sexta-feira, agosto 12, 2005

MARGEM SUL VISTA DA "RIVE GAUCHE" 2















Margens do Sena , Paris Agosto 2005

Desfrutar de um rio numa cidade, a frescura das margens , a partilha dos espaços, acto simples, normal para muitos europeus, mas ainda não para nós portugueses. No passado tinhamos essa ligação com os rios, mas com a industrialização foi um hábito que se foi perdendo.

Com a industrialização os rios passaram a ser um magnifico esgoto , abandonaram-se as margens que passaram a ser local de despejo de quase tudo, com a educação ambiental e uma maior exigência das populações que vão tomando consciência do que estão a perder e a desperdiçar, muitas foram as povoações por esse país fora que foram recuperando as zonas ribeirinhas (ao que talvez não tenha sido alheio o "efeito Expo 98").

Na margem Norte, a Lisboa industrial ergueu-se de costas para o rio (fenómeno que inverteu na ultima década) na Margem Sul o modelo foi decalcado com o ónus da Siderurgia, da Petroquimica..., é hoje timidamente que se avançam com tais projectos de reconversão e recuperação, mais ao sabor dos ciclos eleitorais do que do bem estar das populações ou a necessidade de criar alternativas aos engarrafamentos para a praia ou passeios no Centro Comercial.

Veja-se o que trinta anos de Maiorias de "coligações" dominadas pelo Partido Comunista trouxeram de bom para as populações em termos urbanos ... só agora acordaram para os passeios ribeirinhos , as ciclo-vias ou zonas pedonais. "Vista" de uma cidade como Paris a Região Metropolitana de Lisboa é um completo non-sense em termos de urbanismo, e o que se construiu nos ultimos trinta anos , uma completa bomba-atómica que nos vai destruindo em termos de turismo .

Porque copiam os nossos autarcas os modelos do terceiro mundo onde insistem em passar férias ? Porque em vez de safaris no Quénia não passeiam os nossos politicos com a sua prole no Louvre? (Ou nas margens de um qualquer rio europeu?) Será que não têm nível para mais?

9 comentários:

Anónimo disse...

Arts Audio/Video
Day to Day television critic and Hollywood Reporter editor Andrew Wallenstein reviews Starved, a ... Killing Time with 'The Dukes of Hazzard' NPR - Wed Aug 10, 3:29 PM ET The Dukes of Hazzard is a film so meaningless that it is almost impossible to review, according to critic Kenneth Turan.
What's up!?! you have a great blog here! I'm definitely going to bookmark you!

I have a hip hop mixtape rap site/blog. It pretty much covers hip hop mixtape rap related stuff.

Come and check it out if you get time :-)

Anónimo disse...

Este post demonstra a desonestidade intelectual do autor. Primeiro diz que todos os males são das maiorias comunistas, lá vêm o papão do comunismo, e depois fala em safaris no Quénia... Até parece que são os demoniacos autarcas comunistas que estão no safari...
Se houvesse honestidade intelectual, o autor do post deveria comparar o trabalho efectuado pelos autarcas comunistas na margem sul, com o trabalho efectuado pelos autarcas de outros partidos noutras Câmaras Municipais de Portugal, e não com países mais desenvolvidos do que nós. E aí, se fizesse uma análise séria, teria de concluir que o trabalho desenvolvido pelos autarcas comunistas foi frutuoso, pois nas Câmaras geridas por comunistas a população tem uma qualidade de vida muito superior.

Anónimo disse...

se o artigo revela "desonestidade intelectual " o comentarista anterior revela uma completa falta de análise e seriedade. 3o anos de COMUNISMO na Margem Sul trouxeram-nos o desastre onde vivemos!!!

O Safari no Quénia é só mais uma prova da mediocridade dos politicos no poder, também estou de acordo com o articulista.

Os Autarcas da Margem Sul farão outro tipo de Safaris... mas neles não aprenderão nada de util a aplicar na Margem Sul, pelo que se tem visto.

Este blog é util porque sem sair de casa os autarcas pelas imagens poderiam até copiar algo de util.

Anónimo disse...

O comentário atráz que diz que o blog tem "desonestidade intelectual" por mostrar o que se faz "lá fora" talvez se esqueça que o "lá fora" é na Europa, não em Marte, mas o autor do blog que não se intimide, se fizesse a comparação em Portugal logo o acusariam de estar ao serviço do partido A ou B e não ser sério... As criticas ao PCP nunca são sérias, é extraordinário. Os exemplos que vi neste site vindos "lá de fora" têm custos tão baixos que bem se poderiam aplicar cá dentro, claro que não vêm da ex URSS, essa já nem existe.

NP disse...

Impressionante a falta de lucidez de alguns dos comentários, que no essencial não mudam nada do que o anónimo autor deste blog defende, eventualmente com alguns "exageros africanos" à mistura.

O que aqui está em causa é o facto de as margens do rio na Margem Sul estarem mal aproveitadas e avançarem timidamente face ao que deveria ser o trabalho dos autarcas, é verdade que as coisas demoram, mas demoram ainda mais quando não há vontade política e sobra discurso eleitoral.

É verdade que a marginal de Amora prometida em 2001 só agora (a mês e meio das eleições locais) está a ser feita e ainda por cima pela mesma empresa que está a desmantelar a antiga fábrica Queimado e Pampolim, para ali colocar um hipermercado E.Lecrec e umas bombas de gasolina, são as (infelizmente) habituais contrapartidas que fragilizam sempre a posição dos autarcas face aos construtores.

Este exemplo de obra prometida há muito e "feita em cima da meta" é um exemplo de como as coisas são feitas, não só aqui no Seixal, mas também noutros municipios de outras cores políticas. O que deveria haver era mais acutilância das populações em exigir medidas e obras, para acima de tudo poderem disfrutar de um espaço nobre das suas terras, sejam elas Alcochete, Montijo, Moita, Seixal ou Almada.

O essencial é que sobram palavras e promessas e falta agilidade nas obras realizadas. Em tempos falava-se em Lisboa de "devolver o rio à cidade"... aqui na Margem Sul há toda a razão para defender o mesmo, até porque os votos que justificam essa exigência já são depositados há várias legislaturas nas mãos de quem nos tem governado, muitas vezes adiando as suas próprias promessas e não justificando os mandatos que lhes são dados.

Carlos (Brocas) disse...

Bem, parece que por ai se sofre do mesmo problema daqui ( Moita ) !
É que aparecem sempre os que se dizem Comunistas mas que só sabem dizer que os outros são anti-comunistas ! Não conseguem enxergar que não é só o Alberto João que está a fazer merda por estar à 30 anos à frente dod destinos da Madeira, é que os outros que estão à 30 anos no poleiro também a fazem !
Exemplo: umas das minhas grandes lutas por aqui ( Alhos Vedros/Moita) têm sido o Parqe das Salina uma area de lazer que poderia ser espectacular mas que se encontra dada ao abandono ! Efectuei já centenas de fotos que, além de serem enviadas para a Camara têm sido divulgadas nos Blogues por aqui ! Nunca ninguem da Camara respondeu a quem quer que fosse ! No ia 6/08/2005 fiz uma "reportagem" sobre um outo Parque enorme no Concelho ( O José Afonso da Baixa da Banheira) !
Enviei fotos para o Presidente da Camara om conhecimento a individualidades do PS, do BE e do CDS/PP que conheço bem como aos jornais regionais!
Ontem dia 12/08/2005 recebi resposta enviada sob indicação do Presidente quando antes ( não iam com Conhecimento) nem à merda me mandaram !
A camara é CDU !
Tirem as ilações que quiserem !

Farto dixto disse...

Eheheheheheheh, diz o amigo comuna lá de cima que a população das câmaras comunistas tem uma qualidade de vida superior... ahahahahah, o amigo nunca deve ter saído de Almada ou do Seixal.

Não tenho dúvidas que a qualidade de vida na margem sul é superior em ilusões!

abstracto disse...

Habitualmente leio este blog com o interesse de quem vive na margem sul à 35 anos e que valoriza enormemente a qualidade de vida.
Ora é precisamente esta qualidade de vida que se tem deteriorado a olhos vistos nos ultimos anos, se há 30 anos os equipamentos publicos eram quase inexistentes, havia pelo menos extensas áreas de cultivo e pinhal e não a actual massificação do betão. Efectivamente as anteriores áreas verdes (constituidas por antigas quintas) deram lugar a urbanizações em massa com pequenos rectangulos de relva sorvedouros de água e um ou outro baloiço geralmente em mau estado. Esses espaços verdes acabavam por servir de vias alternativas ao alcatrão, circulando por lá muita gente a pé e de bicicleta. Actualmente o panorama é bem diferente já que as antigas quintas vão desaparecendo, os equipamentos colectivos de qualidade não existem e as ciclovias é o que se sabe.
Com tudo isto, fico incrédulo com comentários que falam em qualidade de vida muito superior. Tais comentários só podem vir de pessoas mal informadas ou seguidistas de um comunismo que já desapareceu. Particularmente no Seixal essa afirmação torna-se patética, no entanto o mais triste é que são muitos os que têm essa opinião. É aqui que blogues como este poderiam ter um papel bastante importante, só que infelizmente o grosso dos votantes está muito longe de saber o que é a internet quanto mais o que é um blogue.
É esta maioria, mal informada e conformada que permite que apesar dos maus exemplos (e eles são tantos) o poder continue nas mesmas mãos à tantos anos. Talvez ainda tenha-mos de esperar uma geração.

Ponto Verde disse...

Obrigado pelo comentário, espero não abusar se o publicar como post