quarta-feira, setembro 07, 2005

MARGEM SUL - O ESGOTAR DE UM MODELO















Primeira imagem ,Centro de Copenhaga - Dinamarca. Segunda imagem, Torre da Marinha Seixal -Portugal (clique sobre as imagens para aumentar)



Continuando a reflexão sobre este modelo de "desenvolvimento" que nos tem sido imposto nos ultimos trinta anos , continuamos a publicar excertos de artigos de fundo, de reflexão sobre este mesmo "modelo", hoje aconselhamos a leitura no PUBLICO de 30 de Agosto, do artigo do Professor António Antunes Martins, "Reflexões sobre os incêndios florestais" do qual para evitar interpertações abusivas se recomenda a sua leitura na integra, retirámos excertos referentes ao ponto 1 .Modelo de desenvolvimento e ordenamento do território seguido nas ultimas décadas - o autor é Docente na Universidade de Évora e Investigador no Nordic Laboratory for Luminescense Dating, em Riso , Dinamarca.

"Há 30 anos (...) A realidade rural era outra. O modelo de desenvolvimento seguido, em termos de ordenamento do território sustentado em grandes àreas metropolitanas, tipo "sul-americano" para a escala do país, originou a situação rural que hoje temos: despovoamento do interior e áreas serranas e consequente envelhecimento populacional.

Há beneficios inegáveis relacionados com a urbanização, mas o desiquilibrio foi excessivo e as assimetrias espaciais são hoje evidentes. É dificil às gerações mais novas resistir aos atractivos urbanos, mas outros estratos étários poderiam regressar às terras de origem se nelas existissem serviços mínimos, pequeno comércio, saneamento, melhores acessibilidades, etc...

Essa gente seria capaz de reconstruir as habitações tradicionais, reanimar o comércio local , enfim, dar vida a localidades actualmente vazias de homens a defender a floresta (...)
Mas que condições existem em muitas regiões rurais para atrair populações e inverter este cicli de esvaizamento humano? Como podem aldeias sem àgua canalizada, esgotos e dificeis acessos, atraír estratos populacionais habituados a ter esses serviços?(...)

Viver no meio rural não tem forçosamente de ter os estigmas de isolamento, atrazado e rude.Um bom exemplo é a Dinamarca, país que consegue manter um equilibrio entre campo e cidade, com povoamento disperso por todo o território, mas com apenas 15% de população rural. Portugal segundo os dados de que disponho, tem 45% de população rural e duas grandes àreas metropolitanas.

A baixa percentagem de população rural da Dinamarca, apesar do povoamento muito disperso, prende-se com o facto de muitos dos pequenos aglomerados populacionais terem mais caracteristicas urbanas do que rurais. Não tem paralelo o nível e qualidade das infraestruturas e serviços publicos que serevem o meio rural na Dinamarca com muitos dos nossos.

A qualificação da gente que vive nestes pequenos aglomerados é elevada (...)
Há, portanto, que corrigir as assimetrias criadas, diminuindo a ruralidade através da qualificação dos aglomerados de pequena e média dimensão, em vez de atrair a população rural para as áreas metropolitanas como tem sido feito até aqui."


33 comentários:

Anónimo disse...

O que escreve meu caro amigo é muito certo, mas Portugal agora , só fazendo como as torres de Tróia, implodindo, a começar pelos nossos autarcas e pelas suas belas teorias que como muito bem apresentou , são e$qu€cida$ na prática, tal como os investimentos que as pessoas fazem por uma habitação.JJ

Anónimo disse...

Acho que sim, o problema é que as pessoas não querem viver no interior e veem para as cidades, e a culpa é dos comunistas e da Câmara Municipal do Seixal! Aliás os comunistas e a Câmara Municipal do Seixal é que são os culpados de todos os males que acontecem no nosso país. Se o interior ardeu a culpa também é deles.

Anónimo disse...

Estes senhores atiram foguetes, apanham as canas e desresponsabilizam-se de tudo para não se responsabilizarem de nada , não podem é negar os trinta anos de responsabilidade em termos de planeamento e gestão na Moita, Seixal,Almada e os vinte e seis no Barreiro, Montijo, Alcochete...

As pessoas não querem videm no interior porque não lhes criam condições, por exemplo nos paraísos Comunistas do Alentejo que V.Exas tão "bem" têm gerido.

E a Câmara do Seixal, é sim responsável no que transformou o Seixal! E os Comunistas do seixal são sim RESPONSÁVEIS pela teia de influências (também denominada tráfico de influências) em função da qual "desenvolveram" o Concelho.

PJ

Anónimo disse...

e do armando vara (ps) fernando gomes (ps) fatima felgueiras (ps) celeste cardona(pp) valentim loureiro(psd) isaltino (psd) e muitos e muitos mais dos quais estes sao apenas uma pequena amostra, tudo isto obra dos comunistas e ja agora o montijo é ps á oito anos e vejam naquilo que o transformaram.
antes os 30 anos de seixal com alguns erros do que os 4 anos de barreiro que foram uma autentica -----.

Manuel disse...

Não tenho dúvidas que o nosso atraso e as débeis infraestruras económicas, o mau serviço público, a burocracia, a nossa horrível paisagem urbanistica, os atentados ecológicos, a falta de investimentos com qualidade no sector do turismo na Costa Azul (vejam a miséria de Tróia), muito se devem à influência comunista neste país após o 25 de Abril. Hoje somos o produto da política do PCP, da terra queimada, das nacionalizações selvagens (vejam a debilidade do sector fundamental da economia) e da reforma agrária (vejam o estado do alentejo).

Anónimo disse...

durante trinta anos de governos psd ps e cds e quando a grande maioria das camaras sao desses partidos a culpa continua a ser dos comunistas ou seja o que se pretende é dividir o pais ps e ps+d e pronto temos o problema resolvido ja nao temos os comunas a atrasarem o pais e a defenderem coisas estupidas como a agua que deve continuar a ser um bem de todos nos ou a uma saude publica de qualidade ou uma educaçao para todos mas isso sao tudo coisas que atrasam este pais

Anónimo disse...

É muito bonito o que diz este post, mas a verdade e como se mostra no post, é que não há condições para «humanizarmos» as regiões rurais...dou um exemplo pessoal, a uns anos uma prima minha que mora em Serpa(perto de Beja) teve um acidente de carro e como não havia nenhum hospital qualificado por perto foi necessário recorrer a um helicóptero para a transportar para Lisboa...resultado: Morte!

Fugindo agora para alguns dos comments que aqui li uns culpam o poder central, outros as autarquias. É óbvio que existem culpas nos dois poderes, uns por não lutarem por uma terra melhor e defenderem apenas os seus interesses(como é exemplo quase toda a margem sul) e outros porque ninguém exerce pressão sobre eles, e sabem como são os portugueses, só trabalham quando estão entre a espada e a parede.
Meistre.

João Afonso disse...

E engraçado o comentário onde é afirmado que os comunistas deram cabo do Alentejo, mas sabem qual é o Distrito do Alentejo mais envelhecido, mais empobrecido e em maior declinio populacional? É o distrito de Portalegre. Só que o PCP nunca foi maioritário nesse distrito, no mesmo sempre imperou o PS e o PSD!
Acresce que Viseu, Bragança, Vila Real têm indices semelhantes, pela negativa, a Évora e a Beja, e aí a expressão dos papões dos comunistas sempre foi diminuta...
Só que os comunistas tem as costas lergas e para os atrasados mentais têm as culpas de tudo.

Jean Revel disse...

"O comunismo promete a abundância e engendra a miséria, promete a liberdade e impõe a servidão, promete a igualdade e conduziu à mais inigualitária das sociedades"

Manuel disse...

Onde os comunistas são fortes o desenvolvimento é difícil. Esta é uma verdade q hoje ainda sentimos na pele, como sentem os cubanos ou sentiram os povos dos países de leste.
Este inteligente joão afonso lança dados que vêm no "Avante", mas q não são comprovados em nenhuma estatistica credível. Vai lançando bocas...

Anónimo disse...

Ok, agora estamos aqui a discutir o comunismo. Pronto foi isso que vos deu hoje.
Mas o comunismo não deveria ser para aqui falado, falem antes da incompetencia, até falem do comodismo, ainda se podem pronunciar sobre o capitalismo selvagem que encontra refúgio entre os comodistas que governam concelhos como o Seixal, Almada, Montijo... e outros. O lucro fácil sempre como fito. Essa sim tem sido a doutrina a aplicar, escondam-se por detrás de uma capa de capitalista ou comunista.
Vejam-se os fundamentos para a instalação de mais umas grandes superficies no Seixa : " ai e tal assim vai aumentar a concorrencia, visto o Continente praticar os mais elevados preços da sua empresa nesta área" isto foi dito por um comunista mas cheira muito a capitalista. Mais uma vez chamo a atenção: façam um levantamento das empresas de obras públicas que gravitam em torno das câmaras; vejam os seus sócios quais são; e as ligações deses sócios a autarcas ou funcionários de autarquias e se calhar iam ter grandes surpresas. Ao mais alto nível.Ah pois é! Money make...

V. P. Valente disse...

"...Álvaro Cunhal aproveitou o vácuo do poder para a "sua" revolução. Com isso, ia provocando uma guerra cívil e arrasou a economia (o que ainda hoje nos custa caro). Por causa do PREC, o país perdeu 15 anos. Nenhum democrata lhe tem de agradecer coisa nenhuma"

Anónimo disse...

Noruega primeiro país no ranking do desenvolvimento. Não há comunistas!
Portugal perdeu mais um lugar e sabem quem nos ultrapassou?

Anónimo disse...

Eu acho graça quando falam do comunismo dizendo que o mesmo é o mal de toda a humanidade e vão logo dar o exemplo de Cuba. Gostava que comparassem Cuba com os outros países das Caraíbas e vissem o nível de desenvolvimento de Cuba e desses países. Sabiam estes arautos anti-comunistas que a taxa de moratalidade infantil em Cuba é inferior à taxa de mortalidade em Portugal.

Anónimo disse...

E se se falasse do tema, independentemente do comunismo ou não!!

Tentar enviar areia para os olhos não engana ninguém, dá ideia que estievram em formação no fim de semana e agora descentram-se do tema.

Fernando Pena disse...

Caros senhores,

Permitam que repita a ideia que deixei noutro comentário.

Peço-vos a justiça de reconhecer que, em 4 anos de Assembleia Municipal de Almada, um partido defendeu insistentemente a preservação da paisagem e a agricultura urbana como partes fundamentais de um novo e urgente modelo de ordenamento. Mesmo face à incompreensão (próxima da zombaria) das restantes bancadas.

A simples leitura das actas ou dos documentos apresentados pelo CDS-PP permitirá ver que, em repetidas circunstâncias, foi proposta a inversão de um desenvolvimento a retalho, fundado no betão e nos salpicos de relva, e a adopção de uma gestão moderna dos sistemas natural e edificado.

Este é, aliás, um ponto fulcral do programa eleitoral do CDS para as Autáquicas de 2005. Que pode ser muito mais efectivo se, aqueles que se identificam com essas ideias , e sem complexos ideológicos, nos derem a força necessária.

Perdoem-me esta intrusão em jeito de campanha. Mas por vezes cansa que nos deixem sós a remar contra a inevitabilidade da decadência urbana para que nos têm conduzido.

Fernando Sousa da Pena
Deputado Municipal do CDS-PP

Anónimo disse...

O Ponto Verde tem retirado textos que considera de campanha eleitoral da CDU, fico à espera para ver se retira este ultimo comentário...

Luís Romão disse...

"Desde q surgiram as grandes civilizações e consequentemente grandes cidades, houve a preocupação sempre de organizar racionalmente o espaço urbano, dotar as urbes de ruas e avenidas amplas, de espaços verdes, de locais onde as pessoas possam passear e conviver umas com as outras. Na Mesopotâmia, na Grécia, em Roma, no Renascimento, no iluminismo..."

Nero disse...

Interessantes as preocupações das grandes civilizações.
Aqui na margem sul, em especial no Seixal, as preocupações são betão, betão, mais betão, desordenamento, urbanismo anárquico e propaganda no "avante" da CMSeixal, num faz de conta que defendem o ambiente, a segurança, a saúde, o desporto, o ensino...
Nestes últimos meses tem sido uma correria para apresentar trabalho alcatroado antes das eleições, que é obra.

Manuel disse...

Mais uma boca do joão afonso a defender o comunismo em Cuba. Ele deveria lá ir, para ver a miséria, o desespero, a revolta e as condições desumanas em que aquele povo vive.
As crianças não morrem quando nascem no hospital, mas depois criança sofre...
Talvez os meus ben-u-ron e ultra-levures, que lhes deixei, tenham aliviado algum sofrimento...
João Afonso se é verdadeiramente amigo dos cubanos, vá lá todos os anos de férias e leve-lhes medicamentos, lápis, borrachas, esferográficas, que vão adorar! Mas tenha cuidado com a pide lá do sítio.
E não se esqueça de lhes deixar mensagens de esperança, porque mentalmente eles já visualizam um futuro melhor. É por isso que sorriem, cantam e andam bem dispostos, porque cada dia que passa mais perto estão da liberdade.

Anónimo disse...

Sobre Cuba, faz-me lembrar uma anedota que se contava há muitos anos que era assim. A Amália foi à União Soviética cantar e teve tanto sucesso que o Brejnev deixou que ela fizesse um pedido. A Amália pediu que dessem a liberdade ao povo de poder sair livremente se quisesse, ao que Brejnev disse sorrindo, sua marota então queria ficar sozinha comigo aqui?
É isso que acontece em Cuba, abram as portas e verão quantos lá ficam.

Anónimo disse...

Medidas do Bloco de Esquerda contra os incêndios

1 - Despenalização imediata dos incêndios.
2 - Tendo em conta que os incendiários são doentes e socialmente marginalizados, devem ser tratados como tal: é preciso criar zonas específicas para poderem incendiar à vontade. Nas "Casas de Incêndio" serão fornecidos fósforos, isqueiros e alguma mata. Sob a supervisão do pessoal habilitado, poderão lutar contra esse flagelo autodestrutivo.
3 - Fazer uma terapia baseada nos Doze Passos, em que o doente possa evoluír do incêndio florestal à sardinhada. O pirómano irá deixando progressivamente o vício: da floresta à mata, da mata ao arbusto, do arbusto à fogueira, da fogueira à lareira, da lareira ao barbecue até finalmente chegar à sardinhada do Santo António e São João.
4 - Quando o pirómano se sentir feliz a acender a vela perfumada em casa, ser-lhe-á dada alta, iniciará a sua reintegração social e perderá o seu subsídio de indenciário.

Anónimo disse...

Cuba,Fidel,Socialismo,Comunismo...

Após a leitura de vários artigos acerca de Cuba, Fidel Castro, Socialismo e Comunismo decidi deixar um pensamento muito sério com algumas ideias desses artigos.

Há muitas pessoas que admiram Cuba e seu ditador, Fidel Castro. Na verdade, desde muito tempo, Cuba é um mito, não só dos comunistas e dos esquerdistas. Há vários católicos e religiosos que elogiam a ilha-prisão, o que é vergonhoso. Fala-se muito de sua baixa mortalidade infantil, de seus sistemas de saúde e de ensino, da ausência de desigualdades sociais. E, cúmulo do absurdo, dizem que Cuba é o retrato da verdadeira solidariedade cristã! É altura de fazer um breve resumo da sua história e da realidade actual de Cuba e verão que a ilha está longe de ser um paraíso como dizem os seus admiradores.

O objetivo maior da frente de oposição a Fulgêncio Batista (Fidel Castro fazia parte dela) era derrubá-lo do poder e fazer eleições, pois diziam querer a Democracia para Cuba. O próprio Fidel, em 1957, admitiu que não queria o poder; só queria voltar a advogar.

Fidel tomou o poder em 1959, e aí começou o terror: foram executadas 600 pessoas em 5 meses. Muitos desses assassinatos foram transformados em espetáculo ao estilo da Velha Roma. A multidão, excitada pelos revolucionários, apontava para as vítimas e gritava : "É digno de Roma Antiga!". O ditador começa também a perseguir seus antigos companheiros e segundo uma amante sua, Fidel perseguia e executava homossexuais muito ao estilo de Hitler.

Os ex-aliados de Fidel, vendo que foram traídos, formaram uma guerrilha nas montanhas de Escambray, mas foram vencidos pelo ditador e levados para o trabalho forçado nas plantações de tabaco.

Logo depois da tomada do poder, Fidel proibiu associações e suspendeu os direitos fundamentais dos cidadãos. Fez uma "limpeza", livrando-se dos opositores (matando, exilando ou prendendo) no melhor estilo de Stalin, verdadeiros "Processos de Moscou" em Havana. Em 1961, 131 padres são expulsos da ilha. Fidel diz num discurso: "quero que a cúria falangista faça as malas".

Em 1962 as greves são proibidas. Logo depois, Fidel cria a DSE (polícia interna), conhecida pelos cubanos como "Gestapo vermelha", para repressão dos opositores do regime. Torturas e ameaças foram usadas em grande escala para amedontrar a população. Isto faz-me lembrar o nosso Portugal antes da revolução dos cravos com a PIDE. Comunismo,Socialismo,Fascismo, all the same.

Em 1965 foram criados os campos de concentração, os "UMAP". Mais de 30.000 pessoas foram levadas a eles, entre religiosos e "perigosos para o sistema". Foram tão desumanos que geraram protestos internacionais até de comunistas.

Em 1978 foi aprovada a lei da "periculosidade pré-delitiva", que em muito lembra o período do terror da Revolução Francesa e da época nazista. De acordo com essa lei, qualquer cidadão poderia ser preso por mera suspeita se as autoridades achassem que ele era perigoso para o Estado, e com isso podia ser torturado, preso ou enviado para os campos de trabalho forçado.

Com tanta repressão, muitos habitantes fugiram com barcos precários pelo mar, os famosos "balseros", 7.000 morreram. Fidel Castro, num acto de fúria, chegou a mandar helicópteros para afundá-los.

De acordo com as contas dos exilados cubanos de Miami e do "Le livre noir du communisme", de 1959 até hoje, Fidel Castro matou mais de 15.000 pessoas e exilou quase 2.000.000 de habitantes (quase 20% da população), incluindo sua filha Alina Fernandez (ela se recusa a usar o sobrenome "Castro").

Fidel Castro roubou as propriedades privadas das pessoas e da Igreja Católica, transformando-as em domínio público. Na verdade, transformou-as em suas propriedades, porque faz o que bem entender com elas.

Feito o terror e consolidado o poder, Fidel Castro transformou a ilha num satélite da antiga URSS, com a única diferença de que ela não precisou construir muro ou ter cerca eletrificada, pois ela é cercada de tubarões.

A economia socialista nunca funcionou bem em Cuba (aliás, em nenhum lugar do mundo deu resultado), já que sempre precisou do auxílio da antiga URSS, com a qual trocava petróleo por cana-de-açúcar, realizando um dos melhores négocios do mundo.

Cuba sempre foi sustentada artificialmente pelo bloco soviético. Mas, agora que a "mesada" de Moscou acabou, o ditador foi obrigado a promover reformas capitalistas para sobreviver. Os dados sociais sempre foram "maquiados", nunca correspondendo à realidade das coisas.

Segundo dados do governo cubano (que não são muito dignos de confiança), a mortalidade infantil de Cuba é uma das menores do mundo. Entretanto, esses dados perdem a consistência quando se analisa a taxa de abortos na ilha. É comum as mulheres fazerem 4 ou 5 abortos antes de terem o primeiro filho. O Estado dá todas as condições para as mulheres praticarem o assassinato intra-uterino, já que o aborto é legalizado.

Em Cuba existem duas classes sociais: a de Fidel e seus asseclas, e a do resto da população. A primeira vive muito bem, usufruindo de todos os bens de consumo que o dólar pode comprar (Fidel Castro anda de carro Mercedes-Benz, possui mordomo e adora lagostas).
A segunda é obrigada, por exemplo, a contentar-se com: ½ Kg de carne de porco misturada com soja a cada 15 dias; ½ Kg de carne de vaca e um sabão em pedra a cada 2 meses; 1 par de sapatos a cada 6 meses.

Os salários, apenas para exemplificar: um engenheiro ganha US$ 40, um jornalista US$ 30 e uma «faxineira» US$ 5 (não deveriam ganhar a mesma coisa?). Para efeito de comparação, uma refeição nos restaurantes ("paladares") custa em torno de US$ 20. Taxistas, porteiros e carregadores de hotéis 5 estrelas, prostitutas (Cuba é um dos destinos preferidos do chamado "turismo sexual") são os que ganham mais, pois recebem gorjetas em dólares. A maioria das pessoas, para não passar fome, faz "bicos" ou trabalha no mercado negro.

Apesar de ser uma ilha, em Cuba a pesca não é estimulada, pois Fidel tem medo que os pescadores fujam com seus barcos.

Para os que não pertencem ao PCC (Partido Comunista Cubano) não há a mínima condição de ascensão social.

Em Cuba, nas cidades, há bairros com esgotos a céu aberto, racionamentos de água, luz e combustíveis. Boa parte vive em cortiços, onde várias famílias se amontoam em espaços exíguos. Há fome no campo, principalmente na região de Guantânamo.

Na ilha havia muitos colégios católicos. Fidel confiscou-os e transformou-os em colégios ateus. Onde era ensinado Catolicismo, hoje se ensina a retórica ultrapassada e macabra do marxismo-leninista.

O governo cubano é nitidamente anti-católico. Os habitantes ficaram privados, durante 28 anos, da festa do Natal. Não podem construir Igrejas nem fazer procissões. Até 1992 o PCC não admitia cristãos entre seus membros.

Na saúde, só os membros do PCC têm acesso aos melhores tratamentos. O resto da população convive com racionamento, ou total falta de medicamentos.

De acordo com "Human Rights Watch", Cuba possui 800 presos políticos. Basta ter mera dissidência política para ser preso; não existem as mínimas garantias processuais.

Vivia-se muito melhor na época de Fulgêncio Batista, porque a repressão não era tão violenta, o aborto era proibido, havia várias escolas católicas, liberdade de culto para os católicos, possibilidade de ascensão social e respeito às propriedades privadas. Cuba, nessa época, possuía a 3a renda "per capita" da América Latina. Com Fidel, tem a 15a .

A história de Cuba de 1959 até hoje mostra um país marcado pela repressão brutal, pelo cerceamento das liberdades religiosas, espoliação das propriedades privadas, assassinatos, massacres e um nível de vida péssimo.

É inacreditável, portanto, ver pessoas elogiando Cuba e seu tirano Fidel Castro. Infelizmente, ainda existem aqueles que gostam dos regimes socialistas que tanta desgraça causaram ao mundo.

O escritor cubano exilado Cabrera Infante definiu Fidel Castro como sendo: "O Idi Amin Dada branco" (referência ao ditador africano, famoso por sua tirania e crueldades).

Acho que o escritor exagerou, foi muito ríspido, pois Idi Amin poderia ter ficado ofendido...

Anónimo disse...

Estes comentários são o exemplo porque Portugal não evolui, fala-se no artigo que o actual modelo de desenvolvimento assente no betão e nas assimetrias regionais não nos leva a lado nenhum, e logo alguns iluminados deturpam as palavras, outros vitimizam-se, outros ainda falam de coisas que nem afloradas ou sugeridas foram, e deixa-se de discutir o essencial. que este blogue se está a transformar num excelente espaço de ideias, só que o público está a anos luz do que se pretende atingir, para a moiotia, o muro de Berlim ainda existe.

João Afonso disse...

Meus caros já estive em Cuba duas vezes, uma vez na Republica Dominicana e na Jamaica, e garanto que se vive muito melhor em Cuba do que na Republica Dominicana ou na Jamaica. Mais, enquanto que na Republica Dominicana e na Jamaica fui aconselhado a não deixar o Hotel, excepto em passeios organizados, os quais eram ferozmente policiados, em Cuba aluguei automóvel e pude percorrer toda a ilha sem qualquer problema, tendo conversado bastante com cubanos. Nessas conversas não vi qualquer problema de falta de liberdade, tendo alguns, poucos, demonstrado o seu anti-castrimo. Todavia todos os cubanos ficavam boquiabertos quando eu lhes dizia que em Portugal se tinha de ir às 5 da manhã para a porta de um Centro de Saúde para se conseguir uma consulta, se esperava meses por uma consulta de especialidade e anos por uma operação. Os cubanos quase não acreditavam nisto...
Das minhas vistias a Cuba conclui que em alguns aspectos se tem melhor qualidade de vida que em Portugal, e em todos os aspectos se tem melhor qualidade de vida que nos outros países das caraíbas. O problema destes pseudo iluminados anti cubanos é que querem comparar realidades que não podem ser comparáveis, temos de comparar cuba com os outros países das caraíbas e não com o nosso modelo europeu.

Anónimo disse...

Caro João Afonso

Obrigado por partilhar estes pensamentos connosco. Já que assim foi aconselho-lhe o seguinte:

- Compre um bilhete de ida e leve consigo o Professor Alfredo.

Gratos pela sua atenção.

João Afonso disse...

Retribuo o conselho, compre um bilhete de ida para outra zona do país, onde não estejam os comunistas, leve o autor do blog, senão for o próprio, pois o ponto verde deixou de comentar, e deixe os Seixalenses em paz...

Anónimo disse...

E junte-se á comissão pela paz e zona livre de energia nuclear!!

Ponto Verde disse...

Em resposta ao Sr.João Afonso ao qual agradeço desde já a participação, o que dá a pluralidade de opiniões sempre válidas, mesmo que delas discorde.

Se não fosse essa a linha seguida , pura e simplesmente não seria admitido o contraditório , o que se deseja.

Os comentários que me atribui não são meus, nunca estive em Cuba, pelo simples facto de apesar de ter curiosidade, não gostar de fazer férias em reservas para turistas, mesmo que sejam "reservas douradas" (com tudo incluido) e ver miséria do lado de "lá", o dos cidadãos locais. Dou-lhe razão quando diz que há pior, pois acho realmente que bem pior que Cuba em termos sociais , sanitários (que em Cuba parecem ser de alto nivel, sobretudo pelas limitações), a Jamaica ou a Republica Dominicana , para não falar do Haiti, ou noutros paises vizinhos... agora passar daí para o elogio da sociedade Cubana, sua ditadura, apego ao poder do seu líder...e outras caracteristicas aqui mencionadas, isso desculpe, mas não o posso admitir.

É pena que o debate tivesse extrapolado para as Caraíbas, quando muito tinhamos a discutir sobre Portugal, como mencionei nos ultimos posts.

O PCP tem excelentes teóricos, os problemas identificados e analizados, está em coligação com os VERDES,está em maioria na Margem Sul há trinta anos, por isso e só por isso (porque vivemos numa democracia com alternância democrática) não admito que tenham uma prática tão desfazada da realidade e da teoria em que se suportam.

Aí se admito a sua opinião, também alerto para a ponderar e analisar tudo que o seu partido tem admitido mas não praticado, é uma pena o betão Comunista não se diferenciar do betão Socialista, Social Democrata ou de qualquer outro, incomoda-me mais o "Betão Comunista" pois é com ele que tenho que conviver... aliás corrijo, o vosso Betão é tudo menos Comunista, é bem Capitalista e tem o selo da Sonae, Carrefour, ASilva e Silva, Betofer...

Por isso Senhor Paulo... perdão, senhor João Afonso, não se ponha a defendê-lo que só lhe fica mal. isto se realmente é Comunista...

João Afonso disse...

Senhor Ponto Verde seja bem aparecido pois há muito que não respondia a um comentário meu. Sobre o teor do seu comentário, o que disse e reafirmo é que o regime comunista conseguiu que os cubanos tenham um nível de vida muito superior ao que existe nos outros países das caraíbas. Os cubanos vivem melhor que os dominicanos ou os jamaicanos, e pelos vistos concorda comigo.
Isto prova que o comunismo não é assim tão mau como o você o pinta...
O que disse quanto à comparação entre Cuba e os outros países das caraíbas aplica-se às comparações que o senhor faz entre o Seixal e as cidades do norte da Europa, o Seixal tem que ser comparado com os outros concelhos da Area Metropolitana de Lisboa, e aí o senhor ainda não me deu um exemplo de um concelho onde se tenha melhor qualidade de vida que no Seixal!
Quanto às questões do betão, devo-lhe dizer que o problema, e isso ainda não vi analisado em nenhum dos seus posts, é que o financiamento autarquico é baseado no betão. As fontes de receitas das autarquias são constituidas pelas taxas de construção e urbanização, pelo IMT (antiga Sisa) e pelo IMI (antiga contribuição autárquica).
Que eu saiba não foi o PCP quem definiu este modelo de financiamento da autarquia, pois não esteve no governo. Todavia e como para si o PCP é o culpado de tudo... Ainda fico à espera que acuse o PCP desta realidade!
Face à realidade que é o financiamento, os eleitos locais tem duas hipóteses, ou aprovam construção e têm dinheiro para fazer obra. Ou não aprovam, e não têm dinheiro e não apresentam obra. Neste ultimo caso, têm o destino marcado, pois como nada fizeram, nas eleições seguintes são corridos. As quintas e os passarinhos são muito bonitos, mas o que a população quer é: a estrada que lhe permita circular, é o esgoto, é o pavilhão, é a biblioteca, é o forum cultural. De quatro em quatro anos, a população é isso que vê, e quem não tiver obra para demonstrar perde as eleições. É esta a nossa realidade, pode ser triste, mas é a nossa.
Quanto à questão do betão comunista ser igual ao betão socialista, está enganado... Senão vejamos, no Seixal nunca ouviu Alfredo Monteiro a dizer que queria construir 500 milhões de euros em betão na Ponta dos Corvos, porque é uma estupidez, e quem diz querer tal ou é atrasado mental ou corrupto... Em Almada, a Maria Emilia opoz-se ferozmente à estupidez que era a Manathan da Lisnave, e opoz-se com os únicos instrumentos que tinha, água e esgotos, pois o governo socialista retirou da competência da Câmara a gestão do território correspondente à Lisnave, ao Arsenal do Alfeite e ao PIS. Vemos agora o candidato do PS em Almada a dizer que se for eleito esse projecto vai sair da gaveta... Vemos o que aconteceu em Setubal quando o PS esteve na Câmara em que se construiu de forma caótica, e de forma massiva, como em nenhum outro concelho da Peninsula. E vemos o estado de falência em que o PS deixou a Câmara. Não se esqueça que a Câmara de Setubal foi a única que teve de recorrer ao sistema de reequilibrio financeiro.
O que se vê, é que nas zonas onde o PS ganhou Câmaras ao PC se constroi de forma mais massiva, selavagem e caótica, só um cego é que não vê isso.
Por isso lhe digo que as regras existentes em Portugal para as autarquias é betonizar, e qualquer autarquia seja de que cor for, tem de conviver com essa regra. Analisado caso a caso, verificamos que as Câmaras comunistas são as que obrigam os patos bravos a ser mais rigorosos e não deixam haver uma betonização selvagem, e que para além disso são aquelas que mais se preocupam com as pessoas, se o Seixal cresceu é porque as pessoas acharam que era bom viver neste concelho e vieram para cá.
Por ultimo não me venha com trocadilhos de nomes, pois nessa eu não entro, e digo-lhe como seixalense que sou não tenho qualquer pejo emd efender a actual maioria, pois sei o que era este concelho e sei o que é hoje, e não tenho dúvidas em afirmar que em 30 anos de gestão comunista o Seixal evoluiu em todos os aspectos e do concelho atrasado economica e socialmente que existia em 74 passamos para um concelho que está nos primeiros lugares nos indices dedesenvolvimento e bem estar social do país.

Ponto Verde disse...

Senhor Doutor, olhe que não, olhe que não...lamento sempre dar-lhe resposta pois teima sempre em afirmar coisas que eu não disse, neste post e ebtão no de hoje quinta feira direi que o meu amigo é mestre em inverdades... mas as pessoas sabem ler e os arquivos estão aí à mão de semear, quanto ao resto , não nivele por baixo as aspirações do povo... nem cante maravilhas onde elas não existem, esteja atento que esclarecer-se-á em breve neste blogue perto de si!

João Afonso disse...

Carissimo Ponto Verde, primeiro informo que não sou doutor... E por isso agradecia que não me tratasse como tal. Segundo, se alguém é mestre em inverdades é o senhor e essas têm sido demonstradas em diversos comentários que tem sido colocados em resposta aos seus posts. Garanto-lhe que é uma tarefa que vou continuar a fazer, pois já em 74 se dizia que o botão era a arma da reacção! Pelos vistos essa afrimação continua actual. Quanto às pessoas saberem ler, concordo consigo, senhor engenheiro, e por isso é que cada vez mais pessoas tem denunciado as suas mentiras...

Anónimo disse...

Senhor professor João Afonso assim é que é!! Cada macaco no seu galho!!