terça-feira, agosto 15, 2006

TEMPO DE PRAIA NO MAR DA PALHA - 8 ALCOCHETE




















É das maiores extensões de areal e aquela que contém mais informação sobre a má qualidade das águas, mas não tem alternativas ao mergulho no desconhecido, nada de duches muito menos piscinas ou "apoios de praia" própriamente ditos, há um restaurante e uma esplanada sobre o areal mas sem vocação de apoio balnear.

Há inúmeros moinhos que parecem estar ao abandono quando poderiam servir para fins turisticos ou culturais, e se voltarmos as costas ao rio é assustador o número de gruas no horizonte e o que isso significa, uma coisa é certa , todos os discursos dos Governos na altura da construção da Ponte Vasco da Gama caíram em saco roto as promessas de contenção do betão, não é difícil antever um "desenvolvimento" decalcado de Almada e do Seixal em relação à Ponte 25 de Abril.

Quanto à praia , tem a sua evolvente em requalificação, o Parque de estacionamento em obras, veremos o que vai daqui saír,mas face ao que vimos em todas as outras autarquias Desta Banda, não há que esperar muito, são autarcas de segunda, campeões da mediocridade e do mau gosto, servidores de algo que não é o bem comum nem a qualidade de vida das populações.

Estas maiorias autárquicas da Margem Sul são tudo menos o garante do Património construído ou ambiental, são tudo, menos alguém em quem se possa confiar o futuro das próximas gerações e a sua herança ambiental

O testemunho que será passado será de um passivo ambiental e social pesado, dividas e leasings incomportáveis sobre a vaidade construída hoje , sem posses reais para além de um inenarrável mau gosto, uma má qualidade geral na arquitectura e nos espaços urbanos .

Para o futuro a atitude mais acertada e menos onerosa será a implosão, pena não podermos implodir desde já estas politicas... que continuam erradas mas a servir inconfessáveis interesses.

3 comentários:

Anónimo disse...

Desperdicio de recursos.

joão poço disse...

Nem mais, rebentem com eles.

Miguel disse...

Este post é antigo, mas queria corrigir que existem uns duchezitos na praia de Alcochete adequados à pouca frequência que tem e já os havia em 2006 (é natural tê-los deixado escapar).

Quanto aos maus autarcas, os meus 2 cêntimos: vim de Lisboa e, por comparação, tudo me parecem rosas. Novo-riquismo esbanjador e dívidas só mesmo em Lisboa, em que andaram nos últimos 8 anos a fazer arruamentos chiques com mobiliário urbano chique que deveria vir a ser pago com a receita da EMEL, que nunca teve e ficou com grandes dívidas. A pressa em acabar os arruamentos chiques mesmo sem terminar as obras importantes, como a ligação dos esgotos do centro antigo da cidade à ETAR de Alcântara (os esgotos de 100 mil pessoas no centro da cidade vai ainda parar ao Tejo sem tratamento), levou a que agora, que estão finalmente a fazer a ligação, tenham tido de destruir uma quantidade enorme de arruamentos chiques para fazer passar a conduta por baixo (Cais do Sodré). Isso é que foi dinheiro deitado à rua.

Depois nunca gostei do tratamento desigual a zonas diferentes da cidade. Porque é que a av. de roma está limpa e até tem sacos para apanhar dejectos do cão e porque é que a zona de arroios (igualmente residêncial ou mais ainda) não tem os ditos sacos e o lixo voa na rua?

Em Alcochete, o tratamento de esgotos atinge 99% da população. Tendo em conta que é um concelho com grande componente rural, parece difícil conseguir melhor, e isto apesar do elevado crescimento da população (quase tão alto quanto Sesimbra e Seixal). Mas pronto, moro aqui há pouco tempo, ainda estou a ver. De qualquer modo, acho que não devemos pôr a coisa a preto e branco, competentes e broncos.