quinta-feira, setembro 28, 2006

A TERRA COMO VALOR


A somar aos milhares de hectaraes que na Margem Sul têm sido indiscriminadamente urbanizados (basta ver o nome das urbanizações "Quinta do Rouxinol", "Quinta da Trindade", "Quinta do Conde"...Quinta) ..." há que considerar os terrenos contaminados e os terrenos abandonados depois de intensiva exploração de inertes (imagem Seixal)

"Vi uma mulher africana linda (...) dizendo: 'A felicidade? É a chuva.'

Nós, aqui, desprezamos a àgua. Sujamos os rios e matamos os animais que neles vivem. Deixamos arder as florestas, deitamos o lixo pela janela fora . Nós somos os selvagens" Madalena Barbosa, Publico 7/9/06

Este pequeno excerto é só para demonstrar o quanto as presentes gerações deste nosso Portugal saído há tão pouco do rural, tratam a terra e a desprezam. Desde a falta de civismo que grassa por toda a parte, achada como própria para depositar todo o tipo de despejos pelo cidadão comum , até ás autarquias que tudo permitem em todo o tipo de solo ( e felizmente existe ainda Reserva Agricola e Reserva Ecológica).

Da Europa chega-nos a noticia de que a Comissão Europeia apresentou no passado dia 22, em Bruxelas, uma estratégia para combater esta degradação dos solos, reconhecendo o Comissário do ambiente , que a degradação dos solos na União Europeia se "tem acelerado, com efeitos nefastos a vários níveis, afectando desde o clima à economia".

Cabe a cada país escolher quais as medidas que pretende pôr em prática de forma a combater fenómenos de erosão, desmonoramentos, contaminação, perda de matéria orgânica, salinização , etc...

O Comissário Europeu defende mesmo que o solo é um recurso não renovável acrescentando que estas medidas que considera necessária e urgentes em sua defesa, "são um exemplo da necessidade de pensar globalmente e de agir localmente".
__________________________________________
Aqui o video do Dia (clique)

1 comentário:

Joana Lima disse...

Um verdadeiro crime desbaratar um tão rico recurso.