sábado, setembro 03, 2005

FESTA DO AVANTE 2005 - "CDU NAS AUTARQUIAS, UM PROJECTO DIFERENTE" - TEORIA E PRÁTICA














Uma nova grande superfície, desta feita do grupo Leclerc vai-se instalar na Amora, nos 30000m2 nas antigas instalações da Fábrica Queimado e Pampolin em plena Baía.


Na revista PODER LOCAL de Dezembro de 2003, Eduardo Baptista teorizava sobre a intervenção do PCP em termos de ordenamento territorial, citando conclusões da Conferência Nacional Sobre o Poder Local de Maio de 2003 referiu que, «Os PDMs traduzem uma politica e a vontade de, «com as populações identificar os problemas, compreender e fazer compreender os interesse em jogo, definir politicas com assumida opção de classe e mobilizar para a luta pelas soluções mais ajustadas e , colectivamente compreendidas para cada caso» e depois que " Essa participação que é marca de um estilo de trabalho democrático, é um factor de reforço da consciência social e politica das populações" (ou seja , o PCP legitima a critica, coisa que desde o inicio aqui no a-sul temos feito, mas que alguém no local, se sente afectado chama de "bota abaixo"...) e continua o autor "Contudo, temos que ter presente que defender os interesses das populações não significa a adopção de medidas que podem ter impactos populistas, baseadas em esteriotipos de modernidade mas com prejuizo para um verdadeiro desenvolvimento equilibrado - (por muito menos já nos apelidaram da "idade da pedra") mas o que é surpreendente para os Seixalenses é o facto deste comunista defender como exemplo a não seguir - "É exemplo a adesão às tendências de proliferação dos Grandes Centros Comerciais (...) nas opções do ordenamento não se pode ceder à permissividade da ocupação de espaços vitais para as populações com empreendimentos, apelidados de modernos, mas de impacto negativo para os habitantes.Mais tarde ou mais cedo as pessoas compreenderão que os seus interesses passam por usufruir dos bens e terem espaços para actividades e não por serem meros basbaques de montras...ou de altos edificios de urbanizações de luxo que lhes retiram o espaço e os segregam (...)

As autarquias têm que promover a transformação do uso do solo, no estrito interesse das populações residentes e trabalhadores, defendendo o meio ambiente e não com fins de crescimento e desenvolvimento não sustentado ou para aumentas as receitas municipais (...)

Mas a prática sabemos no Seixal ser bem diferente, está em marcha a construção de dois Hipermercados e a renovação-ampliação de um construido há cerca de dez anos, agora anunciado com "mais montras" certamente para os "basbaques"... A grande questão para além da posição contrária teórica do PCP é, muito pragmáticamente saber se o concelho do Seixal precisa de mais uma grande superfície? Depois do aumento megalómano do Continente e sua transformação em Centro Comercial - Rio Sul, e muito menos depois de ter sido dada luz verde ao novo Centro Comercial Carrefour a ser instalado na Cruz de Pau e que como já referimos implicou o abate ilegal de mais de mil sobreiros protegidos, aparece agora surpreendentemente em fim de mandato mais esta obra megalómana , num concelho aparentemente saturado de LIDL's e afins.

Será o golpe final no pequeno comércio de proximidade e de rua que dá vida própria aos lugares e permite a aproximação das pessoas e a criação de laços de vizinhança e cidadania (mas será isto que o PCP apelida de assumida opção de classe?).

Para finalizar a "cereja em cima do bolo" , é que este hipermercado trará consigo mais uma Bomba de Gasolina...

5 comentários:

Anónimo disse...

«Diferente» ??? Só na hipocrisia.

Anónimo disse...

Somais uma grande superficie? São mais quatro! esperem para ver que é já a seguir.

Anónimo disse...

Infelizmente este populismo barato funciona.
Isto vai ser o fim do pequeno comércio...

Anónimo disse...

Fim de Semana, chega de bola na rádio e de cróché , Maria vamos ao Shóping bebet coltura, de graça na loja da Câmara trazemos o Boletim Municipal, ca bela literatura , e á borla, anunciam mais um shoiping Maria, prá semana jé temos programa, depois de lavar o carro, vamos ao Shóping, será que há uma loja da Câmara neste novo ? Se calhar podemos ir á net, e à Borla... esta Câmara é o máximo!

NP disse...

Valerá a pena tanta superficie comercial. Ao que sei a autarquia não licencia o que quer que seja destas superficies, mas será que um Continente, vários Lidl, Um novo Carrefour na Quinta da Princesa e um Leclerc em Amora não é um bocadinho
demais ?? Eu acho que sim.

Quanto à teoria das ideias e à prática.. vai de facto uma diferença grande, como aqui se demonstra muito bem por este texto, mas dá ideia que o poder local às vezes é mais levado pelas pressões do que seria desejável... ainda se as contrapartidas pedidas fossem aceitáveis... mas nem tanto.

Um à parte, bem sei que a zona da Queimado e Pampolim não é uma zona densamente urbana, mas uma bomba de gasolina ali fará sentido ?