sexta-feira, janeiro 01, 2010

VOTOS DE BOM ANO



Com os votos de Bom Ano, deixo uma sugestão cinéfila para estes primeiros dias de 2010 :

Em "AVATAR" está lá tudo , a Resistência , o Totalitarismo , a Cobiça , a Boçalidade, a Sustentabilidade e o seu oposto , a Natureza , os Opressores e todo o seu poder , os Oprimidos e a força da Razão.

Saibamos ler e interiorizar!


RESISTIR SEMPRE !

9 comentários:

J.S. Teixeira disse...

Pela primeira vez na vida tenho de concordar com o Ponto Verde. Grande filme com muito para se pensar.

Observador disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Observador disse...

O nosso País está na maior.

Tem de tudo o que o a-sul diz em relação ao AVATAR.

Anónimo disse...

O Teixeira só não concorda com o Ponto Verde, porque na Margem Sul, o Poder e a delepidação da natureza são protagonizadas pela CDU , seus homens de mão e testas de ferro.
A RESISTÊNCIA na margem sul é dos cidadãoss contra esta máfia CDU.

Anónimo disse...

http://ecosfera.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1415978

Ministra do Ambiente quer envolver todos os cidadãos na preservação das espécies
01.01.2010
Lusa

A ministra do Ambiente quer aproveitar 2010, Ano Internacional da Biodiversidade, para sensibilizar o cidadão comum sobre a importância da preservação das espécies na qualidade de vida de cada um.

“Não queremos que continue a ser uma preocupação de elites técnicas, queremos que desça ao cidadão porque temo-nos dado conta que mesmo técnicos de outras áreas olham para a biodiversidade com desconhecimento”, disse Dulce Pássaro.

A ministra planeia, por isso, desenvolver várias acções de sensibilização e divulgação ao longo do ano para “levar a temática da biodiversidade ao cidadão”.

Portugal vai também acompanhar os trabalhos de duas grandes conferências mundiais sobre o tema, a realizar no Dubai (em Março) e no Japão (no Outono), acrescentou.

Por cá, serão postas em marcha várias iniciativas de alerta para a importância da biodiversidade na qualidade de vida dos cidadãos. “Sentimos que é uma área relativamente à qual o cidadão não conhece a importância que tem”.

As áreas protegidas vão ter, cada uma, um guia de biodiversidade, tema que levará à realização de vários workshops, além de um ciclo de conferências que o Instituto da Conservação da Natureza e da Biodiversidade realizará em parceria com uma instituição bancária sobre “Biodiversidade: Economia/Sociedade”.

Em preparação está também um pequeno jornal, mas de grande divulgação, que será distribuído nas áreas de abastecimento de combustível, bem como acções coordenadas com as universidades, adiantou.

O programa ainda não está fechado, mas todas as iniciativas, que incluem várias edições e reedições, visam sublinhar a importância da biodiversidade junto dos vários agentes e actividades humanas, frisou a ministra.

“A perda de biodiversidade a médio e longo prazos vem traduzir-se na perda de qualidade de vida e por vezes temos iniciativas que vêm a traduzir-se na extinção de uma espécie com pouca expressão física”, frisou.

Como exemplo, referiu a sobrevivência das orquídeas: “São polinizadas graças a um pequeno insecto. Se se compromete o habitat desse insecto uma coisa tão bonita como as orquídeas naturais (selvagens) pode pura e simplesmente extinguir-se”.

Isto para dizer que há vários elementos da cadeia de manutenção de várias espécies que “não podem ser postos em causa”.

“É muito importante contribuirmos todos para a preservação da biodiversidade do planeta”, apelou Dulce Pássaro.

Portugal tem quatro sítios classificados pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), três nos Açores - Corvo, Flores e Graciosa - e Paul de Boquilobo, no Ribatejo.

As Berlengas ainda não conseguiram a classificação e a ministra pretende fazer primeiro um ponto de situação sobre este processo para ver “quais foram os constrangimentos” e se há espaço para investir ou não em novas candidaturas.

O que está no programa do Governo é o alargamento da rede de áreas protegidas, mas “mais para o meio marinho”, avançou. “As áreas protegidas que temos são essencialmente no espaço terrestre.” A ministra afirmou que, “em harmonia com a política comunitária”, o Governo português pretende alargar a Rede Natura 2000 ao meio marinho.

A governante admitiu que a classificação de um território nem sempre é bem acolhida, devido às restrições que impõe à actividade humana, mas garante que o processo é muito participado e procura gerar consensos.

Anónimo disse...

E a Quercus fez este balanço de 2009 e deixa os seus desejos para 2010, no Seixal alguns acentam como uma luva...

http://naturlink.sapo.pt/article.aspx?menuid=20&cid=13429&bl=1&viewall=true#Go_1

J.S. Teixeira disse...

Sim verdinho...é isso mesmo.

Carmo Torres disse...

Desculpe meter uma colherada neste blogue, mas gostaria de saber a opinião de alguns dos comentadores sobre o seguinte assunto divulgado neste link:http://www.dnoticias.pt/Default.aspx?file_id=dn04011301271209&id_user=
É apenas uma noticiazinha sobre o Governo da Madeira...

Anónimo disse...

Essa pseudo governante deveria também promover a defesa da biodiversidade a espécie humana,pois as politicas do seu governo cada vez mais se pautam pela destruição da identidade étnica e cultural dos portugueses ,fruto da invasão imigrante e do êxodo forçado dos portugueses
Cá como no resto da Europa existe o propósito declarado da destruição da varias etnias,visando transformar toda a massa trabalhadora numa massa uniforme e sem identidade.
Esta diversidade,sim deveria ser primordial defender,sem Europeus a Europa não será mais Europeia.