terça-feira, dezembro 06, 2005

MARGEM SUL, DO LABIRINTO DO BETÃO AO LABIRINTO DO ALCATRÃO











Imagem (Google-earth) - zona entre Corroios e Cruz de Pau, ao centro o Talaminho e a quinta da Princesa, a vermelho a estrada em execussão

O que aqui se falou ontem, e sobre o qual tenho algumas (grandes) reservas está demonstrado na imagem. O traçado a vermelho que não estará muito longe da realidade é a nova via, mostra também já definidos, quatro canais de circulação viària, são eles, da esquerda para a direita, a A2 (a mais larga) logo a seguir a linha da REFER, depois das construções a EN 10 e a linha de Eléctrico + ciclovia e então a vermelho a projectada "alternativa"... para já é notório que o percurso atravessa uma zona que deveria ser mantida como está a todo o custo, ainda para mais indo arrazar a Quinta da Princesa zona arborizada e seguindo depois no sentido de servir o projectado Carrefour (em processo judicial pelo corte antecipado e ilegal de mais de 1000 sobreiros).











Sobreiros no Talaminho? Então é por lá que vai passar a estrada!!!

O que já aqui alertei e face ao modelo de "desenvolvimento" desta autarquia é para a previsibilidade de nova carga urbana para aquela faixa entre a EN10 e a sua Alternativa, ainda por cima uma zona servida pelo MST...Permitam-me pois deixar a minha dúvida. Se realmente esta via interessa? Se realmente esta via é importante para resolver a situação actual? Ou se pelo facto de ser construida , novos problemas e maior carga urbana e humana avançará... convém perguntar, qual é o limite? Porque quer o PCP a contenção urbana em Lisboa e nos Municipios da Margem Norte e a fomenta a Sul do Tejo por via das autarquias que controla? Sobretudo numa zona onde é um dos principais proprietários?



Os mapas já divulgados pela CMS revelam que aqui não estamos a inventar ou a mentir, como é comum sermos acusados, ajudam-nos até a levantar um novo dado, o IC32!

Não será o IC 32 suficiente para descongestionar a EN10 e lhe servir de alternativa, será necessário mesmo criar uma nova via paralela, em alguns locais distanto escassas dezenas de metros da actual EN10 , aumentando nesse pontos a carga de poluição e o tráfego? e depois inflectir em direcção à Quinta da Atalaia, o memo acontecendo com o Metro???

7 comentários:

flamingo disse...

Agora pela imagem aérea compreende-se o que podemos esperar para aquela zona, o blogger tem toda a razão, a Quinta que mostra vai ser o logradouro daquelas novs urbanizações que vão surgir de forma a ligar Corroios com a Quinta da Princesa,Cruz de Pau Amora uma mancha urbana unica.

LB disse...

Mas que a construção nestas áreas vai aparecer não tenho quaisquer dúvidas... aliás é o que temos assistido noutros locais!
E quanto a isso só posso, mais uma vez, estar contra!
No entanto, o problema desta alternativa à EN10 não é de agora. Tal como referi no anterior comentário, o problema não é de hoje e leva-nos sempre ao mesmo, mau planeamento urbanistico!
Porém, depois de feito o estrago, a pergunta que se põe é a seguinte: - como vamos resolver isto? - alterar o traçado era uma excelente ideia, mas com que custos, e por onde? num concelho que está a rebentar pelas costuras!
É uma questão dificil para a qual não possuo todas as informações até porque não sou um "planeador urbanistico".
Uma coisa é certa, num concelho onde não se pode ver verde, e qualquer árvore que não tenha sido plantada ao abrigo de compras camarárias é para abater, estas situações continuarão a acontecer no futuro.
A única solução, a meu ver passa por tentar, na medida do possível, estar presente nas tão famosas reuniões de apresentação da revisão do PDM e aí, tentar fazer ouvir a nossa (minha) voz (provavelmente vale o que vale ou seja, nada, mas sempre pode ser que alguém que tenha dois dedos de testa decida fazer algo).
Isso leva-me a outra questão que se calhar pode ser a raiz de todos os males que se vão passando neste concelho - para quando a definitiva aprovação do raio do PDM? porque raio se demora tanto tempo nisto? - é que enquanto o "pau vai e vem, folgam as costas"...

Bernardino Cunhal disse...

A ATALAIA, o que lhes interessa é a Reserva Natural Jurássica da Atalaia que eles deflorestaram pois devia ser arvoredo aristocrata ou Fascista. O arvoredo Comunista é que lhes interessa, o sobreiro é espécie a abater pois é o resposável pela exploração operária na Mundet ou na Wicander e representa o suor dos corticeiros explorados pelo opressor latifundiàrio. Estas cabeças não vão mais além.

Cassete Jerónimo disse...

Qd o PCP abrir falênxia técnixa, como previxto, a Atalaia vai valer muitox Eurox. Muita maxa pª levantar o partido vivo/morto.

NP disse...

Estive a ver este post com atenção e deixo duas questões que gostava que alguém me pudesse esclarecer:

1) o prolongamento da via alternativa à EN10 vai atravessar a Quinta da Princesa e vai ter à Rotunda da Cipol junto ao Campo do Amora. Partindo deste princípio.... é impressão minha ou vai atravessar a Quinta da Atalaia ?

2) Vejo nestes mapas que depois essa via segue para o lado da Arrentela. Como ? por onde ? Pelo rio ? É que aquela zona de AMora está já consolidada urbanamente junto ao rio e visto que o atravessamento será feito mais perto da ponte da Fraternidade, não estou a ver pode vai passar a via alternativa, a não ser que se use a Marginal Silva Gomes.

Anónimo disse...

Não conheço bem essa zona mas, será que essa via alternativa ( referida no último post ) vai ter um atravessamento sobre o Coina ligando a "Zona Polis" ( onde tem operadodo Barreiro à ( actual )siderurgia,contribuindo assim para a efectivação do conceito de Arco Ribeirinho ( tão do agrado do Sr. Isaltino que parece ter desta vez o papel de fiel da balança na Grande Área Metropolitana de Lisboa e viabilizar, entre outras coisas,a eleição do candidato CDU à presidência da mesma contra a coligação PS / PSD) e também para a redução dos custos do transporte de escória/sucata que é descarregada no porto fluvial da Quimiparque e depois é transportada para a siderurgia em camiões ??

Anónimo disse...

Agora é que è ( As minhas desculpas )
Não conheço bem essa zona mas, será que essa via alternativa ( referida no último post ) vai ter um atravessamento sobre o Coina ligando a "Zona Polis" do Barreiro à ( actual )siderurgia,contribuindo assim para a efectivação do conceito de Arco Ribeirinho ( tão do agrado do Sr. Isaltino que parece ter desta vez o papel de fiel da balança na Grande Área Metropolitana de Lisboa e viabilizar, entre outras coisas,a eleição do candidato CDU à presidência da mesma contra a coligação PS / PSD) e também para a redução dos custos do transporte de escória/sucata que é descarregada no porto fluvial da Quimiparque e depois é transportada para a siderurgia em camiões ??