terça-feira, julho 15, 2008

ALMADA OBRAS CRIATIVAS


Numa via de acesso ás praias , uma via frequentada por milhares de viaturas, não há melhor época do ano escolhida para remodelar a rede de esgotos do que exactamente ... pleno Verão , época de praia, pleno mês de Julho... via interrompida , ora para lá, ora para cá , engarrafamento inusitado mesmo no pinhal ... ai se há algum incêndio !!!

Provavelmente quando começar o Outono virão limpar as bermas ...

Almada Criativa ... pois então !!!

5 comentários:

Daniel Geraldes disse...

O A-Sul tem de reparar que isto é bastante inteligente, é que daqui a pouco tempo vêm as eleições, e como esta zona é muito frequentada no verão, mais gente verá assim a obra do PCP, e mais probabilidades têm de ganhar votos.

NP disse...

Estas obras rolam há uns dois meses, pelo menos que me lembre. Começaram na zona de casas e pinhal e há umas semanas chegaram à estrada.
O mais estúpido é que não se preocupam em fazer as obras de noite mas sim em pleno horário de praias, quando de facto há um nível de circulação automóvel grande.
Não creio que seja só Almada, mas creio que é um só sinal de falta de inteligência nacional em geral,já vi coisas semelhantes em locais distintos do país.

ex-militante disse...

Nunca ninguém é responsabilizado, há uma cadeia hierárquica da qual dependem os trabalhos, uma empresa sub-contratada provávelmente. Responsáveis pelo transtorno a terceiros ? Ninguém . Falta de respeito pelo contribuinte é o que é.

Anónimo disse...

http://www.sado2000.pt/noticia.php?codigo=487B55D6D7728

Anónimo disse...

“(…)Alfredo Monteiro não coloca em causa a justiça social na definição dos limites máximos para as famílias, mas adverte que «o Governo tem de assegurar que os municípios não perdem autonomia, nem capacidade financeira». «Percebemos que as famílias têm grandes problemas com a carga fiscal, mas resumir o problema ao IMI é errado. O que é necessário fazer é reduzir a carga fiscal no geral, pois não é a diminuição do IMI que solver os problemas dos portugueses». Além disso, o autarca frisa que as autarquias «nunca foram ouvidas para participar na definição do quadro legal do IMI».(…)”

http://www.sado2000.pt/noticia.php?codigo=487B5549C960F





DATA : Quarta-feira, 12 de Novembro de 2003
(…)
PÁGINAS DO D.R. : 7568 a 7647
(…)
Decreto-Lei n.º 287/2003
de 12 de Novembro
O presente decreto-lei procede à reforma da tributação do património, aprovando os novos Códigos do Imposto Municipal sobre Imóveis (CIMI) e do Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (CIMT) e procedendo a alterações de diversa legislação tributária conexa com a mesma reforma.
(…)
Foi ouvida a Associação Nacional dos Municípios Portugueses.

(…)”