sábado, agosto 26, 2006

PÊCÊS, QUEQUES, BETINHOS E PESCADORES DE MAÕS DADAS CONTRA POLITICAS DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA NA ARRÁBIDA













A primeira aparição pública da nova sucessora de Carlos Sousa na Câmara de Setúbal, aconteceu hoje, numa manifestação de interesse público duvidoso (clique) em que se sobrepõem, a supostos interesses de pescadores, contra o Plano de Ordenamento da Arrábida , o lobby dos "burgueses" proprietários de embarcações de recreio que pretendem continuar a ter as facilidades de fundear e usar , a seu bel-prazer aquela zona protegida.

Ver o PCP no meio de tais interesses é no minimo hilariante.

___________________________________________












Uma manifestação anti-conservacionista, original, ocorreu hoje na Arrábida, tão original que pretende congregar interesses tão diversos como ricos donos de iates de recreio e... pobres pescadores , citando agora o despacho da Lusa onde se incluem declarações do Secretário de Estado do Ambiente :

Em relação às regras referentes a embarcações de recreio e turismo, o governante esclareceu que desde 23 de Agosto de 2005 que o regulamento ditou que os barcos não possam fundear "para lá de um quarto de milha" devido aos efeitos negativos das âncoras nas espécies vegetais.

Talvez seja afinal este o cerne da "radical" manobra de desobediência e a grande preocupação dos organizadores e não as hipotéticas razões de defesa de alegados interesses pesqueiros sobre os quais, e citando de novo a Lusa citando o Secretário de Estado do Ambiente «Humberto Rosa negou que esta medida vá afectar centenas de pescadores, garantindo que este tipo de pesca "praticamente não é praticada" na zona do Portinho da Arrábida».

De facto , estas novas regras pouco ou nada influirão na pesca cujas restrições passaram desde que na ultima "quarta-feira entrou em vigor um regime parcial do regulamento, na zona do Portinho da Arrábida, segundo o qual "a pesca com armadilha e tomeiro só poderá ser realizada para lá dos 200 metros".

A grande razão desta movimentação passa a ser, afinal, motivada por fúteis interesses dos proprietários de embarcações de recreio, em pretender continuar com a insustentável anarquia existente até há pouco, traduzida no crescente e descontrolado número de barcos fundeados na Baía do Portinho que não é nem Porto de Pesca nem Marina de Recreio.






O presidente do clube Naval de Sesimbra ,Lino Correia , insistia na SIC na colagem entre Náutica de Recreio e Pesca Tradicional, não deixando esconder o seu lamento de « agora no Portinho "só" haver 50 pontos de amarração onde chegou a haver 200...»

O Portinho de Arrábida, sobretudo durante o Verão, via-se transformado num mostruário das ultimas aquisições em termos de náutica de recreio numa sempre crescente feira de vaidades, perfeitamente evitável pela existência de Marinas no estuário do Sado junto a Setúbal, e que punha cada vez mais em causa o equilibrio ecológico daquele espaço que é Parque Natural protegido.

6 comentários:

Anónimo disse...

E esta é apenas uma das clientelas burguesas de fachada socialista a que essa Senhora terá que prestar contas no futuro...

Martim Salvador disse...

Na RTP a reportagem falava de "algumas dezenas de embarcações", na TVI de "duzentas" e na SIC em "trezentas"... em que ficamos, se calhar nem cinquenta seriam, é isto que se chama "rigor jornalistico"?

A Senhora presidente estava óptimamente vestida , era Channel? Afinal parece que não foram os ortodoxos que correram com o fatinho colarinho à Mao-Tse-Tung de Carlos Sousa, mas sim interesses bem mais burgueses ...

Caparicano disse...

Quanto a mim o Portinho da Arrábida não é sítio para embarcações, nem sequer de pesca. É um espaço balnear de excelência, e como tal urge aproveitá-lo dessa forma.

Já agora, e como a semana passada até estive lá, queria denotar a autêntica anarquia que é o estacionamento e o acesso aquela praia. Apesar do transporte camarário existente, que é sem dúvida uma boa ideia. Falta é tudo o resto.

rodrigo disse...

O Portinho não é um espaço para massas.
Nem no Mar nem em Terra.
Há que preservar, há que proteger.
O POPNA é um bom principio, pode não ser o ideal, mas é um principio.
Esses senhores que agora se manifestaram ter-se-ão manifestado conta o betão na Arrábida ou contribuído para ele?
E contra as pedreiras, manifestaram-se?

alfredo disse...

Comunistas em manifestação de burgueses? deveriam ser os renovadores, digo eu...

Pirate disse...

O Portinho da Arrábida constitui um património natural único que urge proteger e preservar.
Já lá vão muitas décadas de anarquia e total abandono com os resultados à vista típicos de um país de 3º mundo.
Os barcos de recreio devem ter sítios próprios para ancorar e não fazer do portinho uma montra saloia e provinciana de uma feira de vaidades kitch e caduca...
Há que corrigir a situação contra ventos e marés contra lobbies ou "grupos de interesse" que querem à viva força manter o "status quo".
O cenário da manifestação dupla e solidária de proprietários de iates e humildes pescadores foi de facto um "best of" mediático ao estilo pescadores e iate owners unidos já mais serão vencidos...
Enfim, originalidades "felinianas" cá do burgo...