segunda-feira, fevereiro 13, 2006

SANEAMENTO BÀSICO











Em 1974 o então Sub-Secretário de Estado do Ambiente, Arquitecto Ribeiro Telles estabelecia como prioridade governativa o estender do abastecimento de àgua e da rede de saneamento básico a toda a população.


Trinta e dois anos volvidos, pelo meio uma entrada na então CEE, com ela uma catadupa de fundos para o desenvolvimento que afinal se prova não terem tido a aplicação desejada, um cocelho da Àrea Metropolitana da Capital deste país assume que 50% dos esgotos dos seus habitantes não tem qualquer tratamento.

Não se trata porém de um concelho qualquer mas num concelho de 160000 habitantes , estamos a falar (optimisticamente) de 80000 habitantes que vêm na sua maioria os seus esgotos despejados no Tejo sem passarem por uma qualquer ETAR, aliás dá-se o facto de haver àguas residuais que são tratadas em ETAR, mas que logo a seguir são contaminadas com esgotos sem qualquer tratamento (ver imagem acima, clique para aumentar).

Para os mais assíduos leitores é claro que sabem , mesmo sem ver a reprodução da capa do Boletim Municipal, que se trata do concelho do Seixal.

Como é possivel que um "concelho de Abril" não cumpra uma aspiração básica de há... trinta anos?

Como é possivel que um município que lidera a associação "cidades saudáveis" e se auto intitula "Seixal Saudável" não trate os esgotos de 80000 habitantes?

Como é possivel que se tenha permitido o crescimento urbano perfeitamente assustador, através do qual entraram milhões e milhões de euros nos cofres do Munícipio e outros tantos dados a ganhar a meia dúzia de promotores imobiliários sem a contrapartida minima, o de ligar essas urbanizações à rede pública de esgotos e esse sistema a ETARS ?

Como é possível que o concelho do Seixal continue a crescer desmesuradamente e a um ritmo ainda maior a serem instaladas lojas das maiores multinacionais do consumo sem que o saneamento básico esteja assegurado?

Como é possível que se instale um parque industrial que práticamente acompanha a A2 e que é composto por um núcleo em Corroios e outro que vai desde o Casal do Marco até Coina sem que tenham o seu tratamento de esgotos assegurado?

Com que disfarçatez os responsáveis autárquicos só agora pretendam investir 4o milhões de euros e chamam só para 2008 a resolução deste gravíssimo problema de saúde pública e de negligência autárquica?

4 comentários:

Valente disse...

O que gastam em propaganda e leitoral, fogo de artificio e nesse boletim municipal já teria dado para resolver muito dos problemas, mas aqui o que conta é os foguetes e a Festa.

Anónimo disse...

O sr Valente tem razão, o dinheiro que se gasta sem compreensão, por exemplo demoliram o Mercado do Miratejo em boas condições e práticamante novo e o tratamento de esgotos também aqui no Miratejo é o que se sabe, um cheiro insuportável.

abrunho disse...

Realmente deveria ser inacreditável, mas não é. É só uma ponta de muitos inacreditáveis. Há muito autarca grunho e ainda tenho esperança que o "autarca grunho" seja uma herança da ignorância antes 25 de Abril com o idealismo 25 de Abril e que esteja para acabar.

abrunho disse...

Parabéns pelo seu blogue. É um dos que são uma mais valia.