sexta-feira, fevereiro 09, 2007

SEIXAL - A IMOBILIDADE














Houve, sobretudo na ultima década um aumento demográfico brutal em dois concelhos da Margem Sul, foram eles Sesimbra e Seixal.
Esse aumento demográfico fez com que as vias de comunicação que os ligam a Lisboa , as mesmas de há décadas, se congestionassem para além do razoável.

Hoje a EN 378 Seixal-Sesimbra é um caos, onde acontecem semanalmente dezenas de acidentes, muitos deles com vitimas mortais, a A-2 está congestionada nas horas de ponta e paralelamente o Seixal é uma manta de retalhos viária, com inumeras promessas de melhoramentos e novos projectos, apresentados na última campanha eleitoral, mas não cumpridos e Sesimbra é um sitio a evitar levar o automóvel.


Obviamente que os autarcas atribuem a culpa a uma entidade abstracta com que sempre se desculpabilizam chamada "Poder Central", a culpa de todos os males, se bem que, esse "Poder Central" é afinal o poder de todos nós , conferido ao Estado por via dos nossos impostos, é claro uma tentação, a Funchalização da Margem Sul , diabolizando a mão que tanto alimenta esse poder.

Culpam o poder Central, na directa medida que se desculpabilizam por terem cedido a todos os interesses de massificação urbana.
Relembro que o tal "Poder Central" ( o Estado, ou seja , nós, cidadãos contribuintes) , investiu em novos barcos , modernos catamarãs, investiu num novissimo comboio da Ponte (Fertagus) ...investiu até num Metro que a Câmara de Almada impediu de estar a funcionar... e o que aconteceu com esses projectos para não terem descongestionado o trânsito da Ponte?

Bom, o comboio serviu para decalcar a sul a Sintrização da Margem Norte, com mega urbanizações explorando o filão da Estação de comboios e Lisboa a 20 minutos... Quanto aos novissimos barcos, servem para promover a massificação da freguesia do Seixal, como as urbanizações na Quinta da Trindade, junto à Baía do Seixal e na Siderurgia...e o Metro, não há meio de andar... assim nem dez pontes, nem meia dúzias de faixas de rodagem!

Por isso discordo da posição do deputado do PDS Luís Rodrigues que esta semana apresentou um requerimento solicitando ao governo soluções para o descongestionamento da A2 entre o Fogueteiro e a Ponte 25 de Abril, encontrando o deputado Luís Rodrigues a solução no alargamente para quatro faixas de rodagem, o que quanto a mim, permitiria unicamente chegar mais cedo a uma ponte congestionada... e a promover mais automóveis, mais gente na Margem Sul!!!


Estaria aqui a elogiar o deputado Luís Rodrigues se em vez deste fait-divers, se tivesse oposto ao longo dos anos de vereação na Câmara do Seixal, à betonização do seu concelho, e que com a restante oposição estivesse a apresentar requerimentos ao governo contra a urbanização dos Lanificios da Arrentela, das antigas oficinas da câmara no Fogueteiro, na urbanização da Quinta da Prata, na urbanização a reboque de um campo de golfe na Flor da Mata, ou na destruição da zona protegida no PDM, também na Flor da Mata, ou na construção no Pinhal das Freiras...

Isto o que está em projecto ou em vias de execução, porque o que foi construído na ultima década é o resultado deste estado de coisas, da massificação de Azeitão e do aumento brutal da Quinta do Conde, às estações urbanizadas da Fertagus, nomeadamente Foros de Amora, o densificação do Alto do Moinho, mas sobretudo Santa Marta de Corroios (na imagem) e a massificação indiscriminada de TODO o concelho do Seixal, ter-se evitado isto evitaria sim os actuais constrangimentos de tráfego.

Da mesma forma que critico estas omissões de Luís Rodrigues, fica aqui um elogio, à posição do PSD referente á oposição de transformar os terrenos da siderurgia em mais habitação em massa . Por outro lado dou os parabéns à JSD que tem travado uma luta pela liberdade de expressão e por uma real democratização no concelho e que está a levantar as questões com as quais iniciámos este post, as promessas que elegeram a CDU nas ultimas eleições, promessas essas não cumpridas passado que está quase metade do mandato. Aliás, muitas das obras pararam no dia exacto das eleições...

8 comentários:

Fernando Lameiras disse...

Por um lado os cidadãos demitiram-se de participar, por outro não vejo que haja alternativas, a classe politica é toda ela uma corja.

Anónimo disse...

Este post é para rir, elogiar o Luis Rodrigues se ele se opusesse à betonização da Quinta Fonte da Prata? Mas o Luis Rodrigues e a familia são os donos da Quinta e são quem está a desenvolver a betonização da zona, como já fizeram noutras zonas do concelho. Toda a gente sabe que o Luis Rodrigues representa os interesses dos construtores civis, que apoiam generosamente o PSD nas campanhas eleitorais! Aliás é uma empresa de construção civil que está a pagar a publicidade da JSD, vindo a respectiva factura em nome dessa empresa...

António disse...

cEste anónimo é simplesmente ridículo... porventura tb são estes os construtores que andam a fornecer a tinta para vandalizar os cartazes da JSD....Pq não fala do $$$ que o amigo Silva anda a dar à CDU!?!?!? Se há coisa que os construtores não querem é que o poder mude no Seixal!

Em relação à proposta do alargamento da A2 é ridícula!

jsd seixal disse...

É ridiculo este anonimo.

As facturas estão passadas em nome da JSD Seixal e já foram enviadas para o tribunal de contas.

www.juventudeseixal.blogspot.com

outsider disse...

Meus caros... todos tem razão. É que todos os nossos autarcas beneficiam das amizades pato-bravistas que tem. E alguns até o são.
Alias é bom que se saiba que os patrocínios políticos distribuídos pela malta do betão são proporcionais as votações. Ou seja como qualquer estudo económico da treta indicará, a estabilidade é boa para os negócios. Uma mudança de cor em qualquer câmara obriga o pessoal das obras a começar tudo de novo: Os Almoços, os Jantares, as Festas e ter de descobrir a quem dar a massa em altura de despachar negócio.

Ponto Verde disse...

"Estaria aqui a elogiar o deputado Luís Rodrigues se em vez deste fait-divers, se tivesse oposto ao longo dos anos de vereação na Câmara do Seixal, à betonização do seu concelho, e que com a restante oposição estivesse a apresentar requerimentos ao governo contra a urbanização ..."

O segundo anónimo não sabe ler ou é só para lançar a confusão? "ESTARIA"!!! e não "ESTOU" não percebe a diferença e/ou a ironia?

Anónimo disse...

ESTREIA-DEBATE NO CINE-TEATRO MUNICIPAL JOÃO MOTA

O FILME PORTUGUÊS
"WAITING FOR EUROPE"
VAI ESTREAR EM SESIMBRA
A 16 DE JUNHO,
PELAS 21.00 Horas
COM A PRESENÇA DA REALIZADORA CHRISTINE REEH


O filme português “Waiting for Europe”, realizado por Christine Reeh e produzido pela C.R.I.M Produções, vai ter uma estreia-debate, com a presença da realizadora, em Sesimbra, no Cine-Teatro Municipal João Mota, dia 16 de Junho, ás 21.00 horas, com o apoio da Câmara Municipal de Sesimbra.

Participam no painel-debate, para além da realizadora Christine Reeh, o Dr. Rui Marques, Alto Comissário para a Imigração e Minorias Étnicas, a Dra. Inês Fontinha, Secretária Geral do Ninho, a Dra. Eva Bacelar, da Procuradoria Geral da República e Presidente da Secção Portuguesa do Congresso dos Antigos Funcionários da União Europeia, a Dra. Marina Kolarova, da Associação Portugal-Bulgari, o Prof. Jorge Malheiros, da Faculdade de Letras de Lisboa e a Dra. Maria Cristina Santinho, do ISCTE.

A C.R.I.M Produções, abriu um concurso de crítica ao filme, aberto a estudantes do ensino secundário e superior, e o Banco Espirito Santo, abriu um concurso de crítica ao filme, para imigrantes.

“Waiting for Europe” (À Espera da Europa”), ganhou o Best International Documentary no Festival "The New York International Independent Film and Video Festival" (apresentação de Los Angeles) e está seleccionado para a competição em Nova Iorque, em Julho, e, também para a competição do European Documentary Film Contest (Huesca).




O filme rodado em Lisboa, Alcalá de Henares, Sofia e Blavoegrado, acompanhou durante dois anos, Vânia, uma imigrante do leste europeu em Portugal e Espanha. Trata-se de um retrato intimista sobre a imigração feminina.


“Waiting for Europe”, rodado em três países, Portugal, Espanha e Bulgária, foi produzido com o apoio do Instituto de Cinema, Audiovisual e Multimedia (ICAM), da RTP, do Ministério da Cultura, dos Médicos do Mundo, da Universidade de Alcalá de Henares , da Universidade Fernando Pessoa, da Câmara Municipal de Blavoegrado, do Instituto de Cinema Búlgaro, da PROFILM (Bulgária) e da Associação Aibebalcan em Espanha.


O ACIME (Alto Comissariado para a imigração e Minorias Étnicas), o Banco BES (www.bes.pt /novos residentes), a Federação Portuguesa dos Cineclubes, Associação Bulgari, e as câmaras municipais, colaboram nas estreias-debate a realizar em Portugal.
A Universidade de Alcalá de Henares, vai promover um conjunto de estreias-debate do “Waiting for Europe, em colaboração com outras Universidades espanholas.


As últimas estreias-debate do filme, foram realizadas, no Auditório da Faculdade de Ciências Socias e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (Centro de Estudos de Migrações e Minorias Étnicas) a 3 de Maio, em Monção a 27 de Abril, em Vila Real de Santo António, no Centro Cultural António Aleixo, a 26 de Maio.

O filme foi ainda estreado no Luxemburgo, a 8 de Maio, na Cinemateca de Luxemburgo, numa iniciativa conjunta da ASTI (Association de Soutien aux Travailleurs Immigrés) e da Cidade de Luxemburgo, com o apoio das duas centrais sindicais, da Associação de Amigos do 25 de Abril e ainda de associações de imigrantes portuguesas e búlgaras.


A revista "Cinema" da Federação Portuguesa dos Cineclubes, na sua edição Abril-Junho, nº37, publica um dossier sobre o "Waiting for Europe", que inclui uma entrevista a Christine Reeh, um artigo de André Martins, uma critica de Marta Mikolajczak, filmóloga polaca e um texto crítico de Paulo Duarte Teixeira, Presidente da Associação Jurídica do Porto e Magistrado Judicial. Na capa, Christine Reeh.




C.R.I.M Produções
Telf./Fax.218463284
Tm.918719003
crimproductions@netcabo.pt

Anónimo disse...

CONCURSO DE CRÍTICA AO FILME
“ WAITING FOR EUROPE”
“À ESPERA DA EUROPA”




A C.R.I.M Produções decidiu abrir um concurso de crítica ao filme “Waiting for Europe”(À Espera da Europa), filme documentário criativo que aborda a problemática da imigração do Leste Europeu para Portugal e Espanha, aberto a estudantes do ensino secundário e superior com o objectivo de estimular a crítica de cinema entre estudantes.
O filme vai ser estreado em diversas localidades do País até Setembro de 2007. Os estudantes dessas localidades estão convidados a assistir ao filme (com entrada gratuita) e poderão remeter as suas críticas até 30 de Setembro de 2007.
As melhores críticas serão publicadas na página (www.waitingforeurope.net) ou na imprensa.


REGULAMENTO

1. Todos os estudantes interessados em participar no concurso de crítica “Waiting for Europe”, estão convidados(entrada gratuita) a assistir ás estreias-debate com a presença da realizadora Christine Reeh.

2. As críticas ao filme podem ser remetidas para crimproductions@netcabo.pt e devem ter no máximo 3000 caracteres. Devem ser assinadas por pseudónimo, embora os concorrentes remetam paralelamente pelo correio para Crim Produções, Av. Almirante Reis, nº221, 1º Esqº- 1000-049, Lisboa. O texto impresso em A4, acompanhado de um envelope fechado que contenha, o nome do concorrente, o nome da sua escola, o seu nº de bilhete de identidade, a sua morada e um número de telefone ou telemóvel. Só serão aceites em concurso as críticas enviadas nestas condições e remetidas até 30 de Setembro de 2007.

3. O júri do concurso será constituido por um representante da C.R.I.M Produções, uma personalidade de reconhecido valor da cultura portuguesa e será presidido por um crítico de cinema da imprensa diária.

4. O concurso atribuirá um primeiro prémio no valor de 500 euros para a melhor crítica concorrente e um dvd com a série de 4 filmes “Outros sonhos” da realizadora Christine Reeh.

5. O concurso atribuirá ainda 20 segundos prémios que consistirão na oferta de um Dvd do Filme “Waiting for Europe”(À Espera da Europa)

6. O resultado do concurso será anunciado após a reunião do júri em 20 de Dezembro de 2007.

7. As críticas enviadas serão publicadas, pela ordem e pela data de entrada, com pseudónimo na página (www.waitingforeurope.net). A partir do anúncio dos resultados do concurso, as críticas serão publicadas com o nome do autor, salvo se houver indicação em contrário.

8. A organização do concurso publicará todas as críticas desde que mantenham padrões minímos de qualidade.