sexta-feira, fevereiro 17, 2006

O LADO SUBTERRÂNEO DE UM METRO DE SUPERFÍCIE













O Metro da propaganda já saíu á rua, poucos dias antes das eleições autárquicas "para testes" , o Metro de serviço publico como transporte não poluente é que nunca mais dá sinal de vida.

Ao que parece há um finca pé entre a Câmara de Almada com o Governo em que a primeira entidade se recusa a ceder os terrenos para que o Metro possa avançar, para o cidadão que vê um dos maiores investimentos publicos na àrea dos transportes marcar passo sem uma razão que pareça lógica ou inteligível é algo que toca as raias do absurdo, até porque as composições Combino - Siemens , já aí estão à espera e muita da via construída.

Sobre essa parte da obra surge agora um antigo técnico responsável a fazer acusações graves, sobre, ao que o Ministério Publico esclareceu serem, irregularidades relacionadas com "gastos excessivos em favor de algumas empresas e falta de impermiabilização em algumas obras".

O Procurador Vitor Moreira diz que "poderá haver crime de favorecimento e outro de inobservação de regras técnicas de construção".

Estas acusações seguem-se a desconfianças entre a futura população (mal) servida pelo futuro Metro Sul do Tejo que entende desde o inicio que o traçado escolhido não é o melhor, havendo quem alegue que o traçado não é aquele que serve as populações, mas aquele que fomentará um novo eixo de construção, nomeadamente no traçado da linha que servirá o concelho do Seixal.

3 comentários:

AV1 disse...

Estava mesmo na calha...
;)

Anónimo disse...

O Traçado do Metro no Seixal vai valorizar e muito o grande investimento do PCP na região, a Quinta da Atalaia.O Mesmo se passa com a tal via que seria o Carrefour a pagar. Cuprimentos

Carlos (Brocas) disse...

Ajuda precisa-se.

http://blogdobrocas.blogspot.com/2006/02/1111-explicao-precisa-se.html