domingo, julho 10, 2005

PAÍS A ARDER - COMO É POSSIVEL?...


FOGO NA APOSTIÇA

Arderam na passada semana cem hectares de floresta na Herdade da Apostiça, uma grande propriedade de capitais Àrabes situada na Margem Sul junto à Lagoa de Albufeira...Já sobre este incêndio aqui falámos ontem e mostramos a foto da àrea assinalada na imagem, imagem acima retirada do site earth.google.com que desde já se recomenda o download pelo que permite de visualisação e avaliação geográfica, uma forma de visualizar as alterações no Mundo e sobretudo no "quintal" de cada um de nós, permitindo também avaliar o que se escreve sobre ordenamento e ambiente de uma forma imediata e por meio de um instrumento isento.

Um colaborador adiantou que na zona, mais dois incêndios ocorreram na mesma semana, para além do reportado, da análise da imagem acima salta uma questão já aqui posta. O que é aquela "risca" (acima na imagem) que separa a Herdade da Aroeira da restante àrea florestal e que vai da estrada de Sesimbra EN378 até às praias? Para ser um aceiro, é um estranho aceiro que mais parece uma autoestrada de duas faixas em construção...

Mas eliminando qualquer "teoria da conspiração", o que aqui se gostava de deixar num fim de semana onde mais uma vez grande parte do país está a arder era as palavras de António Barreto na crónica do Publico do passado Domingo e cujo titulo aproveitamos para parte deste post "Como é Possivel?...", passa-se a transcrever :

"Como é possivel que tenhamos chegado a este estado? Anos sucessivos de demagogia. Anos de governos em busca do caminho mais fácil. Anos de criação de expectativas acima das possibilidades. Anos de satisfação de desejos para os quais não havia meios. Anos a dar o que não é seu, a gastar o que não se ganhou e a prometer o que não se pode ter(...) que todos os governos...tenham deixado no Estado, compromissos insuportáveis, autênticas "bombas relogio"? Como é possivel que só agora muitos dêm a impressão de descobrir o que outros há muito sabiam e anunciavam? (...)

(...) Adiaram-se reformas, esqueceram-se conversões, desprezou-se a poupança, elogiou-se a "economia de sucesso" e o dinheiro fácil, estimularam-se os optimistas e os "ganhadores" e perdeu-se a "formação" (...) Para nada era preciso poupança, havia quem pagasse. Para nada era necessário esforço, havia quem trabalhasse (...)

OS CIDADÃOS TÊM CLARAMENTE responsabilidades. Elegeram quem quiseram. são complacentes com a corrupção. Aceitam a demagogia . Não desgostam da aldrabice, desde que bem feita. Desculpam sempre "os seus", do clube, do partido, da autarquia, da empresa , ou da familia, porque há sempre sobras para distribuir. Detestam o fisco e as respectivas obrigações. Tentam trabalhar pouco. Chegam tarde ao emprego. Metem cunhas. Estudam pouco. não protestam contra a justiça que têm. Não se revoltam contra a escola deficiente. Não se mobilizam contra as filas de espera nos centros de saúde e nos hospitais. Não se organizam contra o mau atendimento da maior parte dos serviços publicos...deixaram estes fidalgos arruinados fazer dez estádios de futebol. como vão deixar comprar inuteis submarinos e aviões de combate, construir um estupido TGV e um faraónico novo aeroporto (...)

CERTO. O POVO TEM RESPONSABILIDADES. Mas a verdade é que há quem tenha mais. a elite politica e empresarial, pois claro! E a elite intelectual e universitária sem dúvida. É a elite que organiza e inspira. Em teoria, as elites servem para isso: dirigir. Não para torna o povo mais fraco, mas para dar o exemplo, para "puxar para cima". Não para serem elas próprias parasitas e complacentes (...)" Recomenda-se a leitura na totalidade deste artigo publicado no Publico de 3/Jul 2005

O Que tem tudo isto a ver com o país que arde, e que arde mais , todos os anos ,e , mais que qualquer um na Europa ?

Não é que, é bem possivel que talvez tenha?...
Posted by Picasa

3 comentários:

NP disse...

Visto a estrada em causa sair das instalações interioresa Da Nato e passar junto à Aroeira e descambar no caminho das instalações mais junto ao mar da Nato... não será um caminho militar ? Deve ser difícil sobrevoar aquela zona, mas visto que aparenta alguma disponibilidade para esse tipo de fotos, seria bom um destes dias fazer um "desviozito" por aquela zona, nem que seja de rasão.

Uma nota para um tópico no A-Sul. O total desaranjo que a C.M.Almada tem votado as suas praias nos últimos 30 anos, vão mantendo mais ou menos os mesmos percursos e caminhos, com um buraco ou outro remendado, mas depois é tudo ao molho e fé em deus, nem estacionamentos, nem ordenamento, nem nada. Umas praias têm parque pago, outras têm apenas terra batida e outrsa nem têm nada. Já para não falar dos destroços que ficaram ainda do tempo do EngºPimenta, na Fonte da Telha, tentou ordenar-se a construção, mas deixou-se tudo sem sentido, sem ordenamento e sem aspecto nenhum.

Ponto Verde disse...

Esclarece-se que os meios do A-Sul são os de qualquer cidadão ou grupo de cidadãos, o recurso a imagens aéreas está hoje vulgarizado e um exemlo é o link dado neste post onde as imagens têm um detalhe de se ver os automóveis estacionados na rua. Depois podem-se fazer os downloads de outras versões mais "pro" é só uma questão de custo...

O estranho aceiro em questão não vai até às instalações militares mas sim até bem pero da estrada de Sesimbra, e parece só não continuar pelas propriedades que encontra no caminho.

Obrigado ao anterior leitor pelas sugestões, está na calha uma ida a banhos...

Anónimo disse...

Só por desconhecimento ou ignorancia, se pode colocar em questão a bondade do referido aceiro. Sou residente na Herdade da Aroeira e conheço perfeitamente o local. Se quizer tenho todo o gosto em o levar ao dito. O referido aceiro separa no sentido longitudional a extrema da Herdade da Aroeira com a propriedade que com a Herdade extrema. Tão simples quanto isto. Quanto a via rápida...estamos conversados.