mim e o Ministério Público determinou o arquivamento dos autos.
(...)"

http://www.doportugalprofundo.blogspot.com/