sábado, março 01, 2008

SEM MEDOS NA DEFESA DO AMBIENTE



Como em qualquer estrutura ditatorial , há na Margem Sul a tentativa de fazer crer que há um unanimismo sem qualquer razão para crítica por parte de quem governa as autarquias CDU .

A comunicação social recentemente surgida (Comércio do Seixal, Noticias de Almada, Jornal do Seixal ) a par de outra mais antiga (Semmais Jornal, O Rio...) e a blogoefera tem dado por outro lado a real imagem do que se passa, e têm mostrado que há um descontentamento crescente e generalizado da população , só ultrapassado pelo alto nível de desencanto e distânciamento quando são chamados a votar, traduzindo-se esse facto com um elevadissímo nível de abstenção.

Isso tem facilitado a vida à força eleita em maioria que em trinta anos tem degradado a tal ponto a qualidade de vida e ambiental das populações que surgem sinais gritantes de uma revolta popular crescente ao mesmo tempo que a população se capacita do seu poder e perde o medo de, apesar do controlo social existente e dos métodos associados a esse controle (difamação , ameaça , aliciamento...) tem feito valer a sua voz.

Essa emergente revolta fez-se sentir no Seixal na Flor-da-Mata (nas imagens) , fez-se sentir na Moita , desembocando na excelente e exemplar Conferência Nacional de Solos , e faz-se hoje por tantos outros locais e situações, como é o caso da linha de muito alta tensão em Almada, ou ainda em Almada e também a propósito de um caso de protecção ambiental versus betão , com o Movimento de Cidadania que luta pela protecção e não destruição da Mata do Inglês.

Este movimento projecta o lema "Uma Charneca para as Pessoas" e está contra a construção de um troço da variante da Estrada Regional 377-2 , entendendo que a sua construção constitui um atentado à Mata dos Medos e consequentemente a um património único no concelho e no país.

Defendem os residentes que tal obra vai implicar "o abate de cerca de duzentos e trinta pinheiros mansos com mais de duzentos anos, situação que provoca ainda a destruição do respectivo coberto e destabiliza todo o ecossistema, numa das zonas mais antigas, mais bem preservadas e mais sensíveis da mata".

Como já aqui foi anteriormente analisado, favorecendo o discutível e obscuro "direito adquirido" de um grupo de cidadãos que há décadas ocupa os areais da Costa de Caparica . Um território de todos, onde ao que parece nem governo, nem autarquia têm coragem politica para acabar com este estado de coisas, compensando-os agora incompreensívelmente , com a ocupação de um espaço que é fundamental para a preservação ambiental e para que a Costa continue a deter as caracteristicas paisagistas que tantos, incluíndo os próprios, buscam naquela paisagem ímpar e de um valor incalculável"

8 comentários:

ex-militante disse...

O Povo é quem mais ordena. Isto é que é uma MANIF, ora aprendam! Estes ditadores estalinistas não dão uma para a caixa.

ana disse...

A barreira do medo tem de ser vencida, não só no ambiente mas em tantas outras coisas. É urgente que cada um de nós se consciencialize que o querer é poder e que passa por cada um de nós e de todos em conjunto o mudar as coisas.
Se no antes 25 de Abril muitos de nós não tinhamos como fazer ouvir a nossa voz não se admite que agora nem que seja no simples acto de votar não a façamos ouvir e continuamos a deixar que sejamos (des)governados por quem foi eleito por uma minoria.

Anónimo disse...

A anterior comentadora tem toda a razão !
Mas em Pinhal dos Frades houve e continua a haver um grande controlo da população e muita intimidação por várias vias.
Mas nenhum de nós se deixou ou deixará intimidar no futuro apesar dos pequenos abusos de poder que alguns sentem diáriamente na pele.
O Concelho do Seixal é dos seus habitantes, não de quem por cá se anda dele a aproveitar.

SOMOS GENTE ! QUEREMOS AMBIENTE!

Anónimo disse...

Junto a minha voz ao anónimo anterior. O concelho do Seixal é dos seus habitantes. Subscrevo os dois comentários anteriores.

hkt disse...

Tudo somado pode dizer, sem margem para dúvidas, que existe uma "déficit democrático" no Seixal. A falta de cultura democrática que impede o contraditório, gera o "quero, posso e mando" característico destas paragens. Poderia, pelo menos, haver alguma algum ... pudor. Mas nem isso. Veja-se o caso dos estudos que são invocados para sustentar decisões camarárias, estudos, quecaem no esquecimento sem terem sido vistos por ninguèm.
Outro tique totalitário é a incompreensão relativa aos motivos que levam alguém a fazer "oposição" nestes concelhos. Os críticos querem "protagonismo" (individual, anátema terrível num ara um partido onde se aparenta o "colectivismo" mas, onde na prática´o poder é absolutamente individualizado´... género irmãos Castro)ou têm "interesses obscuros" (coisa que no PCP/CDU não existe)...

Anónimo disse...

Os senhores da CDU continuam sempre os mesmos. Quando criticados pelo mau trabalho que realizam à frente das autarquias, o argumento é o de quem os critica é anti-comunista. Isto demonstra falta de inteligência e maniqueísmo.
Mas, deculpem-me: mais uma vez os culpados somos todos nós os votantes. Na altura das eleições a abstenção é incrivelmente elevada, nos quatro anos seguintes a maioria de nós critica, critica, mas não toma qualquer medida para mudar o estado das coisas. O problema continua ser, na minha óptica, que temos pouca e má cidadania; no entanto, espero que as coisas estejam a mudar.
Não podemos continuar a permitir que estes senhores dêem cabo das nossas terras, à revelia da maiorida dos seus habitantes.


Sotnas

Anónimo disse...

A-Sul o que se pode fazer para ajudar o movimento contra a destruição da Mata do Inglês '


sOTNAS

Anónimo disse...

Destruição de 230 pinheiros... E os pinheiros que todos os fins de semana são destruídos pelos moradores da Aroeira!!!!
Faz o que eu digo, não faças o que eu faço....

Nuno